Independente do estilo de jogo do treinador, o goleiro Éverson está justificando a sua titularidade

Reprodução WhatsApp

Por Pedro Bueno

A passagem de Éverson pelo Clube Atlético Mineiro terá mais capítulos nos próximos anos, entretanto, em menos de um ano, é possível dizer que o goleiro já está marcado na história do Galo por vários motivos. Devido à paixão da torcida alvinegra, o carinho de boa parte dos torcedores por Rafael e por causa de algumas falhas de Éverson, o goleiro é sempre muito contestado pela “torcida mais chata do Brasil”, como disse, em 2012, o então presidente e atual prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil.

E essa torcida está com um ponto na Libertadores por causa desse goleiro. Éverson foi o grande nome do Galo no empate desta quarta, 21, contra o Deportivo La Guaira-VEN. Mesmo com um elenco muito mais poderoso, o Atlético jogou mal, viu o modesto adversário crescer e foi salvo pelo seu goleiro, atleta que fez excelentes defesas na partida.

Éverson Felipe Marques Pires tem 30 anos, chegou no Atlético após Jorge Sampaoli pedir, em setembro de 2020, e se tornou titular absoluto desde então. Em meio aos torcedores, o goleiro passa longe de ser uma unanimidade, mas as justificativas estão desaparecendo na atual temporada. Éverson vem jogando muito bem, está sendo responsável por vários pontos conquistados pelo Galo e as críticas diminuíram, obviamente. Enfim, Éverson está justificando a sua titularidade!

Independente do treinador

Quando Éverson assumiu a titularidade, em setembro de 2020, poucos dias após a sua saída do Santos, a razão comentada para a troca de arqueiros era que o goleiro recém-chegado era melhor com os pés que Rafael e o técnico Jorge Sampaoli não abriria mão de um goleiro mais talentoso na saída de jogo. Sim, esta é uma justificativa plausível, principalmente em um esporte que, cada dia mais, a construção desde o goleiro é importante.

Após o fim da temporada de 2020, o treinador argentino deixou o Atlético. Cuca chegou em março e está organizando o time de outra forma. A parte tática implementada por Sampaoli está sendo deixada de lado, visto que os estilos de jogo dos dois últimos técnicos são diferentes. Sampaoli é mais “maluco”, enquanto Cuca é um técnico brasileiro que preza pela simplicidade tática em vários momentos. Mesmo assim, Éverson segue como titular de forma indiscutível.

O Galo da construção desde a saída de jogo de Sampaoli deu lugar ao Galo da ligação direita de Cuca e Éverson continuou como o titular. Sob comando do atual treinador, Rafael sequer entrou em campo e ficou claro que, independente do estilo de jogo do treinador, o titular do Atlético é Éverson. A torcida imaginou que seria diferente, mas o titular está deixando claro que tem qualidade para estar neste posto.

As grandes defesas

Não é fácil para um goleiro conquistar uma torcida, principalmente torcedores que buscam tanto um título como a massa atleticana. Por isso, era claro que Éverson não teria facilidade. O início foi complicado, pois as críticas por qualquer tropeço no último Brasileirão caíam sobre os ombros do goleiro – em algumas oportunidades, o arqueiro realmente errou. Todavia, nos últimos jogos, a confiança em Éverson começou a tomar conta da torcida do Galo.

Neste início de Campeonato Mineiro, a partir do jogo frente ao Coimbra – estreia da equipe titular -, Éverson, praticamente, não falhou e está em alto nível. Porém, dentre os jogos do estadual, é possível destacar a partida contra o América. O Atlético estava vencendo por apenas um gol de diferença, ainda no 1º tempo, e o zagueiro Júnior Alonso falhou, dando a bola nos pés de Rodolfo. O atacante do América acelerou e, livre de marcação, entrou na área. Com muita velocidade e esperteza, Éverson abafou muito bem e evitou o gol americano.

Além deste exemplo do Mineiro, é impossível falar sobre o atual momento de Éverson e não exaltar a atuação dele contra o Deportivo La Guaira. O jogo da última quarta, 21, na estreia da Libertadores 2021, foi uma das melhores atuações do arqueiro com a camisa atleticana, sem nenhuma dúvida. O goleiro fez uma boa defesa aos 19 da 1ª etapa e logo em seguida sofreu um gol, o qual não teve culpa. No 2º tempo, Éverson fez uma boa intervenção aos 25, uma defesa excepcional aos 37 e, mesmo após rebater errado aos 38, conseguiu se redimir com uma ótima defesa no chute de Hurtado. Ainda no final do jogo,no minuto 44, Darwin González acelerou e bateu, mas Éverson estava bem posicionado e evitou a vitória do Deportivo La Guaira.

A disputa saudável com Rafael

Desde a primeira discussão sobre qual goleiro deveria ser titular do Atlético, os próprios candidatos, Éverson e Rafael, deixaram claro que estavam em perfeita harmonia e que a competição é saudável. Em diversas fotos em treinamentos e até mesmo em comemorações durante o jogo, os dois arqueiros são vistos juntos e mostram que, mesmo concorrendo a uma vaga, eles são pessoas que se respeitam.

É certo que uma parcela da torcida atleticana prefere Rafael que Éverson por vários motivos justos apresentados por estes atleticanos. Porém, uma pequena parte dos torcedores extrapolaram o limite das cobranças sobre o goleiro titular e envolveram ameaças, xingamentos e palavras desnecessárias, colocando até a esposa de Éverson na discussão. Isso é falta de humanidade e, certamente, Rafael também não deseja que o seu companheiro de trabalho passe por isso.

Éverson vive uma fase melhor e segue como titular, mesmo sem ser unanimidade. O goleiro não deve buscar agradar a todos – algo impossível -, mas o que fica claro é que o arqueiro dá o máximo pela equipe e salvou o time alvinegro na última partida. Existe a disputa e todos os torcedores têm o direito de ter o seu preferido. Porém, dois quesitos são obrigatórios: respeitar o goleiro e visualizar que, no atual momento, Éverson está justificando a sua titularidade.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários