Por que o Cruzeiro segue insistindo em Luiz Ricardo Alves?

Foto: Juarez Rodrigues/EM D.A Press)

Por Pedro Bueno

O jogador Luiz Ricardo Alves participou de nove jogos nesta Série B com a camisa cruzeirense e mesmo sendo um centroavante, ainda não conseguiu balançar as redes. Para os torcedores que não sabem, este é o nome real de Sassá, o atacante que voltou e não conseguiu jogar bem sequer uma partida.

O atacante de 26 anos chegou no Cruzeiro em 2017 e, neste ano, a equipe mineira o emprestou para o Coritiba. Após um grave problema extracampo, depois de uma derrota em um clássico, o Coxa rescindiu com o atleta e ele retornou a Belo Horizonte.

Sassá reestreou na boa vitória do Cruzeiro sobre a Ponte Preta, em 30 de setembro. O time mineiro venceu por 3 a 0 e o atacante da equipe não participou de nenhum gol. Depois disso, os desempenhos do Cruzeiro foram piorando e Luiz Ricardo nada fez.

Na última partida, no confronto com o CSA, Sassá entrou no lugar de Rafael Sobis, aos 32 da segunda etapa. O atacante deu três passes certos e não ajudou a buscar uma vitória que seria muito importante na luta pelo acesso.

Em resumo, são 0 gols e 0 assistências nas 9 partidas após a sua volta. Vale a pena manter um jogador com esse nível de atuação no elenco? Por que o Cruzeiro segue insistindo em Luiz Ricardo Alves, o Sassá?

Os números

Entre 2017 e 2019, Sassá havia feito 81 jogos com a camisa cruzeirense e marcado 20 gols. Em 2020, o jogador foi emprestado no início do ano e voltou a atuar pela Raposa em setembro, pela Série B. Foram nove jogos, ou seja, Luiz Ricardo alcançou os 90 jogos pelo Cruzeiro. A curiosidade é que ele segue com os mesmos 20 gols.

Desde que retornou, ele não conseguiu entregar nem 10% do futebol esperado. Alguns torcedores imaginavam que, visto o nível da Sèrie B, Sassá poderia sobressair e ajudar o Cruzeiro na luta. Porém, infelizmente, para os torcedores do Cruzeiro, ele anda atrapalhando mais do que ajudando.

Sem participar de nenhum gol em 528 minutos jogados na divisão de acesso, Sassá carrega uma curiosidade ainda mais chamativa: Luiz Ricardo tem a 35ª nota do SofaScore.com dentre todos os 37 jogadores que atuaram pelo Cruzeiro na Série B. O atacante fica à frente apenas de Zé Eduardo, que atuou por 12 minutos, e de Stênio, que jogou três partidas em agosto e se lesionou. Ou seja, mesmo em um elenco bem irregular, o qual testou vários jogadores, o renomado banco de dados coloca Sassá nesta posição vexatória. São números…

As atuações

São seis jogos como titular e três como reserva neste retorno. Nenhuma bola na rede, nenhuma assistência e duas grandes chances perdidas, sendo uma destas em uma partida que terminou empatada – 0 a 0 com o Juventude – isto é, Sassá poderia ter dado dois pontos para o Cruzeiro se o pé estivesse calibrado. 

As estatísticas individuais de cada apresentação de Sassá. Fonte: SofaScore.com

Ao analisar os dados das nove partidas que Luiz Ricardo participou, é possível concluir a sua baixíssima importância na atuação do Cruzeiro. Quando ganhou, ele pouco fez – foram apenas 12 passes no jogo contra a Ponte Preta – e quando o time mineiro perdeu ou empatou, Sassá seguiu escondido sem auxiliar a equipe.

Em todas esta Série B, foram nove finalizações, sendo apenas dois chutes certos em nove jogos. Sob comando de Felipão e do interino Célio Lúcio – as últimas cinco partidas de Sassá – o atacante chutou só uma vez e a bola foi bloqueada. 

A baixa participação do jogador é vista outros números como: apenas seis passes em 78 minutos contra o Oeste; somente dois passes em 45 minutos frente ao Náutico; zero tentativas de dribles em 71 minutos contra o Guarani, última partida de Sassá como titular.

São números que evidenciam que Luiz Ricardo não está entregando sequer algo próximo ao futebol esperado. Com contrato até o fim de 2021, o atacante deve seguir no Cruzeiro, visto que, dentro e fora de campo, Sassá está decepcionando e poucas equipes interessariam em o contratar no próximo ano.

Mesmo com todas essas questões, Luiz Ricardo Alves continua sendo relacionado e Felipão continua dando oportunidades. Até quando? Todos nós devemos respeitar a pessoa, obviamente, mas o atleta, dentro de campo, está fazendo muito pouco. Vai seguir insistindo em Sassá? Por que? Números mostram e a pergunta fica…

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários