Segue o Galo! Com um ataque fatal e uma defesa intacta, Atlético vence o Sport por 3 a 0 no Mineirão

Um ataque sorridente que faz o torcedor sorrir e sonhar. Foto: Pedro Souza / Atlético

Atualmente, o time que pratica um futebol, simplesmente, indiscutível é o líder do Brasileirão e semifinalista da Copa do Brasil e da Libertadores. Um ataque artilheiro mais uma defesa intacta, além de um meio-campo que está articulando muito bem, evidenciam a qualidade de um time. O Clube Atlético Mineiro mostrou novamente o seu poder nesta partida: não correu riscos, marcou três gols, chegou com perigo outras vezes, dominou do início ao fim, etc. Faltam descrições para mais uma grande exibição de um time que está cada dia mais convicto do seu potencial. Em vez de seguir o líder, é necessário mudar o bordão: segue o Galo!

Neste sábado, 18 de setembro de 2021, o Atlético fez mais um grande jogo e venceu o Sport por 3 a 0 no Mineirão, em partida válida pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2021. Os gols foram marcados por Diego Costa, Hulk e Vargas.

Com o resultado, o Galo alcançou os 45 pontos e, com apenas 20 jogos, conseguiu a pontuação que alguns clubes sonham, visto que estes 45 pontos garantem a permanência na Série A do Campeonato Brasileiro. É claro que o atleticano nem se lembra disso, visto que restam 18 jogos para aumentar esta pontuação e buscar o título.

Atualmente, o Atlético está na liderança e possui sete pontos a mais que o Palmeiras, equipe que também venceu neste sábado. A diferença para o Flamengo aumentou para onze pontos e o time carioca entra neste domingo pressionado, visto que tem que ganhar para o Galo não aumentar ainda mais a vantagem. O Rubro-Negro possui 34 pontos e três jogos a menos, ou seja, em um cenário mais vitorioso, pode chegar aos 43 tentos, ficando dois atrás do time mineiro.

O jogo e as atuações individuais

Um time talentoso que sabe o que faz. Uma equipe que domina e consegue marcar gols. O Atlético está se consolidando com uma excelente equipe e tende a brigar por todos os três campeonatos até o fim da temporada. O clube mineiro demonstrou nesta noite mais uma vez a sua segurança e o seu potencial, visto que peças como Diego Costa e Keno ganharam chance e foram muito bem. É claro que o Sport é bem mais fraco e é fortíssimo candidato ao rebaixamento, mas é destacável a postura atleticana do início ao fim, pois a equipe de Cuca não “tirou o pé do acelerador”.

O Atlético teve boas chances desde o minuto 9 da primeira etapa e marcou um gol aos 52 do tempo final, ou seja, foram quase 90 minutos de pura intensidade e determinação para buscar um resultado que já estava definido. Com muita superioridade, o Atlético se mostrou muito ciente das suas responsabilidades nesta partida dentro de casa: venceu, convenceu, balançou as redes três vezes e não sofreu gols, ponto que deve ganhar ainda mais destaque. A vitória atleticana sem ser vazado representa a oitava partida consecutiva sem sofrer gols em casa, algo que é muito marcante.

Para um time que se acostumou a sofrer gols bobos nas últimas temporadas, o Galo está com um setor defensivo bem sólido, o qual sequer correu riscos nesta partida. Além disso, o meio-campo contou com uma grande partida de Tchê Tchê, substituto do suspenso Jair, além dos incansáveis Allan e Zaracho, atletas que correm bastante. No ataque, Cuca testou um novo ataque e sobrou qualidade: Diego Costa, Hulk e Keno chamaram a atenção e aumentaram as variações possíveis do time nesta reta final de temporada. Por fim, Guilherme Arana merece um destaque individual: duas assistências que saíram dos pés de um lateral acima da média.

É o Galo pronto para desafios maiores. Terça é dia de semifinal da Libertadores!

Atlético x Sport

Sem contar com Mariano, Jair e Savarino, ausências já confirmadas anteriormente, e pensando na Libertadores, Cuca promoveu mudanças no time titular, a fim de dar ritmo para alguns e poupar outros. Com isso, Guga, Tchê Tchê, Diego Costa e Keno foram escolhidos, deixando Nacho Fernández e Vargas no banco. Com isso, o Atlético entrou em campo com Everson; Guga, Nathan Silva, Alonso e Arana; Allan, Tchê Tchê e Zaracho; Hulk, Diego Costa e Keno.

O primeiro tempo

Tentou muito e ficou no quase

Só o Atlético jogou. Desde o primeiro minuto, apenas a equipe mandante atacou. A exceção foi a boa finalização de Hernanes aos 15, quando Allan cometeu uma falta boba e Hernanes cobrou com força. A bola tinha a direção do gol e Everson trabalhou pela primeira e única vez na partida.

As chances perigosas atleticanas começaram no minuto 9, em boa jogada de Keno, onde ele fez um belo cruzamento para Zaracho. O argentino dominou, bateu com a perna esquerda e Maílson fez uma defesa incrível, contando com a ajuda da trave. A bola ainda andou próximo da linha e Diego Costa tentou empurrar, mas Sander cortou e afastou o perigo. Aos 22, Tchê Tchê fez o passe para Hulk, o artilheiro acelerou pela direita e tocou com a perna esquerda na saída de Maílson, mas nenhum companheiro fechou na área e a bola saiu pela linha de fundo.

O Atlético continuou em cima e chegou com perigo no minuto 25. Keno fez outra boa trama pela esquerda e cruzou para a área, encontrando Diego Costa. O goleiro Maílson até saiu atrasado, todavia o cabeceio do centroavante apenas tirou tinta da trave esquerda do Sport. Seis minutos depois, o Sport fez a saída de jogo de maneira equivocada, Hulk acelerou pelo meio e viu Zaracho passar pela direita, mas o artilheiro atleticano arriscou de longe e obrigou Maílson a fazer uma grande defesa.

Água mole, pedra dura, tanto bate até que fura

O ditado popular é a melhor ilustração deste primeiro tempo, visto que o Atlético tentou várias vezes e foi recompensado por dois gols na reta final.

Aos 34, Nathan Silva fez um lindo lançamento e encontrou Guilherme Arana na esquerda. O lateral atleticano dominou, acelerou livre pela ponta e fez um cruzamento perfeito. A assistência de Arana encontrou a cabeça de Diego Costa e o centroavante não perdoou: um excelente cabeceio no ângulo de Maílson, sem chances para o goleiro. Segundo gol de Diego Costa pelo Galo. Primeiro gol do Atlético na partida: 1 a 0 no Mineirão.

Já no minuto 45, Nathan Silva fez um novo lançamento e, desta vez, Arana estava no meio, disputando com os zagueiros. Com a pressão do lateral, a defesa do Sport se enrolou e o camisa 13 do Galo ficou com a bola. Guilherme Arana recebeu na esquerda e tocou para Hulk. O artilheiro alvinegro estava no meio da área, dominou a bola, fez o drible e bateu forte de perna esquerda. Foram apenas três toques e o resultado foi o gol: 2 a 0 para o Atlético, mais um gol de Hulk e apito final do primeiro tempo.

O segundo tempo

O mesmo domínio

Mesmo com mudanças, o Sport não conseguiu reagir na segunda etapa e o Atlético seguiu agredindo o rival. Aos 6, Tchê Tchê recebeu um passe de Hulk e arriscou de fora da área. Maílson fez a defesa no seu canto direito. Seis minutos depois, Allan fez um lançamento longo e encontrou Diego Costa entrando na área. O atacante dominou, tocou para trás e Zaracho chegou batendo. A bola ainda desviou, mas o goleiro do Sport, novamente, fez a defesa.

No minuto 16, Diego Costa inverteu para Arana e o lateral levou para o meio, com a intenção de arrematar com a perna direita. O camisa 13 chutou de longe e a bola passou perto da meta de Maílson. Três minutos depois, Allan finalizou de fora da área e o goleiro do Sport encaixou.

Com a vantagem e a tranquilidade na partida, Cuca promoveu algumas mudanças. Aos 17, Diego Costa e Hulk saíram para as entradas de Sasha e Vargas. No minuto 27, Allan, Arana e Keno foram substituídos por Nathan, Dodô e Nacho Fernández, respectivamente.

Lances finais

O amplo domínio e as substituições acarretaram boas chances atleticanas no fim da partida. Aos 28, Nacho fez um ótimo toque para Vargas, mas o lance foi inusitado: Sander tentou tirar, acertou o próprio gol, Maílson fez a defesa e, no rebote, Vargas cabeceou, no reflexo. A bola foi para fora. Aos 31, Sasha arriscou de longe e errou a direção. Dois minutos depois, Zaracho tocou para o mesmo Sasha e o camisa 18 bateu forte, porém, novamente, não acertou o alvo. No minuto 34, Dodô recebeu de Vargas e finalizou firme: a tentativa foi no lado de fora da rede. Aos 39, Nacho Fernández encontrou Zaracho e o camisa 15 finalizou sem tanta força, facilitando a defesa de Maílson.

O Sport até marcou dois gols na segunda etapa, mas ambos os lances foram corretamente anulados por impedimento. André e Thiago Neves balançaram as redes, porém sequer comemoraram, visto que a irregularidade era evidente nos dois casos.

Já o Atlético aumentou o placar no fim da partida. Após um contra-ataque perfeito protagonizado por lindas tabelas de Sasha e Vargas, o chileno dominou na área e chutou. A bola bateu no braço do defensor do Sport e o pênalti foi marcado após revisão do VAR. Na cobrança, o camisa 10 do Atlético finalizou com perfeição: assim como Everson na decisão frente ao Boca, Vargas colocou a bola com muita força no ângulo esquerdo do goleiro e decretou o placar final: 3 a 0 para o Galo.

O Atlético volta a campo na próxima terça-feira, às 21:30, contra o Palmeiras, pela Libertadores.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments