Olhar tático | “O arroz com feijão” do melhor reforço do Cruzeiro em 2020: Raúl Cáceres

Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

Por Pedro Bueno

Em 2020, o ano mais atípico das nossas vidas e da história do Cruzeiro, a equipe mineira fez 23 contratações. Foram vários erros – apenas 12 reforços estão no atual plantel – porém alguns nomes estão sendo importantes nessa batalha da Raposa na Série B. 

Ramon, Airton, Rafael Sobis e Filipe Machado se consolidaram com a chegada de Felipão e são peças importantes do time. Porém, nenhuma destas contratações tem a regularidade de um jogador, que conquistou o torcedor cruzeirense justamente por fazer o simples. Sem invenção, sem querer aparecer, sem genialidade: Raúl Cáceres é destaque por fazer o básico.

O lateral-direito chegou, tomou conta da função e é a posição que a torcida não se preocupa. Raúl não é craque e tanto a torcida, quanto o próprio jogador sabem disso. Cáceres faz a sua função com primor: defende bem, não deixa espaços, e ataca com inteligência, sabendo a hora certa de agredir o adversário. 

Em muitos momentos da história cruzeirense, fazer o simples não seria necessário. No entanto, em meio a maior crise da história do time, seria ótimo para o Cruzeiro que aparecesse mais alguns Raúl Cáceres´s para ter comprometimento e regularidade durante a temporada.

Um reforço simples e eficaz

O Cruzeiro não conseguiu ser agressivo no mercado, já que o time atravessa uma grave crise financeira, além da questão esportiva, visto que o time mineiro está na Série B. Por isso, a diretoria teve que garimpar alguns nomes pelo continente, a fim de encontrar boas soluções. E, certamente, Raúl Cáceres é uma das melhores descobertas.

O paraguaio de 29 anos estava no Vasco no último ano, emprestado pelo Cerro Porteño. Em outubro de 2019, ele foi desligado do time carioca e voltou para o Paraguai. Em 24 de junho deste ano, Raúl Cáceres foi anunciado pelo Cruzeiro, deixando o Cerro após cinco anos de vínculo. Ele assinou com a Raposa até o fim de 2022.

Raúl é muito determinado e comprometido com a sua profissão. São 22 jogos com a camisa cruzeirense, sendo todos eles como titular. Ele perdeu nove partidas na Série B por causa de uma lesão muscular. No total são 1649 minutos – ele jogou 90 minutos em todos os jogos, só deixou o campo mais cedo na partida que lesionou – 2 gols e 3 assistências, isto é, 5 dos 33 gols cruzeirenses tiveram importante participação do defensor.

O número que mais chama atenção é a quantidade de cartões amarelos: o jogador que atua na linha de defesa não tomou nenhuma advertência em 22 jogos pela Raposa, um dado impressionante. 

Raúl dependência?

Em 11/09, no confronto com o Vitória, pelo 1º turno do Brasileirão Série B, Raúl Cáceres deixou o campo aos 29 da primeira etapa, após se lesionar. Depois desta fatalidade, o lateral-direito ficou nove partidas afastado da equipe, até estar 100% para voltar. Por exemplo, a passagem de Ney Franco pelo Cruzeiro contou com apenas 29 minutos de Cáceres. E, como é sabido, o momento cruzeirense com Ney foi bem ruim. A falta de Raúl foi o principal fator?

O Departamento Médico do Cruzeiro, com certeza, trabalhou muito para a recuperação rápida do importante jogador, porém ele se ausentou por mais de um mês. E os números evidenciam a “Cáceres-dependência” da Raposa. Os nove jogos sem o paraguaio foram: 

  • 19/09: CSA 3 x 1 Cruzeiro
  • 25/09: Cruzeiro 0 x 1 Avaí
  • 30/09: Cruzeiro 3 x 0 Ponte Preta
  • 03/10: Cuiabá 1 x 0 Cruzeiro
  • 08/10: Cruzeiro 1 x 2 Sampaio Corrêa
  • 11/10: Oeste 0 x 0 Cruzeiro
  • 16/10: Cruzeiro 0 x 0 Juventude
  • 20/10: Operário 0 x 1 Cruzeiro
  • 25/10: Náutico 1 x 1 Cruzeiro

Nestes nove jogos sem Raúl Cáceres, o Cruzeiro venceu apenas dois confrontos. No final das contas, foram dois triunfos, três empates e quatro derrotas, no pior momento do Cruzeiro na Série B. O time teve 33,3% de aproveitamento sem Raúl Cáceres à disposição.

Comparando com o desempenho do time com ele em campo, os números ficam ainda mais evidentes. Raúl foi titular em 19 oportunidades nesta Série B e venceu dez partidas, empatou cinco vezes e perdeu somente quatro jogos. O aproveitamento da Raposa com Raúl em campo é de 61,4%. Os números deixam claro o quão importante Cáceres é para a equipe.

Uma comparação entre gringos

O Cruzeiro fez uma temporada muito ruim em 2019, porém teve um grande destaque: Luis Orejuela. O lateral-direito colombiano fez um bom ano, foi contratado em definitivo neste ano e emprestado ao Grêmio, visto que o atleta tem potencial e deseja disputar as competições mais importantes da América. Atualmente, o lateral é titular da equipe de Renato Gaúcho.

Porém, com a chegada de Raúl Cáceres, o cruzeirense nem sentiu falta de Orejuela. Obviamente, Orejuela é mais talentoso e tem mais futuro, todavia é necessário destacar que Cáceres tomou conta da posição e as estatísticas provam que a temporada do paraguaio é tão boa quanto ( ou até melhor ) do que a temporada passada de Luis Orejuela. 

À esquerda, os números de Cáceres nesta Série B pelo Cruzeiro. À direita, os números de Orejuela na Série A de 2019, também pela equipe azul celeste. Fonte: SofaScore.com

Ao comparar, é necessário deixar dois pontos claros: o nível das competições disputadas é diferente e o time do Cruzeiro, no último ano, não ajudou o desempenho de Orejuela. Porém, os números individuais deixam claro que Raúl consegue ter bons números. 

O levantamento compara dois jogadores com número semelhante de partidas e, curiosamente, Raúl e Orejuela marcaram a mesma quantidade de gols: dois tentos. Nas assistências, Cáceres se destaca, visto os seus ótimos cruzamentos – a estatística de cruzamentos precisos evidencia isso. O paraguaio ainda participa mais da saída de bola cruzeirense e, por isso, tem maior números de passes e lançamentos na partida.

Na parte defensiva, os atletas têm números semelhantes, já que os dois exercem bem esta função. Já que Cáceres leva vantagem na questão de passes e cruzamentos, Orejuela tem grande destaque nos dribles e nos duelos vencidos, onde ele desarma o adversário.

São números que mostram que, mesmo perdendo um atleta muito talentoso, o Cruzeiro conseguiu achar uma solução acessível e não deixou uma lacuna na lateral-direita.

A importância tática

Raúl Cáceres é um jogador muito inteligente, pois ele entende as suas limitações. Em muitos momentos da partida, ainda mais nos minutos finais, Raúl não apoia com tanta veemência, já que não pode deixar a defesa desguarnecida. Com o placar favorável, Cáceres entende e fica ao lado dos defensores. 

O mapa de calor de Raúl Cáceres na Série B 2020. Fonte: SofaScore.com

Como mostrado acima, no mapa de calor, Raúl tomou conta da ala direita. Com muita importância na saída de bola – ainda mais agora sob comando de Felipão, já que o treinador visa jogada pelos extremos – Raúl tem a responsabilidade de receber de Manoel, o zagueiro pela direita, e dar um toque mais refinado para frente, buscando algum jogador melhor posicionado pela direita. 

Com vigor físico, Raúl consegue defender e atacar, porém com muita prudência, como já foi dito anteriormente. O jogador tem bons números nos cruzamentos, mas em partidas com laterais esquerdos mais ofensivos – como Patrick Brey e Giovanni, no início da Série B – Raúl acaba ficando mais preso. Para o Cruzeiro, o entrosamento entre Matheus Pereira e Raúl Cáceres é importantíssimo para equilibrar as boas jogadas.

Cáceres não é craque, porém consegue entregar o futebol pedido com muita responsabilidade. Por fazer o básico, o paraguaio se destaca. São 22 partidas com a camisa do Cruzeiro, mas Raúl aparenta estar acostumado a trajar este importante manto. 

Fazer “o arroz com feijão” e se destacar em uma grande equipe não é fácil, mas Cáceres conseguiu mostrar que, em muitas vezes, a determinação, regularidade e simplicidade fazem o jogador se tornar uma peça crucial de um esquema.

Cáceres é voluntarioso, raçudo e equilibrado, além de cruzar bem. Um jogador muito importante para os próximos anos do Cruzeiro. Se todos os atletas do elenco tivessem a regularidade de Raúl Cáceres, o acesso estaria mais próximo…

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários