A possível saída de Maicon liga um sinal de alerta: o Cruzeiro deve reforçar a defesa

Maicon fez a sua última partida pelo Cruzeiro contra o Democrata? Foto: Staff Images

Por Pedro Bueno

Antes de iniciar a temporada, ainda sob comando do presidente Sérgio Santos Rodrigues, o Cruzeiro fechou com um jogador que já foi um dos melhores do futebol brasileiro e sempre era especulado nos times da Série A. O zagueiro Maicon retornou ao Brasil e escolheu o Cruzeiro, onde se profissionalizou, para voltar a atuar na sua terra natal.

A contratação foi muito comemorada pela torcida azul celeste, visto que o setor defensivo apresentou muitos problemas em 2021 e a ausência de Manoel segue sendo sentida mesmo um ano após a sua saída. Com Maicon, o Cruzeiro já contaria com um grande defensor e seria mais fácil organizar uma dupla de zaga que representaria o clube na Série B. Certamente, o talento de Maicon sobressairia na segunda divisão. No entanto, é possível que Maicon sequer jogue uma partida na divisão de acesso.

Maicon chegou ao Cruzeiro no início de 2022, fez belos discursos, os quais citava que estava ali devido ao propósito do time, e fez quatro partidas no Campeonato Mineiro. Depois disso, o Santos procurou o zagueiro, fez uma proposta e o jogador sequer foi relacionado para as partidas seguintes, estando fora desde 09 de fevereiro, quando enfrentou o Democrata.

Já foram quatro jogos sem contar com Maicon e um sinal de alerta está ligado: o Cruzeiro deve reforçar a defesa. Mesmo com a permanência do zagueiro, seria interessante, mas a possível saída do “God of Zaga” faz com que isso se torne ainda mais urgente.

A possível saída

O Cruzeiro enfrentou o Democrata com Maicon na zaga. Depois disso, quatro jogos e quatro partidas sem contar com o defensor – vale destacar que ele ficou no banco de reservas contra o Uberlândia, mas não entrou em campo. Segundo o próprio técnico Paulo Pezzolano, as ordens para não colocar o zagueiro em campo são da diretoria do clube. Por isso, o jogador só voltará a jogar quando definir se fica ou sai.

Estas conversas se iniciaram a partir do pedido de Fábio Carille no Santos. O técnico indicou Maicon e a diretoria do Peixe procurou o atleta, mas o curioso é que Carille foi demitido recentemente e, mesmo assim, o interesse santista permanece. A grande questão é se Fabián Bustos, provável novo técnico do Santos, irá dar o aval para contratar Maicon. Segundo o GE, a oferta já foi feita e Maicon aguarda apenas a resposta positiva do novo comandante do Peixe que deve chegar nos próximos dias.

O propósito

Mas por que Maicon, jogador que chegou falando que “não é a proposta, mas sim o propósito”, está próximo de deixar o Cruzeiro? Vários argumentos podem ser explicados pelo próprio atleta, caso ele for para o Santos, mas duas razões justificam: a parte esportiva e o âmbito financeiro.

Obviamente, estar no Santos, no atual momento, coloca o zagueiro em evidência. O time da VIla jogará a Série A, conta – sempre – com atletas promissores e Maicon atuará em um nível superior em relação à segunda divisão. Isso é indiscutível.

Já a outra questão é que a oferta do Santos é bem melhor financeiramente, segundo o GE, e o seu vínculo com o Cruzeiro foi assinado ainda com a gestão anterior. Com Ronaldo no comando, todos os contratados passaram por uma readequação salarial, mas Maicon ainda não fez um acordo com a Raposa. Fora dos moldes da atual diretoria, a tendência é que Maicon realmente deixe Minas Gerais.

O sinal de alerta

O Cruzeiro segue fazendo uma ótima temporada em 2022: são sete vitórias, um empate e uma derrota em nove jogos. No entanto, as últimas três atuações do setor defensivo não passaram confiança ao torcedor, mesmo enfrentando times bem modestos – Uberlândia, Villa Nova e Sergipe.

Obviamente, Paulo Pezzolano tem uma certa responsabilidade, visto que a sua ideia ofensiva acaba deixando estes jogadores em situações perigosas, porém é uma questão muito mais técnica do que tática. Alguns zagueiros do elenco cruzeirense não aparentam ter a qualidade necessária para jogar a aguerrida Série B, o grande objetivo da Raposa no ano.

Ao analisar o elenco cruzeirense, o setor de zagueiros é um dos que menos tem jogadores de confiança. Sem contar com Maicon, a equipe profissional conta com seis defensores, onde Eduardo Brock é o mais confiável, só que o atleta tem contrato apenas até o fim do Campeonato Mineiro. Mesmo contestado pela torcida em muitos momentos, Brock faz uma temporada razoável e seria até utilizável caso tenha um bom companheiro.

Já Matheus Silva e Lucas Oliveira ainda não mostraram o porquê das suas contratações. Com quatro partidas cada, os jogadores não passaram a segurança necessária e erraram vários gestos técnicos. A outra contratação para o setor foi Sidnei, atleta que fez duas partidas, se mostrou fora de forma e se lesionou, estando fora desde o início do mês.

Aparentemente não é a ideia de Pezzolano, mas a solução pode ser dar mais oportunidade para os garotos. Paulo e Weverton jogaram a Copa São Paulo de Futebol Júnior e foram bem. Logo, poderiam ser mais utilizados, já que os outros atletas não são tão confiáveis.

É urgente!

Não é certo que Maicon irá deixar a Toca da Raposa, assim como não é uma certeza que estes zagueiros citados anteriormente irão se recuperar. No entanto, no atual momento, o setor defensivo não passa confiança e a dupla de zaga passa longe de estar formada. Até por isso, a diretoria cruzeirense, liderada pelo “ex-terror” dos zagueiros, Ronaldo, precisa agir no mercado.

O Cruzeiro volta a campo apenas no domingo da semana que vem, 06 de março, contra o Atlético e o clássico é sempre considerado um jogo à parte na temporada. Certamente, Paulo Pezzolano, Ronaldo e a torcida azul celeste querem contar com uma ótima escalação para enfrentar o seu maior rival. É evidente que não será um jogo tranquilo, até porque o adversário vive um dos seus melhores momentos da sua história, e a Raposa deve entrar com força máxima.

Por causa disso, a força máxima do Cruzeiro deve contar com zagueiros que sejam, no mínimo, confiáveis. Além do clássico, a fase final do Mineiro se inicia no mês de março, a Copa do Brasil terá a importante segunda fase no mês seguinte e a Série B começa daqui 40 dias, ou seja, é claro que a Raposa deveria estar formando um time-base para estas importantes partidas.

O recado que fica é que o Cruzeiro não deve esperar iniciar a Série B para entender que deve buscar zagueiros no mercado. Com Maicon, a equipe precisa de, no mínimo, mais um defensor. No entanto, caso a saída de Maicon for mesmo confirmada, a busca deve ser ainda mais urgente.

Um setor defensivo frouxo pode resultar em mais um início ruim na segunda divisão, o qual acarretaria mais um ano na Série B. O propósito da Raposa deve ser se reforçar. E este propósito deve ser real.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments