Dedé rescinde com o Cruzeiro, encerra passagem vitoriosa e polêmica e vê o rival Atlético com interesse

Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Após muitos troféus, lesões e polêmicas, o zagueiro Anderson Vital da Silva, mais conhecido como Dedé, rescindiu o contrato com o Cruzeiro e está livre no mercado. O defensor tem 32 anos, está sem jogar desde outubro de 2019 e soma diversos problemas físicos nos últimos anos.

A rescisão aconteceu após o zagueiro entrar com um processo judicial em janeiro de 2021, onde a defesa do atleta pediu a rescisão contratual e mais de 35 milhões de reais, valor que engloba salários atrasados, uma cláusula compensatória e danos morais. Até o momento, apenas a rescisão do vínculo foi julgada.

A decisão foi oficializada na última segunda-feira, 22, após a emissão de uma liminar da Justiça do Trabalho. Segundo o juiz Fábio Gonzaga de Carvalho, o Cruzeiro não apresentou uma prova contra a acusação de falta de pagamento do FGTS do atleta nos últimos meses e, por causa do atraso, a rescisão era o caminho legal.

Com isso, a FMF e a CBF devem oficializar esta decisão nos próximos dias e, consequentemente, o Cruzeiro deve publicar no BID a rescisão do contrato – que era válido até o fim de 2021 – com Dedé, deixando o atleta livre para assinar com qualquer outro, inclusive o rival Atlético, equipe que demonstrou interesse há um mês. Veja detalhes da passagem de Dedé e o possível interesse do Galo!

Os números e títulos

Anderson Vital chegou no Cruzeiro em 2013 após muito destaque no Vasco da Gama. Com 25 anos, Dedé assinou com a equipe mineira no auge do atleta e a expectativa do cruzeirense era contar com o atleta por muitos anos. Dedé teve contrato com a Raposa por 8 anos, porém a quantidade de jogos é baixa por causa do alto número de lesões. 

Em oito temporadas, o zagueiro atuou em 188 jogos, marcou 15 gols e foi bicampeão do Brasileirão e da Copa do Brasil, além do tricampeonato do estadual. Uma passagem muito vitoriosa. Porém, Dedé ficou a temporada de 2015 e 2020 sem jogar, além das temporadas de 2016 e 2017, onde atuou em apenas seis e sete partidas, respectivamente. 

Em 2013, 2014, 2018 e 2019, o atleta esteve preparado e correspondeu às expectativas: nestas quatro temporadas, o jogador somou 175 participações, mais de 93% dos jogos disputados com a camisa do Cruzeiro, ou seja, ele concentrou as suas partidas em metade das temporadas e “desapareceu” nas outras quatro temporadas. Números infelizes para a torcida e para a instituição, visto que as lesões prejudicaram a passagem de um zagueiro que tinha talento para se tornar um grande ídolo da nação azul celeste. 

As polêmicas

Mesmo com vários títulos, o zagueiro Dedé ficou marcado por polêmicas que envolveram o jogador. Obviamente, a torcida não esquece com facilidade estes momentos em que o atleta desrespeitou a instituição e a mágoa com um jogador tão importante no bicampeonato do Brasileirão e no título da Copa do Brasil de 2018 persiste na torcida azul.

Talvez o principal caso polêmico que envolve Dedé seja o episódio da “sarrada” no fim de 2019. O Cruzeiro estava prestes a ser rebaixado para a Série B, vivendo o momento mais complicado da sua história, e, aparentemente, os jogadores não estavam se importando muito. 

Em novembro de 2019, quando Dedé estava machucado – o zagueiro não jogou futebol desde então – aconteceu uma festa com a presença de vários jogadores do Cruzeiro e Dedé foi flagrado dando uma “sarrada” mesmo machucado. A falta de respeito em comemorar ao invés de tentar se recuperar para ajudar a equipe que estava na zona do rebaixamento não foi bem vista pela torcida.

Outra polêmica aconteceu em 2019, quando Rogério Ceni treinou o time mineiro. Na época, foi falado sobre um suposto complô contra o treinador e o zagueiro, líder do vestiário, estaria participando da “panelinha” que contava também com Thiago Neves, atleta que ficou marcado pelo rebaixamento do Cruzeiro. São muitos títulos, mas, ao mesmo tempo, são muitas lesões e polêmicas no currículo do talentoso zagueiro.

O processo

Dedé tinha contrato até o fim deste ano, sequer pisou na Toca da Raposa em 2020 – fez recuperação de uma lesão em Volta Redonda – e, em janeiro deste ano, entrou com um processo contra o Cruzeiro. Os advogados do atleta alegaram “falta grave do empregador” na Justiça, isto é, a defesa do jogador definiu alguns erros do Cruzeiro que poderiam possibilitar a rescisão do vínculo.

No processo, além do rompimento contratual, Dedé pediu uma indenização de mais de 35 milhões de reais. Imediatamente, a decisão de encerrar o vínculo foi negada por um juiz, mas nesta segunda, 22, o jogador conseguiu uma liminar favorável e está livre no mercado.

Já a alta quantia pedida por Dedé segue nos tribunais e é possível que surjam novidades nos próximos meses. O valor engloba vencimentos atrasados desde 2019, 10,5 milhões de multa rescisória e, até mesmo, 3,75 milhões de danos morais, já que os advogados do zagueiro incluíram no processo declarações difamatórias dos ex-dirigentes.

O interesse do Atlético

Para terminar a sua história no Cruzeiro de forma ainda mais polêmica, o zagueiro Dedé pode trocar de lado dentro de Belo Horizonte. O interesse do Atlético em contratar o atleta, que agora está livre no mercado, existiu em janeiro, mas com a rescisão do vínculo com a Raposa, o negócio pode esquentar novamente, ainda mais que o Galo almeja a contratação de zagueiros.

Segundo informações do jornalista Guilherme Piu, do UOL, houve uma conversa entre os representantes do atleta e o colegiado que administra o Atlético, um mês atrás. Naquele momento, foi feito apenas uma sondagem sobre a situação do atleta e se Dedé teria algum problema em sair do Cruzeiro para o Atlético. Porém, as conversas foram interrompidas e existe a possibilidade que retorne após a rescisão contratual, visto que o jogador busca um novo clube. 

Uma questão curiosa na possível ida de Dedé ao Galo é que o interesse não é recente. No meio de 2020, em entrevista ao SporTV, o zagueiro declarou que havia tido uma proposta do Atlético e que, segundo ele, o negócio era inviável. Na entrevista, Dedé disse que não iria para o Galo por causa do respeito ao Cruzeiro e que estava focado em se recuperar para voltar à Toca da Raposa. Porém, isso não aconteceu e o zagueiro está livre. Atualmente não existem negociações, mas, como houve interesse anteriormente, há a possibilidade de esquentar as conversas nos próximos dias, já que o atleta está sem clube. 

Anderson Vital deixou muita história no Cruzeiro. Venceu muito, se tornou um ídolo, mas conseguiu manchar sua história com poucas partidas em algumas temporadas e atitudes desrespeitosas. Dedé é um grande zagueiro, tem talento de sobra, mas o seu objetivo deve ser voltar a jogar futebol, seja no Atlético ou em qualquer outro lugar.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários