Cruzeiro sofre virada, perde da Ponte Preta por 2 a 1 e, praticamente, confirma mais um ano na Série B

Reprodução Twitter

Eram cinco confrontos diretos em sequência para o Cruzeiro buscar o acesso. Já foram três dessas partidas e dois empates e uma derrota de virada, praticamente, confirmam que o Cruzeiro irá permanecer mais um ano na Série B. A partida desta noite evidenciou que o time não está merecendo o acesso e o pensamento deve ser na montagem do elenco do próximo ano. Ainda há chances, porém nem o mais otimista torcedor, vendo o atual futebol cruzeirense, consegue ver possibilidades em sete vitórias em sete jogos. 

Nesta terça, 22, o Cruzeiro perdeu de 2 a 1 da Ponte Preta, no Moisés Lucarelli. Os gols da virada pontepretana foram feitos por Luizão e Bruno Rodrigues, enquanto Manoel fez pelo Cruzeiro. Com isso, a Macaca bateu a Raposa e, no confronto entre eles, cada time saiu com três pontos, visto que no primeiro turno o Cruzeiro venceu por 3 a 0, no Mineirão.

Com o resultado, a equipe mineira não aproveitou as derrotas de Juventude e Cuiabá, equipes que estão no G-4, e permanece nove pontos atrás da zona de acesso. Em 11º, com 40 pontos, o Cruzeiro abre o olho para a parte debaixo da tabela, já que o Operário já ultrapassou a Raposa e o Brasil de Pelotas ou Confiança ultrapassará a equipe mineira, pois os dois times se enfrentam na rodada. Por isso, o Cruzeiro terminará a 31ª rodada em 12º lugar, no máximo oito pontos à frente do primeiro time dentro da zona do rebaixamento. Por outro lado, a rodada foi excelente para a Ponte Preta, já que a equipe campineira entrou, definitivamente, na briga pelo acesso. A Macaca está em 6º, com 46 pontos, três atrás do Juventude. 

O jogo e as atuações individuais

Outra atuação da equipe cruzeirense para ser esquecida. O time abriu o placar cedo, em bola parada, e não conseguiu agredir a Ponte Preta. A postura covarde esteve, mais uma vez, presente e com posse de bola acima dos 70% até a virada, a Macaca obviamente conseguiria chegar com perigo. E quando chegou, foram dois gols em sequência, desestabilizando ainda mais o time cruzeirense. 

A postura foi, novamente, de uma equipe pequena, ponto que não se assemelha com a instituição Cruzeiro Esporte Clube. Felipão não conseguiu fazer o seu time jogar e perdeu em erros individuais de jogadores experientes – Pottker e Raúl Cáceres, principalmente – contrariando a sua desculpa da última partida, onde culpou a inexperiência para justificar os maus resultados. Uma atuação inaceitável e apenas um pensamento é válido neste atual momento: o Cruzeiro deve começar a organizar o time para a Série B de 2021. 

Como ponto positivo, é possível destacar mais uma atuação irretocável de Manoel. Além de marcar um gol, o zagueiro honrou a braçadeira de capitão e tirou várias bolas defensivas, corrigindo até erros de companheiros. De ponto negativo, além da atuação coletiva, fica os erros de William Pottker – nos dois gols – e de Raúl Cáceres e Lucas França – no 2º gol. Além disso, a escolha por Thiago no lugar do suspenso Rafael Sobis deixou um espaço ainda maior no meio-campo. 

O primeiro tempo

Com dois desfalques importantíssimos, Felipão colocou em campo uma equipe um pouco diferente. No lugar de Fábio, que havia atuado em todas as partidas da temporada, Scolari optou por Lucas França, que não jogava há 15 meses. Já na vaga de Rafael Sobis, o treinador trocou o esquema e colocou um atacante mais fixo. Thiago foi o escolhido, mesmo com um número bem ruim: 18 partidas sem fazer gols até esta partida. 

O jogo começou bem animado no lado cruzeirense, que rapidamente abriu o placar. Aos 8, Machado cobrou uma falta e jogou a bola na área. Apodi, em dúvida se sairia ou não, optou por tirar para o escanteio, cedendo ao Cruzeiro a sua arma mais fatal: a bola aérea. E nisso, saiu o gol. Machado bateu o tiro de canto do lado esquerdo e Manoel subiu, testando forte na meta adversária. Gol do Cruzeiro. Gol de cabeça de Manoel, o 5º tento marcado pelo zagueiro. Mais uma boa assistência de Machado, que chegou no 5º passe para gol. 

O Cruzeiro ainda teve duas chances, antes da Ponte Preta melhorar em campo. No minuto 13, Machado – novamente ele – arriscou uma falta de longa distância e assustou o goleiro Ygor. Aos 21, Raúl Cáceres encontrou William Pottker na ponta direita e o atacante entrou na área e cruzou rasteiro. Apodi chegou antes de Airton e evitou o gol cruzeirense.

Com mais posse de bola e domínio do meio-campo, a Ponte Preta foi chegando no ataque, mesmo sem criatividade para furar o bloqueio defensivo adversário. Vinícius Zanocelo, Bruno Rodrigues e Apodi foram as peças mais usadas na tentativa de reação. Aos 30, Camilo bateu uma falta na lateral do campo e Matheus Peixoto tentou de “puxeta”. A bola desviou em Adriano e foi para fora. 

A melhor chance pontepretana na primeira etapa aconteceu aos 39. Apodi avançou com muita velocidade – como de costume – e cruzou na área. A bola passou por Manoel e Ramon e Raúl Cáceres errou o bote. Com isso, a bola sobrou para Moisés que, mesmo livre, hesitou na hora de bater e deu chance para Manoel apertar a marcação. O ótimo zagueiro chegou e desarmou o atacante da Macaca, que perdeu grande oportunidade. 

Depois deste susto, foi o Cruzeiro que chegou bem próximo de balançar as redes. Em lançamento para o ataque, no minuto 45, Airton ajeitou para trás e Thiago arriscou o chute da meia-lua do adversário. A bola desviou no defensor da Ponte Preta e Ygor foi obrigado a fazer uma bela defesa para evitar o segundo gol cruzeirense.

O segundo tempo

Os time voltaram para os 45 minutos finais com os mesmos times e com as mesmas posturas, já que o Cruzeiro retornou esperando a Ponte Preta, enquanto o time campineiro continuou com a bola no pé, mas sem inspiração. Em jogada individual de Bruno Rodrigues, logo no início, aos 6, a Ponte chegou. O camisa 11 acelerou pelo meio e finalizou da intermediária. A bola foi para fora, à direita de Lucas França.

O segundo tempo estava morno, até que a Ponte Preta conseguiu criar chances e dar efeito à sua posse de bola. Enfrentando um adversário que apenas esperava, a Ponte conseguiu encaixar boas jogadas e virou a partida em curto espaço de tempo.

Aos 19, Pottker fez um recuo bisonho dentro da área e Manoel teve que tirar para escanteio. Na cobrança de Camilo, Bruno Rodrigues cabeceou livre na segunda trave e Lucas França fez uma grande defesa. No tiro de canto seguinte, Bruno Rodrigues cruzou, houve um “bate rebate” e a bola sobrou no pé do zagueiro Luisão, dentro da pequena área. O camisa 3 bateu de bico e balançou as redes. Gol de empate da Ponte Preta. 1 a 1 no placar.

Com a animação do 1º gol, a Ponte seguiu em cima e o Cruzeiro não conseguiu sair para o ataque. Por causa disso e de um conjunto de falhas, a Macaca virou a partida. Guilherme Lazaroni bateu lateral rápido pela esquerda e achou Bruno Rodrigues livre. Raúl Cáceres e William Pottker ficaram apenas olhando e o camisa 11 cruzou para a área. A bola passou direto por todos que estavam na área e o goleiro Lucas França deu um passo para trás, que foi fatal. O cruzamento foi direto e morreu no fundo das redes. Uma falha defensiva cruzeirense que acarretou a virada da Macaca. 2 a 1 no marcador.

Felipão tentou mudar a postura e mexeu no time, mas a atuação seguiu bem aquém da camisa cruzeirense. O time não teve talento para agredir a Ponte Preta e a única chegada aconteceu no chute “do meio da rua” de Giovanni Piccolomo, aos 41, onde Ygor fez uma boa defesa.

O fim do jogo

Um desempenho inaceitável, como várias partidas deste 2020 muito ruim do Cruzeiro. O time não conseguiu ser agressivo e só saiu para o ataque no final da partida, pois havia tomado a virada. A Raposa não pode se acomodar e jogar desta forma. Isso fica claro nos últimos resultados. O acesso é muito improvável, já que, mesmo se vencer todas as partidas que restam, o Cruzeiro chega no máximo aos 61 pontos. E, “cá entre nós”, a Raposa está passando longe de merecer ganhar sete jogos consecutivos. Pensar na real reconstrução em 2021 é o principal objetivo do Cruzeiro. 

O Cruzeiro volta a campo na próxima terça-feira, 29, às 21:30, contra o Cuiabá, no Independência.

Números da partida
Ponte Preta x Cruzeiro

62% Posse de bola 38%
14 Finalizações 7
4 Finalizações no gol 4
4 Escanteios 9
0 Impedimentos 1
14 Faltas 25
560 Passes 330
480 (86%) Passes certos 250(76%)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários