Atlético joga mal, ressurge nos minutos finais, mas perde para o Vasco por 3 a 2

Foto: Pedro Souza / Atlético

Foi uma partida ruim atleticana e o time quase foi premiado nos minutos finais. O Atlético teve chances de empatar a partida, mesmo sem merecer. Uma atuação ruim do time de Jorge Sampaoli, pois a equipe viu o modesto elenco do Vasco da Gama abrir três gols de vantagem com 60 minutos de jogo. Alguns destaques, como Guilherme Arana e Junior Alonso, foram muito mal e o Galo perdeu mais uma partida fora de casa. A defesa foi, novamente, o ponto fraco da equipe, mas o meio-campo também não conseguiu ser criativo. 

Nesta noite de sábado, 23, o Atlético perdeu de 3 a 2 para o Vasco da Gama, em São Januário. A partida válida pela 32ª rodada do Brasileirão ficou marcada pelos dois gols de Cano e um tento de Pikachu pelo lado vascaíno e os gols de Hyoran e Eduardo Sasha pelo lado atleticano. Com isso, o Vasco devolveu a derrota do 1º turno, onde o Galo havia vencido por 4 a 1. Três pontos para cada lado. 

Com o resultado, o Atlético continuará na 4ª posição até o término da rodada, já que não poderá ser ultrapassado por Palmeiras e Grêmio nesta rodada. O Galo tem 54 pontos e está cinco atrás do líder Internacional, com a mesma quantidade de jogos. O Atlético irá fazer uma partida atrasada contra o Santos na próxima terça, 26, e necessita vencer para se aproximar da liderança. Já o Vasco da Gama ganhou três posições – está em 14º, com 34 pontos – e ficará fora da zona do rebaixamento nesta rodada.

O jogo e as atuações individuais

Na partida contra o Grêmio, o Atlético fez um ótimo jogo até as substituições. Nesta partida, frente ao Vasco, o roteiro foi inverso. O time de Sampaoli fez 60 minutos terríveis, sofreu três gols e perdeu um pênalti. Depois das correções do treinador, o Galo melhorou e aproveitou o cansaço do adversário, que, obviamente, recuou e tentou administrar a vantagem. Em resumo, a atuação foi muito ruim e o Atlético mereceu sair de campo derrotado.

O Galo decepcionou o seu torcedor, pois teve a bola e não conseguiu fazer bom uso dela. O time, aparentemente, ficou nervoso com os erros do início do 1º tempo e não conseguiu ser criativo. As escolhas e estratégias de Sampaoli também não deram certo e o treinador é tão responsável quanto os jogadores. Porém, erros individuais de jogadores qualificados, como Alonso e Arana, são pontos inesperados e a derrota desta noite está atrelada à partida ruim destes destaques atleticanos.

Como ponto positivo, fica a excelente entrada de Eduardo Sasha, que marcou um gol e deu uma assistência, além de participar muito mais que Vargas, que ainda não se encaixou no time atleticano. Outro destaque é Hyoran. O meio-campista teve a infelicidade de acertar a trave no pênalti, mas não se desestabilizou e foi o grande nome do 2º tempo. Guga, defensivamente, também fez uma ótima partida. Já como ponto negativo, além da atuação coletiva, é necessário destacar a partida ruim feita pela dupla de zagueiros – Gabriel e Alonso – e Arana, lateral que fez a sua pior apresentação com a camisa alvinegra. Além deles, Allan fez uma partida muito ruim e errou muitos lançamentos.

O primeiro tempo

Na escalação, Jorge Sampaoli não surpreendeu e retornou à formação tradicional: 4-3-3. A única mudança inesperada foi a entrada de Gabriel como titular na vaga de Réver. O capitão estava indisposto no 2º tempo contra o Grêmio e foi substituído. Talvez, o zagueiro ainda não esteja 100%. Por isso, a escalação atleticana teve Éverson, Guga, Gabriel, Alonso e Arana; Allan, Jair e Hyoran; Savarino, Vargas e Keno.

O 1º tempo foi eletrizante do início ao fim. E a partida começou a ficar quente desde o minuto 10. Keno partiu para cima do lateral-direito Léo Matos – personagem do 1º tempo – e foi puxado. O árbitro marcou a falta na lateral esquerda e Savarino bateu, bem fechado. A bola passou perto do pé de Hyoran e acabou batendo na mão de Léo Matos. O árbitro marcou o escanteio, mas o VAR chamou para revisar a jogada, visto que o braço do atleta estava aberto.

O juiz da partida marcou o pênalti e Hyoran foi para a batida. Após marcar dois gols de pênalti em 2021, o camisa 20 chutou na trave e a bola voltou no atleta. No instinto, Hyoran dominou e marcou o gol, porém a regra proíbe que o cobrador pegue o rebote da trave. Com isso, erro do pênalti e 0 a 0 no placar.

E com o erro inicial do Atlético, o Vasco da Gama cresceu. Aos 15, Léo Matos tocou para Martín Benítez e o argentino encontrou Yago Pikachu no meio da área. O camisa 22 finalizou de primeira e a bola passou perto da meta de Éverson. Porém, dois minutos depois, a bola entrou no gol atleticano.

Aos 17, a bola foi lançada nas costas de Guilherme Arana. O lateral atleticano errou o balão e, ao tentar corrigir, protegeu a bola infantilmente dentro da área. Léo Matos aproveitou, cabeceou a bola para Germán Cano, atacante que estava dentro da área. Como Èverson estava no meio do caminho e ficou sem a bola por causa da indecisão de Arana, Cano só empurrou para as redes e saiu para a comemoração. 1 a 0 no placar de São Januário. 

O Galo tentou reagir e chegou muito bem. No minuto 21, Keno fez a sua jogada característica – saiu da esquerda para o meio – e fez um belo passe para Savarino. O venezuelano entrou na área, Fernando Miguel saiu abafando e Savarino chutou de direita. A finalização foi forte e bateu na trave vascaína. Sete minutos depois, o mesmo camisa 70 trouxe da direita para o centro e chutou no canto direito de Fernando Miguel. O chute do Savarino foi fraco e o goleiro do Vasco fez a defesa. 

A tentativa de reação atleticana deu mais espaços para o Vasco. Em inversão da esquerda para a direita, Léo Matos recebeu livre na ala-direita. O lateral teve liberdade, demorou para ser marcado por Arana e cruzou. A bola passou por Alonso, Gabriel perdeu a frente para Pikachu e o camisa 22 do Vasco bateu. Éverson fez boa defesa, junto com a trave, mas deu rebote. Pikachu ficou muito esperto, aproveitou que Éverson estava caído e empurrou a bola para o fundo das redes. 2 a 0 surpreendente em São Januário.

E quem chegou novamente foi o Vasco, mesmo com domínio da posse atleticana – o Atlético teve 75% de posse de bola. Léo Matos, novamente, teve espaço pela direita e cruzou. Gabriel estava marcando Pikachu e tirou. No rebote, Germán Cano, o artilheiro vascaíno, teve a chance de finalizar, mas o Cano furou. Nos minutos finais, o Galo chegou rodando a bola, porém não teve efetividade e foi para o intervalo com a desvantagem de dois gols. 

O segundo tempo

A parte final iniciou da mesma forma que a primeira parte terminou: eletrizante. Ambas as equipes voltaram com as mesmas escalações e o Atlético conseguiu um pênalti logo no início, assim como no 1º tempo. Só que desta vez, o VAR chamou para anular. 

Aos 6, Jair e Vargas tabelaram e o volante acelerou. Ao pisar na área, Jair dividiu com Leandro Castán e caiu. O árbitro, imediatamente, marcou outro pênalti para o Atlético. Entretanto, o VAR chamou e indicou uma revisão na jogada. Na imagem ficou claro que Jair esticou a perna para encontrar o contato com o zagueiro Leandro Castán. Com isso, o juiz voltou atrás sobre a marcação da penalidade máxima e deu seguimento à partida sem pênalti.

E, mais uma vez, após um lance envolvendo pênalti, Germán Cano aproveitou a falha da zaga atleticana e balançou as redes do Galo. Aos 13, Martín Benítez fez um belo lançamento e encontrou Cano nas costas de Junior Alonso e ao lado de Arana. O zagueiro atleticano estava adiantado e perdido na jogada, enquanto o lateral não conseguiu acompanhar o atacante. Por isso, Cano dominou no peito e finalizou com a perna esquerda. Um belo gol e uma bola indefensável para Éverson. O VAR ainda revisou o gol e indicou que Cano estava na mesma linha. Logo, 3 a 0 para o Vasco em menos de 60 minutos de jogo.

Depois do terceiro gol, o Vasco da Gama, obviamente, recuou e deu mais espaços para o Atlético. Aos 16, Allan lançou Eduardo Vargas nas costas da marcação. O chileno driblou o goleiro, mas os zagueiros Leandro Castán e Marcelo Alves fecharam o gol. Por isso, o atacante teve que voltar e foi desarmado pelo próprio Castán e perdeu uma boa chance.

Após este lance, Jorge Sampaoli mexeu na sua equipe e o time melhorou. Arana, Savarino e Vargas deixaram a equipe e Marrony, Nathan e Sasha entraram no jogo. E as mudanças surtiram efeito, mesmo que tardiamente.

Aos 22, Jair fez um lindo passe para Eduardo Sasha. O atacante ajeitou de calcanhar para Hyoran e o camisa 20 bateu forte no canto direito de Fernando Miguel. Gol atleticano e 3 a 1 no placar.

Quatro minutos depois, o Galo chegou bem perto de estar mais próximo no placar. Aos 26, em escanteio cobrado por Hyoran, Gabriel cabeceou muito bem na 1ª trave e obrigou Fernando Miguel a fazer uma grande defesa. O goleiro vascaíno tirou com o braço aberto em cima da linha. Aos 31, Alonso encontrou Nathan e o meio-campista tocou para Keno no meio da marcação vascaína. O ponta atleticano entrou na área e finalizou, mas a bola bateu no corpo do defensor do Vasco. No minuto 43, o Atlético, já no “famoso abafa”, tentando o gol, chegou em um cabeceio de Marrony. Keno fez bom cruzamento da direita e o atacante entrou livre. A bola chegou alta e ele cabeceou para fora. 

Água mole, pedra dura, tanto bate, até que fura. Porém, furou tarde demais. O Atlético, na base da insistência, chegou no 2º gol. Em escanteio pela direita, Guga cruzou, Hyoran raspou na 1ª trave e Eduardo Sasha chegou de “peixinho”. 3 a 2 no placar e dois gols atleticanos envolvendo Hyoran e Sasha.

O fim do jogo

Mas foi tarde demais. O Atlético acordou para a partida apenas com a entrada de Sasha e a boa movimentação de Hyoran. E isso aconteceu a partir dos 20 da 2ª etapa, quando o nervosismo já havia batido nos atletas. Por isso, a derrota foi um placar justo, pois o Vasco aproveitou as bobeiras atleticanas e balançou as redes de Éverson, goleiro que não teve culpa em nenhum gol.

Enfim, uma derrota desanimadora. Jorge Sampaoli e sua comissão técnica devem focar a equipe novamente, pois a atuação nos 60 minutos iniciais foi muito ruim e o Atlético ainda tem sete batalhas na competição. O título é possível? Sim. O Atlético faz por merecer? Atualmente, não. Por isso, o Galo deve colocar a vaga direta para a Libertadores como primeiro foco. Atento, Atlético!

O Atlético volta a campo na próxima terça-feira, 26, às 20 horas, contra o Santos, no Mineirão.

Números da partida
Vasco x Atlético
25%Posse de bola 75%
6 Finalizações 17
3 Finalizações no gol 4
2 Escanteios 9
0 Impedimentos 1
15 Faltas 11
2 Grandes oportunidades 3
0 Grandes oportunidades perdidas 2
233 Passes 679
169 (73%)Passes certos 615 (91%)
Fonte: SofaScore.com

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários