Sobrou qualidade! Com vários golaços, Atlético atropela o Fortaleza, vence por 4 a 0 e se aproxima da final da Copa do Brasil

A comemoração do lindo gol de Guilherme Arana. Foto: Pedro Souza / Atlético

Os jogadores deram show. A torcida deu show. Os torcedores “deveriam” pagar o ingresso novamente por causa dos gols feitos durante a partida. Enfim, um atropelo atleticano. Um jogo atípico, visto que confrontos frente ao Fortaleza e semifinais na Copa do Brasil nunca são fáceis. Mas foi. O Atlético atropelou o rival cearense, venceu por 4 a 0 e se aproximou da final.

Obviamente, o Leão do Pici deixou a desejar e não entregou sequer 1% da qualidade que o time já demonstrou na temporada, inclusive no próprio Mineirão contra o Atlético. Porém, o Galo foi inteligente e mostrou toda a qualidade dos seus jogadores. É possível dizer que foi uma das melhores atuações do time alvinegro nos últimos, já que o jogo uniu boa atuação coletiva, individual, um belo resultado e gols inesquecíveis, além do grito ensandecido da massa atleticana. Um jogo marcante!

Nesta noite de quarta-feira, 20 de outubro de 2021, o Atlético venceu o Fortaleza por 4 a 0 no Mineirão, em jogo válido pela primeira partida da semifinal da Copa do Brasil de 2021. Os gols foram marcados por Arana, Hulk, Réver e Zaracho.

Como a competição não conta com gol fora de casa como critério de desempate, o Leão do Pici precisa vencer o Galo por qualquer resultado acima de quatro gols de diferença para se classificar, ou seja, a equipe nordestina tem que golear o Atlético na próxima quarta-feira, 27, no Castelão, no jogo da volta da Copa do Brasil, para ser finalista. Na outra semifinal, Athletico-PR e Flamengo empataram por 2 a 2.

O jogo e as atuações individuais

Uma atuação que dispensa comentários. Na verdade, um desempenho que chama a atenção e todos irão comentar. O Atlético deu aula, aproveitou todas as brechas do bem treinado, contudo mal organizado nesta partida, time de Juan Pablo Vojvoda e conseguiu vencer com autoridade. Dominou. Atropelou. Bicou. O Galo está próximo da sua terceira final de Copa do Brasil após golear no jogo de ida.

Dentro de campo, o jogo atleticano foi praticamente irretocável. É destacável que o time começou com alguns erros defensivos e deu espaço para o forte ataque do Fortaleza nos minutos iniciais, mas o ataque encontrou brechas e o time não correu riscos. Um jogo que servirá de motivação para o restante da temporada, visto que este nível de atuação está acima de qualquer clube no Brasil. O Atlético atingiu o ápice nesta noite e deve tentar permanecer nesta pegada. E além da bela atuação coletiva, a partida foi bonita por causa dos golaços marcados.

Certamente, três dos quatro gols desta partida estarão em uma hipotética lista dos gols mais bonitos do século XXI atleticano. Arana, em um chute incompreensível e apenas admirável, abriu o placar. Hulk, após lindo drible de Keno e assistência perfeita de Zaracho, fez o terceiro gol. Já Zaracho quis participar novamente e encobriu o goleiro de fora da área, mesmo com a defesa postada, já que aproveitou um rebote de falta e bateu de primeira. Em meio às quatro pinturas, o capitão Réver marcou um gol especial: o seu 30º tento no 300º jogo pelo Atlético. Lances inesquecíveis que colocaram o Atlético próximo da final da Copa do Brasil de 2021.

Atlético x Fortaleza

Logo na entrevista pré-jogo, Cuca já confirmou a informação que os atleticanos gostariam de saber: Savarino e Vargas retornaram ao banco de reservas, mas Diego Costa ainda não foi relacionado. Outra informação importante já divulgada na escalação foi que Réver foi o escolhido em vez de Igor Rabello para a vaga de Nathan Silva, zagueiro que não pode jogar a Copa do Brasil. Por isso, o Atlético entrou em campo com Everson; Guga, Réver, Alonso e Arana; Allan, Jair, Zaracho e Nacho Fernández; Keno e Hulk.

O primeiro tempo

O início animado

Os 20 minutos iniciais foram animadíssimos, já que ambos os clubes atacaram bastante, tentaram e deixaram espaços, mas, enquanto o Atlético acertou o alvo, o Fortaleza não conseguiu encontrar grandes chances.

Logo com 30 segundos, Matheus Vargas recebeu no meio e bateu. Everson fez a defesa no meio do gol. No lance seguinte, o goleiro saiu mal, o mesmo Vargas tocou e Felipe chutou de fora da área, mas errou. O camisa 96, Matheus Vargas, estava bem participativo e, aos 10, ele recebeu de Ederson, tocou para Romarinho e o atacante finalizou devagar. Com facilidade, Everson encaixou. A última chegada perigosa do Fortaleza aconteceu ainda aos 14, quando Réver deu um toque errado para trás e Robson ficou com a bola. O atacante do Leão tocou para Romarinho e ele bateu travado por Guga. O chute tinha a direção do gol, mas bateu em Réver e foi para a linha de fundo.

Já o Atlético chegou aos 6 após uma linda tabela de Guilherme Arana e Keno. O lateral-esquerdo foi ao fundo pela esquerda e cruzou. A bola passou pela área e Guga finalizou para fora. Dois minutos depois, Nacho rolou e Alonso finalizou para longe.

Aos 11, Réver deu um lindo lançamento para Zaracho e o argentino dominou bem, bateu forte no canto esquerdo do goleiro e Felipe Alves fez a defesa. Na cobrança do escanteio seguinte, Nacho bateu na cabeça de Keno e o camisa 11 cabeceou. A bola iria entrar, mas Lucas Crispim tirou a bola em cima da linha. Depois desses bons lances, o Atlético conseguiu ser mais preciso e balançou as redes.

O massacre

O primeiro gol atleticano foi no minuto 18 e ocorreu após um lindo chute. Depois de uma falta em Keno, Hulk cobrou e a bola bateu na barreira. No rebote, Guilherme Arana acertou um chute inacreditável: o camisa 13 bateu de primeira, “na veia”, e colocou a bola no ângulo. Um golaço que ninguém acreditou e até mesmo o árbitro não imaginava que aquele chute resultaria em um gol. O juiz, de forma precoce, assinalou escanteio ao mesmo tempo que o chute de Guilherme Arana balançava as redes. Uma marcação equivocada e curiosa, mas que ressalta o quão inesperado foi o belíssimo gol de Arana que abriu o placar: 1 a 0 no Mineirão.

Aos 26, Keno fez boa jogada pela esquerda e Daniel Guedes tomou a frente, tentando proteger para a bola sair pela linha de fundo. No entanto, Zaracho pressionou e conseguiu o escanteio. Na cobrança, Keno colocou a bola na cabeça de Réver e o capitão raspou com muito sucesso. A bola de Réver ainda bateu na mão de Felipe Alves, goleiro que falhou e “ajudou” o zagueiro atleticano. Além de ser o segundo do Atlético na partida, o gol de Réver foi bastante especial: o 30º tento do zagueiro pelo Galo no seu 300º jogo.

Depois de abrir 2 a 0 no placar, o Atlético deu uma leve desacelerada, mas conseguiu aumentar o placar ainda no primeiro tempo com outro golaço. Aos 41, Hulk tocou para Keno: o camisa 11 deu um lindo drible na vaca em Titi e fez um lançamento por cima para Zaracho. O argentino dominou muito bem e estava com condições para arrematar, mas viu Hulk com liberdade na segunda trave e cruzou com perfeição. O artilheiro atleticano recebeu uma bola “açucarada” e testou com o queixo no peito. O cabeceio de Hulk foi perfeito e completou uma bela jogada que colocou 3 a 0 no placar no fim do primeiro tempo.

O segundo tempo

O massacre atleticano foi no primeiro tempo, mas Zaracho quis deixar a sua marca no início da etapa final. Antes do primeiro minuto, Pikachu cometeu uma falta em Keno e Arana cobrou na área. O goleiro Felipe Alves tirou de soco, mas acabou “dando a assistência” para o camisa 15 do Galo. Zaracho estava dentro da meia-lua, viu que o arqueiro do Leão estava fora do gol e deu uma cavadinha, encobrindo Felipe Alves. Outro golaço e este foi para coroar a grande atuação de Matías Zaracho: 4 a 0 no placar e classificação encaminhada.

O restante do jogo foi meramente protocolar, visto que o Fortaleza teve a posse de bola, mas finalizou apenas duas vezes. Aos 33, Ederson arriscou de longe e a bola foi para fora. Cinco minutos depois, o mesmo volante, cria da base do Cruzeiro, entrou na área e bateu, mas Everson encaixou.

Já o Atlético tirou o pé e administrou a ótima vantagem. Cuca tirou Keno, Hulk e Réver aos 28 e colocou Igor Rabello, Sasha e Vargas. Já no minuto 39, Savarino e Tchê Tchê substituíram Allan e Nacho Fernández.

No campo ofensivo, o Galo arriscou nove vezes, mas não criou grandes chances. Aos 11, Arana bateu de fora e errou o alvo. No lance seguinte, Keno recebeu de Hulk, tirou a marcação e bateu com a chapa do pé direito. Nesta oportunidade, a bola passou realmente perto da trave esquerda de Felipe Alves. No minuto 27, Titi caiu como último homem e deixou a bola para Keno, mas o atacante acertou o goleiro Felipe Alves. Já no fim da partida, Vargas deu uma casquinha no meio, Sasha acelerou e tocou para Savarino. Aos 43, o venezuelano arriscou e a bola bateu na defesa do Fortaleza. Lances protocolares que vieram após uma grande atuação atleticana: 4 a 0 no placar.

O Atlético volta a campo no próximo domingo, 24, às 16 horas, contra o Cuiabá, no Mineirão.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Bosco Disa

GANHOU PORQUE CHUTOU EM GOL, E NAO FICOU TROCANDO PASSINHOS QUE NAO LEVA A NADA.