Com emoção, a liderança é do Galo! De virada, Atlético bate o Juventude por 2 a 1 e alcança a 8ª vitória seguida

A comemoração de Nathan Silva ao fazer o gol da virada! Foto: Pedro Souza / Atlético

Não faltou emoção para todos atleticanos. E o presente para todos os pais que torcem para o Atlético foi a 8ª vitória consecutiva, um feito histórico. No dia dos pais, o Galo fez um 1º tempo horroroso, mas se recuperou, virou a partida e assumiu a liderança do Campeonato Brasileiro, visto que aproveitou o tropeço do Palmeiras e fez a sua parte. No entanto, a vitória atleticana foi com bastante emoção: até os 30 do 2º tempo, o Atlético estava perdendo para o modesto Juventude, mas Hulk e Nathan Silva marcaram e o Galo buscou uma importantíssima vitória no Rio Grande do Sul.

Nesta tarde de domingo, 8 de agosto, o Atlético bateu o Juventude por 2 a 1 no estádio Alfredo Jaconi, em partida válida pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2021. Esta vitória do Galo fez o clube alcançar a sua maior sequência de vitórias em um Brasileirão de pontos corridos: é o 8º triunfo consecutivo do Atlético e a torcida deve ficar bem animada com o atual momento do clube no torneio.

Além do feito histórico, a importantíssima vitória do Galo colocou o time mineiro na liderança do Campeonato Brasileiro pela 1ª vez em 2021. Devido à derrota do Palmeiras para o Fortaleza na noite de sábado, 7, o Atlético entrou em campo sabendo que precisava vencer para assumir a ponta do Brasileirão. E venceu. Com muita emoção, o Galo engatou a 8ª vitória seguida e chegou aos 34 pontos em 15 jogos, deixando o Palmeiras dois pontos atrás. O curioso é que os rivais se enfrentam no Mineirão, no próximo sábado, 14, às 19 horas. Já o Juventude segue na 13ª posição com 16 pontos.

O jogo e as atuações individuais

A melhor definição para o jogo atleticano é uma montanha-russa. O time mineiro fez um 1º tempo muito ruim, não conseguiu produzir nada e sofreu um gol no fim da etapa inicial. As várias modificações de Cuca podem ser a causa do 1º tempo fraco, visto que o Galo contava com poucos jogadores incisivos e que buscavam o gol na etapa inicial. Aparentemente, o treinador do Atlético entendeu que havia cometido um erro, colocou mais jogadores ofensivos nos 45 minutos finais, foi ousado e a vitória é resultado de uma importante correção de Cuca.

Além das substituições, a mudança de postura foi crucial para buscar a importantíssima virada. Com mais jogadores no campo de ataque, o Atlético mudou bastante a sua ideia de jogo e não deixou o Juventude o atacar: enquanto a equipe alvinegra finalizou apenas cinco vezes, sendo apenas uma na direção certa, na 1ª etapa, o tempo final reservou incríveis 15 arremates atleticanos. E estas inúmeras tentativas do Atlético foram recompensadas pela virada.

Com muita inteligência, Hulk e Sasha tabelaram e protagonizaram um gol semelhante ao 1º gol contra o Bahia, ou seja, os atacantes estão tendo um entrosamento interessante. Já o tento da virada, foi marcado em um ótimo cruzamento de Nacho Fernández e uma testada certeira de Nathan Silva, atleta que havia falhado no gol do Ju, mas se recuperou e é merecidamente titular da equipe. Enfim, uma atuação de altos e baixos do Atlético, como uma montanha-russa. Em meio a isso tudo, o time engatou mais uma vitória, teve bons destaques individuais, Cuca enxergou os erros cometidos, os corrigiu e o Atlético é o líder do Brasileirão. O objetivo é “apenas” seguir como 1º colocado nas próximas 23 rodadas. A torcida acredita?

Juventude x Atlético

Já pensando nas quartas de final da Copa Libertadores, confronto que terá a sua 1ª partida na próxima quarta-feira, 11, o técnico Cuca optou por uma escalação mesclada. Os titulares Mariano, Junior Alonso e Savarino ficaram no banco e Guga, Igor Rabello e Dylan Borrero ganharam chance no time titular. Além deles, Hyoran também foi titular e existe uma indefinição sobre a escolha do técnico devido à ausência do lesionado Zaracho na Libertadores. Portanto, a escalação do Atlético contou com Everson; Guga, Igor Rabello, Nathan Silva e Dodô; Allan, Tchê Tchê, Dylan Borrero, Nacho Fernández e Hyoran; Hulk.

O 1º tempo

Os 45 minutos iniciais foram bem desanimados e com poucas chances: apenas dois chutes certos. O Atlético finalizou cinco vezes, mas não levou real perigo ao gol de Marcelo Carné.

No 1º minuto, Tchê Tchê recebeu de Guga e arriscou de fora da área, mas a bola subiu demais. Aos 19, Hyoran começou uma boa jogada pela esquerda, tocou para Nacho e o argentino encontrou Dodô quase na linha de fundo. O lateral cruzou e Dylan finalizou com as costas e não acertou o alvo. No minuto 29, o Galo teve uma sequência de tentativas de arremates: Hyoran bateu travado, Guga tentou chutar e foi derrubado por Capixaba e Hyoran aproveitou o rebote, mas bateu fraco na direção do gol, na única finalização certeira do Atlético na 1ª etapa.

Aos 31, o torcedor atleticano pediu pênalti duas vezes na mesma jogada. Após passe de Tchê Tchê, Dodô entrou na área e caiu após Paulo Henrique dar um tranco nas suas costas. Na sequência, Hyoran tentou dominar e Rafael Forster deu um carrinho, evitando o domínio do camisa 20. Os jogadores do Atlético pediram pênalti, mas o árbitro e o VAR mandaram o jogo seguir. Três minutos depois, o Galo assustou o rival com um bom cruzamento de Dodô: a bola passou por Nacho e Dylan devolveu para a área, mas Hulk não dominou. O jovem colombiano ainda arriscou aos 42, após passe de Nacho Fernández, porém o chute de Dylan Borrero parou na defesa do Juventude.

Enquanto o Atlético tentou mais, mesmo sem qualidade, o Juventude buscou contragolpear. As duas primeiras finalizações aconteceram aos 11, em chute de Paulinho Boia travado por Igor Rabello, e no minuto 21, em falta cobrada por Rafael Forster que parou na barreira. No entanto, a 3ª e última finalização do Ju na 1ª etapa foi fatal. Aos 45, Rafael Forster fez um lançamento desde o seu campo, Chico raspou de cabeça e Paulinho Boia recebeu nas costas da defesa. O camisa 11 do Juventude entrou na área, driblou Igor Rabello e bateu de esquerda, no canto direito de Everson. A bola entrou, mas o auxiliar marcou impedimento. Entretanto, o VAR revisou a jogada, viu que Nathan Silva deu condição para o ataque do time gaúcho e confirmou o gol de Paulinho Boia: 1 a 0 para o Juventude e fim de um 1º tempo ruim, mas com vantagem do Ju.

O 2º tempo

Ótimo início atleticano, mas sem balançar as redes

Depois de um 1º tempo muito ruim e com a desvantagem no placar, o técnico Cuca promoveu duas mudanças logo no intervalo: Nathan e Savarino entraram nas vagas de Hyoran e Tchê Tchê. E as mudanças colocaram o Atlético mais próximo do seu objetivo rapidamente, visto que o time chegou ao gol adversário algumas vezes nos dez primeiros minutos da 2ª etapa.

No minuto 3, Hulk cobrou uma falta e acertou a barreira. Na sequência, Dodô fez ótimo cruzamento e o camisa 7 tentou dominar com a coxa, porém o domínio de Hulk não foi bom e a bola foi para as mãos de Marcelo Carné. Aos 6, Nacho tocou para Hulk e o artilheiro atleticano bateu de perna direita, mas foi travado.

Três minutos depois, Dylan cruzou bem e Nacho Fernández ajeitou para o meio, buscando Nathan, porém o meio-campista atleticano tentou um voleio e acabou acertando Didi, zagueiro do Juventude que havia afastado a bola. Aos 10, para fechar este bom início atleticano, o Galo produziu a sua melhor chance na partida até então: com muita inteligência, Hulk descolou um lindo passe com a perna direita e Nacho Fernández cabeceou livre, no contrapé de Carné, mas a bola foi para fora, passando muito próximo da trave esquerda do goleiro do Juventude.

Com menos ímpeto em relação ao início, mas com domínio, o Atlético chegou com perigo duas vezes antes do minuto 20. Aos 16, Nacho Fernández cobrou uma falta da intermediária e errou a direção. No minuto 18, Dodô fez boa jogada pela esquerda, Hulk tentou dentro da área e a bola sobrou para Guga. O lateral ajeitou para Dylan Borrero e o colombiano cruzou para o meio, mas Marcelo Carné dividiu com Savarino e afastou o perigo. No entanto, o goleiro ficou caído e a bola voltou para os pés de Dylan. Mesmo com o gol livre em um ângulo complicado, o jovem jogador do Atlético bateu de primeira e isolou, perdendo uma grande chance.

Mudanças e o gol de Hulk

Era claro que o até então vice-líder do Brasileirão precisava, no mínimo, pontuar contra o Juventude e Cuca promoveu outra mudança: aos 22, Eduardo Sasha entrou na vaga de Dylan Borrero. Mas foi o Juventude que levou perigo quatro minutos depois, porém a arbitragem assinalou o impedimento de Paulinho Boia antes do atleta tentar um gol antológico: o autor do 1º gol recebeu no meio-campo e tentou encobrir Everson, mas, segundo o auxiliar, ele estava impedido e o lance não estava valendo quando ele finalizou.

No minuto 28, o Juventude ofereceu um presente, mas o Atlético não aproveitou. Depois de um recuo, o zagueiro Rafael Forster errou o domínio e Savarino acelerou pelo meio, livre de marcação. No entanto, Marcelo Carné saiu bem e impediu o drible do ponta venezuelano. Após o desvio no goleiro, Savarino ainda ficou com a bola, mas estava sem ângulo e optou por um cruzamento. A tentativa de Sava foi errada e a zaga do Juventude conseguiu se recuperar.

Necessitando de uma virada, Cuca adiantou ainda mais o seu time: no minuto 30, tirou Allan e Dodô e colocou Calebe e Jair. Logo na sequência, o Atlético empatou. Hulk recebeu a bola no meio-campo e acelerou, como de costume. O camisa 7 tocou para Eduardo Sasha e o camisa 18 foi muito inteligente na devolução. Após uma boa assistência de Sasha, Hulk gingou, entrou na área e bateu na saída do goleiro Marcelo Carné. Um gol muito inteligente do Atlético e mais um tento do artilheiro Hulk: 1 a 1 no placar.

Com amplo domínio, o Atlético seguiu em cima em busca da virada. Aos 40, Hulk arriscou de fora da área e a bola desviou na zaga, assustando o goleiro do Juventude. No escanteio seguinte, após uma cobrança ruim, Savarino levantou a bola na área e Igor Rabello cabeceou, porém Marcelo Carné fez mais uma defesa. Quatro minutos depois, Savarino arriscou de longe e foi travado. Na sequência do bombardeio atleticano, Calebe cruzou para a área e Sasha tentou em uma meia-bicicleta, mas a bola foi embora pela linha de fundo.

No apagar das luzes

A vontade atleticana de virar a partida era evidente e o Juventude não estava conseguindo jogar – foram duas finalizações durante o 2º tempo e nenhuma foi no gol de Everson. Com ímpeto ofensivo, o Atlético chegou e conseguiu a virada no apagar das luzes. Aos 46, Nathan cruzou para a área buscando Eduardo Sasha, o atacante atleticano não encostou na bola e, mesmo assim, Marcelo Carné espalmou, visto que a bola tinha a direção do gol.

Na cobrança de escanteio, Nacho Fernández colocou a bola na cabeça de Nathan Silva e o zagueiro cabeceou forte, no canto esquerdo de Marcelo Carné. Desta vez, o goleiro do Juventude nada pôde fazer, visto que a testada da cria da base do Atlético foi excelente e balançou as redes. Gol de Nathan Silva. Gol da virada do Galo: 2 a 1 no placar aos 47 do 2º tempo e o jogo se arrastou até o fim sem nenhuma grande chance. Enfim, mais uma vitória atleticana.

O Galo volta a campo na próxima quarta-feira, 11, às 21:30, contra o River Plate-ARG, pela Copa Libertadores da América.

Juventude x Atlético

35% Posse de bola 65%
6 Finalizações 20
1 Finalizações no gol 4
4 Escanteios 5
1 Impedimentos 2
17 Faltas 14
305 Passes 586
232 (76%) Passes certos 517 (88%)
Fonte: SofaScore.com

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Dani

Vencer vencer é o nosso ideal. Vamos galo canta alto.