Há exatamente um ano, Rafael fazia o seu último jogo como “titular” do Atlético. Como está sendo a passagem do goleiro pelo Galo?

A história do goleiro Rafael no Galo. Foto: Pedro Souza/Atlético.

Por Pedro Bueno

Rafael foi uma contratação que parou Minas Gerais em 2020. Goleiro profissional do Cruzeiro desde 2008 e considerado o sucessor natural do ídolo cruzeirense, Fábio, Rafael deixou a Raposa e mudou de lado em Belo Horizonte. Em 04 de março de 2020, 554 dias atrás, o arqueiro foi anunciado pelo Atlético e chegou para ser o titular do time.

No entanto, Rafael só foi titular até o dia 09 de setembro de 2020, quando recebeu o cartão vermelho contra o Santos. Depois disso, Everson assumiu a condição de titular absoluto e persiste até os dias atuais, vivendo a sua melhor fase na carreira, enquanto Rafael, mesmo com a troca de treinadores, ficou no banco e, infelizmente, se lesionou em abril.

Embora tenha apenas 21 jogos, a história do goleiro de 32 anos no Galo é longa e, exatamente um ano atrás, este acontecimento chamou a atenção. Confira!

O início da passagem

Logo depois de ser anunciado, Rafael estava nas arquibancadas do Mineirão e viu o seu clube vencer o seu ex-time em 07 de março de 2020, no fatídico clássico pré-pandemia. Ele estreou na semana seguinte, contra o Vila Nova, justamente na primeira partida de Jorge Sampaoli. Logo depois deste duelo pelo Mineiro, o futebol parou por causa do coronavírus e retornou no fim de julho, com um Atlético bem reforçado.

Porém, o investimento de Rubens Menin e companhia ainda não havia sido feito em goleiros e Rafael era tido como o goleiro titular. O Atlético foi campeão Mineiro, começou bem o Brasileirão e o arqueiro estava em ótima fase entre os onze iniciais, mesmo com especulações sobre a possível chegada de Everson, até então arqueiro do Santos que tinha a confiança de Jorge Sampaoli.

Depois deste breve resumo de Rafael no Atlético, a história chega à dramática noite de 09 de setembro de 2020. Há exatamente um ano, o Galo perdeu para o Santos por 3 a 1 depois de um lance marcante na carreira de Rafael: Mariano recuou errado e Rafael tentou dar um bote no meio-campo. Porém, o goleiro errou, trombou com Marinho e foi expulso. O ídolo Victor entrou na partida e não foi bem, e o Atlético, que já estava negociando com um novo goleiro, acelerou o negócio para o reforço estrear rapidamente, logo no fim de semana.

No dia seguinte, em 10 de setembro de 2020, o Atlético anunciou a chegada de Everson e Rafael nunca mais foi “titular”. Obviamente, ele foi escolhido para a formação inicial em algumas partidas – quando Everson estava com COVID-19 e de férias -, mas a titularidade tem dono desde então e Rafael foi para o banco de reservas – além da infeliz lesão no meio de 2021.

A confiança de Sampaoli e a amizade entre os goleiros

Logo após cumprir a suspensão, uma parte da torcida pediu a volta de Rafael ao time titular, mas o então treinador, Jorge Sampaoli, bancou o seu pupilo Everson. O técnico argentino contratou o arqueiro em 2019, enquanto comandava Santos, e pediu a contratação do jogador no Atlético.

A confiança de Sampaoli em Everson contava com uma justificativa bem repercutida: a ótima saída com os pés do arqueiro titular. O goleiro é realmente diferenciado com os pés, porém, mesmo assim uma parcela da torcida, apegada à ideia de contar com um atleta criado e, anteriormente, muito querido no rival, como titular, pedia incessantemente Rafael de volta. Porém, desde a noite de 09 de setembro até o fim do Brasileirão, Rafael foi titular em apenas dois jogos: frente ao Ceará e contra o Botafogo, visto que Everson estava com COVID-19.

Com alguns deslizes de Everson e sem oportunidades de Rafael voltar a mostrar o bom futebol do início da temporada, alguns torcedores seguiram cobrando a titularidade do goleiro e o culpado era Jorge Sampaoli e a sua confiança em Everson.

No entanto, a briga existia apenas por parte da torcida. Em várias oportunidades, Rafael, Everson e Victor, os três goleiros atleticanos em 2020, ressaltaram a harmonia e como se davam bem. Companheiros de profissão, houve uma bonita amizade em meio à saudável disputa no gol atleticano durante o Brasileirão 2020.

Banco com Cuca e alto nível de Everson

Fim do Brasileirão e fim da passagem de Jorge Sampaoli pelo Atlético. Com isso, uma parcela da torcida, a qual ainda não entendia Rafael no banco de suplentes, acreditou que a chegada de Cuca, treinador que não possui uma filosofia tão rígida quanto a de Sampaoli, acarretaria a volta de Rafael ao time titular. No entanto, ele não voltou.

Cuca assumiu o comando da equipe em meados de março, mas antes Lucas Gonçalves treinou o Galo interinamente e Rafael foi titular em três partidas pelo Mineiro, tendo atuações medianas, visto que o estadual não exige tanto. Em 19 de março, Cuca fez a sua reestreia pelo Atlético e, com o novo treinador, o time titular, o qual estava de férias, retornou. Com isso, Everson voltou e foi o escolhido de Cuca desde então.

Rafael ficou por um mês como suplente, sem ganhar uma nova chance. Uma parte da torcida cobrou – obviamente, antes da lesão do atleta – a titularidade de Rafael, porém algo aconteceu neste ano: Everson conquistou vários torcedores que o criticavam de forma incansável.

O goleiro titular do Atlético vive uma excelente fase e faz uma ótima temporada. Obviamente, Everson ainda falha, mas está no melhor momento da sua carreira e está sendo apoiado pela torcida – inclusive, contra o River Plate, pela Libertadores, ele foi ovacionado pelos atleticanos no Mineirão. Além disso, coroando o ótimo momento, Everson foi convocado por Tite para a Seleção Brasileira.

A lesão e a recuperação

É claro que esta excelente volta por cima de Everson, em relação às críticas de uma parte dos torcedores do Galo, aconteceu durante um dramático momento da carreira de Rafael. Desde 24 de abril de 2021, Rafael está lesionado, mas, felizmente, ele já está próximo do retorno.

A maior infelicidade é que a partida que o arqueiro se machucou foi justamente a única que ele teve a chance de começar como titular sob comando de Cuca. Contra o Athletic, em jogo válido pela última rodada da fase inicial do Mineiro, o Galo já estava classificado e entrou com um time praticamente reserva, pensando na Libertadores no meio de semana. Com isso, Rafael foi o escolhido e Everson sequer foi relacionado.

A partida estava se encaminhando para uma simples vitória atleticana por 1 a 0, mas um lance aos 36 da 2ª etapa marcou o jogo. A bola foi cruzada rasteira na área e Rafael tentou cortar a bola, porém caiu em cima do próprio braço. Naquele momento, o atleta já entendeu a gravidade da lesão e foi substituído por Matheus Mendes. Nos dias seguintes, Rafael realizou exames, foi diagnosticado com uma fratura e uma luxação no ombro direito e passou por uma cirurgia em maio.

A previsão do departamento médico do Atlético era de quatro a seis meses de ausência, porém, felizmente, Rafael retornou rapidamente. O goleiro voltou a fazer trabalhos no campo em 20 de agosto e está treinando normalmente desde o início de setembro. Elogiado pelos médicos responsáveis pela sua recuperação, Rafael já está liberado e existe uma expectativa que o goleiro seja relacionado na próxima partida, no domingo, 12, contra o Fortaleza.

Os números

Para resumir a história de Rafael com dados, é possível detalhar alguns números do arqueiro.

O goleiro atleticano atuou em 21 partidas pelo Atlético: venceu 16 vezes, saiu de campo com o empate em duas oportunidades e perdeu apenas três jogos, tendo assim um aproveitamento de 79,3%.

Rafael fez 11 partidas do Campeonato Mineiro – sete em 2020 e quatro em 2021, os únicos quatro jogos do atleta neste ano – e esteve em dez confrontos do Brasileirão de 2020.

Somando todas as partidas, Rafael sofreu 14 gols pelo Galo, tendo a média de 0,66 gols sofridos por jogo.

Como está sendo a passagem?

A história é longa, mas foi um breve resumo de um grande personagem do Atlético recentemente, mesmo com poucas partidas. Até setembro de 2020, Rafael foi apoiado e a torcida confiava no seu goleiro titular. Depois do dia 09 de setembro, o goleiro se tornou reserva e, desde esta época até abril de 2021, uma parcela da torcida ficou cobrando, de forma incansável, o retorno do arqueiro ao time titular por causa de uma indisposição com o titular, Everson. A partir de abril de 2021, toda a massa atleticana esteve ao lado de Rafael esperando a pronta recuperação do goleiro e todos estão felizes com o retorno dele.

E a passagem no Atlético? Como está sendo?

Então, houve uma expectativa maior que o resultado, mas este resultado foi positivo, levando em consideração a importante e saudável disputa por posição – obviamente, a infeliz lesão do arqueiro não entrará na discussão.

A grande expectativa criada tem uma razão: o goleiro já mostrou que tem muito talento, deixou o rival e chegou ao Atlético para substituir o já veterano Victor. Boa parte da torcida, a qual tem um carinho justo com Rafael, se frustrou com o baixo número de jogos do atleta com a camisa alvinegra, mas as atuações sempre foram boas e é neste ponto que entra o resultado. Everson e Rafael fazem bem um para o outro. Uma competição, em qualquer ambiente, aumenta a produtividade. O goleiro titular, atualmente, vive grande fase e, certamente, trocou importantes detalhes da profissão com Rafael. Relembrem, eles são colegas e não adversários.

Em resumo, Rafael não teve o número de atuações que o torcedor esperava, mas entregou a qualidade imaginada. Não é possível afirmar se ele permanecerá no Atlético por muitos anos ou se deixará o clube, mas é justo, nos próximos anos, dar mais chances para o atleta, por todo o seu profissionalismo.

A passagem é mediana porque ele é uma ótima peça do robusto elenco atleticano – poucos times no Brasil (ou nenhum) possui um reserva como Rafael -, mesmo que a titularidade no Atlético fosse esperada por quase todas as pessoas. Obviamente, a concorrência, a fatídica noite do dia 09 de setembro de 2020 e a lesão atrapalharam. Boa sorte neste retorno, Rafael!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Eduardo

Está cumprindo muito bem o seu papel que já tem experiência há mais de 15 anos… ESQUENTAR BANCOS!!!