Neste dia, há 54 anos, o Cruzeiro de Tostão e Dirceu Lopes vencia o Santos de Pelé por 6 a 2

Dirceu Lopes, Pelé e Tostão: o encontro de gênios. Foto: Arquivo Estado de Minas.

A partida mais incrível da história do Mineirão. Um estádio com tantas glórias recebeu o maior jogador de todos os tempos, Pelé, e um dos maiores do futebol brasileiro, Tostão. Os craques da Copa de 1970 se enfrentaram em um 30 de novembro e o título da Taça Brasil de 1966 ficou com o Cruzeiro. E a taça chegou a Belo Horizonte por causa de uma goleada acachapante na primeira partida.

A Taça Brasil de 1966 – competição similar ao Brasileirão – ficou marcada pelo encontro de dois times históricos. O Santos de Pelé foi hexacampeão brasileiro, bicampeão da América e do mundo, além dos inúmeros títulos estaduais. É, certamente, o maior time da história do futebol brasileiro, visto que contou com o Rei. Pelé é unânime. Porém, o tricampeão mundial pela Seleção Brasileira participou de um momento que está na história do Cruzeiro.

O dia 30 de novembro de 1966 colocou o Cruzeiro em “outro patamar”, pois bater o time de Pelé era a missão mais complicada do futebol mundial. E a Raposa, comandada por Piazza, Tostão e Dirceu Lopes, venceu, convenceu e mereceu o título. A goleada por 6 a 2 mostrou que aquela geração cruzeirense também ficaria marcada na história. Um dos maiores times da história do Cruzeiro. Um momento marcante.

A história rica do Cruzeiro rende várias homenagens. O momento atual, principalmente dentro do Mineirão, ficará marcado como a pior situação vivida pela equipe azul celeste. Porém, nada disso apaga o tamanho dos feitos históricos. Tostão e cia. merecem ser lembrados. Quem sabe o aniversário desta goleada sobre o Santos de Pelé não inspira alguns jogadores do atual elenco…

A goleada

Primeiro jogo da final da Taça Brasil de 1966. O Mineirão contava com mais de 77 mil pessoas, todas estas ansiosas para ver a final e, principalmente, pela oportunidade de ver Pelé. O Cruzeiro era a zebra da competição, visto que contava com um time jovem e duelava com o Rei do futebol. 

Os gols desta partida histórica.

Qualquer resultado já seria justo parabenizar a Raposa, pois enfrentar o Santos não era uma tarefa fácil. No entanto, o Rei Pelé enfrentou o Vice-rei Tostão e o Príncipe Dirceu Lopes. O resultado? Uma goleada inesquecível. Há exatos 54 anos atrás, Dirceu Lopes fez um “hat-trick”, Tostão comandou com vários toques geniais e Piazza anulou Pelé.

O massacre começou logo no primeiro minuto, quando Tostão tocou para Evaldo.O atacante fez um belo lançamento para Dirceu Lopes. Quando a bola estava chegando para Dirceu, o lateral santista Zé Carlos desesperou com a situação e fez um gol contra. 1 a 0 no lance inicial.

Aos 5, o Cruzeiro ampliou, dando início ao show do Príncipe. Evaldo achou Dirceu Lopes. O camisa 10 deu um lindo toque para Natal, que bateu forte, em um chute indefensável para o goleiro bicampeão mundial Gilmar. 15 minutos depois, mais um gol do Cruzeiro. Dirceu Lopes roubou a bola de Oberdan, defensor do Santos, driblou o mesmo duas vezes e bateu com muita qualidade no ângulo. Um lindo gol que colocou 3 a 0 no marcador do Mineirão.

O resultado já era maravilhoso, porém o Cruzeiro não diminuiu o ímpeto ofensivo e ampliou. Com uma linha de ataque de dar inveja, a Raposa chegou ao quarto gol. Foram vários chutes, até que um rebote caiu no pé de Dirceu Lopes. O dez de ouros bateu com a canhota aos 39 e fez o seu segundo gol na partida.

O primeiro tempo marcante ainda reservou mais um gol. Dirceu Lopes entrou na área e foi derrubado por Oberdan dentro da área. Na cobrança do pênalti, o gênio Tostão fez o seu e decretou o placar de 5 a 0 nos 45 minutos iniciais daquela final. O Mineirão nunca viu nada igual. O show dado pelos jovens atletas do Cruzeiro foi histórico.

Após o intervalo, o grande time do Santos voltou pressionado por melhorar o placar e fez dois gols em 10 minutos. Os tentos foram marcados por Toninho Guerreiro. Porém, depois da expulsão de um atleta – não um simples atleta, mas sim o rei Pelé – o Cruzeiro voltou a tomar conta da partida e cadenciou o jogo. Aos 27, Dirceu Lopes aproveitou um rebote de Gilmar e fez o seu terceiro gol no jogo. Um desempenho espetacular de Dirceu. Uma atuação irretocável do Cruzeiro.

6 a 2 no placar e fim de jogo. O 30 de novembro de 1966 ficou marcado como o dia que o Cruzeiro entrou de vez no cenário do futebol brasileiro. O time de garotos goleou o time do Rei e fez história. Nasceu no Mineirão, naquela noite, uma equipe gloriosa.

Na outra semana, Cruzeiro e Santos se enfrentaram no Pacaembu, no jogo de volta da final da Taça Brasil de 1966. A equipe da Vila abriu 2 a 0 no primeiro tempo, porém, na segunda etapa, a Raposa virou a partida e venceu por 3 a 2. Duas vitórias irretocáveis e um título merecido. O Cruzeiro foi campeão da Taça Brasil de 1966.

O Rei expulso

A partida foi especial para os cruzeirenses por causa do título e por bater o Rei do futebol. Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, é simplesmente o maior atleta de todos os tempos e o Cruzeiro se orgulha de ter imposto uma das maiores derrotas da carreira do gênio.

Mas aquela partida ficou marcada por um comportamento diferente de Pelé. O jogador ficou irritado pela forte e eficaz marcação de Piazza e acabou perdendo a cabeça. Mesmo após ajudar a equipe a diminuir o placar para 5 a 2, Pelé entrou muito forte em Piazza e foi expulso diretamente pelo famoso árbitro Armando Marques. Na confusão, o zagueiro Procópio Cardoso também foi expulso.

Além da forte marcação, a irritação de Pelé pode ter sido ocasionada pela pressão da torcida do Cruzeiro. No intervalo, com 5 a 0 no placar, a torcida cruzeirense provocou Pelé, perguntando: “Onde está Pelé?”. O craque respondeu com a mão aberta, alegando que havia vencido cinco vezes a competição.

Porém, as inúmeras taças não adiantaram em nada. Cinco é o número de gols que aquele Cruzeiro fez no primeiro tempo. Consequentemente, o título chegou, pela primeira vez, em Belo Horizonte. O dia 30 de novembro foi marcante e histórico. A instituição Cruzeiro Esporte Clube urge por novos momentos como este.

CRUZEIRO 6 X 2 SANTOS

Data: 30/11/1966
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte-MG
Árbitro: Armando Marques
Público: 77.325
Gols: Zé Carlos (contra), Natal, Tostão e Dirceu Lopes (3), pelo Cruzeiro; Toninho Guerreiro (2), pelo Santos
Cruzeiro: Raul; Pedro Paulo, William e Neco; Wilson Piazza e Procópio; Natal, Tostão, Evaldo, Dirceu Lopes e Hilton Oliveira. Técnico: Aírton Moreira
Santos: Gilmar; Carlos Alberto, Mauro e Zé Carlos; Zito e Oberdan; Dorval, Lima, Toninho, Pelé e Pepe. Técnico: Lula
Cartões vermelhos: Procópio (Cruzeiro) e Pelé (Santos).

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários