Com gol de Valdívia nos acréscimos, Cruzeiro empata com o Avaí por 1 a 1 e vê o acesso mais distante

Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Ainda há chances, porém a atuação desta noite e a forma que chamou o modesto time do Avaí para o ataque fazem com que o acesso fique distante da Toca da Raposa. O Cruzeiro abriu o placar na 1ª etapa e esteve em campo no 2º tempo sem ímpeto ofensivo. Foi castigado pelo desempenho e pela postura. O gol de Valdívia – aquele mesmo, ex-Atlético e Internacional – puniu o Cruzeiro e pode deixar a Raposa bem mais distante do sonho de voltar para a Série A. 

Nesta sexta, 18, o Cruzeiro empatou com o Avaí por 1 a 1 na Ressacada. Com isso, a Raposa terminará o campeonato sem vencer o Leão da Ilha, já que no primeiro turno o time catarinense venceu no Mineirão. Outro ponto chamativo é que o tabu persiste: já são nove partidas invictas do Avaí no duelo com o Cruzeiro.

Com o resultado, o Cruzeiro ganhou uma posição temporária, porém perderá a 9ª colocação neste sábado, 19. Ponte Preta e Confiança, donos da 10ª e 11ª posição, respectivamente, se enfrentam neste sábado e algum dos times irá pontuar, já que é confronto direto. Por isso, o Cruzeiro terminará a rodada em 10º novamente, mas a questão é que a distância pode aumentar para o G-4, já que o 4º colocado Cuiabá está jogando neste momento e pode chegar aos 50 pontos, se vencer. Na pior das hipóteses, o Cruzeiro voltaria a estar 9 pontos atrás do Juventude no final da rodada. Já o Avaí continua na 7ª posição com o empate heroico e pode ser ultrapassado pelo Guarani.

O jogo e as atuações individuais

A tática covarde de Felipão levou a dois pontos perdidos. Simplesmente assim. O Cruzeiro abriu mão de atacar no 2º tempo, principalmente depois dos 20 da 2ª etapa, quando o Avaí melhorou. Com o gol no apagar das luzes de Valdívia, o Cruzeiro deixou escapar uma vitória importantíssima. Além disso, o psicológico após este empate com sabor de derrota pode ser preocupante para a sequência.

Em campo, o Cruzeiro não fez por merecer a vitória e, em raras situações como a partida desta noite, o futebol fez justiça. No primeiro tempo, o Cruzeiro chegou apenas na excelente bola de Pottker para a testada de Machado. Na segunda metade, a Raposa valorizou demais o resultado e pagou por esta postura. Um time sem vontade de buscar o gol acabou ficando, novamente, com o placar empatado.

De ponto positivo fica a atuação de Manoel, Ramon e Fábio, que mais uma vez foram seguros e não tiveram nenhuma culpa no gol de Valdívia. O restante do time atuou mal pela estratégia adotada pelo treinador e nenhum jogador ofensivo conseguiu se destacar. O ponto negativo que chama a atenção, já que o jogador estava muito bem, foi a atuação de Raúl Cáceres. O paraguaio errou vários lances e aparenta estar desgastado pela sequência de jogos. 

O primeiro tempo

Na escalação, Felipão, novamente, fez o básico e continuou com a formação que o cruzeirense está se acostumando. Adriano voltou ao time titular – ao lado de Jadsom Silva – e Jadson, o camisa 88, foi para o banco. Já que Matheus Pereira tomou o terceiro cartão amarelo na última partida, Patrick Brey foi a outra novidade na escalação.

Durante o 1º tempo, as boas jogadas foram praticamente inexistentes. O primeiro bom lance aconteceu no minuto 13. Em boa trama pela direita do ataque do Avaí, Pedro Castro tocou para Valdívia. O jogador ex-Atlético e Internacional trouxe para o meio e, dentro da meia-lua, arriscou com a perna esquerda. Fábio, que estava adiantado, encaixou com facilidade o chute fraco de Valdívia.

Depois dessa jogada, a partida foi esquentar um pouco apenas aos 35. Valdívia teve espaço pela esquerda, cruzou para Gastón e o centroavante uruguaio ajeitou para trás. Getúlio estava chegando e finalizou no meio do gol. Fábio, em dois tempos, defendeu.

Alguns gritos da comissão técnica cruzeirense mandavam Filipe Machado afundar e aparecer no ataque. E isso aconteceu, mesmo em meio a uma exibição fraca da Raposa. William Pottker fez uma boa jogada pela direita e cruzou com a sua boa perna esquerda. A bola foi muito bem cruzada e Machado entrou livre para testar. Gol de cabeça de Machado e gol importante para o Cruzeiro. 1 a 0 no placar.

Os 45 minutos iniciais se encerraram e deixaram um recado claro: foi muito ruim. Foram somente estas três finalizações certas e 71 passes errados pelas duas equipes em apenas um tempo.

O segundo tempo

A segunda etapa começou sem substituições cruzeirenses, já que, certamente, Felipão entendeu que o time poderia ser mantido devido à vantagem feita com o gol de Machado. Nos primeiros 20 minutos da 2ª etapa, o jogo continuou bem morno e com a equipe cruzeirense tocando a bola de lado, administrando o resultado.

Aos 25, o Avaí fez, finalmente, uma boa jogada no 2º tempo. Aproveitando o lado mais fraco da defesa cruzeirense – o lado esquerdo com Patrick Brey – Pedro Castro recebeu pelo meio e tentou arriscar. O chute não deu certo, mas a bola sobrou para Valdívia. O camisa 10 do Avaí chutou dentro da área, mas errou a direção.

O jogo começou a ficar nervoso e o Cruzeiro absorveu a ideia de valorizar cada minuto, já que não conseguia agredir o time catarinense. Aos 32, Pedro Castro tabelou com Vinícius Leite e chutou. A bola do camisa 7 não entrou graças a excelente intervenção de Fábio.

Felipão estava mexendo para ganhar tempo e não buscava o ataque. E houve punição para estas mexidas. Aos 48, uma falta foi cobrada por Renatinho na área. Ramon cortou de cabeça e a bola sobrou para Edílson. O ex-cruzeirense cruzou para Valdívia, que estava livre na 2ª trave e testou para o fundo das redes. Gol de empate nos acréscimos e um castigo para o Cruzeiro. 1 a 1 no placar da Ressacada.

O fim do jogo

Apito final e um empate dramático, já que o Cruzeiro flertou diretamente com a vitória e deixará Santa Catarina com apenas um ponto. A campanha cruzeirense é ruim e bem abaixo da esperada, porém fora de casa o time não estava decepcionando. Neste jogo, mesmo longe de BH, a atuação e a desatenção nos minutos finais deixaram muitos torcedores da Raposa insatisfeitos pela forma de jogo.

É necessário repetir: a estratégia de atrair um time limitado como o do Avaí não deu certo e o Cruzeiro perdeu mais uma chance de vencer um confronto direto. A parte final da partida da última terça, 15, contra o CSA também foi muito ruim e Fábio salvou. Desta vez, o ídolo não conseguiu fazer o milagre e o Cruzeiro sofreu o gol. Um desempenho ruim e uma atitude pior ainda. A instituição Cruzeiro Esporte Clube não precisa se defender desta forma em um tipo de jogo que poderia ter ganho com facilidade. Faltam 8 batalhas e tropeços não são aceitos para sonhar.

O Cruzeiro volta a campo na próxima terça, 22, às 21:30, contra a Ponte Preta, no Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas. Fábio e Rafael Sobis tomaram o 3º cartão amarelo e estão fora desta partida.

Números da partida
Avaí x Cruzeiro

53% Posse de bola 47%
12 Finalizações 11
6 Finalizações no gol 2
5 Escanteios 7
3 Impedimentos 0
16 Faltas 14
1 Grandes chances 1
0 Grandes chances perdidas 0
468 Passes 408
401(86%) Passes certos 326(80%)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários