Em mais uma atuação consistente da defesa, Hulk e Zaracho brilham e Atlético vence o Bahia por 2 a 0 pela Copa do Brasil

O brilho de Hulk e Zaracho. Foto: Pedro Souza / Atlético

Não correr riscos e fazer gols: este é o lema atleticano nas últimas partidas, visto que o time está visando a segurança defensiva e busca os gols para sacramentar as vitórias. Mesmo com algumas atuações não tão vistosas tecnicamente e com alguns problemas táticos, o Atlético conseguiu concluir o mês de julho de forma invicta – sete vitórias e dois empates – e alcançou este feito após vencer, mais uma vez, o Bahia no Mineirão. Com brilho de Hulk e Zaracho e em mais uma atuação muito consistente da defesa, o Galo venceu o adversário e deu um passo importante em busca das quartas de final da Copa do Brasil.

Nesta quarta, 28, o Atlético venceu o Bahia por 2 a 0 no Mineirão e os gols de Hulk e Zaracho deram alegria à torcida alvinegra justamente no horário nobre da televisão brasileira no meio de semana. A vitória do Galo foi válida pela partida de ida das oitavas de final da Copa do Brasil e o time de Cuca abriu uma boa vantagem.

Com o resultado, o Atlético pode até perder no jogo da volta por um gol de diferença que não será eliminado. A 2ª partida das oitavas de final da Copa do Brasil acontecerá na próxima quarta-feira, às 21:30, em Feira de Santana-BA e qualquer vitória, empate ou derrota por até um gol de diferença classifica a equipe mineira. Para chegar às quartas de final, o Bahia precisa vencer por três ou mais gols de diferença. Em caso de triunfo do Bahia por dois gols de vantagem, o jogo será resolvido nos pênaltis – independentemente do placar, já que a competição de mata-mata não conta com o critério de gol fora de casa.

Os jogos e as atuações individuais

A partida desta noite foi quase uma reprise do confronto do último domingo: o Galo teve o domínio das ações, Hulk marcou de perna direita e a equipe mineira não sofreu gols. O roteiro muito parecido entre a vitória atleticana sobre o Bahia no final de semana e a partida desta noite é resultado de mais uma atuação bem segura de todo o time atleticano. Enquanto a defesa segue com muita consistência, o ataque continua sendo liderado por Hulk e o artilheiro hoje teve a companhia do talentoso Matías Zaracho.

Começando pelo aspecto tático defensivo, o Galo correu mais perigos nesta partida, ao comparar com o jogo do último fim de semana com o mesmo adversário, mas não foi nada assustador. É evidente que houve uma falha gritante ainda no 1º tempo, quando a zaga estava adiantada e Ronaldo recebeu nas costas, mas Everson, atleta que é parte importante deste setor defensivo, salvou os seus companheiros com uma bela defesa. Enfim, são necessários ajustes, mas a defesa esteve bem mais uma vez e o destaque, além de mais uma ótima partida de Everson, é a contestada dupla de volantes: Allan e Tchê Tchê são rápidos e cobriram, diversas vezes, as necessárias subidas dos laterais.

Já no ataque, Hulk segue em ótima fase e decidiu mais um jogo para o Atlético. No 1º gol, o atacante fez o pivô fora da área, tabelou e deu um lindo passe de cavadinha para Dodô encontrar Zaracho dentro da pequena área. No 2º tento, o atacante do Galo recebeu, encarou toda a defesa do Bahia e bateu forte de perna direita. Hulk se destacou e teve a companhia de um “hermano”: Matías Zaracho também foi muito bem. Mesmo jogando mais adiantado, o argentino atuou bem, pressionou a saída de jogo do rival, marcou o seu gol e deu uma assistência, além de suprir a falta de bom futebol do seu conterrâneo Nacho Fernández, atleta que não fez uma grande partida.

Atlético x Bahia

Depois de dar um certo descanso a dois titulares – Savarino e Tchê Tchê -, o técnico Cuca colocou as suas melhores peças em campo e a escalação inicial foi o mais completa possível. Na defesa, Réver assumiu a vaga deixada por Nathan Silva, zagueiro que já jogou a Copa do Brasil pelo Atlético-GO e não pode atuar pelo Galo. A surpresa da escalação foi a escolha de um estrangeiro para o banco de reservas: com quatro titulares estrangeiros, Cuca optou por Dylan Borrero como suplente e não pôde relacionar Alan Franco e Eduardo Vargas. Com isso, o Atlético entrou em campo com Everson, Mariano, Réver, Alonso e Dodô; Allan, Tchê Tchê, Zaracho e Nacho Fernández; Savarino e Hulk.

O 1º tempo

Muitos erros iniciais

A partida começou com os dois times interessados em jogar, tentando atacar, mas as equipes erraram o alvo várias vezes. Aos 3, Rossi acelerou pela direita e chutou com a perna esquerda, mas a bola subiu muito. No minuto 7, Hulk arriscou de fora da área e a bola foi na direção equivocada. Quatro minutos depois, foi a vez de Tchê Tchê arriscar e também errar a direção do gol. No fim desta sequência de erros em arremates, Zaracho recebeu de Hulk e o seu chute passou ao lado da meta do Bahia.

Na sequência, aos 17, o Bahia perdeu uma grande chance. Gilberto fez a jogada pelo meio e deu um lindo passe para Ronaldo, que estava nas costas da mal posicionada defesa atleticana. Com apenas Mariano na marcação, o camisa 57 do Bahia driblou o lateral e estava livre dentro da área. Porém, Everson abafou Ronaldo e fez uma “defesa de futsal” no chute do atacante do Bahia, atleta que poderia ter tocado para Daniel que estava livre ao lado. Além do arremate sem força que parou na perna de Everson, Ronaldo perdeu uma grande chance quando não tocou para o seu companheiro.

Após se assustar e ser salvo por Everson, o Atlético chegou duas vezes com Nacho Fernández, aos 18 e 21, mas o argentino estava bem marcado e bateu travado nas duas oportunidades. A 1ª finalização correta do Galo também saiu dos pés de Nacho, aos 30, mas a finalização também foi mal feita. Já o Bahia, depois de perder uma grande chance com Ronaldo, chegou com perigo aos 23: após pressão mal exercida pelo Atlético, o Tricolor encaixou um contra-ataque com três atacantes contra três defensores, mas Réver travou Gilberto no momento da finalização.

O gol atleticano

Os dois times estavam errando bastante, mas o Atlético tentava criar uma jogadapara chegar realmente com perigo. E teve êxito aos 36. Réver começou a jogada e deu um belo passe vertical encontrando Hulk como pivô. O artilheiro tabelou com Nacho, levantou a cabeça e deu uma linda cavadinha para Dodô nas costas da defesa. O lateral entrou na área, cruzou rasteiro e Savarino e Zaracho estavam fechando na área. O argentino, dono da camisa 15, empurrou para as redes com o pé direito, a bola ainda bateu no travessão e a bela jogada atleticana foi concluída com um importante tento. Gol de Zaracho: 1 a 0 para o Atlético no Mineirão.

Na sequência do gol, o Galo seguiu dominando e até Allan arriscou de fora da área, aos 42, mas Danilo Fernandes encaixou com tranquilidade. No minuto 45, Mariano cruzou e encontrou Nacho Fernández livre na área, mas o argentino se assustou com tamanha liberdade que tinha e não conseguiu bater forte: o chute de Nacho foi, praticamente, um recuo e o Galo desperdiçou uma grande chance.

Em meio aos bons 15 minutos finais do Atlético no 1º tempo, o Bahia chegou duas vezes. Aos 34, Rossi tocou para Gilberto e o atacante bateu, mas o chute do camisa 9 foi sem força. No minuto 47, Matheus Bahia recebeu na esquerda, em bom contra-ataque do Bahia, e chutou forte, obrigando Everson a fazer grande defesa. No rebote, Gilberto até tentou, mas a defesa se recompôs, dando números finais à primeira etapa.

O 2º tempo

Pressão inicial baiana, mas gol do artilheiro mineiro

Com a desvantagem no placar, o Bahia voltou com um ímpeto bem mais ofensivo e chegou com perigo no início da etapa final. Aos 3, Rossi dominou no meio e arriscou de fora da área. A bola passou muito próxima do travessão de Everson. Sete minutos depois, aos 10, Gilberto recebeu no centro, levou para a canhota e também chutou de longa distância. O chute do camisa 9 foi forte e Everson tentou encaixar, mas não conseguiu. Depois do goleiro “bater roupa”, Alonso cortou e afastou o perigo da área.

Mesmo com o domínio inicial do Bahia, o Atlético seguiu muito bem postado na defesa e não correu riscos defensivos. Com isso, os espaços ofensivos foram surgindo. Aos 22, Nacho Fernández puxou um contra-ataque e foi derrubado por Gilberto. O árbitro ia parar o jogo, porém Zaracho foi esperto, aproveitou a vantagem e deu sequência ao contragolpe. O argentino tocou para Hulk e o atacante teve a chance de finalizar, mas hesitou no momento da finalização com a perna direita e preferiu levar para a perna esquerda. Com a demora para arrematar, o Bahia fechou e Hulk perdeu uma grande chance no lance que poderia originar a 1ª finalização correta do Galo no 2º tempo.

No entanto, o artilheiro atleticano não iria hesitar novamente em um lance semelhante e a dobradinha Zaracho-Hulk deu resultado. Aos 29, o Bahia errou de forma bisonha a saída de bola e Nacho aproveitou para roubar. Porém, o camisa 26 escorregou e a bola ficou nos pés de Zaracho que, novamente, fez um bom passe para Hulk. Desta vez, o camisa 7 entrou na área, passou pela marcação na habilidade e na força, armou o chute com a perna direita e balançou as redes do Tricolor. O chute de Hulk foi tão forte que o goleiro Danilo Fernandes nem foi na bola: gol de Hulk e 2 a 0 para o Galo .

Minutos finais

Precisando de pelo menos um gol para diminuir o problema para a próxima semana, o Bahia chegou com perigo algumas vezes nos minutos finais. Aos 30 e 31, Lucas Araújo finalizou duas vezes de longa distância e o goleiro Everson fez as duas defesas com tranquilidade. No minuto 37, Rodriguinho, atleta que entrou no 2º tempo, fez a jogada pela esquerda e cruzou para Gilberto. O atacante dominou, girou e bateu, mas a defesa travou corretamente. Na sobra, Rodriguinho ainda tentou achar Rossi, mas a zaga afastou novamente. A grande jogada do Bahia nos minutos finais aconteceu aos 45, quando Rossi cruzou muito bem da direita e Gilberto subiu em meio aos zagueiros atleticanos. O cabeceio do camisa 9 foi muito bom e Everson “voou” para fazer a defesa no seu ângulo direito.

Já o Atlético, com a vantagem no placar, fez as cinco substituições e teve duas boas chances. Aos 40, Calebe, Hyoran e Sasha entraram nas vagas de Nacho, Savarino e Zaracho. Seis minutos depois, Hulk e Tchê Tchê saíram para as entradas de Nathan e Neto.

O time de Cuca chegou aos 42 com boa jogada de Eduardo Sasha: o camisa 18 fez a jogada pelo meio e bateu de fora da área, mas Danilo Fernandes, em dois tempos, fez a defesa. No minuto 48, Neto tocou para Hyoran e o meio-campista fez um ótimo passe para Nathan. O camisa 23 entrou na área, bateu na saída de Danilo Fernandes e quase marcou o 3º gol atleticano. Com este lance final, o jogo se encerrou com um ótimo 2 a 0 para o Atlético.

O Galo volta a campo no próximo domingo, 01, às 16 horas, contra o Athletico-PR, no Mineirão.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments