O mata-mata chegou! Com possíveis novidades, Atlético enfrenta o Boca Juniors na La Bombonera nesta terça

Nacho pode ser a novidade atleticana e, certamente, deseja enfrentar o seu grande rival da época de River Plate. Foto: Pedro Souza / Atlético

A espera foi longa. O atleticano descobriu que iria duelar com o poderoso Boca Juniors em 1º de junho, 42 dias atrás. Enquanto isso, o Galo disputou Copa do Brasil, Brasileirão e aconteceu a Copa América no Brasil. Depois do término da competição continental de seleções, a Copa Libertadores da América retorna e o mata-mata, finalmente, se iniciará. Trata-se de um confronto de gigantes: Atlético e Boca Juniors são favoritos ao título continental de clubes por causa dos seus elencos e devido à tradição de ambas as equipes. Infelizmente, a ida atleticana à La Bombonera não contará com a sua apaixonada torcida, visto que a pandemia do coronavírus segue forte na América do Sul.

Nesta terça-feira, 13, Atlético e Boca Juniors se enfrentam às 19:15 no mítico estádio La Bombonera. O jogo desta noite é válido pela partida de ida das oitavas de final da Copa Libertadores da América de 2021 e é importante destacar que o gol fora de casa é critério de desempate. A partida contará com transmissão exclusiva do Fox Sports.

Os números e o momento

Uma diferença entre o calendário argentino e o brasileiro pode fazer muita diferença nesta noite. Enquanto o Atlético está jogando “quarta e domingo” desde o mês de abril, o Boca Juniors não atua há mais de um mês – precisamente, a última partida dos Xeneizes aconteceu em 31 de maio. E, curiosamente, por causa desta diferença, duas justificativas são válidas: o Atlético pode ser prejudicado pelo cansaço e desgaste devido à sequência de jogos, ao mesmo tempo que o Boca Juniors pode ser prejudicado por causa da falta de ritmo dos seus jogadores – além da falta de entrosamento, visto que alguns atletas chegaram recentemente.

Pelo lado do visitante, o Atlético chega cansado, mas em um ótimo momento: são quatro vitórias consecutivas e a 3ª colocação no Brasileirão, estando apenas três pontos atrás do líder Palmeiras. Na última rodada, poupando alguns titulares, o Galo venceu o rival América por 1 a 0 e deu continuidade ao bom momento. Na Copa Libertadores, o time mineiro possui números ainda melhores, visto que, na fase de grupos, o Atlético foi o melhor time da competição: foram cinco vitórias e um empate, ou seja, o time de Cuca ainda não perdeu na Libertadores e deseja seguir invicto em busca da “Glória Eterna”.

Já o Club Atlético Boca Juniors – sim, o Boca tem nome parecido com o seu rival – não entra em campo desde o dia 31 de maio, quando foi eliminado pelo Racing nos pênaltis, após empate por 0 a 0 – este jogo foi válido pela semifinal da Copa da Liga da Argentina, competição que foi organizada “no lugar” do campeonato nacional depois da pausa para a pandemia em 2020. Com isso, o Boca não entra em campo há 43 dias e a sua última vitória foi justamente na Libertadores: na fase de grupos, o Boca ficou na 2ª posição, atrás do Barcelona-EQU e à frente do Santos, depois de vencer três partidas, empatar um jogo – dentro de casa, no único tropeço na La Bombonera – e perdeu dois duelos como visitante.

Já o retrospecto indica um tabu para o Atlético quebrar na Argentina e uma pequena vantagem do Boca Juniors. Confira aqui detalhes do histórico do duelo e o chaveamento da Libertadores.

Possíveis novidades

A torcida atleticana ficou bastante ansiosa nos últimos dias por causa de um nome, principalmente. Nacho Fernández se lesionou contra o Cuiabá e ficou fora das partidas frente ao Flamengo e América. Em tratamento intensivo na fisioterapia, o atleticano queria contar com o “cérebro” da equipe no importantíssimo duelo contra o Boca Juniors. E o ex-jogador do River Plate, maior rival do Boca, estará, pelo menos, no banco de reservas.

A lista de relacionados do Galo confirmou a presença de três atletas que estavam lesionados e são importantes para o Atlético: além de Nacho, Dodô e Eduardo Vargas se recuperaram e viajaram para Buenos Aires. É possível que os três atuem, mas existe também a possibilidade de relacionar um jogador como Nacho Fernández apenas para bagunçar os planos do técnico adversário, já que o futebol é um jogo psicológico também. Até por isso, Cuca e ninguém da comissão técnica confirmaram se os atletas jogarão e quantos minutos aguentariam de um jogo de muita intensidade como, certamente, será o duelo desta noite.

Em contrapartida às novidades, o Atlético tem baixas importantes para este duelo. O meio-campista Nathan com um problema intestinal e Alan Franco com dores no joelho direito após pancada na Copa América ficaram fora e sequer viajaram para a Argentina. Keno, em fase final de recuperação, Marrony e Rafael continuam no departamento médico. Outro desfalque é Guilherme Arana por causa da seleção olímpica.

Enquanto o Atlético tem desfalques, o Boca Juniors está passando por um processo de reformulação. Desde a última partida, nove jogadores – entre eles, atletas importantes como Tévez, Zárate, Ábila, etc – deixaram a equipe e os Xeneizes foram ao mercado. O técnico Miguel Ángel Russo deve promover algumas estreias em meio a uma partida crucial para a temporada do Boca.

As escalações

A formação titular do Atlético depende bastante das condições de Dodô e Nacho Fernández, jogadores que seriam titulares caso estivessem 100% fisicamente. Ao pensar que os dois ficarão no banco, o time de Cuca deve seguir com Alonso como lateral-esquerdo e com Hyoran como meia, caindo mais pela esquerda. Porém, se ambos estiverem à disposição, a tendência é que Hyoran vá para o banco, dando lugar para Nacho, e Dodô entraria na vaga de um dos zagueiros – Igor Rabello (Nathan Silva) ou Réver. Além disso, o trio de meio-campistas deve contar com Allan, Tchê Tchê e Zaracho e o atacante terá a dupla “SavaHulk”, além da importante volta de Vargas ao banco de reservas.

Provável escalação: Everson; Mariano, Igor Rabello (Nathan Silva ou Dodô), Réver, Alonso; Allan, Tchê Tchê, Zaracho, Hyoran (Nacho Fernández); Savarino, Hulk. Técnico: Cuca.

Já o Boca Juniors conta com um time reformulado e, possivelmente, motivado para surpreender o Atlético. No ataque, o Boca conta com nomes conhecidos como Pavón e Villa, atacante que foi procurado pelo Atlético na última temporada. Além deles, a defesa conta com Marcos Rojo, atleta de Copa do Mundo pela Argentina e ex-Manchester United, e Izquierdoz, zagueiro que está no Boca Juniors desde 2018 e foi companheiro de Junior Alonso na equipe argentina, visto que o zagueiro paraguaio do Atlético atuava nos Xeneizes antes de ser contratado pelo Atlético em 2020. Os desfalques do Boca Juniors são os colombianos Fabra e Cardona, que ficaram na Colômbia, e os lesionados Almendra e Salvio.

Provável escalação: Rossi; Weigandt, Izquierdoz, Rojo, Sández; Rolón, Medina, González; Villa, Briasco, Pavón. Técnico: Miguel Ángel Russo.

Boca Juniors x Atlético

1ª partida das oitavas de final da Copa Libertadores da América de 2021
13/07/2021, 19:15 horas, La Bombonera
Transmissão: Fox Sports
Árbitro: Andrés Rojas (COL)
Assistentes: Milciades Saldivar (COL) e Eduardo Cardozo (COL).

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments