Muita chuva e pouco futebol: Cruzeiro e CRB empatam por 0 a 0 no Rei Pelé

Campo contou com muita água e pouco futebol. Foto: Francisco Cedrim/ AscomCRB. Fonte: Twitter do CRB

O nome do estádio não foi honrado. No palco de uma bonita homenagem alagoana para o maior jogador da história, o futebol que foi visto não foi nada bonito. No Estádio Rei Pelé, em Maceió, CRB e Cruzeiro protagonizaram um jogo marcado pelos erros de passe, alto número de faltas e poucas finalizações corretas. A equipe mineira até dominou a 1ª etapa, mas não fez um bom 2º tempo e só levou perigo no fim da partida. No entanto, esta recuperação cruzeirense ocorreu tarde demais e o placar não sofreu alterações.

Neste domingo, 29 de agosto, o Cruzeiro visitou o CRB e as equipes empataram por 0 a 0 em Alagoas. O jogo válido pela 21ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro deu sequência ao ótimo momento do time alagoano no retrospecto frente à Raposa, visto que o Galo do Nordeste não perdeu os últimos seis confrontos desde o início de 2020 e a última vitória da equipe mineira aconteceu em 2006.

Com o resultado, o Cruzeiro não ganhou e nem perdeu posições nesta rodada. A equipe azul celeste alcançou o 25º ponto e está na 14ª posição. A grande questão é que a distância para a zona do rebaixamento é de apenas quatro pontos e o Botafogo, 1ª equipe dentro do G-4, está dez pontos à frente da Raposa. Já o CRB perdeu uma grande chance de assumir a liderança, porém está na 3ª colocação, com 37 pontos, e é um real candidato ao acesso.

O jogo e as atuações individuais

O Cruzeiro finalizou três vezes no alvo, sendo que dois chutes só aconteceram nos acréscimos, ou seja, a equipe passou os 90 minutos com apenas um chute correto. Portanto, um jogo decepcionante do time azul de BH. Além disso, alguns números das duas equipes definem quão ruim foi o encontro da Raposa e do Galo do Nordeste: quase 200 passes errados no jogo, ambas as equipes com menos de 80% de passes certos, 41 faltas cometidas e só cinco finalizações corretas. Não foi nada vistoso e o empate sem gols é o resultado perfeito para um jogo que a qualidade técnica passou longe.

Em uma análise mais aprofundada, o Cruzeiro teve alguns momentos positivos, visto que o clube dominou a 1ª etapa, mesmo não apresentando efetividade na parte final do campo. A equipe de Vanderlei Luxemburgo teve segurança na defesa, vacilou poucas vezes e até teve a bola, mas o domínio e o controle dos 45 minutos iniciais não progrediram. O último passe não estava funcionando e tampouco as jogadas individuais, já que o campo estava muito molhado. Com isso, foram poucas tramas organizadas pelo Cruzeiro e o time deixou a desejar mesmo com uma boa ideia de jogo no 1º tempo.

Além disso, alguns jogadores ficaram ainda mais apagados durante toda a partida e comprometeram o coletivo. Ramon “entregou” uma das melhores chances do CRB na partida, ainda no 1º tempo, quando errou um passe simples na saída de bola. Rômulo cometeu erros bobos e, aparentemente, a sua condição física não é a ideal para atuar na lateral-direita. Bruno José, importante válvula de escape do Cruzeiro, não jogou bem e fez falta. Em contrapartida, Fábio fez uma grande defesa e salvou a equipe mineira, e Adriano mostrou novamente que deve ser titular do meio-campo cruzeirense.

CRB x Cruzeiro

Com o desfalque de Marcelo Moreno devido à convocação do atacante para a Seleção Boliviana, o técnico Vanderlei Luxemburgo promoveu a entrada do jovem Thiago, deixando Rafael Sobis no banco. No meio-campo, por causa do remanejamento de Rômulo à lateral-direita, Flávio assumiu a vaga ao lado de Adriano. Por isso, o Cruzeiro entrou em campo com Fábio; Rômulo, Ramon, Brock e Matheus Pereira; Adriano, Flávio e Giovanni Piccolomo; Bruno José, Thiago e Wellington Nem.

O 1º tempo

Talvez a grande atração da 1ª etapa tenha sido a forte chuva no Estádio Rei Pelé. Com mais de uma falta a cada dois minutos – foram 24 infrações em 45 minutos -, a partida ficou bem travada, com diversos passes errados e o campo molhado prejudicou as equipes.

A 1ª finalização da partida aconteceu aos 16 da 1ª etapa: Wellington Nem fez uma boa jogada pela direita e tocou para Giovanni Piccolomo, meio-campista que dominou e arriscou de fora, mas foi bloqueado. Dois minutos depois, o mesmo Giovanni cobrou uma falta da intermediária e levou muito perigo ao gol do CRB. O camisa 28 arriscou com força, bateu rasteiro, por fora da barreira, e obrigou o goleiro Diogo Silva a fazer uma grande defesa.

Na sequência, o campo ficou ainda mais molhado devido à chuva e as finalizações desapareceram. Aos 20, Bruno José deu um ótimo passe para Giovanni e o meio-campista cruzou rasteiro para a área, porém ninguém empurrou para as redes. Três minutos depois, Jajá tocou para Pablo Dyego e o atacante estava livre, porém a bola foi um pouco mais forte e Fábio encaixou.

A chance do CRB

A grande chance da etapa inicial aconteceu aos 39 e foi a 1ª finalização do CRB na partida. O zagueiro Ramon deu um passe errado na saída de bola e Jajá aproveitou para acelerar pela esquerda. O ponta avançou, cruzou para a 2ª trave e Junior Brandão bateu de primeira. A bola passou bem próxima da meta de Fábio. O time alagoano ainda chegou novamente no minuto 41, em uma ótima trama interna, onde Júnior Brandão ajeitou para Renan Bressan arriscar, porém, novamente, a bola foi para fora. No fim da 1ª etapa, aos 45, Bruno José ainda tentou assustar o goleiro do CRB, mas errou o chute. Portanto, fim de um 1º tempo sem graça e sem gols.

O 2º tempo

Com a mesma falta de intensidade, a etapa final começou com certa lentidão. Aos 5, Bruno José recebeu um lindo lançamento de Giovanni, entrou na área, dividiu com o marcador e bateu em cima do goleiro, mas o árbitro marcou falta do camisa 16 no defensor do CRB, invalidando a jogada. Três minutos depois, Wellington Nem tocou para Giovanni e o meio-campista arriscou do “meio da rua”, mas a bola foi bloqueada pelo zagueiro Gum.

Depois da entrada do talentoso Diego Torres, o CRB tentou atacar mais e deu mais espaço para o Cruzeiro contra-atacar. O time alagoano chegou aos 10 e 11, em uma cabeçada errada de Gum e um chute equivocado de Marthã, mas a Raposa assustou no minuto 13, quando Bruno José arrancou, tocou para Wellington Nem e o ponta bateu com a canhota, porém a bola passou ao lado da trave de Diogo Silva.

Tentando buscar o resultado, Luxemburgo promoveu mudanças: aos 16, Rafael Sobis substituiu o centroavante Thiago, atacante que sequer finalizou na partida; no minuto 24, Claudinho e Felipe Augusto entraram nas vagas de Giovanni e Bruno José; por fim, aos 33, Marcinho e Marco Antônio ocuparam os lugares de Wellington Nem e Flávio.

A grande defesa de Fábio e os bons minutos finais do Cruzeiro

Enquanto isso, o CRB resolveu atacar mais e esteve próximo do 1º gol da partida aos 26. Em escanteio cobrado pela esquerda por Alisson Farias, Guilherme Romão cabeceou na 1ª trave e Fábio fez uma grande defesa no seu canto direito. Existiu uma dúvida se a bola entrou ou não, mas o VAR revisou e indicou que a bola realmente não entrou. Cinco minutos depois, Romão recebeu na área e finalizou, mas, desta vez, a tentativa do lateral não acertou a meta de Fábio.

Com as substituições de Luxemburgo, o Cruzeiro melhorou ofensivamente e chegou com perigo nos minutos finais, porém não balançou as redes. Aos 46, Felipe Augusto recebeu de Marco Antônio e bateu para fora. Dois minutos depois, Matheus Pereira fez boa jogada pela esquerda e tocou para Rafael Sobis. O camisa 10 bateu devagar e Diogo Silva caiu para fazer a defesa. Na jogada seguinte, Matheus Pereira bateu forte e o goleiro do CRB fez a defesa novamente, garantindo o empate no placar.

O Cruzeiro volta a campo apenas na quinta-feira da próxima semana, no dia 07 de setembro, às 21:30, contra o Goiás, em Goiânia.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments