Cinco títulos em 315 dias! Hulk e Nacho decidem, Atlético vence o Cruzeiro e conquista o Mineiro pela 47ª vez

Nacho e Hulk decidiram e o Atlético foi campeão do Mineiro! Foto: Pedro Souza / Atlético

Um projeto foi construído para erguer taças. E o Clube Atlético Mineiro está conseguindo alcançar todos os seus objetivos. Após vencer o Campeonato Mineiro em 22 de maio de 2021, o time repetiu a dose em 2022, precisamente neste sábado, 02 de abril, e chegou à incrível marca de cinco taças em 315 dias. Um elenco vencedor. É, o Galo ganhou mais uma vez.

A final em jogo único teve um grande campeão. O Atlético dominou a fase inicial, passou por cima do Caldense na semifinal e conseguiu uma vitória tranquila contra o seu maior rival na decisão. O Cruzeiro até competiu, mas não segurou a força atleticana. A força física de Hulk e a força mental de Nacho Fernández.

As duas grandes estrelas atleticanas chamaram a responsabilidade na decisão e marcaram os gols que coroaram uma bela vitória. A força e o cérebro decidiram. Hulk abriu o placar ainda no primeiro tempo, Nacho Fernández ampliou e Hulk, novamente, marcou para decretar a vitória alvinegra. Edu, melhor jogador cruzeirense no Campeonato Mineiro, foi premiado com um gol no fim da partida, mas não conseguiu evitar uma triste derrota para os cruzeirenses.

No Mineirão dividido por atleticanos e cruzeirenses e sem relatos de brigas, felizmente, os torcedores viram um brilhante 3 a 1 para o Atlético. O time alvinegro segue vencendo. O Galo ganhou e ergueu mais uma taça.

Tricampeão!

O Clube Atlético Mineiro foi campeão do Mineiro, Brasileirão e Copa do Brasil em 2021. Já neste ano, a equipe já conquistou a Supercopa do Brasil e o estadual, novamente. São cinco títulos em 315 dias, algo inimaginável para uma equipe que, pouco mais de dois anos atrás, estava sendo eliminada pelo modesto Afogados em uma competição nacional.

Além disso, o Galo alcançou um fato marcante ao derrotar o seu maior rival nesta final. O time se tornou tricampeão consecutivo do torneio (2020, 2021 e 2022), feito que não havia sido alcançado por nenhum clube mineiro no século XXI. Entre 1996 e 1998, o Cruzeiro havia conquistado o último tricampeonato do estadual.

Para seguir dando números desta conquista atleticana, o Galo chegou ao 47ª título, se isolando ainda mais como o maior vencedor do Campeonato Mineiro. Já o Cruzeiro ficou com o segundo lugar do estadual pela 26ª vez.

O Atlético liderou o estadual desde o início, mesmo colocando os reservas em alguns jogos no interior. A equipe teve um desempenho defensivo quase perfeito – deve melhorar as jogadas aéreas, apenas – e teve Hulk como seu grande definidor.

O artilheiro do Galo terminou mais um campeonato como o goleador máximo. Foram dez gols em oito partidas, tendo assim uma incrível média de 1,25 gols por partida no estadual. Hulk esmagou o estadual!

A etapa inicial da decisão

O primeiro tempo foi bem equilibrado. Cada equipe finalizou oito vezes, porém, enquanto o Atlético acertou mais o alvo – quatro vezes contra três -, o Cruzeiro teve mais a posse de bola – 54%. Só que o controle da bola não levou a Raposa ao grande objetivo e quem abriu o placar foi o Galo.

Hulk é o protagonista da equipe alvinegra. Isso é indiscutível. E ele mostrou que estava preparado para ser decisivo desde o início. Logo no início, Rafael Cabral errou a reposição, Nacho dominou e tocou para Hulk. O camisa 7 driblou Rômulo e bateu forte, mas o goleiro cruzeirense se recuperou após o erro.

No entanto, para a tristeza dos cruzeirenses, o time seguiu cometendo erros na saída de bola. No minuto 10, Lucas Oliveira errou a saída de jogo e Allan interceptou, dando a bola para Nacho. O argentino abriu para Hulk e o artilheiro cruzou para Zaracho cabecear, mas a bola foi para fora. Aos 29, o camisa 7 apareceu novamente: após boa jogada de Keno, Hulk chutou, mesmo sem ângulo, e obrigou Rafael Cabral a fazer uma grande defesa.

Mais um gol do artilheiro

Com duas boas chances de gol e uma tentativa de assistência, Hulk estava buscando o jogo e conseguiu balançar as redes aos 30. Depois de passe de Nacho Fernández, o artilheiro dominou no meio, girou com tranquilidade para cima de Brock e acertou um chute preciso. A bola foi rasteira, no canto esquerdo de Rafael Cabral, e o goleiro sequer pulou: ficou apenas olhando mais um gol do artilheiro, com direito a coração para a torcida.

Enquanto isso, o Cruzeiro até fez um bom primeiro tempo, onde teve boas chances, mas não conseguiu marcar o seu gol. Edu, em uma cabeçada muito perigosa e um chute ao entrar na área, chegou bem próximo. Já Pedro Castro arriscou de fora e Everson, goleiro que não estava passando confiança, rebateu de forma equivocada, quase arrumando mais problemas para a defesa atleticana.

Outra boa chance cruzeirense aconteceu aos 43, quando Canesin cruzou rasteiro, Pedro Castro deu uma letra e o arqueiro do Galo fez a defesa. Fim de um primeiro tempo equilibrado e vantajoso para quem conta com Hulk.

A etapa final

A segunda etapa também foi bem animada e a precisão ficou, novamente, no lado do Atlético. E, desta vez, o protagonista parecia ser o cérebro atleticano, só que, mesmo após o brilho de Nacho, Hulk e a sua força apareceram e coroaram a vitória atleticana. O cérebro e a força resolveram para o Atlético!

O cérebro

O Atlético viu o Cruzeiro começar melhor e dominar as chances ofensivas nos minutos iniciais. Até por isso, aos 10, Ademir entrou na vaga de Keno para dar “sangue novo” à equipe e a mudança deu certo, visto que Nacho Fernández passou a ocupar a ponta-esquerda e, por ali, decidiu a partida.

Hulk até teve uma grande chance de marcar o seu gol aos 14, quando Zaracho o encontrou em boas condições, mas o camisa 7 tentou dar uma caneta em Rômulo, o último marcador, e acabou perdendo a bola. Contudo, cinco minutos depois, Hulk devolveu o presente da primeira etapa para Nacho Fernández. O artilheiro recebeu no meio e tocou para o argentino na esquerda. Nacho dominou, deu um lindo drible em Rômulo e bateu forte com a perna direita. A bola foi indefensável e balançou as redes de Rafael Cabral.

A força

O placar de 2 a 0 deixou o Cruzeiro ainda mais nervoso. A equipe estava fazendo uma boa segunda etapa, onde Edu cabeceou com perigo no início e Waguininho arriscou de fora da área aos 17, porém a Raposa acabou dando mais espaços para o Atlético. E uma falha individual colocou tudo a perder.

Aos 34, Lucas Oliveira falhou bisonhamente no círculo central e Hulk acelerou pelo meio, com campo aberto, já que o zagueiro era o último marcador. Entrando na área, Hulk tocou para o lado e foi derrubado por Rafael Cabral, goleiro que sequer encostou na bola. Com isso, pênalti corretamente marcado para o Atlético e bem convertido pelo artilheiro: gol de Hulk, coração para a torcida e 3 a 0 no placar.

A partir deste momento, o Atlético relaxou e o título já estava decidido. Até por isso, o Cruzeiro, com muita raça, conseguiu um gol de honra. Aos 44, a bola foi levantada na área por meio de um escanteio e Edu subiu sozinho para marcar o seu décimo gol em 12 jogos em 2022. Um gol merecido pela bravura de um centroavante que aproveitou o Mineiro para ganhar confiança, mas que saiu derrotado por um fortíssimo Atlético.

Fim de estadual

O Galo ganhou. E mereceu ganhar. Jogou melhor a final e conseguiu três gols que colocaram um competitivo Cruzeiro “nas cordas”. No fim das contas, o Atlético fez a sua obrigação com louvor e de uma forma que ganhará confiança, pois jogou bem e desempenhou o que se espera de um elenco tão forte. O Clube Atlético Mineiro é o atual tricampeão de Minas Gerais e pode sonhar com feitos ainda maiores em 2022.

Já o Cruzeiro cumpriu a sua obrigação: retornou à final, descobriu jogadores talentosos e chegará à Série B, aparentemente, mais forte. A segunda colocação é frustrante, ainda mais vendo o seu rival jogar mais e merecer o título, mas o desnível entre os elencos é evidente.

Na próxima semana se inicia a fase de grupos da Libertadores e o Brasileirão A e B. Boa sorte aos clubes mineiros!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments