Mais um ano sem vencer o CSA: Fábio salva e Cruzeiro empata por 1 a 1 em casa

Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

Assim como em 2019, o Cruzeiro terminará o ano sem vencer o CSA. O empate desta noite, em casa, decepcionou os torcedores que acreditavam em uma arrancada. E o ponto foi obtido pela Raposa graças às defesas do ídolo Fábio, que salvou o time mineiro em duas oportunidades. A distância para o acesso continua a mesma, mas o desempenho desta noite não credencia o Cruzeiro para a 4ª vaga.

Nesta terça, 15, o Cruzeiro empatou por 1 a 1 com o CSA, na estreia do time mineiro como mandante no Independência. Com este resultado, o time alagoano chegou aos 4 pontos em 6 possíveis contra a tradicional equipe mineira – visto que o CSA venceu o Cruzeiro no primeiro turno – o mesmo bom retrospecto da última temporada. 

Com o resultado desta noite e alguns tropeços dos rivais, o Cruzeiro está na 10ª posição e com os mesmos sete pontos de distância, ou seja, se vencesse o CSA, o time mineiro terminaria a rodada bem mais próxima da vaga tão sonhada. Atualmente, o Cruzeiro tem 39 pontos e o Juventude, primeira equipe dentro do G-4, tem 46 tentos. A Raposa ainda pode perder a posição se o Confiança pontuar nesta quarta, 16, contra o Guarani. Já o CSA jogou fora a possibilidade de chegar na 3ª colocação e acabou a rodada na 6ª posição, com 45 pontos.

O jogo e as atuações individuais

Mais uma vez como mandante, o Cruzeiro atuou mal e o empate foi um “bom” resultado, visto as boas intervenções do goleiro Fábio. Durante os minutos finais de cada etapa, a Raposa não conseguiu jogar bem e deu boas oportunidades para o adversário. O time de Felipão atuou de forma razoável nos minutos iniciais do primeiro tempo e muito bem no início da etapa final, onde as substituições deram resultado.

Nestes dois momentos, o Cruzeiro finalizou bastante e obrigou Matheus Mendes, goleiro que pertence ao Atlético, rival da Raposa, a fazer belas defesas. Após os 15 minutos da segunda etapa, o Cruzeiro não conseguiu chegar e deu boas oportunidades para o CSA fazer o gol da vitória. Felizmente para a torcida cruzeirense, Fábio estava em um dia de Fábio e “salvou a pele” do Cruzeiro. 

De ponto positivo, ficam os 15 minutos iniciais da segunda etapa. O Cruzeiro entrou muito ligado e teve um grande ímpeto ofensivo. Giovanni Piccolomo foi o grande responsável por este bom momento, já que o meio-campista finalizou muito bem em diversas vezes. Se tiver condição física, Giovanni, certamente, ganhará mais chances. Rafael Sobis também se destacou pelo faro de gol. De ponto negativo fica o mau posicionamento defensivo e a falta de regularidade da própria equipe. 

O primeiro tempo

A formação inicial do Cruzeiro foi a esperada. No lugar do suspenso Adriano, Felipão promoveu a volta de Jadsom Silva, que cumpriu suspensão na última partida. Com isso, Jadson foi mantido ao lado do seu xará.

O jogo começou bem morno e com as duas equipes trocando passes de lado. A primeira boa chance da partida aconteceu aos 11, quando Airton fez a tradicional jogada de um ponta – da esquerda para o meio. O camisa 77 arriscou e obrigou Matheus Mendes a fazer uma grande defesa. Aos 21, Airton também partiu da esquerda para o centro e achou Jadsom Silva. O volante chutou a bola para fora.

O CSA tinha a posse de bola e o time cruzeirense que finalizava. Porém, na primeira boa chegada do time de Alagoas, a bola balançou as redes. O volante Yago, cria da base do Atlético, fez um cruzamento excepcional e encontrou Pedro Lucas entrando na área. O centroavante cabeceou forte e não deu chances para Fábio. Gol de Pedro Lucas. 1 a 0 no placar do Independência. 

Com a desvantagem no placar, o Cruzeiro se desestabilizou. O time não conseguiu finalizar com a frequência que estava nos 20 minutos iniciais e viu o CSA passar perto do segundo gol. Aos 32, o zagueiro Manoel falhou e Nadson aproveitou. O camisa 8 tocou para Andrigo, que chegou finalizando cruzado. A bola bateu em Jadsom Silva e não foi para o gol, em uma bela recuperação do volante cruzeirense.

Aos 46, o CSA quase chegou novamente, em mais um erro defensivo da equipe mineira. O lateral Cedric acelerou pela direita, mas hesitou no momento de tocar para Rodrigo Pimpão. Com isso, no ato do passe de Cedric, Manoel chegou e cortou brilhantemente o passe do jogador do CSA, evitando uma excelente chance. 

No lance seguinte, o Cruzeiro chegou pela primeira vez após ter sofrido o gol. Em cruzamento cortado pela defesa, a bola sobrou para William Pottker. O atacante do Cruzeiro arriscou o chute cruzado de perna esquerda. A bola tinha direção, mas Matheus Mendes fez outra linda defesa. Com o desvio do goleiro, Sobis passou da bola e furou uma grande oportunidade. Porém, Rafael Sobis estava impedido e o auxiliar havia marcado. Com isso, fim de um movimentado, contudo, melancólico primeiro tempo para o torcedor do Cruzeiro.

O segundo tempo

Os 45 minutos finais começaram elétricos. Felipão fez duas substituições importantes – tirou Pottker e Jadson e colocou Giovanni Piccolomo e Arthur Caíke – e viu a sua equipe entrar mais ligada em campo.

Aos 6, Machado cruzou na área e Arthur Caíke cabeceou para fora, mas com perigo. Na saída de bola, Matheus Mendes errou, Giovanni tocou para Rafael Sobis e o artilheiro cruzeirense arriscou de esquerda. O goleiro fez uma bela defesa. No contra-ataque, Pedro Lucas teve uma boa chance, porém acabou errando o chute.

O Cruzeiro estava melhor em campo e o bom momento passou pelos pés de Giovanni Piccolomo. O camisa 94 finalizou bem aos 10 e obrigou Matheus Mendes a fazer uma grande intervenção. No rebote, Arthur Caíke ajeitou para Matheus Pereira, que entrou na área e caiu. O lateral-esquerdo simulou um pênalti e tomou o 3º cartão amarelo, estando assim suspenso na próxima partida.

Em uma jogada muito semelhante, o Cruzeiro conseguiu empatar a partida. Giovanni finalizou novamente muito bem e Matheus Mendes rebateu. Desta vez, Rafael Sobis aproveitou o rebote e empurrou para as redes. Gol do artilheiro do Cruzeiro na temporada, com 5 gols. Gol de empate da Raposa e 1 a 1 no placar.

A Raposa chegou mais uma vez, em outro excelente chute de Giovanni Piccolomo. Nesta oportunidade, o meio-campista finalizou para fora, porém ele mostrou estar com o pé calibrado. Depois deste lance, o jogo acalmou e as duas equipes ficaram rodando a bola.

O CSA conseguiu retomar o domínio do jogo a partir dos 30 minutos da etapa final. O time alagoano forçou o lado direito da defesa do Cruzeiro – aproveitando o cansaço de Raúl Cáceres e Manoel – e teve boas chances. O CSA parou em Fábio.

Aos 36, Diego Renan cruzou para Pedro Lucas e o autor do gol do CSA bateu forte. Fábio fez uma defesa com o braço aberto e salvou o Cruzeiro. Seis minutos depois, Victor Paraíba recebeu nas costas de Raúl Cáceres e entrou na área. O atacante bateu cruzado e Fábio fez a famosa defesa de futebol de salão. Com os braços e pernas esticadas, o ídolo cruzeirense pegou com o braço esquerdo novamente e definiu o placar. 

O fim de jogo

Fábio salvou e o Cruzeiro saiu com um ponto. Olhando as possibilidades da partida, o resultado foi bom, mas, por outro lado, para a luta pelo acesso, um empate em casa é bem decepcionante. A Raposa terá nove batalhas até o final do campeonato e deve somar, no mínimo, 24 pontos para alcançar a “pontuação mágica” – 63 pontos. Em um cálculo básico, o time de Felipão terá que vencer 8 das últimas 9 rodadas para depender apenas de si. A batalha é complicada. E apenas uma palavra é válida dentro do elenco cruzeirense: trabalho. 

O Cruzeiro volta a campo na próxima sexta, 18, às 20:15, contra o Avaí, na Ressacada.

Números da partida
Cruzeiro
x CSA
58% Posse de bola 42%
19 Finalizações 8
7 Finalizações no gol 3
6 Escanteios 8
1 Impedimentos 0
12 Faltas 16
1 Grandes chances 3
0 Grandes chances perdidas 2
508 Passes 361
436(86%) Passes certos 274(76%)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários