Com direito a gol de Neto Berola e duas expulsões, Cruzeiro perde para o Confiança por 3 a 1 na estreia da Série B

Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Um dos jogos mais estranhos dos últimos – turbulentos – anos cruzeirenses. A equipe entrou dominou a posse de bola na 1ª etapa, mas não acertou o gol adversário e ainda teve duas expulsões em um intervalo de dois minutos. Adriano recebeu o vermelho após matar contra-ataque e Fábio, em um lance bizarro, ainda mais levando em conta a experiência do goleiro, foi expulso após pegar a bola com a mão fora da área, em um lance em que ele não estava pressionado. Um jogo atípico, muito ruim e méritos do Confiança de Neto Berola, velho conhecido dos times mineiros, que venceu e começou a Série B com o pé direito.

Neste sábado, 29, o Cruzeiro foi a Sergipe e perdeu por 3 a 1 para o Confiança. O jogo, que foi realizado no Batistão, casa do time nordestino, foi válido pela 1ª rodada do Brasileirão Série B de 2021 e deu continuidade ao ótimo retrospecto recente do Dragão contra a Raposa. Desde 2020, os times se enfrentaram três vezes: o Confiança ganhou duas e houve um empate.

Com o resultado, o Confiança assume a liderança da Série B e o Cruzeiro fica na 19ª posição, porém, claramente, estas posições ainda não são tão importantes porque cada equipe fez apenas um jogo e a Raposa está nesta posição porque perdeu por dois gols de diferença. O notável é que o time sergipano venceu o 1º jogo e somou três pontos, enquanto o tradicional clube mineiro colocou mais uma derrota no seu preocupante histórico na 2ª divisão.

O jogo e as atuações individuais

Uma partida muito complicada de ser analisada pelo motivo evidente: o Cruzeiro passou 50 minutos com dois jogadores a menos, algo que condiciona bastante a atuação de um time. No entanto, a Raposa, desde o primeiro minuto, apresentou os mesmos problemas que estavam sendo percebidos no Campeonato Mineiro: falta de efetividade nas finalizações, criatividade nula e muitos cruzamentos. Os 40 primeiros minutos – tempo que o jogo estava 11 contra 11 – deixam claro que a equipe de Felipe Conceição deve evoluir bastante para alcançar o objetivo da temporada: o acesso.

Além dos problemas coletivos da derrota por 3 a 1, as substituições de Felipe Conceição também devem ser contestadas. O time estava perdendo e ele tirou um zagueiro para colocar um volante, o qual não acrescenta muito no ataque. Na sequência, o Cruzeiro sofreu um gol de contra-ataque, ou seja, perdeu peças na linha de defesa, não ganhou no ataque e acabou sofrendo o gol decisivo de Daniel Penha.

As atuações individuais foram desastrosas. Fábio protagonizou um erro que talvez seja único na sua carreira, visto que o goleiro cometeu uma falha de iniciante ao agarrar a bola fora da área, em um lance que não estava pressionado. Já Adriano cometeu duas faltas dignas de cartão amarelo e mereceu a expulsão. O jovem volante é talentoso, mas estava muito afoito na partida. Além dos dois advertidos, Raúl Cáceres também se destacou negativamente ao falhar no 2º gol. A única boa notícia do jogo cruzeirense foi a atuação de Guilherme Bissoli, que finalizou as únicas duas bolas da Raposa com direção, marcou o seu 1º gol e mostrou que pode ser uma opção na fraca parte ofensiva cruzeirense.

Confiança x Cruzeiro

O técnico Felipe Conceição não surpreendeu e colocou em campo a escalação esperada. A única mudança em relação à formação-padrão cruzeirense foi a saída do jovem Weverton para a entrada do recém-chegado Joseph. Portanto, o Cruzeiro entrou com Fábio; Raúl Cáceres, Joseph, Ramon e Matheus Pereira; Adriano, Matheus Barbosa e Rômulo; Bruno José, Rafael Sóbis e Airton.

O 1º tempo

Início ruim…

O Cruzeiro começou reclamando bastante. Aos 4, Rômulo finalizou e a bola bateu na defesa do Confiança. Com isso, Airton dividiu, dentro da área, com o zagueiro Bareiro e caiu no chão pedindo pênalti. O árbitro não assinalou e, como a Série B não conta com o VAR, o jogo seguiu mesmo com as reclamações cruzeirenses. No entanto, a comentarista de arbitragem do Premiere, Janette Mara Arcanjo, afirmou que houve contato na jogada e o pênalti deveria ter sido marcado.

A equipe mineira chegou com perigo na 1ª etapa apenas no minuto 11, quando Raúl Cáceres chegou no fundo e cruzou para a área. Matheus Barbosa estava sozinho, perto da marca do pênalti, e bateu de voleio. A finalização aconteceu, mas a bola foi longe do gol de Rafael Santos.

Desde o primeiro minuto da 1ª etapa, o Cruzeiro teve o domínio das jogadas ofensivas e, mesmo sendo um time que conta com uma referência, a equipe tentou diversas vezes a bola lançada na área – foram 18 tentativas nos 45 minutos iniciais e apenas quatro deram certo. Um início de jogo bem ruim.

Gol e expulsões

A partida estava desanimada, mas ficou elétrica a partir do minuto 31. Em contra-ataque, Neto Berola acelerou pela direita e tabelou com Willians Santana no meio. Quando o centroavante devolveu para Neto Berola, o atacante campeão da Libertadores pelo Atlético e com passagem pelo América tentou driblar Fábio e o goleiro o derrubou com as pernas. Pênalti assinalado e o próprio Berola pegou a bola para bater. Na cobrança, bola no canto direito de Fábio e o goleiro foi para o esquerdo. Gol de Neto Berola e 1 a 0 no placar do Batistão.

Nove minutos após este lance, duas expulsões condicionaram ainda mais a atuação, que já era fraca, do Cruzeiro. Aos 40, Luidy driblou Adriano e o volante fez a falta. Além de impedir o contra-ataque, o volante sequer disputou a bola e o árbitro aplicou, corretamente, o 2º cartão amarelo. Dois minutos depois, a bola foi lançada pela defesa do Confiança em direção a Willians Santana. O centroavante não iria alcançar a bola, porém Fábio agarrou a bola dentro da meia-lua. Imediatamente, o árbitro deu o 2º amarelo e, consequentemente, o vermelho para o goleiro que falhou de forma infantil.

Abalado pelas expulsões, a Raposa, agora defendida por Lucas França, goleiro que entrou após saída de Rafael Sobis, quase sofreu o 2º gol no fim da 1ª etapa. Aos 45, Neto Berola acelerou pela direita e cruzou rasteiro para Luidy empurrar. Todavia, o atacante bateu para fora e perdeu uma grande chance, a qual deu números finais à 1ª etapa.

O 2º tempo

Ressurgimento do Cruzeiro

Analisando os problemas e a inferioridade numérica, Felipe Conceição colocou Guilherme Bissoli e Flávio nas vagas de Airton e Matheus Barbosa logo no intervalo. E a mudança deu efeito quase que imediato.

Antes do gol de empate, o Confiança chegou com perigo. Aos 8, Berola acelerou pela direita e tocou para o meio. Serginho recebeu, passou para Willians Santana e o atacante bateu de esquerda, no canto direito de Lucas França. O goleiro espalmou e salvou o Cruzeiro, equipe que empatou o placar dois minutos depois. Em cobrança de escanteio pela esquerda, Rômulo colocou a bola na cabeça de Guilherme Bissoli e o atacante fez o seu primeiro gol com a camisa cruzeirense: 1 a 1 no placar.

Animado pelo gol de empate mesmo em uma situação adversa, o Cruzeiro chegou com perigo aos 19. Bruno José acelerou pela direita, jogou na frente e foi derrubado por Bareiro. Na cobrança da falta próxima à área, Rômulo acertou o travessão e assustou o goleiro do Confiança que, por pouco, não evitou um golaço do meio-campista.

Confiança matou o jogo

O Cruzeiro estava animado e chegou com perigo nos 20 primeiros minutos, mas, depois deste lance de Rômulo, o time de Felipe Conceição não chegou mais e o Confiança matou o jogo.

Aos 26 da 2ª etapa, a bola foi muito bem lançada na área e Raúl Cáceres falhou ao tocar a bola de cabeça para trás. O lateral cruzeirense ajeitou a bola para João Paulo cruzar para a área e Cristiano apenas bateu para balançar as redes de Lucas França, goleiro que nada pôde fazer. Um importante gol do Confiança: 2 a 1 no marcador do Batistão.

Quatro minutos depois, o atacante Cristiano chegou muito próximo do 2º gol na partida e no 3º do seu time. Após tentativa de cruzamento, Barcelos tocou para Cristiano e o camisa 19 bateu forte, de perna esquerda, e a bola bateu na trave de Lucas França. Após três minutos, aos 33, Rômulo recebeu de Bissoli – o autor do gol fez um bom pivô para ajeitar para o companheiro – e o experiente meio-campista arriscou de fora da área. A bola passou perto do gol do Confiança e, logo na sequência, o Confiança matou o jogo.

Aos 34, em contra-ataque, Marcelinho dividiu com a defesa cruzeirense e ganhou. Com isso, o jogador, que havia acabado de entrar, teve muita liberdade para acelerar, entrar na área e rolar para Daniel Penha apenas empurrar para as redes. O estreante da noite, cria da base do Atlético, rival do Cruzeiro, fez o seu gol e definiu o placar: 3 a 1 para o Confiança no Batistão, em uma noite terrível do Cruzeiro.

O fim do jogo

São vários problemas: desde a organização tática até o elenco ou, até mesmo, desde os membros da diretoria até o treinador. Muitas coisas devem ser alteradas no Cruzeiro para que o time possa voltar a Série A. Desse jeito, o time repetirá o filme de 2021. Falta garra, compreensão da camisa que está vestindo e, claramente, jogadores qualificados. Fique atento, Cruzeiro!

O time mineiro volta a campo na próxima quinta-feira, 03 de junho, às 16:30, contra o Juazeirense, no Mineirão, em jogo válido pela 3ª fase da Copa do Brasil.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments