Tabu quebrado! Após 26 anos, Cruzeiro é derrotado pela Caldense no Mineirão, em uma atuação apática da Raposa

Foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press

Faltou raça e vontade de vencer na própria casa. Aparentemente, foi mais um jogo da desgastante temporada de 2020, porém a nova temporada se iniciou e o Cruzeiro, nesta partida, demonstrou a mesma falta de interesse ao atuar no Mineirão. Uma derrota justa. A Caldense jogou melhor e viu um longo tabu ser quebrado: após 25 anos, a Veterana bateu a Raposa no Gigante da Pampulha. 

Nesta quarta, 03, o Cruzeiro perdeu para a Caldense por 1 a 0 no Mineirão. O gol foi marcado por Amarildo, logo no início da 1ª etapa. O jogo foi válido pela 2ª rodada do Campeonato Mineiro de 2021 e a Raposa acumulou mais um feito negativo na sua história: desde 2004, a equipe azul celeste não começava sem vitórias nas duas primeiras partidas do estadual. 

Com o resultado, o Cruzeiro ficou na 9ª posição com apenas um ponto conquistado no Campeonato Mineiro de 2021. A próxima partida será fora de casa, frente ao URT, em Patos de Minas, e a Raposa necessita, urgentemente, de vencer. Mais uma temporada fora da fase final do estadual seria vergonhoso para o Cruzeiro. Já a Caldense vence a 1ª no campeonato e alcança a vice-liderança após chegar aos quatro pontos no Mineiro.

O jogo e as atuações individuais

Em 1995 havia acontecido a única derrota do Cruzeiro em casa para a Caldense. Após 26 anos, a Veterana voltou a vencer no campo da equipe azul celeste e fez história com muito merecimento. O time de Poços de Caldas fez um ótimo 1º tempo e teve uma atuação segura defensivamente. E, mais uma vez, o atual Cruzeiro fez história negativa. A equipe se reformulou, mas apresentou a mesma apatia dentro de casa vista em 2020.

A principal questão nesta partida foram as decisões erradas cometidas por alguns jogadores. Erros bobos e evitáveis aconteceram com uma frequência maior do que a imaginada e, certamente, Felipe Conceição irá cobrar uma melhora nos próximos treinamentos. A equipe mineira está passando por uma mudança drástica de filosofia e tempo é necessário, porém alguns erros, principalmente os individuais, e a falta de garra são inadmissíveis.

O único ponto positivo da partida cruzeirense foi a movimentação de Rafael Sobis, atleta que buscou criar jogadas a todo momento. Como ponto negativo, é possível destacar a falta de entrosamento da equipe e de compreensão da filosofia de Felipe Conceição. Nas atuações individuais, Alan Ruschel e Matheus Barbosa devem ser destacados já que ainda não se encontraram com a camisa azul celeste. William Pottker e Felipe Augusto também erraram diversos fundamentos básicos dentro de campo. 

O primeiro tempo

Na escalação, Felipe Conceição optou por, praticamente, repetir a formação inicial do Cruzeiro na partida contra o Uberlândia, na 1ª rodada do Mineiro de 2021. Para enfrentar a Caldense, a única mudança foi a volta de Ramon ao time titular e a saída do jovem zagueiro Weverton, atleta que está servindo a Seleção Brasileira sub-18. A escalação inicial teve Fábio, Raúl Cáceres, Manoel, Ramon e Alan Ruschel; Matheus Neris, Matheus Barbosa e Marcinho; Felipe Augusto, Rafael Sobis e William Pottker.

E o jogo esquentou logo no minuto 8. Marcinho tinha a posse da bola no círculo central e o time cruzeirense estava com vários atletas no campo ofensivo. O camisa 95 do Cruzeiro foi desarmado por Gabriel Tonini, em um lance que o árbitro Ronei Cândido Alves optou por não marcar a falta. O juiz da partida não assinalou a infração, o meio-campista Bruno Oliveira acertou um lindo passe nas costas da defesa da Raposa e Amarildo acelerou. Como apenas Ramon e Manoel estavam na linha defensiva, o camisa 9 da Caldense teve liberdade e finalizou no canto de Fábio. Gol de Amarildo e placar aberto logo na primeira boa chance. 1 a 0 no marcador. 

Com a desvantagem no placar e com a dificuldade para sair, o Cruzeiro tentou chegar em jogadas aéreas. Aos 17, Raúl Cáceres cruzou da direita e Ramon cabeceou. A bola passou perto da meta do goleiro João Paulo. No minuto 22, Marcinho cobrou falta na lateral e Matheus Barbosa desviou para fora do gol. Aos 27, na 1ª boa trama do Cruzeiro, a bola foi bem trabalhada pela esquerda – com Felipe Augusto, Matheus Barbosa e Rafael Sobis – e Barbosa cruzou na área. O zagueiro Morais tirou a bola que, certamente, seria empurrada por William Pottker, na 2ª trave.

A Caldense mostrou uma estratégia muito inteligente nos primeiros minutos e impediu com uma pressão a saída de jogo cruzeirense. Em alguns momentos, a Veterana conseguiu escapar em contragolpes. Aos 18, Felipe Augusto errou um passe para trás no círculo central e deu no pé de Amarildo. O atacante acelerou e bateu cruzado. Desta vez, o chute foi errado. No minuto 23, a Caldense chegou com Rafael Peixoto, camisa 11 que também recebeu nas costas da defesa. Porém, ele finalizou mal e o goleiro Fábio fez a defesa.

A ideia do Cruzeiro ia de mal a pior e a Caldense aproveitava. E a equipe por muito pouco não ampliou o placar em um bombardeio da Veterana. Aos 36, Bruno Oliveira recebeu nas costas da defesa e bateu com a perna esquerda, dentro da área. Fábio saiu e abafou muito bem. No rebote, David Lazzari tentou a finalização e o chute foi bloqueado. No rebote, Bruno Oliveira estava impedido – o auxiliar não marcou – e chutou novamente. Neste arremate, a bola foi no travessão e assustou ainda mais a torcida cruzeirense.

O Cruzeiro reagiu à altura e aproveitou a grande falha da Caldense. O zagueiro Morais errou o fundamento dentro da área e deu a bola nos pés de Pottker. O camisa 11 entrou livre na área, bateu duas vezes e acertou o goleiro João Paulo nas duas oportunidades, nos únicos dois chutes da Raposa na meta no 1º tempo. A grande chance perdida acarretou um cruzamento e, no rebote do tiro de canto, Pottker cruzou rasteiro e Manoel desviou. A bola foi para fora. Fim de um 1º tempo movimentado e ruim do Cruzeiro.

O segundo tempo

Com o intuito de buscar a vitória, o técnico Felipe Conceição promoveu duas mudanças após o intervalo: Adriano e Claudinho entraram nas vagas de Matheus Neris e Marcinho, meio-campista que perdeu a bola no lance do gol da Caldense. E a primeira boa construção do Cruzeiro na 2ª etapa começou nos pés de Claudinho, no minuto 14.

O meio-campista dono da camisa 49 fez ótima jogada individual pela esquerda e entrou na área. Claudinho tocou para trás e encontrou Felipe Augusto, atacante que arriscou o chute e acabou acertando a defesa da Caldense. No rebote, o goleiro da Veterana saiu mal e quase “entregou o ouro”. A bola sobrou para Rafael Sobis e ele finalizou. O arremate também foi bloqueado.

Felipe Conceição entendeu os erros cometidos e promoveu as três mudanças restantes antes mesmo dos 30 minutos da 2ª etapa. Airton, Matheus Pereira e Thiago entraram com o objetivo de tentar mudar a partida. Logo após a entrada, aos 23, Thiago girou dentro da área e finalizou. A bola balançou as redes, mas pelo lado de fora.

O Cruzeiro, desesperado atrás de uma virada, chegou com perigo em um escanteio aos 27. Após um “bate rebate” na área, Rafael Sobis ficou com a bola e bateu de primeira, com a perna esquerda. O chute foi bom e obrigou o goleiro João Paulo a fazer uma grande defesa. O rebote não foi aproveitado por William Pottker.

O jogo ficou ainda mais morno, mesmo com a necessidade cruzeirense. A equipe não conseguia chegar próximo do gol e apenas Rafael Sobis tentava alguns lançamentos. Aos 36, Pottker recebeu na direita e finalizou rasteiro. João Paulo fez uma defesa tranquila. No minuto 45, Thiago acelerou pela esquerda e tocou para Airton, que estava fechando na 2ª trave. O camisa 7 iria empurrar para o fundo das redes, mas o lateral-esquerdo Verrone tirou de carrinho e evitou o gol cruzeirense.

O fim do jogo

O jogo se arrastou nos minutos finais com discussões e vários cartões que não merecem destaque. A questão principal é que o Cruzeiro iniciou o estadual sem vencer nas duas primeiras partidas após 17 anos e a atuação desta noite assusta. É óbvio que a evolução não é mágica e tudo faz parte de um processo, porém vários erros devem ser cobrados nos próximos treinamentos. O ano é longo e a melhora deve existir. Mais raça, Cruzeiro!

O Cruzeiro volta a campo no próximo sábado, 06, às 21:00, contra o URT, no estádio Zama Maciel, em Patos de Minas.

Números da partida
Cruzeiro x Caldense
64% Posse de bola 36%
16 Finalizações 14
5 Finalizações no gol 5
9 Escanteios 2
3 Impedimentos 3
16 Faltas 18
553 Passes 208
495 (89,5%) Passes certos 170 (81,7%)
Fonte: Footstats

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários