Apagão nos refletores e na criatividade: em partida ruim, Cruzeiro e Brasil de Pelotas empatam por 0 a 0

Foto: Volmer Perez/GEB

Faltou luz durante 20 minutos no 1º tempo e faltou luz aos jogadores durante os 90 minutos deste jogo que, resumidamente, foi chato. O Cruzeiro, entendendo o tamanho da instituição e o peso da sua camisa, deveria entrar com uma postura melhor, mas o time segue com um modo monótono de jogar, onde os adversários não possuem dificuldade para se defender. A Raposa está em uma situação delicada na Série B e a atuação desta noite, neste empate sem graça e sem gols, deixa claro que será muito difícil sair desse fundo do poço: falta qualidade, organização e, principalmente, vontade de vencer e colocar o Cruzeiro na elite do futebol brasileiro novamente.

Neste sábado, 03, o Cruzeiro empatou por 0 a 0 com o Brasil de Pelotas no estádio Bento Freitas, em Pelotas, no – gelado – estado do Rio Grande do Sul. A partida sem gols foi válida pela 9ª rodada do Brasileirão de 2021 e foi o 1º empate na história do curto retrospecto entre a Raposa e o Xavante.

Com o resultado, o Cruzeiro ganhou, temporariamente, uma posição na tabela, mas a distância para a lanterna pode até voltar para apenas dois pontos. O time mineiro está na 13ª posição, com nove pontos em nove jogos, ou seja, segue na terrível média de um tento por partida. A 20ª posição que pertence à Ponte Preta está em disputa nesta noite, visto que os únicos times que possuem seis pontos na competição – Vitória e Ponte Preta – estão jogando nesta noite: em caso de empates, a diferença para a lanterna voltará a ser dois pontos, mas, se alguns dos times vencerem, o Cruzeiro será ultrapassado. Já o Brasil de Pelotas chegou a deixar o Z-4 com um ponto, mas está na mesma situação: dependendo das partidas dos lanternas Vitória e Ponte Preta para saber qual será a sua posição.

O jogo e as atuações individuais

Em uma noite fria de 3 de julho de 2021, diversos cruzeirenses sofreram com o desempenho desanimador da sua equipe. O time não conseguiu emplacar nenhuma boa trama, errou quase 100 passes – segundo dados do Sofascore.com – e tentou apenas cruzar para a área, “rezando” para que alguma cabeça salvadora entrasse na direção da bola e marcasse o gol. Não é assim. O Cruzeiro não pode depender de uma possível bola aérea. O time trocou de técnico, mudou o diretor de futebol e fez diversas contratações, mas não trocou a mentalidade. Mudanças são urgentes.

Nesta partida, é possível afirmar que houve um congestionamento no meio-campo. Com a escalação de diversos jogadores lentos e passadores, a equipe mineira teve dificuldade para acelerar jogadas e ficou presa na fraca marcação do Brasil de Pelotas. Até os 43 do 2º tempo, a Raposa havia finalizado apenas uma vez no alvo. E um dado curioso desta “aglomeração” no meio-campo do Cruzeiro é que, mesmo assim, o time errou diversos passes e não conseguiu construir. Não é colocando diversos meias que se organiza uma equipe, como também não é optando por pontas velocistas que o time contará com uma velocidade inteligente. A tática do futebol exige mais que isso.

Enfim, o Cruzeiro não balançou as redes pela 1ª vez na competição, mas, em contrapartida, não sofreu gols pela 2ª vez na Série B, ou seja, um ponto negativo com um ponto positivo é igual a zero. O time enfrentou uma equipe muito modesta que, certamente, brigará na parte de baixo da tabela e não correu riscos por mais demérito do rival que mérito cruzeirense. São necessários diversos ajustes e o técnico Mozart deve saber disso. As únicas boas notícias da partida foram Léo Santos, zagueiro que tende a se firmar na defesa, e Lucas Ventura, volante cria da base que não jogava há bastante tempo e conseguiu fazer uma partida bastante sólida.

Brasil de Pelotas x Cruzeiro

Como adiantado no pré-jogo do Blog, o técnico Mozart havia indicado que o time titular teria mudanças. Além de peças, o treinador também mudou a formação tática do Cruzeiro: mesmo sem três zagueiros de origem, a Raposa retornou ao esquema com três defensores, visto que Matheus Barbosa foi a opção na zaga pelo lado direito. Por isso, o Cruzeiro entrou em campo com Fábio; Matheus Barbosa, Ramon e Léo Santos; Norberto, Rômulo, Lucas Ventura e Felipe Augusto; Giovanni Piccolomo; Marcinho e Rafael Sóbis.

O 1º tempo frio

O jogo começou e, logo no minuto 2, a partida foi interrompida. Aconteceu um problema na iluminação do estádio Bento Freitas e o duelo em Pelotas ficou parado por 20 minutos até que a luz voltou.

Com o reinício do confronto, a partida ficou ainda mais fria e os times erraram vários passes no meio-campo, ou seja, nenhuma equipe conseguiu construir uma boa chance. Aos 17, a bola encontrou o caminho do gol pela 1ª vez. Marcinho recebeu na intermediária e bateu de longe. A tentativa do meio-campista foi forte, com direção e o goleiro Matheus Nogueira espalmou para a linha de fundo, evitando o gol cruzeirense.

O Brasil de Pelotas reagiu aos 22. Após ótima jogada de Fabrício pela esquerda – o camisa 16 teve muita velocidade para avançar e entrar na área -, o Xavante chegou muito próximo de marcar o seu gol. Fabrício entrou na área, tocou para Ramon e o atacante bateu, mas a bola foi para fora. A questão é que Gabriel Terra estava atrás de Ramon e estaria melhor preparado para finalizar ao gol, porém o camisa 9 não olhou para trás e perdeu a chance.

A equipe mineira chegou novamente aos 34, quando Rômulo cruzou na área e Felipe Augusto tentou escorar para Rafael Sobis de cabeça, mas a defesa tirou e o time sequer finalizou. Em resumo, a 1ª etapa chegou ao fim com apenas três finalizações para cada lado, onde apenas o Cruzeiro, no chute de Marcinho, acertou o alvo. Além disso, a posse de bola ficou equilibrada – 50% a 50% – e ambos os times erraram muitos passes, principalmente na intermediária.

O 2º tempo

Substituições e quase nada mais

Após o intervalo, o técnico Mozart optou por Rômulo como zagueiro pela direita e substituiu Matheus Barbosa, colocando em campo o ponta Bruno José, ou seja, o treinador cruzeirense tentou dar mais ofensividade à sua equipe.

Mesmo com a modificação do Cruzeiro, foi o Brasil de Pelotas que finalizou corretamente primeiro na etapa final. No minuto 6, Fabrício recebeu na direita, levou para o meio e finalizou com a perna esquerda. A bola foi no gol e Fábio encaixou. Cinco minutos depois, a Raposa respondeu em jogada incisiva de Bruno José, onde o camisa 16 sofreu uma falta na entrada da área. Marcinho cobrou falta perigosa e a bola passou perto do travessão de Matheus Nogueira.

Em meio a diversos passes equivocados e alguns cartões amarelos, o jogo seguiu sem grandes chances e o técnico Mozart promoveu mudanças no minuto 21: Adriano, Jean Victor e Thiago entraram nas vagas de Giovanni Piccolomo, Felipe Augusto e Rafael Sobis, respectivamente. Onze minutos depois, Flávio entrou no lugar de Lucas Ventura.

Minutos finais animados

Os minutos finais reservaram lances um pouco mais animados. Aos 34, após sequência de escanteios do Brasil de Pelotas, a bola ficou “pingando” na área cruzeirense e Júnior Viçosa deu uma bicicleta para colocar a bola na área novamente. Na sequência, em disputa aérea, Léo Santos ganhou de Héverton e tirou o perigo da sua defesa. No contra-ataque, Marcinho recebeu na esquerda e cruzou para a área. A bola teve a direção do gol e o goleiro Matheus Nogueira espalmou, dando a bola nos pés de Bruno José. O ponta, rapidamente, chutou e Kevin bloqueou, impedindo o gol cruzeirense.

Aos 43, o Cruzeiro chegou muito próximo de abrir o placar. O volante Flávio arriscou de fora da área e acertou o alvo, mas Matheus Nogueira espalmou. Após a cobrança do escanteio seguinte, Marcinho cruzou e Flávio cabeceou muito bem, com força e com direção. Porém, mesmo sendo a grande chance da partida, o goleiro do Brasil de Pelotas estava lá e fez uma linda defesa. Matheus Nogueira salvou o empate!

Na sequência, no minuto 47, Kevin fez bom giro e tocou para Júnior Viçosa. O experiente centroavante do Brasil de Pelotas recebeu no meio e arriscou da intermediária, porém Fábio fez a defesa com tranquilidade, no último lance com mais perigo do empate sem graça e sem gols: 0 a 0 no placar do Bento Freitas.

O Cruzeiro volta a campo na próxima terça-feira, 06, contra o Coritiba, no Mineirão.

Números da partida

Brasil de Pelotas x Cruzeiro
39% Posse de bola 61%
10 Finalizações 15
2 Finalizações no gol 3
8 Escanteios 9
2 Impedimentos 2
12 Faltas 15
306 Passes 490
237 (77%)Passes certos 395 (81%)
Fonte: SofaScore.com

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments