Pouca raça e falta de criação: Atlético joga mal, perde para o Goiás por 1 a 0 e se distancia do título

Fotos: Pedro Souza / Atlético

Uma atuação ruim coroada por uma derrota inesperada. O Atlético segue perdendo pontos bobos fora de casa, principalmente contra times que estão dentro da zona do rebaixamento. Uma equipe que está em busca do título não pode perder pontos contra uma equipe virtualmente rebaixada nesse momento do campeonato. Uma derrota desanimadora e preocupante. Enquanto isso, do outro lado da partida, o Goiás venceu, lutou e respirou na agonizante briga para permanecer na Série A.

Nesta quarta, 03, o Atlético perdeu para o Goiás por 1 a 0, em partida realizada no Estádio Hailé Pinheiro, conhecido como Serrinha. O jogo teve apenas o gol de Índio, mas um tento necessário para o time esmeraldino confirmar um importante triunfo na 34ª rodada. Com este resultado, o Goiás devolveu a derrota do 1º turno, onde o Galo bateu a equipe goiana por 3 a 0, no Mineirão.

Com a derrota, o Atlético perdeu uma grande chance de pressionar os adversários diretos. O time de Jorge Sampaoli não contava com este deslize e o sonho do título aparenta estar cada dia mais distante. Atualmente, o Atlético está em 3º, com 60 pontos, mas pode ver o líder Internacional abrir oito pontos restando apenas 12 tentos a serem disputados. Além disso, o Galo pode perder a 3ª posição para o São Paulo, que não jogará neste meio de semana devido à disputa do Palmeiras no Mundial de Clubes. Por outro lado, o Goiás respirou. O time esmeraldino permanece em 18º, mas, ao chegar aos 32 pontos, a equipe goiana termina a rodada quatro pontos atrás do 16º colocado.

O jogo e as atuações individuais

Uma partida ruim e a equipe mais modesta venceu. O placar foi justo dentre as ideias praticadas. O Goiás, sabendo da sua limitação, armou uma retranca e jogou por uma bola. E a ideia deu certo graças ao erro atleticano. O time esmeraldino foi esperto, aproveitou a única chance que teve e balançou as redes. Por outro lado, o azarado time atleticano teve alguns lampejos de bom futebol e chegou a assustar, principalmente no lance das duas bolas na trave, mas a sorte estava distante do Atlético e o mau desempenho acarretou esta derrota dramática. 

O grande culpado da partida é o próprio time atleticano. Desde o goleiro até o atacante reserva, desde o treinador ao preparador físico, todos tiveram culpa na partida, já que o coletivo não funcionou. Se o coletivo não funciona, o desempenho fica dependente de uma jogada individual. Desfalcado do seu craque na arte de quebrar linhas – Keno – o Atlético não teve brilho e muito menos organização para atacar o adversário. 

O ponto positivo, para o torcedor atleticano, foi o término do jogo. A partida do Atlético foi pífia e o time não mostrou raça, vontade e determinação para buscar a virada. A partida desligada atleticana foi do início ao fim. E isso foi causado por um ponto negativo da partida: as escolhas de Sampaoli. O treinador mudou as peças – não alterou a formação em si, apenas os atletas – e não conseguiu levar o time mineiro ao resultado. A cobrança é justa, assim como deve acontecer com vários jogadores que se esconderam em meio ao jogo fraco do Galo.

O primeiro tempo

Na escalação, Jorge Sampaoli surpreendeu e modificou algumas peças. Gabriel e Alan Franco retornaram ao time titular, enquanto Guga e Jair começaram a partida no banco. A formação inicial teve Éverson, Gabriel, Réver, Alonso e Arana; Allan, Hyoran e Franco; Savarino, Sasha e Vargas.

Aos 8, o Atlético chegou pela primeira vez. Alonso inverteu e encontrou Gabriel. Ambos os defensores do Galo estavam no campo de ataque e a novidade da escalação atleticana lançou Eduardo Sasha nas costas da defesa do Goiás. O camisa 18 entrou na área, puxou toda a marcação e tocou de forma inteligente para Guilherme Arana. O ala atleticano estava dentro da área, mas não entendeu a jogada e chegou atrasado. A finalização de Arana foi de carrinho e a bola foi para fora.

Logo na sequência, o ataque do Atlético foi envolvido em dois lances complicados para a arbitragem. Aos 10, a jogada começou com uma excelente saída de bola atleticana e Hyoran puxou o contragolpe. O meio-campista encontrou Savarino na ponta-esquerda e o venezuelano fez um ótimo cruzamento para Vargas. O atacante chileno dominou dentro da área, perdeu equilíbrio e bateu. O goleiro Marcelo Rangel encaixou com tranquilidade o arremate feito dentro da sua área, mas o auxiliar já havia marcado o impedimento.

No minuto seguinte, o Atlético chegou a balançar as redes, porém a arbitragem assinalou novamente a irregularidade. Aos 11, Allan tocou para Vargas na ponta-esquerda. Para retribuir o lance anterior, o camisa 10 do Atlético cruzou rasteiro e encontrou Savarino. O cruzamento de Vargas foi muito bom e Savarino bateu com a perna direita. A bola passou por baixo das pernas do goleiro do Goiás e balançou as redes, no entanto o auxiliar havia marcado o impedimento. O VAR até revisou a jogada, mas, para a tristeza dos torcedores atleticanos, o vídeo confirmou o impedimento muito ajustado.

O Atlético estava dominando as ações ofensivas e chegou no minuto 21, em um bom chute de Allan. O volante recebeu de Franco, depois de uma cobrança de lateral, e arriscou de longa distância. O goleiro Marcelo Rangel espalmou. Mesmo com o domínio do Galo, quem abriu o placar foi o Goiás.

Aos 27, o Goiás chegou pela 1ª vez e fez o gol. Houve uma cobrança de lateral pela esquerda e Daniel recebeu a bola na linha de fundo. O camisa 21 do Goiás cruzou e o jovem Índio subiu entre Alonso e Arana. Nenhum dos dois defensores estava marcando e o jogador de apenas 1,70m testou no canto da meta atleticana. Éverson não conseguiu chegar a tempo e o camisa 10 do Goiás marcou o seu primeiro gol como profissional. Uma falha da defesa atleticana que foi muito bem aproveitada pelo Goiás. 1 a 0 no placar do estádio da Serrinha.

Mesmo com o gol sofrido, a equipe mineira seguiu com a bola no pé, porém o choque de ter sofrido um gol tão bobo fez com que a equipe parasse de chutar. A única finalização no 1º tempo após estar em desvantagem foi aos 46, em escanteio cobrado por Savarino. Eduardo Sasha pegou a bola de primeira e finalizou, porém o chute foi, prontamente, bloqueado pela defesa goiana. Um primeiro tempo sem criação e melancólico do time de Jorge Sampaoli.

O segundo tempo

Logo após o intervalo, Jorge Sampaoli promoveu duas substituições na sua equipe: Jair e Marrony entraram em campo no lugar de Gabriel e Eduardo Sasha. O time ficou ainda mais ofensivo, mas a dificuldade persistia ao lado da equipe atleticana.

A primeira grande jogada do Galo aconteceu no minuto 10. E foi um lance inexplicável. Aos 10, Allan fez um ótimo lançamento e encontrou Marrony nas costas da defesa. O ponta que havia acabado de entrar foi abafado pelo goleiro e cruzou para o meio da área. A bola desviou, contudo, encontrou a cabeça de Jair. O volante atleticano cabeceou e acertou o pé da trave. O goleiro ainda estava retornando à sua meta e os defensores do Goiás estavam dentro do gol. Com isso, o rebote sobrou nos pés de Alan Franco. O camisa 21 arriscou e a bola bateu na trave novamente. Duas traves e zero gols nesta jogada maluca.

Quatro minutos depois, Jorge Sampaoli promoveu uma substituição que, certamente, foi aclamada por boa parte dos torcedores alvinegros. Após quase um ano, Diego Tardelli retornou ao campo de jogo e entrou no lugar do apagado Eduardo Vargas. A outra modificação, neste momento, foi a entrada de Mariano no lugar de Alan Franco. Aos 24, dez minutos depois, Sampaoli fez a 5ª substituição: colocou Nathan no lugar de Allan.

Em meio a essas substituições, o jogo aconteceu somente na parte de ataque do Atlético. O Goiás não conseguia sair para o ataque e recuava cada momento mais. Já a entrada de Diego Tardelli teve um efeito anímico e o time chegou próximo do gol em sequência. Na 1ª participação do camisa 9, no minuto 17, Mariano lançou e encontrou Tardelli. O ídolo atleticano escorou – fazendo um pivô inteligente – e Jair dominou no peito e finalizou. A bola desviou na defesa do Goiás e o goleiro Marcelo Rangel encaixou.

Com muita dificuldade para penetrar a área adversária, o Atlético conseguiu chegar duas vezes com perigo por meio de bolas aéreas. Aos 28, Hyoran fez um bom cruzamento e Diego Tardelli subiu livre. O atacante cabeceou forte e muito mal, evitando qualquer susto ao goleiro do Goiás. No minuto 34, Arana cobrou um escanteio pela direita e Nathan cabeceou na 1ª trave. A bola tinha muito perigo, mas o defensor goiano conseguiu interceptar também pelo alto.

Os minutos finais se arrastaram. O time de Jorge Sampaoli não mudou a postura e seguiu jogando da mesma forma. O ânimo inicial do retorno de Tardelli sumiu e o Atlético, sem nenhuma liderança cobrando um melhor desempenho dos próprios companheiros, acabou indo em direção a uma derrota trágica.

O fim do jogo

Apito final e, praticamente, fim de sonho atleticano. O Atlético pode ver o rival direto para o título, o Internacional, disparar e abrir oito pontos, além da possibilidade de alcançar a 10ª vitória seguida. Por exemplo, o Galo conseguiu ter uma sequência com mais de dois triunfos em uma oportunidade neste Brasileirão, no meio do 1º turno. Depois disso, o Galo não consegue vencer três partidas seguidas. O time está distante do sonho, mas perto do objetivo. A vaga direta para a próxima Libertadores é importantíssima e o Atlético deve focar nisso. Simultaneamente, o Galo deve ir corrigindo seus erros, porque eles existem e devem ser notados.

O Atlético volta a campo apenas na próxima quarta, 10, contra o Fluminense, no Maracanã, às 21:30.

Números da partida
Goiás x Atlético
22% Posse de bola 78%
3 Finalizações 19
1 Finalizações no gol 2
1 Escanteios 8
2 Impedimentos 4
13 Faltas 13
0 Grandes oportunidades 2
0 Grandes oportunidades perdidas 2
241 Passes 818
165 (68%)Passes certos 735 (90%)
Fonte: SofaScore.com

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários