Quantas vezes Jorge Sampaoli ficou por mais de uma temporada em uma equipe?

Fotos: Pedro Souza / Atlético

Jorge Sampaoli chegou no Atlético em março de 2020, assinou contrato até o fim de 2021 e todos falaram sobre um projeto a longo prazo envolvendo o treinador, os investidores e vários jogadores promissores. Porém, 11 meses depois e ainda na mesma temporada da sua chegada, o técnico argentino está próximo de deixar o Galo.

A situação ainda não foi confirmada, porém diversos veículos de imprensa confirmam que o treinador deve deixar o Atlético após o término do Brasileirão. O destino provável é o Olympique de Marseille, equipe francesa, todavia, segundo informações do UOL, Jorge Sampaoli deve deixar o clube mineiro independente se o destino será a França.

A possível saída não tem um motivo evidente, já que os investidores compraram diversos jogadores pedidos pelo treinador. No entanto, analisando o currículo de Jorge Sampaoli, esta saída precoce é só mais uma do vasto histórico de curtas passagens por clubes.

Por isso, o Blog Bola Pra Frente apurou dados e trouxe a resposta para a pergunta inicial: Jorge Sampaoli ficou por mais de uma temporada em uma equipe de elite apenas três vezes. Vale ressaltar que dentre estas três oportunidades, Sampaoli deixou uma das equipes em meio à 2ª temporada.

Os trabalhos de Sampaoli

O treinador que completa 61 anos no próximo mês começou a trabalhar como técnico há quase 30 anos. Em 1992, após se aposentar precocemente como jogador, Sampaoli iniciou a trabalhar na base de alguns times e como treinador de equipes de divisões inferiores. Em 2002, o treinador argentino teve a sua 1ª oportunidade em uma divisão de elite.

A partir desta 1ª passagem em clubes de 1ª divisão, o Blog analisou os trabalhos de Sampaoli. Foram 10 clubes desde então e passagens curtas por, praticamente, todos os lugares:

  • Juan Aurich – Peru: chegou em 2002 e saiu em 2002;
  • Sport Boys – Peru: chegou no meio de 2002 e saiu em 2003;
  • Coronel Bolognesi – Peru: chegou pela 1ª vez em 2004, saiu em 2005, retornou em 2006 e saiu do final de 2006;
  • Sporting Cristal – Peru: chegou em 2007 e saiu no fim de 2007;
  • O’Higgins – Chile: chegou em 2008 e saiu no meio de 2009;
  • Emelec – Equador: chegou em 2010 e saiu no fim de 2010;
  • Universidad de Chile: chegou no início de 2011 e saiu no fim de 2012;
  • Sevilla – Espanha: chegou no meio de 2016 e saiu no meio de 2017;
  • Santos – Brasil: chegou no início de 2019 e saiu no fim de 2019;
  • Atlético – Brasil: chegou em 2020;

Foram somente três passagens em que o treinador ficou mais de uma temporada. No Coronel Bolognesi, time peruano, Sampaoli chegou em 2004 e saiu apenas no fim de 2005. Além disso, ele retornou e ficou mais seis meses no fim de 2006. Os outros dois trabalhos mais longos aconteceram no Chile. No O’Higgins, Sampaoli ficou uma temporada completa e saiu no meio do ano seguinte. Na Universidad de Chile, onde o técnico teve muito destaque, ele ficou duas temporadas completas. Nos outros seis trabalhos já finalizados, Sampaoli ficou apenas uma temporada ou menos.

Até nas seleções, Sampaoli não se destaca por trabalhos duradouros. Obviamente, no Chile, onde o seu nome ganhou grande notoriedade, Sampaoli conseguiu emplacar um longo trabalho e ficou por três anos – chegou no início de 2013 e saiu no início de 2016. Já na Seleção da Argentina, o técnico ficou apenas um ano e foi demitido após a Copa de 2018.

O número de jogos

A grande curiosidade encontrada ao analisar os números de Jorge Sampaoli em seus trabalhos é o baixo número de jogos em cada equipe. Incrivelmente, o trabalho de apenas uma temporada no Santos foi a 3ª passagem em que Sampaoli mais disputou partidas. Foram 65 partidas em uma única temporada e o 3º maior trabalho do técnico argentino.

Os dois trabalhos mais longos em números de partidas foram no Coronel Bolognesi, equipe peruana que Sampaoli disputou 123 partidas em duas passagens e no Universidad de Chile, onde Jorge esteve em campo 135 vezes, sendo o número recorde de jogos do argentino comandando um mesmo time.

O trabalho na Seleção Chilena é mais longo em número de anos – foram três anos no comando – mas, devido ao baixo número de jogos por causa da Data FIFA, Sampaoli dirigiu o Chile em apenas 44 partidas. Por exemplo, se disputar as duas partidas restantes no Brasileirão, o técnico terá as mesmas 44 partidas pelo Atlético.

Baseado nestes números e na possível saída de Sampaoli, é possível concluir que ter Jorge Sampaoli no comando da equipe agrega muito na qualidade e na parte tática, porém a insanidade de Sampaoli em busca de trocar os trabalhos pode prejudicar um projeto pensado a longo prazo. Se ficar por mais uma temporada no Atlético, Sampaoli fará um dos seus maiores trabalhos na carreira. Se não ficar, o Galo será mais uma equipe que Jorge Sampaoli irá deixar antes da hora e sem cumprir o contrato.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
leonardo

Vaza Cuca dois,nos não temos um Ronaldinho para nos salvar das cagadas de seus esquemas

Rooster_2020

O tal do Chataoli tem uma ideia de futebol utópica. Zagueiros marcando no campo de ataque do adversário e qualquer chutão vira um Deus nos acuda na defesa. Mala, acha que é o que não é, mas acha quem paga pra ver.

romulo

O sampaoli põe mta banca, chega todo marrento; gera uma expectativa mto alta e, no final das contas, entrega bem menos. Aí fica com custo benefício baixo e gera críticas da torcida; fica magoadinho com a torcida e cai fora.

kamal abdul zaydan

Futebol e’ louco mesmo. Na 5a rodada, com o atletico voando, o Juca Kfouri disse no uol que era questao de acertar a rodada que o mesmo seria campeao. Pois e’ na 35a Juca, sem chance ao titulo.

Moby

No final das contas é só mais um menino mimado.

Honneur Monção

Quem vive do passado é museu e professor de História e o passado não pode ser mudado. Olha o futuro para fazer suas projeções. Sampaoli pode até sair, mas ele já provou ser um homem ambicioso e inteligente…Daí…