A torcida do Cruzeiro previu o fracasso, mas Rodrigo Pastana só foi demitido após decisão da “diretoria paralela”

Pedrinho e Luxemburgo, as duas pessoas que estão mais à direita, decidiram pela demissão de Pastana, em uma reunião que não contou com Sérgio Santos Rodrigues, que está à esquerda nesta foto. Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Por Pedro Bueno

Não foi por falta de aviso. A torcida protestou, afirmou que não daria certo e acertou. Quando André Mazzuco deixou o clube, no fim de maio, e o Cruzeiro estava negociando com Rodrigo Pastana, os apaixonados torcedores do time azul celeste deixaram claro que não tratava-se da melhor opção no mercado.

Mesmo assim, a diretoria da Raposa bancou a contratação, anunciou a chegada de Pastana em 06 de junho e ainda definiu o novo diretor de futebol como “especialistas em acesso”. Uma definição equivocada, visto que o Cruzeiro não deixará a Série B nesta temporada e os negócios feitos por Rodrigo Pastana foram bem contestáveis.

Depois de quatro meses como diretor, a Raposa demitiu Rodrigo Pastana na tarde de segunda, 04 de outubro. Segundo o SuperFC, a decisão foi feita após uma reunião entre o patrocinador Pedrinho e o técnico Vanderlei Luxemburgo, sem a presença de Sérgio Santos Rodrigues, presidente do Cruzeiro que contratou o diretor alguns meses atrás.

Logo, Sérgio não deu atenção à torcida cruzeirense quando boa parte dos apoiadores estavam prevendo o fracasso do diretor de futebol. A demissão só aconteceu após a decisão de uma espécie de “diretoria paralela” que, aparentemente, está cada dia mais forte.

O fracasso

Foram exatamente 120 dias pelo Cruzeiro. Quatro meses de um trabalho extremamente contestado pela torcida azul celeste. Desde o início, Rodrigo Pastana não realizou um bom trabalho, fez contratações ainda mais rejeitadas pelos torcedores e acabou sendo demitido em um momento que a Raposa começa a projetar o próximo ano.

O diretor foi anunciado e, logo na semana seguinte, o técnico Felipe Conceição foi demitido. Com urgência, visto que a Raposa havia sido eliminada pelo Juazeirense na Copa do Brasil, Pastana recorreu ao seu velho conhecido Mozart Santos para comandar o time mineiro. Ex-companheiros de CSA, Mozart e Pastana estiveram juntos novamente no Cruzeiro e deu tudo errado: duas vitórias, sete empates e quatro derrotas em 13 jogos, ou seja, um aproveitamento vergonhoso de 33,3%.

Em meio à passagem de Mozart, isto é, antes da contratação de Vanderlei Luxemburgo, o diretor de futebol fez várias contratações em poucos dias, antecipando o transfer ban que iria se concretizar no fim de junho. As contratações de Pastana foram: os zagueiros Léo Santos e Rhodolfo; os laterais Jean Victor e Norberto; os atacantes Dudu, Keké e Wellington Nem. Dentre estes sete atletas, apenas Nem é titular da equipe.

As contratações controversas, a passagem de Mozart e o mau desempenho dentro de campo fizeram com que o trabalho de Rodrigo Pastana fosse definido como um fracasso. O profissional pode até se recuperar e realizar bons trabalhos em outros clubes, mas, como a torcida cruzeirense previu, Pastana não era a melhor opção para o Cruzeiro neste momento caótico.

A “diretoria paralela”

A demissão do diretor de futebol já estava certa nos últimos dias, mas só foi feita após uma decisão diferente. Rodrigo Pastana foi demitido depois de uma reunião entre o técnico Vanderlei Luxemburgo e o patrocinador Pedrinho, sem contar com a presença do líder máximo no Cruzeiro: Sérgio Santos Rodrigues. O presidente da Raposa apenas acatou esta decisão e demitiu Pastana.

No entanto, é necessário analisar até que ponto esta espécie de diretoria paralela será realmente positiva para o Cruzeiro. Há alguns anos, o poder no clube mineiro é algo bem confuso e Sérgio não conseguiu organizar. No entanto, a intromissão de duas pessoas que não participam exatamente da gestão pode bagunçar ainda mais a situação.

Os personagens

Em uma batalha de egos, o maior prejudicado pode ser a própria instituição. Sérgio Santos Rodrigues, certamente, deseja seguir decidindo o futuro cruzeirense, visto que o presidente foi eleito para ficar até o fim de 2023. Porém, o seu poder está diminuindo com a presença de dois poderosos personagens.

O técnico Vanderlei Luxemburgo, com toda a sua experiência no futebol, tenta agir para melhorar o futuro cruzeirense, mas é prejudicial o próprio técnico escolher o seu “chefe”, que, no caso, é o diretor de futebol. Luxa decidiu junto de Pedrinho sobre a saída de Pastana, segundo o SuperFC, e a tendência é ajudar a contratar o novo diretor.

O outro membro desta “diretoria paralela”, a qual aparentemente faz decisões para o Cruzeiro sem ter este poder no clube, é Pedrinho BH. O empresário milionário segue colocando dinheiro dentro da equipe e é um mecenas do clube, mas está bastante insatisfeito com o atual momento. Até que ponto será positivo contar com um milionário definindo o futuro cruzeirense?

Obviamente, o dinheiro do investidor é importante para a reestruturação cruzeirense, porém é perigoso a Raposa ficar refém de um empresário. Por exemplo, segundo o SuperFC, o investidor Pedro Lourenço sugeriu que o seu filho, Pedro Júnior, seja o substituto de Pastana, ou seja, uma possível interferência ainda maior do milionário no clube mineiro.

Enfim…

O Cruzeiro se encontra próximo do fundo do poço. O clube mineiro jogará a Série B pela terceira temporada seguida, visto que o rebaixamento é improvável e o acesso é, praticamente, impossível. Por causa disso, os responsáveis pelo futuro cruzeirense já começam a analisar o ano de 2022.

A demissão de Rodrigo Pastana e a diminuição do poder de Sérgio Santos Rodrigues são ações que animam o torcedor cruzeirense. Todavia é necessário ter um certo “pé atrás” com esta tamanha interferência. O clube azul já foi bastante ferido por gestões que eram creditadas como grandes trabalhos, mas o time acabou bem machucado.

Exemplos não faltam para mostrar problemas do Cruzeiro e de ações semelhantes. A saída de Pastana já aconteceu e, a partir de agora, o time mineiro deve seguir trabalhando para melhorar a sua equipe. Desde o presidente até o atacante, do técnico ao investidor, a sintonia entre todos é a principal característica que está fazendo falta à Raposa.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
7 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Antonio Barbosa

Sou mineiro torcedor ativo do cruzeiro a muito anos, moro no goiás e já mais vou deixar de torcer. Mas tá difícil de acertar essa diretoria, tem que fazer um limpa começando pelo Fábio , presidente e outros.

Renato

Não tem o que comentar, sou Cruzeiro e o Pedrinho já está mais que provado que ele é dono do departamento de futebol, um dos poucos que tá lutando e mantendo viva a paixão de milhões. Espero que outros Cruzeirenses ilustres igual ficou claro na matéria de hoje do uai, sigam o mesmo caminho do Pedrinho, está sendo o fio de esperança do coração de muitos, infelizmente no futebol o SSR o resultado está escancarado aí, certamente o pior presidente em resultados da história do clube, a melhor coisa que ele tem a fazer é entregar o futebol pra quem entende.

Cristiano Neves

Os Mania de Grandeza acham que têm condiçõe$ de exigir alguma coisa. Se o diretor do Barça viesse para essa falida, seria queimado em 2 jogos. Essa Mariolada já era, fecha as portas, é mais honesto! A vergonha de Minas! kkkkkkkk

Edvandes Cabreuntes

Fica esperto, irmão. A bolha das frangas explode a qualquer momento. Teu telhado é de vidro, otário.

Marcos

Está atolado na lama ateh o último fui do cabelo e querendo arrotar caviar, fecha essa porcaria logo e para de dar vexame no cenário nacional, não vai subir nunca, vai cair para a série C, esse buraco nao tem fundo, esses simpatizantes procurem um time decente para torcer se quiserem continuar gostando do futebol, explica esse timeco logo.

NatSilva

DIFERENCA ENTRE ATLETICO E cruzeiro: UM PASSOU PELA SEGUNDA DIVISAO, O OUTRO VIROU TIME DE SEGUNDA DIVISAO SIMPLES ASSIM!!

Roni Fragoso

Mais uma vez o EM jogando contra o Cruzeiro! Felizmente o Pest(e)ana saiu. Agora falta o SSR renunciar. Todo poder ao Pedrinho, que afinal é o único que ainda está tentando fazer algo. Que outros empresários e o omisso conselho façam o mesmo. SSR, a advocacia sente a sua falta. Volta pra ela pelo amor de Deus. Imagino como será a galeria de ex-presidentes do Cruzeiro: no mínimo duas fotos em branco!!