Cruzeiro | Aproveitamento dos jovens e a permanência de Luxa: além dos salários, a diretoria deve tomar melhores decisões para 2022 ser menos dramático

O preisdente Sérgio Santos Rodrigues está cada dia mais pressionado. Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Por Pedro Bueno

Para a insatisfação dos torcedores da Raposa, a temporada de 2021 está chegando ao fim da mesma forma que 2020 terminou: sem sair da amarga situação. O Cruzeiro Esporte Clube continuará na Série B por mais um ano e está passando por inúmeros problemas internos.

Recentemente, os jogadores se movimentaram, optaram por uma greve e não treinaram porque eles e outros funcionários que ganham bem menos estão sem receber salários há alguns meses. A situação é crítica e irritou os atletas depois que foi repercutido que Sérgio Santos Rodrigues estava na Europa dando curso sobre gestão, enquanto a sua gestão se definhava no Brasil – leia aqui a crítica acerca deste tema.

Com a chegada do presidente e algumas conversas com o grupo de jogadores, os atletas cruzeirenses voltaram aos treinamentos e estão se preparando para enfrentar o Avaí na próxima sexta-feira, 22. No entanto, a insatisfação permanece em meio aos cruzeirenses e a torcida pede algo simples: melhores decisões para 2022 ser menos dramático.

Além de pagar os salários, algo que é básico em qualquer lugar que possua funcionários, o Cruzeiro deve pensar no próximo ano e enxergar as melhores opções. O aproveitamento dos jovens e a permanência de Vanderlei Luxemburgo são pontos cruciais para a equipe já iniciar o planejamento para o próximo ano.

A tabela

Antes de falar das preocupantes questões internas, é necessário atualizar o torcedor sobre a situação do clube na classificação da Série B. A equipe mineira está em uma boa sequência – conquistou oito dos últimos 12 pontos -, mas a realidade indica que o time que mais empatou na competição não conseguirá o acesso.

Atualmente na 12ª posição com 39 pontos, o Cruzeiro pode alcançar até a 10ª posição nesta rodada. O time precisa apenas vencer o quarto colocado Avaí, fora de casa, na próxima sexta e torcer para o Sampaio Corrêa tropeçar contra o líder Coritiba nesta terça-feira, ou seja, o time mineiro entrará em campo sabendo se é possível chegar à sua melhor posição na atual edição da competição: o 10º lugar.

Em contrapartida à possibilidade de ser 10º, a equipe pode terminar a rodada na 13ª posição, visto que já perdeu um lugar para o Vila Nova e pode ser ultrapassado pelo Remo de Felipe Conceição.

Logo, com 39 pontos em 30 jogos, a Raposa até sonha com oito vitórias em oito jogos, mas, olhando a parte prática desta arrancada, incluindo todos os problemas internos, o acesso é praticamente impossível, ou, como definem os matemáticos, as chances são menores que 1%.

Aproveitamento dos jovens

Como dito acima, o Cruzeiro irá permanecer na Série B e disputará a segunda divisão de 2022. Será a terceira temporada seguida e o clube mineiro ainda aparenta não ter aprendido algumas lições. No entanto, um breve ensinamento deste fim de ano deve ser a base do elenco cruzeirense na próxima temporada: a Raposa deve apostar em jovens jogadores.

As últimas partidas, dando um destaque ainda maior para o duelo frente ao Coritiba, tiveram alguns protagonistas cruzeirenses e boa parte deles surgiu na própria Toca da Raposa. Lucas Ventura, Adriano, Thiago e Vitor Leque são jovens promissores que estavam na base, enquanto Bruno José já chegou para o profissional, mas o jovem jogador possui características ideais para a limitação técnica da Série B, visto que o atleta corre muito e é disposto.

Em meio aos destaques citados acima, até a chegada de Luxemburgo, Lucas Ventura e Thiago estavam afastados, Vitor Leque ainda disputava o Brasileirão sub-20 e Adriano era reserva. A grande questão é que o experiente treinador deu confiança aos jogadores e eles mostraram todas as suas qualidades.

Por isso, a grande pergunta dos cruzeirenses para a próxima temporada é: darão ainda mais espaço para os jovens se desenvolverem em 2022? Além dos atletas citados, Marco Antônio e Vitor Roque também receberam chances, por exemplo, e podem ir ganhando “casca”. Eles não são geniais, porém ajudam dentro de campo e no aspecto financeiro, visto que a exposição pode acarretar vendas razoáveis. O Cruzeiro precisa dos jovens e a diretoria deve estar atenta a isso.

A permanência de Luxa

Alguns pontos do último subtítulo, onde é falado sobre o aproveitamento dos jovens, devem ser repetidos, porque assim como os jovens não são geniais, Vanderlei Luxemburgo não é o melhor treinador brasileiro atualmente. Porém, pelo momento cruzeirense e pela inteligência esportiva que o técnico tem, a permanência de Luxemburgo é uma das principais questões deste time para 2022.

O aproveitamento dos jovens se iniciou com ele e é mais provável que ele siga dando oportunidades aos novatos em 2022, caso ele renove o contrato. Com toda a sua experiência e currículo, Luxa chegou, confiou nos garotos e pode seguir os potencializando. Vários deles vivem o melhor momento da carreira e podem deslanchar de vez.

Além desta questão anterior, Luxemburgo, curiosamente, entende muito mais de futebol que vários gestores cruzeirenses. Nas últimas semanas, a interferência interna do treinador ficou evidente com as movimentações para a saída do contestado diretor de futebol Rodrigo Pastana. Obviamente não é positivo ter alguém com tanto poder como Luxemburgo pode ter ao fazer decisões que vão além do comando técnico, porém, atualmente, existem poucas pessoas que pensem futebol como Vanderlei dentro da Raposa.

Logo, além de determinar como será feito o necessário aproveitamento dos jovens, é importante tratar a permanência de Vanderlei Luxemburgo com carinho. Luxa tem contrato até o fim de 2022, mas a diretoria deve entregar algumas exigências para ele permanecer e ter convicção do trabalho, como os salários em dia, por exemplo. O técnico não é mais o mesmo, assim como o Cruzeiro não é mais o mesmo. Ambos possuem uma história grandiosa e podem se ajudar. Se reerguer é complicado, mas não ter um comando eficiente é uma certeza que a equipe continuará na segunda divisão.

Além de pagar salários

Obviamente, estas decisões devem ser tomadas após resolver a grande pendência entre os jogadores e o clube. Os salários atrasados não podem ser uma realidade de uma equipe tão grande quanto o Cruzeiro. Não é justo trabalhar mesmo estando com vários meses atrasados. Não é justo cobrar uma melhor atuação dos atletas sendo que o clube não faz o mínimo. A Raposa enfrenta uma situação catastrófica.

Segundo o GE, a equipe está devendo 9,1 milhões de reais, valor que inclui salários, férias, FGTS e até 13º de 2020 de jogadores e funcionários. Para quitar esses débitos, o presidente buscou alguns investidores e fez algumas reuniões, mas ainda não houve acordo nenhum.

A boa notícia para os cruzeirenses foi destacada nesta manhã de terça-feira, 19, quando Samuel Venâncio, jornalista da rádio Itatiaia, disse que conversou com Pedro Lourenço, o grande investidor cruzeirense, e Pedrinho afirmou que irão arrumar uma solução, além de ressaltar que a torcida pode ficar tranquila.

O investimento de Pedrinho está “salvando” o Cruzeiro de uma situação ainda mais caótica. Os jovens vêm somando pontos cruciais nas últimas rodadas e podem ajudar ainda mais em 2021. Luxemburgo está sendo crucial na área técnica e internamente. O caminho cruzeirense é muito complicado. Por isso, o clube deve tomar algumas decisões corretas rapidamente, já pensando em um 2022 menos dramático. Menos melancolia, mais responsabilidade, Cruzeiro!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Roni Fragoso

Que os anjos digam amém!!
Uma coisa eu gostaria de saber: Mantido o mesmo plantel, porém com os salários em dia, o Cruzeiro subiria para a série A em 2022? Se não, podemos então afirmar que os jogadores fizeram “corpo mole” neste ano? Não estou defendendo a administração do SSR, que por mim já estaria exterminada e sem direito a foto na galeria de ex-presidentes, mas tem horas que a gente vê claramente a má vontade de alguns jogadores que erram passe, gols feitos…Não acredito que é apenas incompetência (perna de pau como se dizia) que nos tiraram muitos pontos na tabela.

Gomes

Tem que pagar salários. Não deixem atrasar. Paguem os caras. Meu Deus, que vergonha…