Em grande duelo, Atlético tem boa atuação, mas se desliga nos 15 minutos finais e sai com empate por 1 a 1 com o Grêmio

FOTO: LUCAS UEBEL/GREMIO FBPA

O jogo prometeu muito e correspondeu. A partida foi de alto nível e o Atlético teve uma boa atuação em Porto Alegre. Porém, a equipe de Sampaoli acabou saindo com um tropeço indesejado por causa de uma desatenção do próprio time nos minutos finais. O Grêmio aproveitou e pontuou contra um adversário direto. Olhando o resultado, o empate fora de casa, contra o Tricolor Gaúcho, é um ponto importante, mas, pela ótica do desempenho em boa parte do jogo, a vitória era o resultado esperado. 

Nesta quarta, 20, Atlético e Grêmio empataram por 1 a 1 na Arena do Grêmio, no Rio Grande do Sul, em partida válida pela 31ª rodada do Brasileirão. Os gols foram marcados por Hyoran e Éverton. Com isso, o Galo encerrará a temporada sem perder para o time gaúcho, já que, no 1º turno, o Atlético venceu por 3 a 1. 

Por causa do empate, Atlético e Grêmio ficaram parados na tabela. O Galo poderia ter assumido, pelo menos temporariamente, a vice-liderança, mas o gol de Éverton fez o Atlético seguir em 3º, com 54 pontos, três tentos atrás do líder São Paulo e apenas dois pontos à frente do Flamengo, ou seja, se o time carioca vencer o Palmeiras, o Galo encerra a rodada em 4º. Já o Grêmio segue na 6ª posição, com 51 pontos, e, assim como o Atlético, torce por outros empates nos confrontos diretos desta rodada.

O jogo e as atuações individuais

O Atlético entrou com três zagueiros, mas com Alonso jogando de lateral-esquerdo. O Galo entrou com dois meio-campistas de origem, porém com Arana atuando muito perto de Vargas. O time de Sampaoli surpreendeu a todos e fez um excelente primeiro tempo e início de 2ª etapa. Foi visto muita intensidade, vontade e inteligência por parte da equipe atleticana. No entanto, o time mineiro se desligou nos minutos finais e pagou pelo erro.

As substituições de Jorge Sampaoli deram resultados contrários às escolhas dele no início da partida. As ideias iniciais foram excelentes e complicaram o time de Renato Gaúcho, mas as decisões do argentino na 2ª etapa acabaram diminuindo o ímpeto do Atlético. O treinador, certamente, irá repensar as suas substituições para a próxima partida, enquanto os atletas irão se cobrar de uma postura permanente por 90 minutos. O Atlético impôs o jogo no complicado terreno gremista, mas não aguentou a partida toda.

De ponto positivo, além da atuação nos primeiros minutos, fica a partida de Guga e Igor Rabello. Os dois defensores tão contestados pela torcida fizeram uma ótima partida, bloquearam diversas jogadas e não foram responsáveis pelo erro no gol do Grêmio – eles até travaram durante o início do lance, nos dois chutes de Ferreira. Já como destaque negativo, além das substituições de Jorge Sampaoli, é necessário ressaltar a desatenção de Allan no gol gremista e a partida abaixo da média de Savarino, jogador tão importante.

O primeiro tempo

Na escalação, Jorge Sampaoli optou por colocar um zagueiro na vaga deixada pelo suspenso Jair. Com isso, o Atlético entrou com Éverson, Guga, Rabello, Réver, Alonso e Arana; Allan e Hyoran; Savarino, Vargas e Keno. No papel, o esquema tático atleticano aparentava ser uma formação com três zagueiros, mas, principalmente na fase ofensiva, Alonso atuou como lateral-esquerdo, Guga seguiu como lateral-direito e Arana jogou como um meio-campista. 

A primeira boa chegada atleticana aconteceu após uma esperteza de Savarino. Aos 14, Alisson estava caído e Lucas Silva jogou a bola para fora para que o companheiro fosse atendido. O Atlético tinha que devolver a bola em sinal de “fair play” e Savarino ficou responsável por isso. Ao invés de devolver a bola para o goleiro gremista, o venezuelano jogou para a beirada do campo, para que um dos zagueiros do Grêmio saísse para buscar e o ataque conseguisse pressionar e roubar a bola. Dito e feito. Vargas apertou, roubou a bola e tocou para Savarino. O ponta arriscou de fora da área e o chute passou perto da trave de Vanderlei.

Dois minutos depois, aos 16, Alonso, que atuou pela ala-esquerda, e Keno tabelaram e o paraguaio avançou, mas Keno errou o passe e cedeu um contra-ataque para o Grêmio. Victor Ferraz acelerou pela direita e cruzou para a área. Igor Rabello tirou um cruzamento muito perigoso, pois havia jogadores esperando a bola na 2ª trave. No rebote, o Tricolor Gaúcho tentou cruzar novamente, desta vez pela esquerda, no entanto Réver tirou.

O 1º tempo foi bom, com um Atlético pressionando a saída de bola gremista e o time de Renato Portaluppi tentando dominar mais o meio-campo. A partida foi equilibrada – 53% de posse de bola do Grêmio, 47% do Atlético e quatro finalizações para cada lado – porém o Atlético chegou mais próximo do gol e entregou no 1º tempo o que o treinador Sampaoli exige: intensidade, vontade e bola na rede. 

Aos 29, Keno roubou a bola no meio-campo e acelerou. Victor Ferraz agarrou o camisa 11, mas o artilheiro do Galo optou por seguir na jogada. Keno trouxe para o meio, driblou o zagueiro Rodrigues e tocou para trás, encontrando Eduardo Vargas na meia-lua. O chileno deu um lindo passe de calcanhar para Guilherme Arana – lance muito semelhante ao gol do Arana contra o Corinthians – e o lateral-esquerdo de origem, que jogou como um meia esquerda, entrou na área e foi derrubado por Thaciano.

O árbitro Raphael Claus nem hesitou e marcou penalidade máxima para o Atlético. Hyoran pegou a bola e marcou o seu 4º gol em 4 jogos consecutivos. O camisa 20 bateu no canto esquerdo de Vanderlei e o goleiro acertou o lado, mas a cobrança foi muito boa. Gol do Galo. 1 a 0 no placar da Arena Grêmio.

O Grêmio tentou reagir. Aos 34, Victor Ferraz cruzou e Alisson cabeceou no meio do gol. Éverson, em dois tempos, fez a defesa. Aos 41, Alisson, mais uma vez, fez jogada individual e balançou para cima de Junior Alonso. O atacante gremista arriscou, o zagueiro atleticano travou e a bola foi tirada da área, em sequência.

No lance seguinte, o Atlético teve uma boa oportunidade. Em contragolpe, Vargas inverteu para Savarino e o venezuelano achou Keno na ponta esquerda. O artilheiro do Galo dominou, tinha espaço e viu Vargas entrar na área. Entretanto, Keno optou por finalizar de fora da área e tentou uma linda chapada. Apenas na teoria. O chute saiu torto e o Atlético perdeu uma boa chance. Com isso, fim de um 1º tempo movimentado. 

O segundo tempo

Logo após o intervalo, Jorge Sampaoli foi forçado a fazer uma substituição. O capitão Réver teve uma indisposição e foi substituído por Gabriel. E mesmo com a vantagem no placar, o Atlético seguiu em cima. Aos 6, depois de lance disputado no meio, sem falta marcada pelo árbitro, Allan aproveitou que a defesa do Grêmio estava parada e finalizou. A bola foi no meio do gol e Vanderlei encaixou. Três minutos depois, Keno chegou no fundo e cruzou para Vargas. O chileno cabeceou para fora.

Aos 11, o Galo chegou novamente. Hyoran lançou Keno na ponta esquerda. O camisa 11 fez uma boa jogada individual e cruzou para a área. A bola passou nas costas de Guga, que estava entrando na área, e sobrou para Vargas. O atacante ex-Grêmio chutou de primeira e a finalização da entrada da área saiu bem forte, mas o goleiro Vanderlei fez uma boa defesa.

O treinador Renato Gaúcho colocou Maicon e Pinares na partida e reforçou o meio-campo. E minutos depois das substituições, no minuto 15, o Grêmio chegou em ótima trama. Maicon, Alisson e Diego Souza tabelaram à frente da área e o meio-campista apareceu dentro da área para jogar a bola rasteira na área. Maicon cruzou e Gabriel tirou de carrinho.

Aos 18, o Atlético chegou com Vargas. O chileno recebeu de Arana e, mesmo estando da intermediária, o atacante arriscou. Vanderlei fez a defesa. Mas na saída de bola, o Grêmio quase entregou. Keno pressionou e roubou a bola de Rodrigues. O ponta atleticano tentou entrar na área, foi abafado por Vanderlei e tentou tocar para trás. Mas o passe de Keno foi para Jean Pyerre e o camisa 10 do Grêmio recuperou a posse da bola.

O jogo ficou cheio de passes errados no meio-campo. O Atlético rodava a bola e o Grêmio tentava crescer na partida. Em uma das suas mudanças, Renato Portaluppi optou por Ferreira no 2º tempo. E a decisão de colocar o ponta incisivo foi preponderante para o empate. 

Aos 39, Ferreira fez boa jogada e os defensores atleticanos fecharam. A bola sobrou para Diego Souza e o experiente atacante tentou cavar um pênalti. Raphael Klaus, imediatamente, mandou o jogo seguir, mas o time atleticano parou. Ferreira aproveitou a sobra e bateu, porém Igor Rabello bloqueou. Em mais um rebote, desta vez livre de marcação, Everton bateu de perna direita e balançou as redes de Éverson, que não teve nada a fazer. Empate na Arena Grêmio: 1 a 1 no marcador.

O Atlético não jogou a partir dos 30 da 2ª etapa. O time se desligou e viu a equipe gaúcha crescer na partida. Aos 42, Arana tocou para Sasha e o jogador, que havia acabado de entrar, finalizou. A bola foi para fora. Aos 47, Ferreira fez outra boa jogada e chutou no canto esquerdo de Éverson. O goleiro atleticano fez uma importantíssima defesa e salvou o empate. Dois minutos depois, o Grêmio chegou em cruzamento para Diego Souza, todavia Éverson saiu socando e decretou o empate na Arena Grêmio. 

O fim do jogo

O empate foi justo pela atuação nos minutos finais do Grêmio. O time conseguiu se impor e devolveu a pressão atleticana. Demérito do Galo, que não conseguiu segurar o ímpeto gremista, assim como o time de Renato Portaluppi fez durante as boas chegadas do Atlético. Em resumo, foi um resultado bom, visto que o Grêmio perdeu apenas uma partida em casa neste Brasileirão. A desatenção final deve servir de exemplo para a equipe melhorar neste aspecto na reta final. O Atlético está muito vivo na briga. Basta seguir com muita raça a vencer!

O Atlético volta a campo no próximo sábado, 23, às 21 horas, contra o Vasco, em São Januário. 

Números da partida
Grêmio x Atlético
57% Posse de bola 43%
8 Finalizações 10
3 Finalizações no gol 4
3 Escanteios 1
1 Impedimentos 2
11 Faltas 7
0 Grandes oportunidades 1
0 Grandes oportunidades perdidas 0
636 Passes 470
534(84%) Passes certos 376(80%)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários