Atlético conta com tarde inspirada de Hyoran e Éverson, vence o Coritiba e segue sonhando com o título

Foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press

O Atlético não esteve nem perto da melhor atuação da equipe na competição. O Galo de Sampaoli apresentou vários problemas e decepcionou boa parte dos torcedores. Porém, o placar de 2 a 0 deixa claro que a obrigação foi feita: os três pontos para seguir na briga pelo título foram conquistados. E esta vitória em casa aconteceu por causa de dois nomes criticados por boa parte da torcida: Éverson e Hyoran, os destaques da partida, além do gol marcado pelo também contestado Eduardo Sasha. 

Neste sábado, o Atlético venceu o Coritiba por 2 a 0, no Mineirão, em jogo válido pela 27ª rodada do Brasileirão. Os gols foram marcados por Hyoran e Eduardo Sasha, ambos no segundo tempo. Com isso, o Galo terminará o Brasileirão com duas vitórias sobre o Coxa, já que no primeiro turno, em Curitiba, a equipe mineira venceu por 1 a 0 – o gol também saiu dos pés de Sasha.

Com o resultado, o Atlético segue na briga e o Coritiba se afunda no caos da zona do rebaixamento. O Galo fez a sua obrigação e, na noite deste sábado, o atleticano irá torcer pelos tropeços de Flamengo e São Paulo. Se a equipe carioca não vencer o Fortaleza, o time de Sampaoli volta à vice-liderança e em caso de tropeço do Tricolor Paulista, contra o Fluminense, o Atlético se aproxima da primeira posição. O importante é que, com a vitória, o Atlético segue na briga. Já o Coxa segue com 21 pontos e pode terminar a rodada na lanterna, sendo ultrapassado pelo Goiás. 

O jogo e as atuações individuais

Uma atuação bem abaixo da esperada. O Atlético enfrentou uma das piores equipes da competição e esteve próximo de sair perdendo, principalmente entre os minutos 25 e 40 da primeira etapa, onde o Coritiba chegou quatro vezes com perigo. Por sorte do atleticano, o time paranaense pecou, o Galo conseguiu se recuperar na segunda parte e os três pontos foram para o time que cruzou 38 vezes na partida. Sim, este é o número de cruzamentos do Atlético no jogo desta tarde. O Galo não teve criatividade suficiente e acabou jogando a bola na área diversas vezes – acertou só dez das 38 tentativas.

Em resumo, o Atlético teve várias peças nulas na partida e o ritmo está bem aquém daquele Atlético que empolgou os torcedores. A pressão, o incômodo na saída do adversário e a imposição atleticana segue inexistente e Sampaoli terá bastante trabalho para corrigir. É evidente que o surto de COVID-19 e os longos intervalos de uma partida para outra podem agravar isso, porém é obrigação do treinador encontrar a melhor forma de jogo. 

A atuação foi ruim e a vitória importante – e merecida, pois o Coritiba foi muito mal- passou pelas mãos de Éverson e os pés de Hyoran, dois atletas tão criticados por boa parte da torcida. O goleiro fez uma linda defesa aos 30 do segundo tempo e garantiu o resultado. Já Hyoran foi o melhor em campo: marcou um lindo gol, acertou 56 dos 58 passes que tentou, finalizou seis vezes e teve muita disposição para ajudar o Atlético. Alan Franco também foi um ponto positivo e será ainda mais importante quando estiver 100% fisicamente. Já de ponto negativo é possível destacar a partida de Vargas e de Savarino, atletas que se esconderam em campo. O lado direito de marcação também merece críticas, pois concedeu muita liberdade aos adversários na primeira etapa.  

O primeiro tempo

Na escalação, Sampaoli promoveu mudanças. Por causa da suspensão de Allan e lesão de Jair, Nathan, Zaracho e Hyoran foram escolhidos para o meio-campo atleticano. Na defesa, Réver retornou ao time titular na vaga de Gabriel. 

O jogo começou elétrico, com apenas o Atlético no campo de ataque. Aos 3 minutos, Junior Alonso tocou para Hyoran, que, ao girar, foi derrubado por Natanael. Na cobrança da falta, o próprio camisa 20 foi para a batida e quase marcou. A bola de Hyoran bateu no travessão e assustou o goleiro Wilson.

No minuto 12, o Galo chegou novamente. Em escanteio também batido por Hyoran, a bola foi com perigo, visto que ele bateu bem fechado. Wilson tirou de soco e a bola sobrou no meio da área. Alonso ajeitou de cabeça para Vargas chegar dentro da pequena área e testar. O chileno cabeceou com muita força e obrigou o goleiro do Coxa a fazer uma grande defesa.

Logo depois, Zaracho sentiu uma lesão muscular e teve que ser substituído por Calebe. Após esta substituição, o Atlético perdeu o grande ímpeto ofensivo do início da partida e acabou dando mais espaço para os contragolpes adversários.

Aos 19, Calebe perdeu no meio-campo e cedeu um contra-ataque de três atacantes contra três defensores atleticanos. Neílton tocou para Giovanni Augusto nas costas da defesa e a cria da base atleticana hesitou na hora de bater. Giovanni perdeu o momento certo e acabou finalizando na direção de Éverson, na grande chance do Coritiba no 1º tempo.

O jogo começou a ficar equilibrado. Aos 21, Nathan arriscou de fora da área e Wilson pegou com facilidade. O Coritiba chegou cinco minutos depois, em virada de Rafinha para Giovanni Augusto. O camisa 90 cruzou para Matheus Galdezani, também ex-atleticano, que finalizou para fora, mesmo livre de marcação.

O Atlético foi dando mais campo e o Coritiba foi crescendo, mesmo com uma postura reativa. Explorando o lado direito da defesa, Neílton tocou para Galdezani, no minuto 31, e o meio-campista arriscou. Éverson, em dois tempos, fez a defesa. Três minutos depois, o mesmo Neílton bateu escanteio fechado e a bola quase bateu no travessão. Com um leve desvio de Éverson, a bola perigosa foi jogada para escanteio novamente. Aos 37, o Coxa chegou mais uma vez, em boa finalização de Giovanni Augusto da entrada da área. A bola “tirou tinta” do travessão. 

Enquanto o Coxa melhorava, o Atlético arriscava, mas não tinha bom aproveitamento. Foram 14 finalizações, mas somente quatro arremates com direção certa no primeiro tempo. Aos 45, Keno fez a sua jogada característica – da esquerda para o centro – e bateu forte. Wilson fez a defesa no centro do gol, dando fim aos 45 minutos iniciais. 

O segundo tempo

O Coritiba fez uma substituição após o intervalo, enquanto o Atlético só fez uma mudança tática: Hyoran se tornou o 1º volante e Calebe foi adiantado para ser um meia ofensivo – aos 15, Sampaoli trocou Calebe por Alan Franco, meio-campista que fez a função à frente da zaga. O Galo tentou chegar logo no início e teve tramas interessantes, porém a defesa fechada do Coritiba não deixou o Atlético dar trabalho para o goleiro Wilson. 

A primeira boa chance aconteceu no minuto 10 e foi por méritos da equipe paranaense. Neílton cobrou uma falta e Réver tirou a bola. No rebote, Jonathan, lateral-direito improvisado na esquerda, cruzou com a canhota e quase deu uma boa assistência. O camisa 2 fez o cruzamento, o zagueiro Rhodolfo subiu livre e cabeceou. Éverson havia saído errado e estava mal posicionado. Por sorte do Atlético, o cabeceio do Rhodolfo foi para fora. 

O Atlético tinha a posse da bola, mas não conseguia agredir. Hyoran era o melhor jogador da equipe, já que tentava e corria mais do que os companheiros. Aos 17, o camisa 20 arriscou e a bola foi no meio do gol. Porém, no minuto 20, Hyoran foi recompensado pela sua vontade. Alonso lançou o meio-campista, que estava na ponta-esquerda. Hyoran gingou, esperou a passagem de Arana e trouxe para o meio da área. O camisa 20 ficou livre e chutou muito bem, no ângulo de Wilson. Um lindo gol e um tento importante para o Atlético. 1 a 0 no placar.

Com a vantagem, o Atlético tirou a pressão que estava sobre os ombros. Mesmo assim, quem chegou com perigo foi o Coritiba. Em trama do ataque do Coxa pela direita da defesa atleticana, a bola foi virada para Robson, atacante que havia acabado de entrar em campo. O camisa 30 entrou na área livre, já que Guilherme Arana estava desatento na marcação, e finalizou forte e cruzado. Éverson fez uma grande defesa e salvou o Atlético. 

O segundo tempo foi terminando, a falta de qualidade do Coritiba foi impedindo a própria reação e o Atlético foi trocando passes, administrando o resultado. E menos de um minuto depois de entrar na partida, Eduardo Sasha ampliou para o Atlético. Aos 37, em nova jogada de Hyoran, desta vez pela direita, o camisa 20 tocou para Guilherme Arana, que encontrou Sasha na área. O atacante dividiu com a defesa do Coritiba e finalizou de perna esquerda. A bola bateu na trave e morreu no fundo das redes. O gol de Sasha decretou a vitória atleticana. 2 a 0 no placar. 

O Atlético ainda chegou duas vezes, ambas pela esquerda. No minuto 40, Keno ajeitou para Guilherme Arana e o lateral finalizou muito bem. A bola passou perto da trave. Dois minutos depois, Arana foi na linha de fundo e tocou para Hyoran. O autor do primeiro gol bateu forte, de perna esquerda, e Wilson fez uma bela defesa.

O fim do jogo

Uma vitória importante em meio a um desempenho ruim. O placar de 2 a 0 foi justo porque o Coritiba foi ainda pior que o Galo e o time mineiro conseguiu dominar, porém os objetivos do Atlético necessitam de atuações melhores. O Galo de Sampaoli já foi melhor e tem tempo para voltar a ser aquele Atlético envolvente. A obrigação desta tarde foi feita e o Atlético segue na briga. E, por isso, muitos erros devem ser corrigidos. 

O Atlético volta a campo apenas na segunda-feira, 11 de janeiro, às 20 horas, contra o Red Bull Bragantino, fora de casa. Este grande intervalo das partidas foi explicado pelo blog. Confira!

Números da partida
Atlético x Coritiba
70% Posse de bola 30%
25 Finalizações 7
9 Finalizações no gol 3
1 Finalizações na trave 0
13 Escanteios 3
0 Impedimentos 2
15 Faltas 13
2 Grandes oportunidades 2
2 Grandes oportunidades perdidas 2
664 Passes 281
617 (93%) Passes certos 229 (81%)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários