O clássico tem dono: o Galo! Arana e Vargas se destacam e Atlético vence o América por 1 a 0

O homem do gol: Guilherme Arana. Foto: Pedro Souza / Atlético

Pela 18ª vez consecutiva, o Atlético saiu de uma partida frente ao América sem perder. Pela 12ª oportunidade seguida, o Galo entrou em campo no Mineirão, pelo Brasileirão, e saiu com a vitória. Os números alvinegros no retrospecto e como mandante no Campeonato Brasileiro chamam a atenção e, além de colocar o time alvinegro mais próximo do título, a vitória deste domingo confirma: o clássico mineiro tem dono.

A partida foi equilibrada, porém a qualidade atleticana sobressaiu. Eduardo Vargas fez uma das suas melhores partidas pelo Galo, enquanto Guilherme Arana foi decisivo, mais uma vez. Do outro lado, o América batalhou bastante e impôs uma grande dificuldade frente ao rival, mas está claramente alguns degraus abaixo. No entanto, analisando a partida, ambos os clubes estão próximos dos seus objetivos: o título do Brasileirão se aproxima dos alvinegros, enquanto a classificação para alguma competição continental está próxima dos americanos.

Neste domingo, 07 de novembro, o Atlético venceu o América por 1 a 0 graças ao gol de Guilherme Arana. O jogo foi válido pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro e contou com a presença de mais de 60 mil pessoas no Mineirão, estabelecendo o recorde atleticano no Gigante da Pampulha depois da reforma.

Com o resultado, o Galo chegou aos 65 pontos em 30 jogos, ostentando um aproveitamento incrível de 72,2%. Além de garantir a 12ª vitória seguida como mandante, o 20º triunfo atleticano em 30 partidas significa que o time mineiro venceu duas partidas a cada três jogos disputados. Na caça ao Galo, o Palmeiras venceu na rodada e segue 10 tentos atrás, com a mesma quantidade de partidas. Já o Flamengo está 12 pontos atrás, mas tem dois jogos a menos. Por outro lado, o América está em 11º, com 38 tentos, e pode perder mais três posições na rodada.

O jogo e as atuações individuais

Uma partida equilibrada, mas quem arriscou mais vezes, mostrou mais qualidade e tem talento de sobra, venceu. O Atlético fez por merecer e não saiu por acaso do Mineirão com mais uma vitória. O grande trunfo alvinegro no clássico foi a concentração e a tranquilidade para buscar a vantagem e a administrar na etapa final. Em alguns momentos, a equipe de Cuca se mostrou um pouco desorganizada, porém a criatividade de Zaracho e a sua intensidade compensaram a falta do suspenso Nacho Fernández.

Já o América tentou marcar forte e criar algumas boas oportunidades, tanto que dificultou mais um clássico frente ao Atlético. Porém, novamente, o time americano não conseguiu balançar as redes do Galo: foram cinco confrontos nesta temporada, sendo dois empates por 0 a 0, duas vitórias atleticanas por 1 a 0 e um triunfo alvinegro por 3 a 1, ou seja, o América só fez gol na pior derrota sofrida em 2021. Para o próximo ano, o Coelho, certamente, tentará encontrar uma fórmula para, além de impor dificuldades, conseguir furar o bloqueio adversário.

Em meio à partida, um jogador chamou a atenção. Ele perdeu boas oportunidades, voltou para marcar como raramente faz, se movimentou muito e iniciou a jogada do gol. Eduardo Vargas foi o nome do clássico. O chileno entendeu a importância desta partida e foi decisivo. A sua intensidade foi notável durante todos os 90 minutos. Já na defesa, o Atlético contou com uma partida incrível de Mariano e Junior Alonso, atletas que desarmaram dez vezes, metade dos 20 desarmes feitos pelo Galo no jogo. Além destes atletas, Allan também fez um grande jogo à frente da zaga.

Atlético x América

Sem contar com o lesionado Keno e com o suspenso Nacho Fernández, Cuca optou por retornar ao esquema com três atacantes e ainda sacou Diego Costa. Além das entradas de Savarino e Vargas no ataque, Nathan Silva retomou o seu lugar na zaga e Guga iniciou no banco de reservas para Mariano entrar como titular. Com isso, o Atlético entrou com Everson; Mariano, Nathan Silva, Alonso e Arana; Allan, Tchê Tchê e Zaracho; Savarino, Hulk e Vargas.

O primeiro tempo

Várias finalizações e nada

A etapa inicial foi bem equilibrada: oito finalizações atleticanas e sete chutes do América. No entanto, nenhum clube conseguiu alterar o marcador na primeira metade do clássico.

O América começou levando perigo com Ademir. Aos 3, o ponta recebeu na direita, ajeitou para o meio e bateu forte. Everson fez a defesa. O mesmo aconteceu no minuto 12, quando Ademir chutou de longe, mas, desta vez, o camisa 10 errou o alvo. Oito minutos depois, Zárate recebeu de fora da área e finalizou. Everson fez a defesa. No lance seguinte, Ademir tentou novamente da intermediária e errou a direção da meta atleticana mais uma vez.

Já o Galo foi chegando aos poucos. No minuto 10, Mariano cruzou para a área e Ricardo Silva cabeceou contra o seu próprio gol, assustando Matheus Cavichioli. A bola foi para escanteio. Na cobrança atleticana, o goleiro americano saiu mal e a bola sobrou para Hulk. O artilheiro deu uma bicicleta, todavia pegou mascado e Cavichioli fez a defesa. Quatro minutos depois, Zaracho roubou a bola no meio, tocou para Vargas e o chileno tabelou com Hulk. O chileno recebeu uma boa assistência por cima e bateu de primeira, porém a bola subiu demais.

O líder do Campeonato Brasileiro seguiu em cima. Aos 23, Hulk foi lançado, esperou os seus companheiros chegarem e ajeitou para Tchê Tchê bater de fora da área. A tentativa do camisa 37 foi perigosa, visto que Matheus Cavichioli voou no canto esquerdo para fazer a defesa. Na sequência da jogada, Vargas cruzou e Nathan Silva cabeceou para fora. Já no minuto 26, Hulk fez o pivô e arrumou para Tchê Tchê finalizar com a perna esquerda. O chute foi bom e o goleiro do Coelho fez a defesa.

As melhores chances da etapa inicial

O América teve uma grande oportunidade aos 37, mas sequer finalizou. Em contra-ataque, o zagueiro Ricardo Silva arrancou pelo meio e encontrou Ademir na ponta direita.O camisa 10 do Coelho tocou para o meio, encontrando Patric livre no meio da área. Porém, o lateral, ex-Atlético, furou e perdeu uma grande chance de levar perigo à meta atleticana.

Já o Atlético teve a melhor oportunidade da primeira etapa no minuto 44. Pelo meio, Mariano desarmou, Vargas acelerou e fez uma grande jogada com Hulk. O chileno tocou para o artilheiro do Galo e se deslocou para receber na área. Hulk devolveu com precisão e Vargas bateu forte, contudo a bola ainda bateu na parte de fora da trave americana e foi para fora, encerrando assim um primeiro tempo movimentado.

O segundo tempo

Deu Galo!

Diferentemente da primeira etapa, os 45 minutos finais contaram com um incrível domínio do time alvinegro. O Galo chegou com perigo desde o minuto 2, quando Mariano cruzou e Zaracho se jogou na bola, porém só encostou a bola saiu pela linha de fundo.

No entanto, antes do Atlético iniciar realmente o seu domínio no segundo tempo, o América teve uma grande chance. Aos 4, Marlon fez bom cruzamento pela esquerda e Patric tentou cabecear, mas a bola foi bloqueada. No rebote, Zárate tentou finalizar de primeira e Nathan Silva estava na frente, evitando que a bola chegasse à meta de Everson. No contra-ataque, Zaracho acelerou pelo meio, driblou dois marcadores e tocou para Savarino. Bem marcado, o venezuelano teve dificuldades para passar da marcação, porém conseguiu finalizar e a bola subiu mais que o desejado.

A imposição atleticana que resultou no gol teve início no minuto 6 e a entrada de Diego Costa na vaga de Savarino, aos 12, foi muito importante. Na primeira chance deste bom momento atleticano, Junior Alonso avançou e bateu de fora da área, obrigando Matheus Cavichioli a fazer grande defesa. No minuto seguinte, Zaracho inverteu para Hulk e o atacante tocou para Vargas. O chileno recebeu na área, pela direita, chutou cruzado e a bola tirou tira tinta da trave do América.

O jogo estava passando pelos pés de Eduardo Vargas e ele conseguiu arquitetar a jogada do gol atleticano. Aos 16, o camisa 10 levou da esquerda para o meio, passou pela marcação e fez um lindo passe encontrando Mariano nas costas da marcação. O lateral recebeu no fundo e cruzou rasteiro, para trás. A bola chegou em Diego Costa: o atacante fez o pivô, tentou ajeitar para Hulk, atleta que não conseguiu dominar, e a bola sobrou para Guilherme Arana. Em um chute forte, no canto direito de Cavichioli, Arana arrancou o grito de gol da massa atleticana. Uma grande jogada que acabou em uma ótima finalização: 1 a 0 para o Atlético no Mineirão.

O restante da partida

Antes de ficar em desvantagem, precisamente aos 14, o América até tentou chegar em uma finalização de Felipe Azevedo, onde Everson encaixou sem maiores problemas. A grande questão foi que o Atlético não deu espaços e o Coelho, praticamente, não levou perigo à meta adversária durante a segunda etapa. No minuto 26, Juninho bateu de longe e errou a direção do gol. O mesmo aconteceu com Lucas Kal, só que já aos 49, ou seja, o América não conseguiu ser agressivo.

Com a vantagem, o Atlético mostrou toda a sua concentração e administrou o jogo. Cuca fez outras três modificações: aos 39, Mariano saiu e Guga entrou; seis minutos depois, Dodô e Réver substituíram Arana e Zaracho.

No ataque, o Atlético chegou quatro vezes, mas teve apenas uma grande chance. Aos 20, Hulk finalizou de longe e Cavichioli fez a defesa em dois tempos. No minuto 33, Allan roubou a bola no meio, Hulk acelerou e fez um lindo passe para Eduardo Vargas. Novamente, o chileno chutou cruzado e o goleiro do Coelho fez uma grande intervenção, evitando o gol do camisa 10 do Galo.

Três minutos depois, Hulk cobrou falta na barreira, sem assustar o torcedor americano. Já no último lance da partida, Hulk tocou para Tchê Tchê e o volante balançou as redes, porém a bola foi na parte de fora. Com organização e tranquilidade, o Atlético venceu por 1 a 0.

O Galo volta a campo na próxima quarta-feira, 10, às 19:00, contra o Corinthians, no Mineirão.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments