Luxa segue invicto, mas continua tropeçando: Cruzeiro empata com o Goiás por 1 a 1 em Goiânia e fica em 14º

Foto: Rosiron Rodrigues/Goiás EC

Vanderlei Luxemburgo fez a sua primeira partida nesta passagem pelo Cruzeiro há exatamente um mês. Desde então, a Raposa entrou em campo sete vezes e não perdeu, ou seja, Luxa está invicto. No entanto, o experiente técnico e a sua equipe estão tropeçando além do permitido: são quatro empates em sete jogos com Vanderlei. Fora de casa, contra o Goiás, o time mineiro poderia ter saído com a vitória, porém, novamente, empatou e segue na parte de baixo da tabela, bem próximo da zona do rebaixamento. A invencibilidade existe, mas a preocupação do torcedor acerca do momento também.

Nesta noite de feriado, 07 de setembro de 2021, o Cruzeiro duelou com o Goiás no Estádio da Serrinha e o placar marcou 1 a 1, visto que Thiago abriu o placar e Elvis empatou logo na sequência. A partida desta terça-feira foi válida pela 22ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro e os clubes, curiosamente, obtiveram o mesmo resultado do confronto do primeiro turno no Mineirão.

Com o resultado, o Cruzeiro segue na parte de baixo da tabela e sabe que precisa vencer para se desgarrar desta situação complicada. Com 11 empates em 22 jogos, ou seja, empatou metade das partidas, a Raposa soma apenas 26 pontos e está na 14ª posição, somente três pontos à frente do 17º colocado, Vitória, primeira equipe dentro da zona do rebaixamento. A título de curiosidade, o time mineiro está 12 pontos, ou seja, quatro vitórias, atrás do 4º colocado, Botafogo, equipe que foi ultrapassada pelo Goiás. Com um empate em casa, o Esmeraldino terminou a 22ª rodada na 3ª colocação, com 39 pontos.

O jogo e as atuações individuais

A partida entre Goiás e Cruzeiro foi tão truncada que contou com apenas três finalizações certas durante os 90 minutos: os gols de Thiago e Elvis, e a finalização de Claudinho nos acréscimos da segunda etapa. Portanto, nenhuma das equipes criou o suficiente para vencer nesta noite. Nos lances finais, os clubes até chutaram mais – 22 finalizações no total -, porém o pé não estava calibrado e a igualdade – atrelada à falta de nível técnico – vista em campo foi bem representada no placar: mais um empate.

O Cruzeiro teve dois momentos na partida. O primeiro foi logo no início, quando Bruno José estava explorando as costas de Apodi, mas o ponta cruzeirense machucou e Marcinho, atleta que entrou no primeiro tempo e saiu no fim do segundo, não conseguiu entregar nada parecido. O outro bom momento da Raposa foi com Claudinho e Wellington Nem se organizando pelo meio, durante a segunda parte, depois das saídas de dois jogadores que estavam bem mal: Giovanni Piccolomo e Rafael Sobis pouco agregaram na partida. Portanto, o Cruzeiro teve lapsos de bom futebol na partida e, até por isso, fez por merecer mais um tropeço na Série B.

Nas atuações individuais, o Cruzeiro não teve uma grande atuação, ou seja, alguns nomes não acrescentaram nem positivamente quanto negativamente. Possíveis destaques foram o bom segundo tempo de Wellington Nem, a ótima finalização de Thiago no gol marcado e a confiança que Raúl Cáceres, mesmo fora de ritmo, passou na lateral-direita. Já negativo, além dos já citados Giovanni e Sobis, o Cruzeiro contou com – mais – uma atuação ruim de Eduardo Brock, zagueiro que rebateu mal no lance do gol adversário, e Rômulo, atleta que está devendo bastante, ainda mais relembrando o ótimo início de temporada do meio-campista.

Goiás x Cruzeiro

Nove dias após a sua última partida, o Cruzeiro se reforçou com uma importante peça: Raúl Cáceres retornou aos treinamentos e já foi escolhido por Luxemburgo para o time titular. Por isso, Rômulo ocupou a vaga do suspenso Flávio e Luxa ainda mexeu no ataque, visto que, para substituir o selecionável Marcelo Moreno, Rafael Sobis foi escolhido em vez de Thiago. Logo, a Raposa entrou em campo com Fábio; Raúl Cáceres, Ramon, Brock e Matheus Pereira; Adriano, Rômulo e Giovanni Piccolomo; Bruno José, Rafael Sobis e Wellington Nem.

O primeiro tempo ruim

Os 45 minutos iniciais não foram bons e nenhuma equipe acertou o gol adversário. O Cruzeiro começou melhor, mas foi perdendo espaço em campo. O time mineiro chegou primeiro aos 13, em ótimo lançamento de Adriano para Raúl Cáceres. O lateral paraguaio cruzou para a área e Rafael Sobis cabeceou uma bola que estava muito alta. Por isso, o camisa 10 errou – por muito – a direção do gol.

No minuto 20, por causa de uma lesão, Luxemburgo foi obrigado a fazer uma substituição: machucado, Bruno José saiu e Marcinho entrou. Depois disso, o Cruzeiro teve menos o controle do jogo e só chegou nos minutos finais. Aos 40, Wellington Nem arriscou de fora da área e isolou. Seis minutos depois, mesmo pela ala-direita, Rafael Sobis bateu forte e a bola subiu demais.

Já o Goiás foi crescendo durante a partida e chegou algumas vezes com Alef Manga, mas o Esmeraldino também não estava com o pé calibrado no primeiro tempo. Aos 24, Elvis bateu uma falta na área e Caio Vinicius cabeceou para fora. Dois minutos depois, Alef Manga recebeu no meio e bateu, mas a tentativa não teve a direção do gol.

O melhor chute do Goiás na parte inicial aconteceu aos 35. Depois de Elvis cobrar escanteio pela direita, a bola passou pela área e chegou aos pés de Alef Manga. O camisa 11 estava no “fundo” da área e, mesmo assim, arriscou de primeira: a bola foi forte e passou perto do travessão de Fábio. Alef Manga ainda finalizou no minuto 41, quando Elvis cruzou e Nicolas fez o pivô para o arremate de Alef de fora da área. No entanto, a bola subiu e o primeiro tempo terminou empatado sem gols.

O segundo tempo

O início ruim, mas, na sequência, os dois gols

Assim como o primeiro tempo, a segunda etapa começou sem intensidade e qualidade. Aos 6, Elvis cruzou na área e Nicolas cabeceou para fora. Cinco minutos depois, Giovanni Piccolomo recebeu, girou e bateu de fora da área, mas a bola também não teve a direção certa. E este foi o último lance do Giovanni, visto que Luxemburgo colocou Claudinho na vaga do camisa 28 logo na sequência. O técnico do Cruzeiro ainda aproveitou a parada aos 11 para colocar Thiago no lugar de Rafael Sobis.

A bola ainda não tinha ido na direção do gol, mas as substituições, de ambos os lados, “deram um gás na partida”. Aos 17, Claudinho tocou para Wellington Nem, o camisa 21 acelerou pelo meio e deu o passe para Thiago no momento exato. O centroavante, em um dos seus primeiros toques na bola, foi frio e tocou por cima, com a perna esquerda, na saída de Tadeu. Um belo gol cruzeirense para abrir o placar.

No entanto, a vantagem no placar não durou dois minutos. Aos 19, Apodi chegou pela direita e cruzou rasteiro. Eduardo Brock tirou o perigo da área, mas afastou mal e deu no pé de Dieguinho. Com esperteza, o ponta do Goiás dominou e, rapidamente, tocou para trás, encontrando Elvis na entrada da área. O armador do Esmeraldino chegou batendo de primeira e “chapou” no canto esquerdo de Fábio, que nada pôde fazer. Outro bonito gol e o empate voltou ao marcador da Serrinha: 1 a 1.

Pós-gols e lances finais

Depois do gol, os times diminuíram a velocidade dos acontecimentos e o jogo voltou a ser mais pacato. Aos 27, Wellington Nem arriscou de fora da área e a bola foi para fora. O mesmo aconteceu com Marcinho no minuto 35, quando ele também chutou de longe.

O Goiás chegou duas vezes com mais perigo até o fim da partida. Aos 32, em boa trama pela esquerda, a bola foi levantada para a área e a zaga cruzeirense tirou. Porém, Elvis ficou com ela ainda dentro da área e tocou para Nicolas que estava na esquerda. O centroavante bateu de primeira e acertou a defesa cruzeirense. Ainda no rebote, Adriano furou e Apodi tentou, todavia o chute não foi na direção de Fábio. Dez minutos depois, Artur acelerou pela esquerda e tocou para Dieguinho finalizar, mas Ramon travou bem e evitou uma boa finalização do Esmeraldino.

Depois da tentativa de Dieguinho, o Goiás teve quatro escanteios consecutivos, os quais Elvis cobrou com muito perigo, porém a zaga estava bem posicionada. No quarto tiro de canto seguido do Esmeraldino, o Cruzeiro conseguiu conectar um contra-ataque quase fatal aos 46 da segunda etapa. Felipe Augusto, atleta que substituiu Marcinho, acelerou pela esquerda e percorreu boa parte do campo, encontrando, com um bom passe, Claudinho na direita. Com esperteza, o meia cortou para o meio, bateu de esquerda e a bola ainda desviou na marcação. Logo, Tadeu não conseguiu encaixar e rebateu para frente, encontrando Thiago. O centroavante estava adiantado, mas teve a grande chance da partida. E errou. Mesmo dentro da pequena área, o autor do gol cruzeirense isolou e o jogo se arrastou até o apito final, indicando 1 a 1 no placar.

O Cruzeiro volta a campo no próximo sábado, às 11 horas da manhã, na Arena do Jacaré, contra a Ponte Preta.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Murilo Andrade Marçal

Este clube está entupido de jogadores pés de rato, e de conselheiros ladrões, tomara eu acabe.