Neste dia, há 54 anos, o Cruzeiro de Tostão e Dirceu Lopes vencia o Santos de Pelé por 6 a 2

Dirceu Lopes, Pelé e Tostão: o encontro de gênios. Foto: Arquivo Estado de Minas.

A partida mais incrível da história do Mineirão. Um estádio com tantas glórias recebeu o maior jogador de todos os tempos, Pelé, e um dos maiores do futebol brasileiro, Tostão. Os craques da Copa de 1970 se enfrentaram em um 30 de novembro e o título da Taça Brasil de 1966 ficou com o Cruzeiro. E a taça chegou a Belo Horizonte por causa de uma goleada acachapante na primeira partida.

A Taça Brasil de 1966 – competição similar ao Brasileirão – ficou marcada pelo encontro de dois times históricos. O Santos de Pelé foi hexacampeão brasileiro, bicampeão da América e do mundo, além dos inúmeros títulos estaduais. É, certamente, o maior time da história do futebol brasileiro, visto que contou com o Rei. Pelé é unânime. Porém, o tricampeão mundial pela Seleção Brasileira participou de um momento que está na história do Cruzeiro.

O dia 30 de novembro de 1966 colocou o Cruzeiro em “outro patamar”, pois bater o time de Pelé era a missão mais complicada do futebol mundial. E a Raposa, comandada por Piazza, Tostão e Dirceu Lopes, venceu, convenceu e mereceu o título. A goleada por 6 a 2 mostrou que aquela geração cruzeirense também ficaria marcada na história. Um dos maiores times da história do Cruzeiro. Um momento marcante.

A história rica do Cruzeiro rende várias homenagens. O momento atual, principalmente dentro do Mineirão, ficará marcado como a pior situação vivida pela equipe azul celeste. Porém, nada disso apaga o tamanho dos feitos históricos. Tostão e cia. merecem ser lembrados. Quem sabe o aniversário desta goleada sobre o Santos de Pelé não inspira alguns jogadores do atual elenco…

A goleada

Primeiro jogo da final da Taça Brasil de 1966. O Mineirão contava com mais de 77 mil pessoas, todas estas ansiosas para ver a final e, principalmente, pela oportunidade de ver Pelé. O Cruzeiro era a zebra da competição, visto que contava com um time jovem e duelava com o Rei do futebol. 

Os gols desta partida histórica.

Qualquer resultado já seria justo parabenizar a Raposa, pois enfrentar o Santos não era uma tarefa fácil. No entanto, o Rei Pelé enfrentou o Vice-rei Tostão e o Príncipe Dirceu Lopes. O resultado? Uma goleada inesquecível. Há exatos 54 anos atrás, Dirceu Lopes fez um “hat-trick”, Tostão comandou com vários toques geniais e Piazza anulou Pelé.

O massacre começou logo no primeiro minuto, quando Tostão tocou para Evaldo.O atacante fez um belo lançamento para Dirceu Lopes. Quando a bola estava chegando para Dirceu, o lateral santista Zé Carlos desesperou com a situação e fez um gol contra. 1 a 0 no lance inicial.

Aos 5, o Cruzeiro ampliou, dando início ao show do Príncipe. Evaldo achou Dirceu Lopes. O camisa 10 deu um lindo toque para Natal, que bateu forte, em um chute indefensável para o goleiro bicampeão mundial Gilmar. 15 minutos depois, mais um gol do Cruzeiro. Dirceu Lopes roubou a bola de Oberdan, defensor do Santos, driblou o mesmo duas vezes e bateu com muita qualidade no ângulo. Um lindo gol que colocou 3 a 0 no marcador do Mineirão.

O resultado já era maravilhoso, porém o Cruzeiro não diminuiu o ímpeto ofensivo e ampliou. Com uma linha de ataque de dar inveja, a Raposa chegou ao quarto gol. Foram vários chutes, até que um rebote caiu no pé de Dirceu Lopes. O dez de ouros bateu com a canhota aos 39 e fez o seu segundo gol na partida.

O primeiro tempo marcante ainda reservou mais um gol. Dirceu Lopes entrou na área e foi derrubado por Oberdan dentro da área. Na cobrança do pênalti, o gênio Tostão fez o seu e decretou o placar de 5 a 0 nos 45 minutos iniciais daquela final. O Mineirão nunca viu nada igual. O show dado pelos jovens atletas do Cruzeiro foi histórico.

Após o intervalo, o grande time do Santos voltou pressionado por melhorar o placar e fez dois gols em 10 minutos. Os tentos foram marcados por Toninho Guerreiro. Porém, depois da expulsão de um atleta – não um simples atleta, mas sim o rei Pelé – o Cruzeiro voltou a tomar conta da partida e cadenciou o jogo. Aos 27, Dirceu Lopes aproveitou um rebote de Gilmar e fez o seu terceiro gol no jogo. Um desempenho espetacular de Dirceu. Uma atuação irretocável do Cruzeiro.

6 a 2 no placar e fim de jogo. O 30 de novembro de 1966 ficou marcado como o dia que o Cruzeiro entrou de vez no cenário do futebol brasileiro. O time de garotos goleou o time do Rei e fez história. Nasceu no Mineirão, naquela noite, uma equipe gloriosa.

Na outra semana, Cruzeiro e Santos se enfrentaram no Pacaembu, no jogo de volta da final da Taça Brasil de 1966. A equipe da Vila abriu 2 a 0 no primeiro tempo, porém, na segunda etapa, a Raposa virou a partida e venceu por 3 a 2. Duas vitórias irretocáveis e um título merecido. O Cruzeiro foi campeão da Taça Brasil de 1966.

O Rei expulso

A partida foi especial para os cruzeirenses por causa do título e por bater o Rei do futebol. Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, é simplesmente o maior atleta de todos os tempos e o Cruzeiro se orgulha de ter imposto uma das maiores derrotas da carreira do gênio.

Mas aquela partida ficou marcada por um comportamento diferente de Pelé. O jogador ficou irritado pela forte e eficaz marcação de Piazza e acabou perdendo a cabeça. Mesmo após ajudar a equipe a diminuir o placar para 5 a 2, Pelé entrou muito forte em Piazza e foi expulso diretamente pelo famoso árbitro Armando Marques. Na confusão, o zagueiro Procópio Cardoso também foi expulso.

Além da forte marcação, a irritação de Pelé pode ter sido ocasionada pela pressão da torcida do Cruzeiro. No intervalo, com 5 a 0 no placar, a torcida cruzeirense provocou Pelé, perguntando: “Onde está Pelé?”. O craque respondeu com a mão aberta, alegando que havia vencido cinco vezes a competição.

Porém, as inúmeras taças não adiantaram em nada. Cinco é o número de gols que aquele Cruzeiro fez no primeiro tempo. Consequentemente, o título chegou, pela primeira vez, em Belo Horizonte. O dia 30 de novembro foi marcante e histórico. A instituição Cruzeiro Esporte Clube urge por novos momentos como este.

CRUZEIRO 6 X 2 SANTOS

Data: 30/11/1966
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte-MG
Árbitro: Armando Marques
Público: 77.325
Gols: Zé Carlos (contra), Natal, Tostão e Dirceu Lopes (3), pelo Cruzeiro; Toninho Guerreiro (2), pelo Santos
Cruzeiro: Raul; Pedro Paulo, William e Neco; Wilson Piazza e Procópio; Natal, Tostão, Evaldo, Dirceu Lopes e Hilton Oliveira. Técnico: Aírton Moreira
Santos: Gilmar; Carlos Alberto, Mauro e Zé Carlos; Zito e Oberdan; Dorval, Lima, Toninho, Pelé e Pepe. Técnico: Lula
Cartões vermelhos: Procópio (Cruzeiro) e Pelé (Santos).

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Moi MOtta,Fernando

Time do Felício!

Ivan Junior

Hoje time Falido

FRANK MACHADO (FRANK DRUIMAINI

HOJE, UM TIME QUE AINDA VAI PASSAR 52 JOGOS NA BÊ. NO MÍNIMO.

romulo

Feito mto maior foi o do Galo q ganhou da seleção brasileira de 1970, q seria tri campeã invicta. A seleção conseguiu ganhar de todos os países e só perdeu pro Galo.

J Bosco Da Silva

Kkkkk…amistoso onde a seleção não tinha motivação para jogar com um timeco de várzea, a comparar uma final de campeonato brasileiro???? Contra o maior time de todos os tempos, do Rei Pelé??? Vai catar coquinhos

romulo

kkkkkkkkkk tá falando da taça brasil q o micróbio azul jogou só contra 4 (quatro) timecos????? Cujo torneio teve mais desistentes q participantes??? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Ninguém queria jogar essa bosta de torneio; estude antes e depois venha comentar… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk