Curtas | Novidades para o duelo com o Boca, dívida do Galo paga, ídolo atleticano processando a Raposa, caso Felipe Conceição e muito mais. Resumo semanal de Atlético e Cruzeiro

Dodô é uma das novidades atleticanas. Foto: Pedro Souza / Atlético

O blog Bola Pra Frente traz um resumo semanal das notícias dos gigantes mineiros, com informações rápidas, pontuais e que deixam o torcedor atualizado sobre Atlético e Cruzeiro.

Atlético

O venezuelano resolve!

O Atlético estava – ou melhor, ainda está – em uma sequência de gols marcados por estrangeiros e perdeu Nacho Fernández por lesão após ele marcar três gols nos últimos jogos – Matías Zaracho havia marcado dois tentos também. Portanto, Nacho estava fora contra o Flamengo e Zaracho não participou dos gols, mas o venezuelano Jefferson Savarino resolveu chamar a responsabilidade e decidiu um dos maiores clássicos interestaduais. Com dois gols em dois minutos, Savarino foi o cara do jogo, alavancou a boa atuação atleticana – mesmo com o “cochilo” nos minutos finais – e o Galo bateu o Flamengo por 2 a 1 no Mineirão na última quarta-feira, 07.

Já é freguesia?

É de conhecimento geral que existe uma grande rivalidade entre Atlético e Flamengo. Desde a década de 80, quando os times de Reinaldo e Zico protagonizaram grandes jogos, até os duelos com muitos gols da década passada, a equipe alvinegra e o time rubro-negro fazem um dos maiores clássicos interestaduais. Nas duas últimas temporadas, além de toda a rivalidade, os clubes estão com grandes elencos e os jogos entre eles são considerados um dos duelos mais aguardados do Brasileirão. E após mais uma vitória atleticana, algo repercutiu bastante: o Atlético está estabelecendo uma freguesia frente ao Flamengo, visto que venceu quatro dos últimos cinco jogos. O Blog relembrou detalhes de cada partida. Confira!

O clássico entre América e Atlético

A noite de sábado, 10, contou com um grande jogo no Independência: América e Atlético protagonizaram mais um equilibrado clássico e, novamente, um estrangeiro definiu a partida para o Atlético. Após os argentinos e o venezuelano brilharem, o Galo venceu a partida válida pela 11ª rodada por 1 a 0 com gol do colombiano Dylan Borrero, jovem que marcou o 1º gol dele como profissional. Além do bom resultado atleticano no clássico frente ao América, duas importantes reflexões sobre os rivais são interessantes: a importância da dupla “SavaHulk” no Atlético e a possível variação tática no América. Confira!

Novidades para o duelo com o Boca

Após a 4ª vitória consecutiva no Brasileirão, o Atlético embarca em uma das maiores partidas da sua história: primeiro jogo das oitavas de final da Libertadores frente ao gigante Boca Juniors na emblemática La Bombonera. O jogo será realizado na próxima terça-feira, 13, às 19:15, e o Galo contará com novidades. O lateral Dodô, o meia Nacho Fernández e o atacante Vargas foram relacionados e estarão à disposição do técnico Cuca. A questão é se estes jogadores estarão realmente aptos para serem titulares, visto que todos estavam lesionados. Em contrapartida, como novidade negativa, os meio-campistas Nathan e Alan Franco ficaram em Belo Horizonte por questões médicas, e se juntarão a Keno, Marrony e Rafael, atletas lesionados há mais tempo.

Venda de Gabriel

Além das ausências de Alan Franco e Nathan, um jogador que ficará fora da relação da sua 2ª partida seguida está com seu futuro distante do Atlético. O zagueiro Gabriel está sendo negociado com o futebol japonês e foi liberado dos treinamentos para organizar questões contratuais e pessoais com o novo clube e o novo país. Ainda não existem confirmações sobre os valores, mas é certo que o Atlético, mesmo com a necessidade de venda, buscará um bom negócio para o seu zagueiro, cria da base que já tem 26 anos. Com a provável saída de Gabriel, o Galo contará com cinco zagueiros: Alonso, Igor Rabello, Micael, Nathan Silva e Réver.

Dívida paga pelo Galo

Cumprindo a promessa de sanar dívidas, a gestão de Sérgio Coelho e José Murilo Procópio deram mais um passo importante para organizar as finanças atleticanas. O Atlético quitou mais de 5 milhões de reais referentes à compra do meio-campista Dylan Borrero, jogador que marcou no fim de semana. Na última quinta-feira, 08, o Atlético confirmou que gastou 5,19 milhões para encerrar o caso Dylan que envolve o Santa Fe-COL. Com este pagamento, o Galo deu fim a mais um processo na FIFA, visto que o time colombiano havia processado o clube mineiro por causa da falta de pagamento. Com este pagamento, o Atlético possui apenas a dívida relacionada ao treinador Rafael Dudamel na FIFA, algo que já diminui os riscos do alto valor das dívidas. Pagar os débitos é o melhor caminho para ser uma instituição organizada.

Veto ao público em BH

O domingo, 11, não contou com nenhum jogo dos grandes times mineiros, mas foi movimentado por uma questão: a volta da torcida ao estádio. Nesta tarde de domingo, a Conmebol liberou a presença de públicos na Libertadores e a apaixonada torcida alvinegra já ficou ansiosa pela possibilidade de retornar após 16 meses longe da arquibancada. Porém, a espera terá que aguardar alguns dias. A liberação da Conmebol necessita das ordens da prefeitura local e a Prefeitura de Belo Horizonte confirmou ao GE.com que não será autorizada a volta do público nos estádios da capital mineira. É certo que para um retorno seguro, são necessárias mais doses de vacina aplicadas nos braços dos brasileiros.

Manto da Massa

O torcedor atleticano irá descobrir nesta semana qual será o Manto da Massa de 2021 e já poderá comprar a camisa, que novamente será desenhada por algum torcedor. Até esta segunda-feira, 12, as votações estão abertas e o atleticano ainda poderá decidir qual será a camisa escolhida. A partir da terça-feira, 13, os sócios-torcedores iniciarão as compras da nova camisa atleticana e é esperado um grande apelo da apaixonada torcida atleticana, visto que o projeto, em 2020, foi um grande sucesso. No link abaixo, o Twitter do Atlético convoca a torcida para eleger o novo Manto da Massa. Vote!

Cruzeiro

Empate sem gols com o Coxa

O Cruzeiro entrou em campo na última terça-feira, 06, preocupado com a possibilidade de sofrer gols de Léo Gamalho novamente. Porém, a preocupação foi em vão pela má partida do centroavante do Coxa, algoz cruzeirense em 2020 quando atuava pelo CRB, e o time mineiro também não conseguiu desempenhar um bom futebol. Portanto, o jogo disputado no Mineirão entre dois campeões brasileiros, Cruzeiro e Coritiba, terminou com o placar sem alterações: 0 a 0 e mais um empate para a Raposa.

Moreno tentou, mas Chay impediu

Para encerrar os confrontos de campeões brasileiros no 1º turno desta Série B especial, o Cruzeiro duelou com o Botafogo no último sábado, 10 – anteriormente, o time venceu o Vasco e empatou com Coritiba e Guarani. E o jogo entre a Raposa e o Fogão, o qual foi disputado no estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro, foi um duelo muito animado. O Cruzeiro teve como destaque Marcelo Moreno, visto que o atacante boliviano marcou dois gols e mudou a partida, porém o seu esforço não foi recompensado por três pontos porque Chay impediu: o atacante botafoguense fez três gols na partida e definiu, nos minutos finais, um empate por 3 a 3 cruel para as pretensões cruzeirenses.

A sequência de empates do Cruzeiro

Após empatar sem gols em dois jogos consecutivos – Brasil de Pelotas e Coritiba -, a Raposa “resolveu” atacar e marcou três gols contra o Botafogo, porém, assim como na partida frente ao Guarani, o time também sofreu três gols. Logo, a sequência de quatro empates cruzeirenses está bem curiosa: 3 a 3 frente ao Guarani, 0 a 0 com Brasil de Pelotas, 0 a 0 com o Coritiba e 3 a 3 com o Botafogo, ou seja, a Raposa apresenta tanta irregularidade que protagonizou jogos malucos com o placar em 3 a 3 e, em meio a estas partidas, empatou sem gols. O Cruzeiro não vence há cinco partidas e soma quatro empates consecutivos, estando em uma situação crítica na tabela da Série B: apenas 11 pontos em 11 partidas, provisoriamente na 14ª posição, mas podendo ser ultrapassado por vários adversários que possuem jogos a menos.

Mozart “busca” feito de Enderson Moreira

Depois do empate frente ao Coritiba, o técnico Mozart disse, na entrevista coletiva, que o objetivo cruzeirense era ficar na 8ª posição até o fim do 1º turno. Para alcançar este feito, o Cruzeiro deve melhorar bastante o seu aproveitamento, visto que o time está com a média de um ponto por partida, bem abaixo dos 50% de aproveitamento que as equipes que ficam em 8º conseguem. Por isso, o Blog fez contas – antes do empate com o Botafogo – sobre quais resultados o Cruzeiro deve conseguir e, ao analisar que a equipe necessita de uma sequência de vitórias, é possível afirmar que o time de Mozart busca feito que apenas a Raposa de Enderson Moreira conseguiu nos últimos 100 jogos de Brasileirão. Confira!

Ídolo atleticano processando a Raposa

Este curioso caso poderia ser tratado como o mais novo caso judicial da Raposa, mas trata-se de uma discussão que já leva quase 10 anos. Leonardo Silva atuou pela equipe azul celeste até o fim de 2010 e foi para o outro lado de Belo Horizonte: no Atlético, Léo se tornou ídolo, marcou o gol do título mais importante da história do Galo e ainda trabalha na parte administrativa do time. Porém, de forma inusitada, o ídolo atleticano atualizou os valores do processo contra o Cruzeiro no último mês e segue na Justiça pedindo mais de 700 mil reais. O montante é referente a direitos que o atleta afirma que deve receber por atuações pelo time azul celeste e a defesa de Leonardo Silva exige uma execução provisória do valor. Nos próximos dias, o caso inusitado deve contar com atualizações.

Cobrança de Robinho

Em mais um caso de cobrança de ex-jogadores, a instituição Cruzeiro Esporte Clube se mostra cada dia mais distante de deixar este “fundo do poço”. Além do caso do Léo Silva, o meio-campista Robinho, que teve passagem vitoriosa pelo clube azul de Minas Gerais, entrou com um processo na Justiça do Trabalho de Belo Horizonte cobrando mais de 3 milhões de reais de dívidas acerca da rescisão contratual. O atleta alega que o time não efetuou o pagamento do acordo de rescisão e a Justiça promoverá uma audiência em 27 de julho. Em breve, novidades irão surgir.

Caso Felipe Conceição

Além dos dois casos judiciais envolvendo os ex-jogadores, o Cruzeiro se envolveu em um grande problema em relação à demissão do seu último técnico, Felipe Conceição. O treinador foi demitido da Raposa no início de junho e assumiu o Remo, porém não foi registrado porque permanecia vinculado ao time mineiro. Desta maneira, Conceição foi à Câmara Nacional de Resoluções de Disputas (CNRD) e acionou o clube mineiro questionando a sua demissão, visto que a diretoria disse que a saída foi por comum acordo – a fim de burlar a nova regra da CBF que proíbe contratações de técnicos depois de duas demissões -, mas o técnico não assinou o termo de rescisão porque a rescisão não foi amigável. Rapidamente, a Justiça do Trabalho e o CNRD intimaram o Cruzeiro a realizar a rescisão do contrato do seu ex-treinador.

Acatando as ordens judiciais, a Raposa publicou na última quarta-feira, 07, a rescisão contratual do treinador no BID e ele já foi registrado pelo Remo. A questão que ainda levanta dúvidas é quais são as consequências para o time mineiro, visto que o Cruzeiro, claramente, tentou burlar a regra e, após a ação de Conceição, teve que recuar da sua tentativa de impor um “acordo amigável”. A tendência é que a Raposa não possa contratar mais nenhum treinador se demitir Mozart, mas esta informação ainda não foi confirmada.

O patrocínio “higiênico”

Passando pela maior crise financeira da sua história, o Cruzeiro busca maneiras de resolver todas as suas pendências e arrumar novos patrocinadores é o caminho mais “fácil”. Felizmente para a instituição e a sua apaixonada torcida, a Raposa anunciou um novo patrocínio nesta semana: a empresa Carta Fabril assinou um acordo de patrocínio com o time mineiro até julho de 2022 e a marca Cotton, linha de papéis higiênicos e lenços umedecidos da empresa, está estampada na camisa de jogo logo abaixo da gola da camisa, entre o símbolo da equipe e a logo da Adidas. O curioso fato de uma empresa de papel higiênico patrocinar um time de futebol acarretou diversos comentários nas redes sociais, mas o acordo tende a ser benéfico financeiramente para o Cruzeiro e isto é o fato importante para a reconstrução da equipe. A marca já esteve exposta no uniforme no empate frente ao Botafogo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments