Mais taças ou um título sobre o rival? 6 a 1 ou 9 a 2? Os capítulos de um clássico centenário entre Atlético e Cruzeiro

Reprodução Internet

Prestes a completar 100 anos da primeira partida entre os dois maiores clubes de Minas Gerais, Atlético e Cruzeiro entram em campo neste final de semana pelo Campeonato Mineiro e irão marcar mais um lindo capítulo da história do clássico que não para só Belo Horizonte, mas todas as cidades do estado ficam paralisadas, tensas e ansiosas, acompanhando a partida.

Infelizmente, o jogo deste domingo, 11, às 16 horas, que terá o mando de campo do Cruzeiro, não contará com torcida. Devido à pandemia do coronavírus, o Mineirão estará fechado e atleticanos e cruzeirenses irão torcer e vibrar em casa, com segurança e com o mesmo amor à camisa.

Um clássico centenário. Galo e Raposa marcaram décadas e mais décadas com uma das maiores rivalidades do Brasil. Ganhar mais taças ou conquistar um título sobre o rival? A goleada de 6 a 1 ou o 9 a 2? Estes são capítulos e polêmicas que fazem parte do cotidiano destes torcedores. O time maior é, certamente, o seu, mas você deve ter a certeza que nada em Minas Gerais é maior que esta rivalidade!

Primeiro e último jogo

Há, praticamente, 100 anos, Atlético e Cruzeiro protagonizaram o primeiro jogo entre os dois times que se tornaram, décadas depois, os maiores clubes de Minas Gerais. Na época, a Raposa ainda era chamada de Palestra Itália e a equipe havia sido fundada há três meses, enquanto o Galo já tinha 13 anos de existência e havia levantado o título de Campeão Mineiro em 1915. Naquele tempo, o América dominava o futebol mineiro e estava no meio da sua sequência incrível de dez títulos consecutivos do estadual.

O primeiro jogo entre as equipes aconteceu em 17 de abril de 1921, ou seja, no próximo sábado irá completar o centenário do clássico. No Estádio Prado Mineiro, o Cruzeiro venceu o Atlético por 3 a 0 e deu início à rivalidade que domina Minas Gerais.

O último encontro entre as equipes aconteceu há exatos 399 dias, ou seja, serão 400 dias de intervalo entre os jogos. Em 07 de março de 2020, Atlético e Cruzeiro se encontraram no Mineirão, no último jogo com torcida do futebol mineiro. O Galo abriu o placar com um belo gol de Igor Rabello e a Raposa empatou com Thiago, mas Rómulo Otero, em um lindo chute de fora da área, empatou nos minutos finais. Logo, o Atlético venceu o último clássico por 2 a 1. 

Retrospecto

A rivalidade neste clássico é tão forte que envolve disputa até em relação aos números corretos do histórico do duelo. Segundo a contagem do Atlético, foram realizados 18 jogos a mais e nestas partidas o time alvinegro venceu 12 vezes, houve cinco empates e o Cruzeiro venceu apenas uma partida. Esta divergência existe porque o Galo contabiliza diversos jogos das décadas de 20, 30 e 40, onde não havia tanta organização e o futebol brasileiro sequer era profissional.

Como os rivais não entraram em um acordo para padronizar este retrospecto, é necessário destacar os dois históricos, porém, em ambos, o Atlético tem vantagem no número de vitórias. Segundo a versão atleticana, os times já se enfrentaram 514 vezes, onde o Atlético venceu em 207 oportunidades, houve empate em 137 jogos e o Cruzeiro saiu vitorioso em 170 vezes. Já na contagem cruzeirense, as equipes protagonizaram 496 duelos, onde a Raposa ganhou 169 jogos, os times empataram em 133 oportunidades e o Galo saiu de campo com a vitória após 194 clássicos. Quem ganhará o próximo?

Um dado interessante do retrospecto é que no Mineirão, casa do Cruzeiro e do Atlético – é importante destacar que o time alvinegro mandou alguns clássicos no Independência na última década -, a Raposa tem uma boa vantagem. Já foram disputados 239 jogos no Gigante da Pampulha, o Cruzeiro venceu 86 vezes, houve 78 empates e o Atlético venceu em 75 oportunidades.

Números expressivos

Um clássico gigante carrega números incríveis. Por exemplo, em 4 de maio de 1969, Atlético e Cruzeiro colocaram 123 mil pessoas no Mineirão, um recorde histórico do maior clássico de Minas Gerais. A torcida irá fazer bastante falta no clássico deste final de semana.

E dentre estes milhares, ou melhor, milhões de torcedores, a grande discussão é sobre a maior goleada do clássico. Boa parte dos cruzeirenses se orgulham de ter vencido o rival por 6 a 1 na época moderna, em 2011, quando o Galo poderia ter rebaixado a Raposa. Porém, uma parcela da torcida atleticana defende o argumento que a maior goleada não é a vitória cruzeirense. Um clássico disputado em 1927 entre Atlético e Palestra Itália, antigo nome do Cruzeiro, contou com o placar de 9 a 2 para o Galo. Este tema é, certamente, o que mais levanta discussões entre os times.

Outro dado importante é sobre as sequências invictas, quesito que o Atlético tem uma grande vantagem. Nas cinco maiores invencibilidades no clássico, o Galo é dono de quatro sequências. Entre 1985 e 1987, o Atlético passou 13 jogos consecutivos sem perder para o Cruzeiro. No top 5, o Galo teve boas sequências em 2013-2015, 1947-1948 e 1937-1939. A única boa sequência invicta da Raposa aconteceu em 2007-2009, quando o Cruzeiro ficou 12 jogos sem perder para o rival.  

Mais taças ou um título sobre o rival?

Além das goleadas, existe uma discussão que domina as conversas dos torcedores: é melhor ter mais taças ou conquistar um título importante sobre o maior rival? Obviamente, você irá responder com muita facilidade e escolher o feito que o seu time conseguiu. Cruzeirenses preferem ter mais conquistas e os atleticanos optam pelo título da Copa do Brasil sobre o Cruzeiro em 2014. Isso faz parte da rivalidade e alimenta este debate que, se for pacífico, é um dos melhores pontos do futebol. 

O clássico centenário carrega esta particularidade, o deixando ainda mais especial. É evidente que o Cruzeiro venceu mais títulos importantes durante a sua história, mas o Atlético domina os confrontos e venceu a Copa do Brasil de 2014 contra o maior rival, onde o time azul celeste não conseguiu fazer quase nada. Por isso, a rivalidade existe nas discussões. O atleticano alega um ponto importante, enquanto o cruzeirense rebate com outra questão.

Isso é futebol. Isso é rivalidade. Atlético e Cruzeiro caminham em trilhos diferentes, mas “bebem da mesma água”: o amor do torcedor mineiro pelo futebol. Galo e Raposa são mais do que os times de coração. Atlético e Cruzeiro são, praticamente, religiões seguidas por estes torcedores. Por isso, vencer o rival é crucial e o clássico ganha ainda mais importância.

O jogo deste domingo marcará mais um grande capítulo deste confronto. O placar é possível apenas palpitar, mas a rivalidade irá perdurar nos próximos dias, semanas, meses, anos, décadas e, certamente, mais um século. Atlético e Cruzeiro são gigantes e, por causa disso, protagonizam o grande jogo de Minas Gerais. Aproveitem mais um clássico!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários