Dez dias após promessa de evolução, Atlético de Cuca joga mal, só tenta “pôr na área” e empata com o La Guaira na Libertadores

Foto: Manaure Quintero

Após a derrota no clássico, em 11 de abril, o técnico Cuca pediu calma para evolução e que, em dez dias, ele poderia ser cobrado. Na estreia da Libertadores, dez dias depois, algo ficou claro para todos: não houve evolução. O Atlético jogou muito mal, foi salvo pela grande atuação do goleiro Éverson e empatou com o modesto Deportivo La Guaira na Libertadores. A frase “põe na área” foi dita pela comissão técnica atleticana para Allan no 1º tempo e exemplifica como foi o jogo: o Galo cruzou incríveis 60 vezes e acertou só 16 “chuveirinhos”.

Nesta quarta, o Atlético apenas empatou com o Deportivo La Guaira em Caracas, no Estádio Olímpico. O jogo válido pela 1ª rodada da fase de grupos da Libertadores 2021 ficou marcada pelo 1 a 1 no placar graças aos gols de Adrian Martínez e Matías Zaracho. É importante ressaltar que este foi o primeiro tropeço do Galo na sua história contra uma equipe da Venezuela.

O jogo e as atuações individuais

Uma atuação ridícula da equipe e o empate só existiu por causa de excepcionais defesas do goleiro Éverson. O arqueiro atleticano fez grandes intervenções no 2º tempo e evitou uma derrota vergonhosa em solo venezuelano. O Atlético até estava melhor no início dos 45 minutos finais, mas, após o gol de Zaracho, o time não chegou com perigo na meta do rival, enquanto o Deportivo La Guaira, mesmo sem ritmo – segundo jogo da equipe em 2021 -, conseguiu incomodar.

No entanto, a falta de intensidade após empatar não foi o ponto principal desta partida. O jogo do Atlético de Vargas, Sasha e Nacho – nenhum destes jogadores são exímios cabeceadores – tentou 60 vezes a jogada aérea, tendo acertado apenas 16 tentativas. Ou seja, a cada quatro bolas levantadas na área, o Galo acertou somente uma e, mesmo assim, não foi desta maneira que o gol atleticano saiu. Está claro que deve haver uma mudança na forma de jogo, pois o Atlético está jogando pior a cada partida e a Libertadores já se iniciou. É mudar o estilo de jogo ou mais uma temporada poderá ser comprometida.

Como destaques individuais, é possível destacar os dois argentinos, Arana e Éverson. O goleiro atleticano foi o melhor em campo e fez grandes defesas. O talentoso Nacho Fernández e o excelente Guilherme Arana tentaram bastante e mostraram vontade em meio a um time muito mal organizado. Já Matías Zaracho marcou o gol e provou com boas movimentações e passes que não pode ser reserva desta equipe. Já como ponto negativo, além da atuação coletiva, o zagueiro Réver chamou a atenção pelo erro no gol do La Guaira e pelas inúmeras bolas nas costas, onde a sua falta de velocidade ficou clara. Guga, Allan, Tchê Tchê, Hulk e Keno também destoaram negativamente.

Deportivo La Guaira x Atlético

Sem contar com Cuca, já que o técnico estava suspenso, o Atlético teve Cuquinha, irmão do treinador, na área técnica. Ele escalou o Galo com Éverson, Guga, Réver, Alonso e Arana; Allan, Tchê Tchê e Nacho Fernández; Savarino, Vargas e Keno. Logo, a única mudança em relação ao último jogo foi a volta de Savarino, atleta que estava disputando a vaga com Hulk.

O primeiro tempo

Atlético passivo

O jogo começou bem ruim e sem finalizações. Aos 18, Keno arrematou pela primeira vez na partida e o chute sem direção foi feito no meio-campo, tentando encobrir o goleiro adversário. Mas foi a partir do minuto seguinte que o Deportivo La Guaira encontrou uma defesa atleticana bem passiva. No minuto 19, após boa trama pela esquerda, Cumaná entrou na área com tranquilidade e bateu com a perna esquerda. O chute do lateral-esquerdo, dono da camisa 24, foi no canto de Éverson e o goleiro fez a defesa.

Após a intervenção do arqueiro atleticano, o La Guaira cobrou escanteio e a bola ficou com o Atlético. Na saída, Réver errou a ligação com Vargas e o zagueiro Adrian Martínez antecipou. O camisa 2 do La Guaira recebeu o “presente” na intermediária, passou com extrema facilidade por Allan e Guga, entrou na área e bateu com a chapa no pé, em frente ao zagueiro Réver, que também ficou olhando. Assim como a jogada, o chute de Martínez foi muito bonito, a bola foi na lateral da rede e Éverson não teve culpa. Um belíssimo gol de um La Guaira esperto frente a um Atlético passivo que ficou apenas olhando.

“Põe na área”

Os gritos que vieram da área técnica atleticana deixam claro qual era a “estratégia” do time após sair perdendo: colocar a bola na área. O Atlético dominou a posse de bola, mas chegou apenas em cruzamentos, assustando pouco o goleiro Olses.

Aos 32 da 1ª etapa, o Galo acertou a 1ª finalização no gol. Guga jogou a bola na área e Eduardo Vargas subiu muito. O arqueiro do La Guaira foi no alto e fez a defesa após bom cabeceio do chileno. Dois minutos depois, Nacho Fernández se movimentou, foi na ponta-direita e bateu de fora da área. Osles fez a defesa novamente.

No lance seguinte, depois de troca de passes pela direita, Tchê Tchê chutou com a perna esquerda e o goleiro do time venezuelano fez outra boa defesa. Ainda nesta mesma sequência de tentativas atleticanas, Savarino cruzou da esquerda, a bola desviou e o zagueiro Réver tentou de bicicleta. A bola foi para fora.

O Atlético estava produzindo mais, porém a única estratégia era cruzar. Por isso, Eduardo Vargas saiu da área e tentou algo diferente. Aos 42, o chileno recebeu na intermediária, arriscou de fora e a bola bateu no pé da trave, saindo pela linha de fundo. Depois de bom chute de Vargas, o Galo chegou em mais uma grande chance. Aos 46, Savarino tocou para Guga e o lateral cruzou. A bola passou pela área, Nacho Fernández estava desmarcado e chutou. O arremate foi feito perto do gol adversário, mas a bola subiu muito e deu números finais a um 1º tempo com vantagem do La Guaira.

O segundo tempo

Enfim, Zaracho!

Após o intervalo, Cuquinha mexeu na equipe: Hulk e Zaracho entraram nas vagas de Savarino e Allan. E as mudanças atleticanas quase resultaram em gols logo no início do 2º tempo. Aos 2, Hulk bateu rasteiro uma falta próxima do gol e a bola passou perto da meta do La Guaira. No minuto 6, Zaracho roubou a bola na entrada da área, acelerou e bateu, mas foi travado pela defesa adversária. No minuto seguinte, Nacho Fernández bateu escanteio e encontrou o camisa 15 do Galo. Zaracho subiu com muita liberdade e cabeceou para fora.

O Atlético seguiu tentando. Aos 12, Keno recebeu, tocou para Arana e o lateral-esquerdo arriscou de fora da área. Em dois tempos, Olses fez a defesa. No minuto 13, Nacho Fernández fez ótimo lançamento, encontrou Zaracho e o camisa 15 do Galo fez o cruzamento rasteiro para Vargas. O atacante chileno concluiu mal e errou a direção. Aos 15, o time mineiro chegou novamente. Guga fez o cruzamento, Nacho Fernández dominou com o peito, tocou para trás e achou Keno. O camisa 11 finalizou e a defesa adversária bloqueou, evitando o gol atleticano.

Porém, a marcação do La Guaira não conseguiu ver o jogador mais pedido pela torcida atleticana: Zaracho. Aos 19, Arana finalizou novamente de fora da área e, desta vez, o goleiro Osles rebateu. Com muita esperteza e velocidade, Matías Zaracho foi mais rápido que a defesa e aproveitou o rebote do arqueiro adversário. Como um centroavante, o meio-campista argentino empurrou com o pé esquerdo para as redes e empatou para o Galo. Após o gol de Zaracho, o placar do Estádio Olímpico estava marcando 1 a 1 no placar.

Éverson salvou

Após o gol atleticano, o jogo deu uma esfriada. Cuquinha tentou mudar a equipe e colocou Marrony, Sasha e Nathan em campo para seguir atacando o adversário, porém o time não estava com a mesma intensidade do início da 2ª etapa. A primeira finalização depois do gol de Zaracho foi com Hulk, aos 35, em falta cobrada na intermediária, onde o camisa 7 bateu forte e rasteiro, obrigando Osles a fazer uma defesa no canto.

A equipe que levou mais perigo na metade para o fim do 2º tempo foi o time venezuelano. Aos 25, ocamisa 10 da equipe, Peña, fez um ótimo lançamento e encontrou Darwin González nas costas de Alonso. O atacante acelerou, passou por Réver e bateu forte. Mesmo adiantado, Éverson fez uma grande defesa.

Aos 37, o goleiro atleticano fez uma intervenção incrível. Hulk tentou driblar na saída de jogo e perdeu. Peña tocou para Darwin, atacante que gingou para cima de Réver com facilidade e, dentro da área, bateu forte. O arremate foi muito bom e a defesa de Éverson foi ainda melhor, salvando o Atlético. No lance seguinte, após cobrança de escanteio, o arqueiro rebateu mal e possibilitou uma finalização de Hurtado. O meio-campista do La Guaira chutou e Éverson se redimiu com mais uma boa defesa.

O goleiro atleticano, grande destaque da equipe na partida, fez mais uma excelente defesa nos minutos finais. Aos 44, Darwin foi lançado nas costas da defesa e passou, novamente, com muita tranquilidade de Réver. O atacante ganhou na velocidade e bateu na saída de Éverson, goleiro que, novamente, salvou o Galo. Nestes últimos minutos, o Atlético tentou chegar em cobrança de falta de Nacho e em um cabeceio de Junior Alonso, mas não teve criatividade suficiente.

O fim do jogo

Um empate de 1 a 1 que poderia ter sido derrota. O Atlético jogou mal, esteve bem em poucos minutos – no início do 2º tempo até o gol de Zaracho – e foi salvo pelo seu goleiro. Éverson, jogador tão contestado por uma parte da torcida, está fazendo uma ótima temporada, salvou a equipe em alguns jogos e evitou um vexame ainda maior na Venezuela. É um jogo para servir de exemplo. Obviamente, um exemplo de como não jogar. O Atlético desapontou, mais uma vez, os seus torcedores e precisa de uma mudança urgente para seguir com a possibilidade de cumprir os seus objetivos. Muda, Galo!

O Atlético volta a campo no próximo sábado, 24, às 19 horas, contra o Athletic, pelo Campeonato Mineiro.

Números da partida
La Guaira x Atlético
28% Posse de bola 72%
9 Finalizações 29
6 Finalizações no gol 9
4 Escanteios 13
9 Faltas 13
254 Passes 586
168 (66%)Passes certos 521(89%)
Fonte: SofaScore.com

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários