Cruzeiro goleia o Brasil de Pelotas, escala a tabela e ganha ânimo. Veja o golaço de Sobis!

Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Uma partida para mudar o astral. Uma goleada para mostrar que o Cruzeiro tem chance de buscar o acesso, basta seguir com essa pegada. E para fechar a bela noite, um golaço histórico de Rafael Sobis – aquele famoso gol que Pelé não fez. Com esse resultado positivo, além da confiança, o Cruzeiro ganhou várias posições e se distanciou do Z-4.

O golaço de Rafael Sobis

O Cruzeiro goleou o Brasil de Pelotas por 4 a 1 neste sábado, 05, no Mineirão. Com o bom resultado, a Raposa devolveu em grande estilo a derrota sofrida no primeiro turno, onde o Xavante venceu a equipe mineira por 1 a 0.

Por causa da boa vitória, o Cruzeiro chegou na 11ª posição, deixando Vitória, Operário, CRB e o próprio Brasil de Pelotas para trás. Com 34 pontos, o Cruzeiro abriu 10 pontos para a zona de rebaixamento e está 9 pontos atrás do seu objetivo: o G-4. Ao vencer o Botafogo-SP, nesta noite, o Cuiabá chegou aos 43 pontos e abriu 9 pontos para o Cruzeiro. Com a derrota, o Brasil perdeu a posição para a Raposa e está em 14º. 

O jogo e as atuações individuais

A goleada da Série B cruzeirense. A equipe mineira marcou quatro gols pela primeira vez na competição e mereceu o bom triunfo. Foi uma atuação importante, para dar confiança e para os próprios jogadores entenderem que eles têm qualidade para conseguir o acesso. Além do bom desempenho, os comandados de Felipão neutralizaram o adversário e sofreram apenas duas finalizações durante os 90 minutos.

Dois quesitos que deram início à vitória do Cruzeiro mostraram a sua importância: a presença de Sobis e Machado e a questão de abrir cedo o placar. Ao abrir a vantagem de dois gols com 13 minutos, o Cruzeiro tirou das costas uma pressão enorme. E a presença de Machado e Sobis é muito importante, visto que a equipe mineira ganha bons cruzadores e cobradores de bola parada, principal fonte de gols cruzeirenses.

Como ponto positivo fica a excelente – possivelmente a melhor – atuação coletiva, que aparenta estar aprendendo um padrão com Felipão. A manutenção da escalação é um ponto fundamental para esta padronização necessária. Porém, como ponto negativo, segue sendo o espaço à frente da defesa, onde Jarro conseguiu girar e abrir para Bruno José marcar o gol de honra.

O primeiro tempo

Na escalação, Felipão optou por manter a formação que venceu o clássico contra o América na última quarta. A única mudança foi a saída de William Pottker e a entrada de Arthur Caíke. O camisa 11 teve uma lesão muscular na coxa e, teoricamente, ficaria de fora da partida, porém o atleta ficou como suplente por um motivo estratégico.

Diferentemente das últimas partidas em casa, o Cruzeiro começou com bastante ímpeto ofensivo. Aos 10, Machado tocou para Rafael Sobis, que tabelou com Raúl Cáceres. O atacante cruzeirense, que havia saído da área, cruzou e Arthur Caíke fechou na segunda trave. Com uma boa finalização, empurrando para o gol, o camisa 7 marcou o seu 4º tento nesta Série B. 1 a 0 no placar.

Três minutos depois, mais um gol do Cruzeiro. Filipe Machado, como de costume, bateu muito bem uma falta e colocou a bola com perigo na área do Brasil. Por causa do lance perigoso, o goleiro Rafael Martins saiu com a intenção de interceptar e acabou furando. A bola passou direto e bateu em Jarro, que estava disputando com Adriano. Gol do Cruzeiro e o volante da base comemorou, mas o gol foi contra. Mesmo assim, 2 a 0 no placar.

Depois do bom início, a torcida imaginava que seria uma partida tranquila, porém o Brasil de Pelotas reagiu logo em sequência. No minuto 21 e 25, o Xavante aproveitou erros defensivos e tentou chegar. E deu certo.

Aos 27, Jarro recebeu à frente da zaga. O camisa 9 fez um giro sobre Manoel e encontrou Bruno José, que entrou livre pela esquerda – Raúl Cáceres estava fechando a linha de zaga e deixou o camisa 7 livre. Bruno entrou na área, bateu forte com a perna esquerda e fez um importante gol. Fábio demorou a fazer o movimento de defesa e viu o Brasil diminuir: 2 a 1 no placar.

Porém, o movimentado primeiro tempo reservava um lance no minuto final. Manoel lançou, Machado dividiu com o defensor de cabeça e a bola sobrou para Arthur Caíke. Pela direita, o autor do primeiro gol entrou na área, pedalou e foi derrubado pelo zagueiro Héverton. Pênalti para o Cruzeiro. Sobis bateu no meio e a bola entrou porque o camisa 23 chutou forte. Gol da Raposa, 3 a 1 no placar e fim de papo nos 45 minutos iniciais.

O segundo tempo

A parte final começou bem morna. O primeiro lance importante da 2ª etapa aconteceu apenas no minuto 9. Rafael Sobis, atuando como o armador da equipe, cruzou e encontrou Airton. O ponta velocista fez a função de um pivô, já que ele ajeitou de peito para Jadsom na entrada área. O volante finalizou e obrigou Rafael Martins a fazer excelente defesa.

Aos 15, o lance inusitado da partida. William Pottker, que está lesionado, reclamou com a arbitragem e levou um amarelo no banco. O atacante até fingiu lamentar a advertência, porém é sabido que era uma estratégia, pois ele lesionou, ficará fora das próximas partidas e estava pendurado, ou seja, no próximo jogo ele estará lesionado e suspenso, aproveitando para zerar os cartões.

O Brasil de Pelotas não agredia e o Cruzeiro ficou boa parte do segundo tempo rodando a bola, já que estava com uma boa vantagem no placar. E, quando o Brasil de Pelotas errou um passe, Rafael Sobis mostrou todo o seu talento. O atacante recebeu a bola no meio-campo e chutou. A tentativa de encobrir o goleiro deu certo e Rafael Sobis fez um golaço. Talento dele, erro do goleiro e felicidade para o torcedor. 4 a 1 no placar e passeio no Mineirão.

No resumo da obra, o Brasil de Pelotas não conseguiu agredir e não finalizou na segunda etapa. Os dois únicos chutes do Xavante aconteceu no minuto 21 e 27, no lance do gol. Já o Cruzeiro teve mais de 60% de posse de bola no segundo tempo e dominou as ações da partida.

Fim de jogo

Uma goleada não precisa de explicações. O resultado fala sozinho. Porém é importante ressaltar que a atuação foi boa e o cruzeirense, pela primeira vez após muito tempo, está sabendo qual é a escalação ideal. Machado e Sobis na armação se entenderam bem e a equipe mineira encaixou. É momento de seguir nessa pegada, tentar melhorar os erros cometidos e vencer.

O Cruzeiro tem chances. Faltam 12 finais para o improvável acesso. Porém, a possibilidade de subir já foi bem menor. A sequência é boa e a Raposa pode chegar na primeira parte da tabela pela segunda vez na temporada. O momento é de foco nos treinamentos e raça nas partidas. Ainda há esperança!

O Cruzeiro volta a campo na próxima terça-feira, 08, às 21:30, contra o CRB, fora de casa.

Números da partida
Cruzeiro
x Brasil de Pelotas
57% Posse de bola 43%
10 Finalizações 2
4 Finalizações no gol 2
4 Escanteios 4
5 Impedimentos 0
8 Faltas 11
2 Grandes chances 1
0 Grandes chances perdidas 0
640 Passes 490
582(91%) Passes certos 434(89%)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.