Com duas possíveis contratações “americanas”, Cruzeiro chegará ao 11º reforço no ano. Eles realmente reforçaram o elenco?

Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Por Pedro Bueno

O Cruzeiro entrou em uma nova temporada com o intuito de não repetir os erros da desastrosa campanha em 2020. Em meio a uma crise financeira, o time azul celeste possui poucas possibilidades no mercado de jogadores, porém, mesmo assim, alguns erros “baratos” e óbvios já foram cometidos pela diretoria da Raposa.

E nesta semana, faltando 11 dias para o início da Série B, o Cruzeiro deve anunciar duas novidades “americanas”: Joseph e Flávio. Joseph não pertence ao América, mas estava no time de Lisca até o início deste mês, e Flávio é volante do Coelho e será emprestado ao Cruzeiro até o fim da temporada. Ambos estão resolvendo os últimos detalhes do contrato para vestirem a camisa azul celeste.

Sendo assim, a Raposa chegará à 11ª contratação em 2021. Um time completo. Alguns jogadores chegaram e tomaram conta da posição (Rômulo), outros se tornaram importantes, mesmo com contestações da torcida (Matheus Barbosa). Em contrapartida, alguns reforços não atuaram com frequência (Matheus Neris) e outros foram mal e já estão de saída do clube (Alan Ruschel).

Foram 11 contratações e apenas três são titulares. Mais uma tentativa de reconstrução com passos errados? Estes reforços estão realmente reforçando o plantel ou apenas encostado no elenco? Confira!

As contratações americanas

É possível afirmar um ponto sobre Felipe Conceição: o treinador gosta de atuar com os seus jogadores de confiança. No início do ano, o técnico pediu a contratação de Felipe Augusto, jogador que estava no América e não teve seu contrato renovado com a equipe de Lisca. Conhecendo o atacante, o técnico do Cruzeiro pediu, mas o jogador ainda não emplacou. Mesmo assim, dois atletas do Coelho devem ser anunciados nesta semana.

Primeiramente, o zagueiro, lateral ou volante, Joseph, deve ser anunciado como novo jogador cruzeirense. O polivalente defensor estava no América até este início de ano, mas, assim como Felipe Augusto, não teve seu contrato estendido. Com vínculo com o Capivariano-SP, Joseph chega com o potencial para ser opção nas três posições, visto a sua polivalência. Segundo o portal Deus Me Dibre, o jogador fez exames médicos nesta segunda, 17, e até o presidente do Cruzeiro, Sérgio Santos Rodrigues, elogiou a versatilidade do jogador, além de dizer que o negócio está avançado, em entrevista ao canal “Clube Ligados”, no YouTube.

O outro reforço chegando do América é o jovem volante Flávio. O atleta de 20 anos é cria da base do Coelho e será emprestado até o fim de 2021, em troca com Alan Ruschel. O experiente lateral irá para o outro time de BH também por empréstimo. O intuito é que os jogadores possam ter mais espaços com essa negociação, visto que Flávio e Ruschel estavam sendo reservas nas suas equipes. Segundo informações da Rádio Itatiaia, a negociação deve ser concretizada em breve.

Quais reforços realmente reforçaram?

Segundo o dicionário Aurélio, reforçar pode ser definido como: tornar mais forte, mais sólido, mais intenso, dar mais força a, etc. No futebol, qualquer contratação é tratada como reforço e o Cruzeiro conta com 11 jogadores recém-chegados. Todos eles são realmente reforços? Estes atletas deram mais força à Raposa ou apenas são contratações que não se encaixaram?

As contratações

Para analisar isso, é importante lembrar todos os nomes:

  • Eduardo Brock (zagueiro, 30 anos): cinco jogos, sendo três como titular;
  • Joseph (zagueiro, 26 anos): deve ser anunciado nos próximos dias;
  • Alan Ruschel (lateral-esquerdo, 31 anos): seis partidas, todas como titular, mas o último jogo foi em 1º de abril; o atleta já está indo para o América;
  • Flávio (volante, 20 anos): deve ser anunciado nos próximos dias em troca com Ruschel;
  • Matheus Neris (volante, 22 anos): oito partidas, mas apenas três como titular; reserva para Adriano e agora terá a concorrência de Flávio;
  • Matheus Barbosa (meio-campo, 26 anos): todas as 15 partidas do Cruzeiro e 14 como titular; artilheiro do time na temporada com três gols;
  • Rômulo (meio-campo, 33 anos): oito jogos, quatro como titular, visto que estreou no início de abril; se tornou titular absoluto da equipe;
  • Marcinho (meio-campo, 25 anos): 12 partidas, oito no time titular; perdeu espaço com a chegada de Rômulo;
  • Bruno José (ponta, 23 anos): 13 jogos, 10 como titular; se fixou na equipe titular ao lado de Airton e Sobis;
  • Felipe Augusto (ponta, 29 anos): 13 partidas, seis no time titular; se tornou reserva, mas entra sempre;
  • Guilherme Bissoli (atacante, 23 anos): uma partida saindo do banco, já que chegou na semana anterior à semifinal do Mineiro;

Três titulares e o restante…

Dentre a lista anterior, é possível afirmar três bons reforços: Matheus Barbosa, Rômulo e Bruno José. O experiente meio-campo ítalo-brasileiro, Rômulo, será uma das peças-chaves da equipe cruzeirense na temporada. Já Matheus Barbosa tem alguns problemas técnicos e táticos ainda, mas está melhorando e é jogador de confiança de Felipe Conceição. Por fim, Bruno José é bem ágil, mas precisa melhorar as finalizações para seguir como titular do Cruzeiro. No entanto, em resumo, três boas contratações cruzeirense.

Para dividir o restante das contratações, é necessário destacar o recém-chegado e os prováveis reforços da Raposa: Flávio, Guilherme Bissoli e Joseph ainda terão a oportunidade de mostrar a sua habilidade com a camisa azul celeste. Já os atletas cruzeirenses Felipe Augusto e Marcinho mostraram que são atletas de elenco, ou seja, podem ser utilizados durante a temporada, em um 2º tempo, por exemplo, mas são tão confiáveis para a titularidade.

Alan Ruschel, Eduardo Brock e Matheus Neris estão, infelizmente, em um patamar abaixo. Até então, os jogadores não conseguiram desempenhar nada de positivo e Ruschel até está deixando a Raposa por empréstimo. Já Brock será muito utilizado durante a temporada, visto a carência de zagueiros, e deve melhorar o seu nível. Por fim, Matheus Neris teve poucas aparições, mas as questões físicas prejudicaram o desempenho do atleta.

São poucos reforços de verdade, e a diretoria, o treinador e a torcida sabem que o elenco deve ser mais forte para voltar à elite do futebol brasileiro. O Cruzeiro aprendeu a lição de 2020: com um elenco desorganizado e ruim, mesmo sendo um clube gigante no cenário brasileiro, a equipe fica na Série B. A Raposa deve ser mais assertiva nas contratações para estar forte na 2ª divisão em busca de uma vaga para a Série A. Fique atento, Cruzeiro!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.