Atlético não consegue jogar e vê um São Paulo dominante: 3 a 0 no placar do Morumbi

A comemoração de Toró no terceiro gol. A chuva foi outra protagonista da noite. Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net

Um jogo completamente irreconhecível de toda a equipe atleticana. Uma partida de um time só. Desde o goleiro até o atacante, do treinador ao último suplente, todos do Atlético estiveram em uma noite para ser esquecida. O Galo não conseguiu penetrar na defesa adversária – nenhuma arma atleticana funcionou – e o torcedor do Atlético teve que assistir mais uma atuação irretocável do líder do campeonato: uma exibição convincente do São Paulo.

Nesta quarta, 16, o Atlético perdeu de 3 a 0 para o São Paulo, no Morumbi. Os gols foram marcados por Igor Gomes, Gabriel Sara e Toró, três crias da base do São Paulo. Com isso, o Tricolor Paulista devolveu na mesma moeda a derrota do primeiro turno, já que o Galo venceu por 3 a 0 no Mineirão, no início de setembro.

Com o resultado, o Atlético se vê mais distante do título do Brasileirão. O time mineiro parou nos 46 pontos e tem dois jogos a mais que o Flamengo, equipe que está na 3ª posição. Se o time de Rogério Ceni vencer no domingo, 20, o Bahia, o Galo perderá uma posição. Já o São Paulo é ainda mais líder. O Tricolor abriu sete pontos de vantagem para o rival desta noite e, certamente, ganhou ânimo após vencer o Atlético desta forma.

O jogo e as atuações individuais

Um time ligado contra uma equipe apática. Infelizmente, para os atleticanos, o Galo teve apenas 15 minutos bons na partida que aconteceram após a volta do intervalo, com a entrada de Alan Franco e o posicionamento de Savarino restabelecido, como um ponta direita. Na primeira etapa, o venezuelano estava atuando centralizado, ao lado de Calebe, e o time não conseguia criar.

Mesmo com estes bons minutos, o Atlético não conseguiu ser agressivo. Juanfran anulou Keno, principal arma atleticana. A dupla de zaga do São Paulo e o volante Luan não deixaram Vargas e nenhum outro jogador entrar com liberdade na área e, por isso, as melhores chances foram de longa distância. O Galo de Sampaoli tem como principal característica penetrar a área adversária para finalizar em boas condições, porém Fernando Diniz sabia disso e impediu muito bem. Mérito de um São Paulo bem equilibrado que merece a liderança do campeonato neste momento.

O ponto positivo da atuação atleticana praticamente não existiu. O time atuou mal coletivamente e não conseguiu progredir. Com atuações bem abaixo de todos os seus destaques, o Atlético não jogou. Arana não atacou bem. Keno não ganhou no 1 contra 1. Vargas finalizou apenas uma vez, em uma cabeceada de longa distância. A defesa estava desatenta e Allan perdeu a cabeça no momento errado. Toda a equipe atleticana esteve abaixo e o resultado mostra isso.

O primeiro tempo

Logo na escalação, Sampaoli surpreendeu bastante. O treinador argentino optou pela escalação com três zagueiros, com Igor Rabello se juntando a Gabriel e Junior Alonso, e pela utilização de Calebe no meio-campo. O jovem pertence ao São Paulo, foi emprestado pelo time paulista para o Atlético e deve ser comprado em breve pelo Galo.

Em campo, os primeiros 15 minutos foram de pressão no campo adversário de ambos os times. Aos 9, Allan roubou a bola na saída são-paulina e tocou para Savarino. O venezuelano arriscou e Tiago Volpi encaixou. No contragolpe, Daniel Alves finalizou da meia-lua, mas mesmo com muita liberdade, o experiente camisa 10 errou a direção.

Aos 15, Allan lançou Keno na ponta esquerda. O artilheiro atleticano na temporada dominou e cruzou para Vargas, que ajeitou para a chegada do volante que iniciou a jogada. Allan finalizou forte, mas a bola passou à esquerda da meta de Volpi. Três minutos depois, o Tricolor Paulista aproveitou uma brecha pela direita da defesa atleticana. Igor Gomes lançou Brenner, que bateu e obrigou Éverson a fazer boa defesa. No rebote, Reinaldo “enroscou” com Guga e conseguiu entrar na área. O lateral finalizou e a bola passou perto do gol atleticano.

Com mais volume ofensivo, o São Paulo se aproximava do gol. E ele aconteceu aos 24. Tchê Tchê, surpresa de Fernando Diniz no lugar de Luciano, teve liberdade e achou Igor Gomes à frente da área. A cria da base são-paulina balançou e finalizou muito bem, no canto direito de Éverson. Chute indefensável e um belo gol do São Paulo. 1 a 0 no placar.

O Galo tentou se recuperar, a partir dos 30 minutos. Aos 30, Keno fez bela tabela com Calebe e finalizou, só que o arremate saiu fraco e Volpi encaixou. No minuto 45, Calebe lançou Vargas, mas Arboleda ganhou a frente e impediu o avanço do chileno. O Atlético não conseguia sair com tranquilidade da defesa e a criação estava debilitada. Com isso, as jogadas aconteciam – foram 6 finalizações – porém nenhum grande problema para Volpi.

Entre estes lances atleticanos, o São Paulo chegou em uma falta cometida por Guilherme Arana. Daniel Alves bateu uma falta no ângulo e Éverson fez uma linda defesa. Fim de um primeiro tempo muito bom do São Paulo e com um Atlético com alguns erros.

O segundo tempo

Na volta para os 45 minutos finais, Sampaoli modificou a sua equipe. Igor Rabello deixou o campo para a entrada de Alan Franco, que atuou pouco nas últimas rodadas, visto que perdeu muito ritmo devido ao coronavírus.

E o Atlético voltou mais ligado. Aos 2, Calebe arriscou de fora da área e Volpi defendeu. Cinco minutos depois, Savarino cruzou e Eduardo Vargas cabeceou de muito longe, facilitando a defesa do goleiro do São Paulo. No minuto 11, Guga aproveitou um rebote e tentou encobrir Tiago Volpi. A bola passou perto da meta da equipe paulista.

O São Paulo chegou aos 14, em uma boa finalização de Tchê Tchê, que contou com desvio na defesa atleticana. Depois disso, o Galo tentou organizar melhor as jogadas, mas a defesa do Tricolor estava muito bem postada. Aos 28, em troca de passes entre Eduardo Sasha e Vargas, Sasha encontrou Arana. O lateral-esquerdo atleticano arriscou e o goleiro Tiago Volpi encaixou, salvando o São Paulo, já que Vargas estava no aguardo para empurrar a bola para as redes.

Aos 30, o lance que desanimou o time atleticano. Allan, já amarelado, fez uma falta em Daniel Alves no círculo central e foi advertido com o segundo cartão amarelo. Com isso, o volante foi expulso e o Galo ficou com um homem a menos.

Sampaoli tentou fazer algumas mexidas, porém o Atlético não conseguiu mais jogar. Com a vantagem numérica e no placar, Fernando Diniz acertou em adiantar o seu time e ousou no momento certo. A entrada de Vitor Bueno devolveu o jogo para as mãos do São Paulo.

Aos 37, o ataque são-paulino funcionou contra uma marcação frouxa do Atlético. Igor Gomes e Vitor Bueno trocaram vários passes na ponta esquerda e Guga e Zaracho ficaram apenas olhando. O atleta, que havia acabado de entrar, cruzou de perna esquerda e encontrou Gabriel Sara. A cria da base penetrou a pequena área atleticana com muita liberdade e concluiu no canto de Éverson. 2 a 0 no placar.

O Galo tentou voltar para a partida, em um bom chute de Eduardo Sasha, aos 42. A bola bateu na trave, porém o time estava desanimado e cansado. A forte chuva reservava um gol de Toró. O ponta, também da base do São Paulo, acelerou pela ponta esquerda, aos 45, driblou Guga com facilidade e bateu no canto esquerdo de Éverson. Placar decidido: 3 a 0 para um São Paulo dominante contra um Atlético apático.

O fim do jogo

O Atlético foi dominado pelo líder. O São Paulo mereceu e venceu de forma dominante. Obviamente, os torcedores atleticanos estão indignados após esta atuação, já que o time, mesmo em derrotas, já entregou um futebol mais vistoso. Faltou criatividade, objetividade – foram 14 chutes, mas nenhuma grande oportunidade – e sobrou falta de atenção. Uma defesa desconexa, um meio-campo vazio e um ataque inoperante. Nestes 10 dias de “folga”, Sampaoli terá muito trabalho para encontrar uma escalação ideal, visto que a formação deste jogo, claramente, não funcionou.

O Atlético volta a campo no sábado da próxima semana, no dia 26, contra o Coritiba, no Mineirão, às 17:00.

Números da partida
São Paulo x Atlético-MG
47% Posse de bola 53%
17 Finalizações 14
7 Finalizações no gol 6
5 Escanteios 3
3 Impedimentos 3
9 Faltas 10
1 Grandes chances 0
0 Grandes chances perdidas 0
483 Passes 536
396(82%)Passes certos 460(86%)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários