Arana é parado por Volpi, o líder Atlético empata sem gols com o São Paulo e “torce” pelo rival no domingo

Foto: Pedro Souza / Atlético

O resultado poderia ser melhor para o Atlético? Sim. Mesmo assim, levando em consideração o tropeço do Palmeiras na rodada, a vantagem atleticana no Brasileirão e o foco na decisão de terça-feira, o empate fora de casa foi bom? Sim. Logo, o Atlético poderia ter deixado o Morumbi com três pontos e com uma vantagem ainda maior na liderança, no entanto, Guilherme Arana foi parado por Volpi, na grande batalha da partida, e o placar do jogo não foi alterado. O empate aumentou a vantagem do Galo no primeiro lugar, mas para ser uma boa rodada, os torcedores alvinegros devem torcer para o rival América contra o Flamengo no domingo.

Na noite deste sábado, 25 de setembro, o Atlético empatou por 0 a 0 com o São Paulo no Morumbi, estádio localizado na capital do estado paulista. O jogo foi válido pela 22ª rodada e é a 14ª partida consecutiva que o Galo não perde no Brasileirão, ou seja, o time mineiro alcançou o seu recorde de invencibilidade no torneio de pontos corridos.

Além deste recorde e do fato que o Atlético passou mais um jogo sem sofrer gol, o time de Cuca chegou ao 46º ponto na tabela e abriu oito pontos para o vice-líder Palmeiras, já que o Verdão, adversário do Galo no meio de semana pela Libertadores, perdeu para o Corinthians neste sábado. Como o Palmeiras está com 38 pontos, o Flamengo, dono de 34 tentos, não poderá ultrapassar o Verdão nesta rodada, mas vê o Atlético “mais próximo”. A equipe rubro-negra tem 12 pontos e três jogos a menos que o líder, ou seja, em um cenário muito vitorioso nestas partidas a disputar, o Fla ficaria três pontos atrás do Galo. O adversário flamenguista neste domingo é o América e o jogo será disputado no Independência, às 11 horas da manhã deste domingo, 26.

O jogo e as atuações individuais

A primeira etapa deu sono em qualquer pessoa que estava assistindo a partida, visto que teve muita marcação e quase nada de tramas ofensivas. Em contrapartida, o segundo tempo de Atlético e São Paulo foi mais animado, com chances para ambas as equipes. O Galo se animou a partir das mudanças de Cuca, onde Hulk e, principalmente, Guilherme Arana se mostraram mais ligados e chegaram próximos de marcar. Porém, o lateral-esquerdo atleticano foi parado por Tiago Volpi, goleiro que estava em uma noite inspirada e fez duas grandes defesas no fim da partida, e Hulk parou na correta marcação de impedimento no cruzamento de Arana.

Antes mesmo da bola rolar, era claro que a pegada alvinegra seria diferente nesta partida. O Brasileirão é o grande objetivo do clube, mas a batalha por uma vaga na final da Libertadores será decidida daqui a três dias e é compreensível que o time estivesse com um olho no SP e outro na decisão frente ao Palmeiras. Esta postura mais conservadora atleticana foi ruim para o primeiro tempo, visto que ninguém jogou, porém sofreu alterações na etapa final e o Atlético quase saiu com os três pontos. É óbvio que a vitória era o melhor resultado em um campeonato tão complicado e longo, contudo o empate é completamente aceitável e o foco, a partir de agora, deve ser exclusivamente a semifinal da Libertadores.

Como destaque individual, é necessário ressaltar que o grande jogador do Atlético em diversas partidas é o lateral-esquerdo. Guilherme Antonio Arana Lopes é um ala diferenciado e fez mais uma grande partida pelo Galo. Os lances mais perigosos da partida saíram da sua canhota aos 41 e 44 do segundo tempo. O time mineiro esteve muito próximo de levar três pontos na bagagem e boa parte do mérito seria de Arana. O lateral, que foi convocado para a Seleção Brasileira novamente, é de outro nível e a esperança do torcedor é que ele esteja em grande forma na decisão frente ao Palmeiras, na próxima terça-feira, 28 de setembro.

São Paulo x Atlético

A grande dúvida atleticana antes da partida era qual seria a escalação do time, visto que o Galo estava desfalcado: Diego Costa, Keno e Savarino estão lesionados e Tchê Tchê cumpriu suspensão, além de pertencer ao São Paulo. Além disso, pensando na semifinal da Libertadores na próxima terça-feira, Cuca optou por poupar Mariano, Jair e Nacho Fernández e colocou, respectivamente, Guga, Réver e Nathan nas vagas. Logo, o Atlético entrou em campo com Everson; Guga, Nathan Silva, Réver, Alonso e Arana; Allan, Nathan e Zaracho; Hulk e Vargas.

O primeiro tempo

A primeira etapa foi bem ruim: muita marcação e pouquíssimas finalizações. As defesas diminuíram bastante o espaço do adversário e, por isso, foram apenas quatro chutes nos 45 minutos iniciais.

O Atlético chegou aos 20 com Guilherme Arana, quando Nathan tocou para ele e o lateral bateu de perna direita, mas foi travado pela defesa do Tricolor Paulista. Três minutos depois, Nathan teve a melhor chance do primeiro tempo, já que Alonso tocou para o camisa 23 e ele arriscou de longa distância. O chute rasteiro foi traiçoeiro e Tiago Volpi teve muita dificuldade, mas fez a defesa em dois tempos depois de assustar a torcida são-paulina. Aos 26, o Galo finalizou pela terceira e última vez na etapa inicial: Guga bateu um escanteio pela direita e Réver cabeceou com direção, contudo sem tanta força. Volpi fez a defesa.

Já o São Paulo não teve nenhuma grande chance e quase não atacou. Com apenas 41% de posse de bola contra 59% do Atlético, o time de Crespo chegou muito pouco. No minuto 34, Wellington foi ao fundo e cruzou sem tanta qualidade. A bola encontrou os braços de Everson. Já aos 41, Liziero arriscou de fora da área e Nathan Silva cortou de cabeça, evitando que a bola chegasse próxima ao gol atleticano.

Enfim, um primeiro tempo sem grandes chances e bem sem graça.

O segundo tempo

O início melhor

Para a alegria de todos os telespectadores, os 45 minutos finais começaram mais animados. Logo aos 3, Everson fez um lançamento, Guga raspou de cabeça e Eduardo Vargas recebeu nas costas da defesa adversária. O chileno dominou, entrou na área pela direita e bateu cruzado, mas a bola saiu ao lado da trave direita de Volpi.

Na sequência, Guga bateu uma falta lateral e o goleiro do São Paulo socou a bola. No contra-ataque, Rodrigo Nestor aproveitou o escorregão de Guilherme Arana, acelerou pela direita, entrou na área, driblou Allan e bateu para o gol, já bem próximo de Everson. Porém, Guga fez uma cobertura perfeita e deu um carrinho bloqueando a tentativa de Nestor, a melhor chance do São Paulo no jogo.

O Tricolor Paulista ainda chegou duas vezes até o minuto 20 da segunda etapa. Aos 18, Rigoni cobrou uma falta lateral pela esquerda e acertou a parte de cima do travessão de Everson. Dois minutos depois, Luciano tocou para Luan e o volante arriscou de fora da área, mas a bola foi longe do gol.

Precisando de um gol para vencer, Cuca promoveu mudanças para melhorar o seu time. aos 14, Allan, Nathan e Réver saíram para as entradas de Alan Franco, Jair e Nacho Fernández. No minuto 27, Vargas deixou o campo e Sasha entrou. Seis minutos depois, Hyoran substituiu o já desgastado Zaracho.

As tentativas finais

Com as boas substituições feitas, o Atlético melhorou. Aos 24, Nacho encontrou Hulk e o artilheiro arriscou de perna direita, todavia a bola subiu demais. Dois minutos depois, Vargas tocou para Arana e o lateral cruzou com perfeição para um cabeceio lindo de Hulk. O atacante balançou as redes de Volpi, mas, rapidamente, o auxiliar marcou corretamente o impedimento de Arana na origem da jogada e o VAR confirmou.

Chegando aos momentos finais, a grande batalha da partida ficou evidente: Guilherme Arana contra Tiago Volpi. O lateral-esquerdo resolveu incomodar o goleiro são-paulino, no entanto Volpi fez belas defesas e salvou o clube paulista.

Aos 41, Arana recebeu de fora da área e bateu muito forte. A bola pegou uma curva incrível e, de mão trocada, Tiago Volpi saltou para jogar a bola pela linha de fundo. Três minutos depois, Nacho Fernández organizou a jogada pela esquerda, tocou para Hulk e o camisa 7 fez o pivô para Arana. O lateral estava entrando na área com muita marcação, mas conseguiu encontrar um espaço e bateu forte, no ângulo direito de Volpi. O goleiro saltou, fez a defesa e a bola ainda bateu na trave.

Assustado pelas boas chegadas do Galo na reta final, o São Paulo fez muito pouco, porém levou perigo no minuto final. Aos 49, Calleri tocou para Reinaldo e o ala encontrou Gabriel Sara na entrada da área. O meio-campista bateu forte e a bola não tinha direção, mas desviou na marcação atleticana e passou muito próxima da trave de Everson. Mesmo assim,o placar não foi alterado: 0 a 0 e fim de jogo.

O Atlético volta a campo na próxima terça-feira, 28, às 21:30, contra o Palmeiras, pela Libertadores.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments