Em meio às despedidas, Cruzeiro não se despede do mau futebol e empata por 0 a 0 com o Náutico

Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

A torcida compareceu. A Nação Azul apoiou durante os 90 minutos e o Mineirão estava lotado. Mesmo assim, os cruzeirenses não presenciaram uma boa atuação do seu time. O Cruzeiro dominou a equipe mista do Náutico em toda a partida, finalizou 31 vezes e esteve perto de marcar o gol, porém a falta de capricho e qualidade acarretaram mais um empate sem gols.

Além do show protagonizado pela torcida azul celeste, a partida desta noite ficará marcada pelas despedidas. Rafael Sobis se aposentou logo após o jogo e encerrou a sua linda carreira nesta noite. Já Ariel Cabral terminou a sua longa passagem ao completar 200 jogos com a camisa cruzeirense. Por fim, o Cruzeiro se despediu da melancólica temporada de 2021 e nenhum torcedor ficará com saudades. Em meio às despedidas, a equipe mineira não conseguiu se despedir do mau futebol.

Nesta noite de quinta-feira, 25 de novembro, o Cruzeiro empatou por 0 a 0 com o Náutico no Mineirão, estádio que contou com um público próximo dos 60 mil, segundo estimativas do próprio clube. A partida desta noite foi válida pela 38ª rodada e finalizou a Série B do Campeonato Brasileiro.

Com mais um empate, é oficial: a Raposa passará toda a Série B na parte de baixo da classificação. A equipe conquistou 48 pontos em 38 jogos, chegou ao 18º empate – quase um turno apenas empatando – e alcançou a 11ª posição no fim desta noite. No entanto, vale destacar que esta partida abriu a última rodada, ou seja, quatro equipes ainda podem ultrapassar o Cruzeiro, fazendo com que a equipe, no pior cenário, termine a Série B no 15º lugar.

O jogo e as atuações individuais

Uma partida para mostrar que, independentemente da situação e das críticas à gestão da equipe, a torcida do Cruzeiro estará presente nas arquibancadas. Ao mesmo tempo que este jogo também foi útil para deixar claro vários defeitos que o time mineiro apresentou durante toda a temporada. A equipe criou diversas oportunidades, porém não conseguiu converter estas boas chances. A falta de capricho no momento da finalização é, simplesmente, assustadora.

Os mandantes, empurrados pela a sua apaixonada torcida, chegaram com perigo e não correram riscos contra o Náutico, porém, mesmo com 31 finalizações, ou seja, uma a cada três minutos, o Cruzeiro não conseguiu levar perigo constante à meta do Timbu. O goleiro Anderson fez uma grande intervenção, ainda no primeiro tempo, em arremate de Giovanni, mas foi só. A atuação cruzeirense foi pobre e, mesmo com tantas despedidas e uma possível mudança de ânimo, a Raposa não conseguiu se despedir do mau futebol.

A atuação ruim não ofusca o show da torcida azul celeste e nem as merecidas despedidas para Rafael Sobis e Ariel Cabral. Por causa da limitação física, os dois jogadores entraram apenas no segundo tempo, porém buscaram jogo, chegaram perto de marcar um gol com participação de ambos e se destacaram, mesmo deixando a Raposa. Um outro destaque da equipe foi fora de campo, já que Maicon, zagueiro cria da base do Cruzeiro e que se destacou no São Paulo, foi anunciado no intervalo e é o primeiro reforço para 2022. A próxima temporada se aproxima e o Cruzeiro precisa, urgentemente, de mudanças.

Cruzeiro x Náutico

Mesmo sendo a noite das despedidas de Ariel Cabral e Rafael Sobis, ambos começaram o jogo no banco de reservas. Para substituir o suspenso Thiago, Marcelo Moreno ganhou a chance como centroavante, sendo a única mudança “inesperada” feita por Vanderlei Luxemburgo. Sendo assim, o Cruzeiro entrou em campo com Fábio; Rômulo, Eduardo Brock, Léo Santos e Jean Victor; Lucas Ventura, Giovanni Piccolomo e Adriano; Wellington Nem, Marcelo Moreno e Claudinho.

O primeiro tempo

A etapa inicial teve domínio cruzeirense e a equipe mandante finalizou 15 vezes nos 45 minutos iniciais, ou seja, um chute a cada três minutos. Porém, as tramas não foram boas e a pontaria do time de Minas Gerais não estava boa.

As tentativas cruzeirenses

Aos 6, Giovanni fez o lançamento, Wellington Nem escorou de cabeça e Marcelo Moreno chutou, mas acabou escorregando no momento da tentativa e errou a direção. Três minutos depois foi a vez de Giovanni arriscar de perna esquerda e também não acertar o alvo. A primeira finalização no alvo aconteceu aos 13, quando Adriano ajeitou, Claudinho chapou de fora da área e Anderson encaixou no meio do gol.

Em meio às chegadas sem tanta produtividade, o Cruzeiro seguiu finalizando, mas sem levar perigo. Aos 18 e no minuto 21, Lucas Ventura finalizou e não acertou a direção em ambas as tentativas. Já aos 28, Rômulo arriscou de fora da área e, em dois tempos, o goleiro do Timbu fez a defesa. O mesmo aconteceu dois minutos depois, quando Claudinho girou dentro da área, bateu e Anderson fez a defesa.

O goleiro do Náutico ainda foi protagonista do melhor lance do primeiro tempo. No minuto 33, Giovanni finalizou de fora da área, buscou o ângulo direito do arqueiro e Anderson fez uma linda defesa. Em um rebote no minuto seguinte, Eduardo Brock arriscou de fora da área e o goleiro do Timbu pegou. Nos minutos 37, 38 e 40, Giovanni, Claudinho e Rômulo chutaram, mas também erraram o alvo.

Os raros lances do Timbu

Já o time pernambucano chegou poucas vezes. Aos 24, Alvaro ajeitou e Matheus Trindade chutou no meio do gol, facilitando a defesa de Fábio. No minuto 41, Alvaro girou e bateu cruzado, porém a bola foi para fora. Quatro minutos depois, em balão despretensioso da defesa, o Náutico levou perigo em chute de Thássio, mas Fábio sequer pulou na bola. Enfim, um primeiro tempo animado, todavia sem gols.

O segundo tempo

Os 45 minutos finais tiveram a mesma pegada: várias tentativas cruzeirenses, mas o time mineiro não demonstrou qualidade suficiente para balançar as redes do Náutico.

Um início semelhante e as mudanças

Aos 5, Claudinho tocou para Jean Victor cruzar e Wellington Nem cabeceou sem força, facilitando a defesa de Anderson. No minuto 10, Marcelo Moreno recebeu passe de Nem, girou e bateu para fora. No lance seguinte, o goleiro do Náutico tentou dar um balão, Moreno pressionou e a bola quase foi na direção do gol. Ainda nesta sequência de boas tentativas, aos 13, Claudinho chutou colocado e Rafael Ribeiro tirou com a cabeça no meio da área.

Por causa das despedidas e devido ao mau desempenho, Vanderlei Luxemburgo promoveu as cinco substituições, sendo quatro mudanças logo no minuto 22. Neste determinado momento, Claudinho, Giovanni, Jean Victor e Wellington Nem saíram para as entradas de Dudu, Rafael Sobis, Felipe Augusto e Vitor Roque, respectivamente. Aos 31, Ariel Cabral entrou com a camisa de número 200 na vaga de Marcelo Moreno.

Após as modificações, o Cruzeiro teve algumas chances, porém Anderson não foi o protagonista. Aos 23, Dudu fez boa jogada individual e chutou, mas a bola bateu na zaga. O mesmo camisa 31 protagonizou boa trama pela esquerda no minuto 32: Dudu cruzou e Vitor Roque tentou uma letra, contudo acabou furando e perdeu a chance. Já nos minutos finais, em cruzamento de Felipe Augusto, o mesmo Vitor Roque perdeu um gol dentro da pequena área de forma inacreditável: ele chutou sem marcação, sem goleiro e sem a direção do gol.

Quase participação dos protagonistas

A noite desta quinta foi uma despedida para dois personagens: Ariel Cabral e Rafael Sobis. E os dois protagonistas quase participaram de gols no fim do segundo tempo, porém a falta de qualidade, sorte e competência atrapalhou o time mineiro. Enquanto isso, o Náutico deixava claro que não queria aparecer na noite de despedidas: praticamente não chegou com perigo na etapa final.

Já os veteranos, que estão deixando o Cruzeiro, chegaram com perigo a partir do minuto 36. Neste lance, Rafael Sobis dominou no meio e bateu forte, mas Dudu, seu companheiro de ataque, entrou na frente e bloqueou o chute. Quatro minutos depois, Sobis cobrou falta, Ariel Cabral cabeceou e a bola foi na trave, na grande chance cruzeirense na partida. O mesmo Ariel, no minuto seguinte, recebeu passe de Vitor Roque e chutou de perna esquerda, porém a tentativa não foi correta. Ainda nos minutos finais, precisamente aos 46, Sobis cruzou e Dudu cabeceou para fora.

Ninguém conseguiu balançar as redes em um jogo especial, mas este empate sem gols evidencia o que foi feito pela Raposa durante todo o Brasileirão: empatou. A equipe entrará de férias nesta noite e só retornará aos gramados no fim de janeiro. A apaixonada torcida azul celeste espera que 2022 seja diferente dos últimos anos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments