Olhar tático | A volta do ídolo Diego Tardelli e como ele pode ser utilizado por Sampaoli

Foto: Bruno Cantini / Atlético

Por Pedro Bueno

O atleticano, certamente, sofreu junto com Diego Tardelli nos últimos meses. O ídolo atleticano lesionou gravemente o tornozelo no dia 17 de julho, em um jogo-treino com o América, e estava em tratamento desde então. Só que na última terça, 15, o atacante foi liberado pelo departamento médico e está treinando normalmente com o elenco.

O jogador deve ser uma opção no jogo contra o Coritiba, no sábado, 26, já que terá dez dias de treinamento para recuperar a forma física. Se não conseguir, o seu retorno deve ficar para o dia 11, contra o Red Bull Bragantino, já em 2021.

Diego Tardelli Martins tem 35 anos e, infelizmente, teve essa grave lesão após a pausa do futebol. O atacante é um ídolo da torcida alvinegra e está na sua 3ª passagem pelo Atlético. Nascido em 10 de maio de 1985, em Santa Bárbara d’Oeste, cidade que fica em São Paulo, Tardelli é mais mineiro do que paulista. São 220 jogos, 110 gols e 5 títulos – ele esteve nas conquistas da Libertadores e da Copa do Brasil, os dois troféus mais importantes do Galo no século. 

O atleta tem contrato até fevereiro de 2021 – estendido por causa da pandemia – e, com certeza, o atacante tem como objetivo impressionar nessas últimas 12 rodadas para renovar seu vínculo e permanecer no Atlético. O jogador atuou por apenas 20 minutos neste ano e, como bom ídolo que é, deseja jogar mais e balançar as redes.

História no Galo

A história de Diego Tardelli e Atlético começou em 2009, quando o atacante foi negociado pelo Flamengo e assinou com o time mineiro. Já na primeira temporada com a camisa alvinegra, Don Diego mostrou que estava pronto para deixar o nome na história do Galo. O Atlético fez uma boa campanha naquele ano – ficou em 7º, mas brigou na parte de cima da tabela durante toda a competição – e Diego Tardelli teve um desempenho individual muito bom: foram 42 gols no ano, artilharia do Campeonato Mineiro e do Brasileirão – junto com Adriano Imperador. Além disso, DT9 foi premiado como o artilheiro máximo do Brasil em 2009. 

No ano seguinte, 2010, Tardelli seguiu no Atlético, mas seu desempenho não foi tão extraordinário como em 2009. Ele se lesionou algumas vezes e fez “apenas” 25 gols na temporada, ficando três gols atrás do seu novo companheiro de ataque: Obina. Neste ano, Tardelli conquistou o seu primeiro título pelo Galo: o Mineiro de 2010 foi erguido pelo camisa 9 – com direito a flanelinha, provocação ao rival Cruzeiro.

No início de 2011, o Atlético negociou DT9 com o Anzhi, time russo, mas o atacante prometeu retornar. E cumpriu. Em 02 de fevereiro de 2013, Alexandre Kalil anunciou a volta de Diego Tardelli, que teve uma recepção muito calorosa no aeroporto. Naquele ano, o time contava com estrelas e Tardelli se juntou a um quarteto mágico no ataque, o qual contava com Bernard, Jô e o gênio Ronaldinho.

Aquele time histórico foi campeão da Libertadores e do Mineiro em 2013, com Tardelli sendo o vice-artilheiro da competição continental, com seis gols, um atrás de Jô, o grande centroavante do Galo. O camisa 9 viu o quarteto se desmanchar em 2014 e, mesmo assim, Tardelli seguiu firme. Ele foi o grande protagonista da conquista da Copa do Brasil de 2014, sobre o maior rival e seu maior algoz, o Cruzeiro. Neste ano, Tardelli estava tão bem que se tornou titular da Seleção Brasileira de Dunga e fez dois gols decisivos contra a Argentina – como gosta de clássicos, o sr. Diego Tardelli Martins.

Ao começar 2015, Tardelli foi vendido novamente. Desta vez o destino foi o futebol chinês e o Shandong Luneng, onde Tardelli permaneceu até 2019, quando foi especulado pelo Galo, mas por causa do alto salário oferecido pelo Grêmio, preferiu o Sul do Brasil. Com apenas sete gols em 47 jogos, o DT9 deixou o Tricolor Gaúcho e retornou para o time que ele sempre se destacou. Em 12 de fevereiro de 2020, Tardelli foi anunciado pelo Atlético e voltou a vestir a camisa que ele tem identificação e é apaixonado.

Números de Diego Tardelli

O matador não é ídolo à toa. Diego Tardelli Martins tem números, recordes e curiosidades únicas e o credenciam como um dos maiores jogadores do Atlético no século. Com muita raça, vontade, velocidade e faro de gol, o atacante, que sempre usou a camisa 9 atleticana, é amado por boa parte dos atleticanos, que, certamente, estão ansiosos pelo seu retorno.

Tardelli fez 220 jogos pelo Atlético, venceu em 113 oportunidades, empatou 50 vezes e perdeu 57 partidas, tendo assim aproveitamento de 59%. Don Diego já marcou 110 gols pelo Galo e tem média de, exatamente, 0,5 gols por jogo, ou seja, a cada dois jogos, o atleta balançou as redes uma vez.

Com este número expressivo de gols, Tardelli é o 15º maior artilheiro da história do Atlético. Para chegar no top 10, o atacante deve fazer 16 tentos. Para alcançar os cinco maiores artilheiros, serão necessários 42 gols. Se o objetivo for ainda maior ambicioso, o camisa 9 precisa de 85 gols para chegar no top 3 de maiores goleadores da rica história do Galo.

Um detalhe de Tardelli chama a atenção: o seu prazer de marcar gols contra o Cruzeiro. DT9 já é o 6º maior artilheiro atleticano no clássico, com nove gols, e, com certeza, deseja melhorar seus números. As coincidências aumentam ao analisar que Don Diego estreou contra o Cruzeiro, em 17/01/09, com dois gols, reestreou, pela última vez – na sua única partida neste ano – também frente ao Cruzeiro, em 07/03/20 e marcou o seu último gol com a camisa alvinegra em uma partida frente à Raposa, na final da Copa do Brasil de 2014.

Uma qualidade que todos os atleticanos tem na memória sobre Diego Tardelli é quão decisivo o camisa 9 é. Os seus 110 gols foram divididos em 84 partidas e nas ocasiões que DT9 marcou, o Atlético saiu vencedor em 83,3% das vezes. São 70 vitórias em 84 jogos que ele balançou as redes, ou seja, se Tardelli fizer um gol, o Atlético certamente irá vencer a partida. Será que poderá resolver neste final de temporada?

Tardelli vs. Sasha

Olhando a parte tática, Diego Tardelli nunca foi um centroavante fixo. Em 2009, quando ele era o matador da equipe, o atacante tinha liberdade para correr por todos os lados e entrava na área para marcar. Depois, com a companhia de Obina, Jô e Carlos, em 2014, Tardelli jogou aberto, mas sempre trazendo para o meio, a fim de marcar gols, a sua principal característica.

Essa forma com que Tardelli flutua deve agradar a Sampaoli, treinador que não gosta de jogadores fixos em campo. DT9 pode jogar em todas as funções do ataque e ainda consegue armar, isto é, tem uma função semelhante a Eduardo Sasha, atacante do Atlético. 

À esquerda, os números de Tardelli pelo Grêmio em 2019 e, à direita, as estatísticas de Sasha pelo Santos em 2019. Fonte: SofaScore.com

Para observar melhor, é possível comparar os números de Eduardo Sasha e de Diego Tardelli na última temporada. Acima, podemos analisar o mapa de calor de ambos, linha de pensamento que evidencia a intensa movimentação de Tardelli. 

É necessário ressaltar que Eduardo Sasha pertencia a um time muito melhor, que estava em boa fase e ajudando o atacante que vivia a melhor fase na carreira, enquanto Diego Tardelli viveu um dos seus piores momentos no futebol brasileiro, já que o Grêmio também não ajudava. Com isso, os números de Sasha em gols marcados são bem superiores. 

Porém, as estatísticas deixam claro outros pontos: mesmo em um time menos organizado, Tardelli, além de movimentar mais, conseguiu ajudar mais o time nos toques e acertou mais passes, auxiliando toda a parte ofensiva. O ídolo atleticano também driblou mais, mostrando o seu talento. Além dos gols feitos, Sasha se destacou na marcação, onde ajudou muito mais o time.

Um quesito empatado dos dois atletas é o número de chances por número de gols. Sasha fez 14 gols e perdeu 13 chances, enquanto Tardelli fez 4 e perdeu 4, ou seja, média de, praticamente, a cada duas grandes chances de gols, os atacantes marcaram um gol. 

Como Sampaoli irá utilizar Tardelli?

É necessário ressaltar que Diego Tardelli não é o mesmo de 2009, quando tinha 24 anos e nem o mesmo de 2013/2014, quando o atacante tinha 28 para 29 anos. Atualmente, o atacante tem 35 anos, atuou apenas por 20 minutos neste ano e vem de uma temporada muito ruim. Esperar que Tardelli entre em campo resolvendo jogos, mesmo sem ritmo e sem as condições das últimas passagens, é errado, já que o jogador não retornou para o Atlético para ser o protagonista. 

O atacante é muito talentoso, ídolo dos torcedores e, até por isso, a torcida deve ter uma calma com ele. O jogador, com certeza, está animado para recomeçar a escrever esta história pelo Atlético. E com Jorge Sampaoli, as suas chances são boas. 

O treinador gosta de atacantes móveis e que ajudem a equipe, características que Tardelli possui. Além disso, a polivalência ofensiva de DT9 possibilita as diversas mudanças de Sampaoli antes mesmo da partida acontecer ou no decorrer do jogo. Ter Tardelli, pelo menos, no banco seria muito importante, já que o atacante impõe respeito, pela sua história e o seu talento. 

Em campo, o jogador pode se tornar um grande substituto de todos os três atacantes do Atlético. Atualmente, Sampaoli está optando por Savarino, Vargas e Keno. Diego já atuou nas três funções. Centralizado, Tardelli já teve “fases mais matadoras” que Vargas. O ídolo também poderia jogar junto com o chileno, aumentando assim o poder de fogo da equipe atleticana. No lugar de Keno ou Savarino, Tardelli pode jogar e daria espaço na ponta para algum dos laterais, já que o camisa 9 sempre busca entrar na área, mesmo jogando aberto. 

Portanto, Tardelli será uma boa substituição durante as partidas e, quando desfalcado, Sampaoli poderá optar por colocar o atacante como titular em qualquer função. O atacante ainda tem inteligência para jogar na criação, assim como Sasha, mas tem mais familiaridade para jogar mais adiantado.

Diego Tardelli Martins está voltando de uma grave lesão. Não é de um dia para outro que um atleta de 35 anos se recupera. A cobrança deve ser mais devagar com o experiente atacante, mas o torcedor sonha com boas atuações do Don Diego, para que ele renove o contrato para jogar em 2021. O atacante será muito importante para o restante da temporada. Boa sorte, Tardelli!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários