O acordo do Cruzeiro com Fred: mérito da atual diretoria ou demérito maior da gestão passada?

Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro

Na tarde desta quinta, 19, Cruzeiro e Fred fizeram um acordo importante para a saúde financeira da equipe celeste. O atacante, que atualmente está no Fluminense, chegou no Cruzeiro em dezembro de 2017, vindo do Atlético, e deixou a Raposa após o final da trágica temporada passada. 

Após sair sem receber vários vencimentos, Fred entrou com um processo na justiça, requerendo estes pagamentos. Segundo Fred, além das verbas salariais atrasadas, ele cobrou 50 milhões da rescisão contratual, um valor estratosférico para o futebol brasileiro. O processo tramitou na justiça desde fevereiro e foi resolvido nesta quinta, 19 de novembro. 

Neste processo, Fred pedia 77 milhões de reais por vencimentos atrasados mais a rescisão de contrato. Havia ainda um pedido da defesa do centroavante na Justiça comum, sobre a exploração da imagem do atleta, que girava em torno de 3,5 milhões. Estes dois imbróglios foram envolvidos na definição desta tarde, já que para resolver a situação judicial, o atacante abriu mão dos 3,5 milhões. 

O Cruzeiro conseguiu reduzir o valor de 77 milhões para 25 milhões de reais e começará a pagar esta alta quantia a partir de 2022, dividido em 61 meses. A redução foi de quase 70% do montante pedido por Fred, ou seja, a defesa cruzeirense conseguiu organizar mais um grande problema financeiro. Com isso, o Cruzeiro irá pagar mais de 400 mil reais mensais para o atacante, começando em janeiro de 2022.

Existem duas óticas para enxergar este caso: a parte positiva, que foi os quase 70% reduzido, e a parte negativa, ao pensar como assinaram um vínculo tão milionário com um jogador de 34 anos na época. Qual merece mais ênfase? O blog trouxe as duas visões e deixou com que você decida e opine, por meio das nosso twitter ou nos comentários. 

A grande redução e o financiamento

A diretoria atual tem como grande lema a reconstrução do Cruzeiro e, cada dia mais, este ato se faz necessário. Os grandes rombos deixados assustam, porém devem ser consertados, a fim de ver uma Raposa com a parte financeira saudável no futuro. O financiamento das dívidas com a União, no final de outubro, mais este acordo desta tarde, resultam em uma redução de mais de 200 milhões de reais. 

O feito é expressivo e digno de ser elogiado, já que o problema já era existente e a gestão de Sérgio Santos Rodrigues tem que organizar o pagamento destes débitos.

Um ponto que salta aos olhos de todo analista e pode ser uma barreira financeira no futuro, é o “salário” para Fred. Iniciando em 2022 e durando por cinco anos seguidos, a Raposa irá pagar um valor alto mensalmente para Fred. Serão incríveis 61 parcelas de 400 mil e mais 12 de 50 mil, ou seja, quando o atacante completar 43 anos, em outubro de 2026, ele, teoricamente, estará aposentado e recebendo essa farta quantia do Cruzeiro. 

A diretoria jogou estes pagamentos para frente, já que não teria como bancar este alto valor no momento. Porém, as próximas gestões terão que entrar entendendo o problema financeiro que o Cruzeiro carregará nesta década. Os financiamentos são a longo prazo, assim como a responsabilidade deve ser. Os cruzeirenses e as próximas diretorias devem compreender isso. 

Por que assinar um vínculo com valores tão exorbitantes?

Esta é a dúvida que está em todos os cruzeirenses. A diretoria propôs um contrato milionário para um centroavante que tinha 34 anos na época da contratação. Qual a razão? Muitos crimes, como os que estão sendo investigados da gestão passada do Cruzeiro, tem propósitos de desviar verbas. Porém, qual era a intenção de Itair Machado, Sérgio Nonato e Wagner Pires de Sá ao colocar uma multa rescisória de 50 milhões de reais para Fred? 

São perguntas sem respostas. Estes ex-mandatários cruzeirenses se envolveram em diversos “rolos” e a torcida apenas suplica para a justiça ser feita. A reconstrução do Cruzeiro nesta década se passa pela má administração de algumas gestões, porém principalmente da última.

Fred chegou no final de 2017 no Cruzeiro, após rescindir contrato com o rival Atlético. A contratação deu muita repercussão e está na justiça até hoje. O Galo colocou uma multa de 10 milhões de reais para o atleta, em caso de ida dele para a Raposa. Fred assinou com o time azul de BH e, desde então, alega que a diretoria cruzeirense assumiu a responsabilidade de pagar este débito ao Atlético. O caso ainda está em discussão na segunda instância. 

Além disso, o salário que Fred recebia vestindo a camisa cruzeirense também era altíssimo: mais de 800 mil. Esta quantia acumulou e gerou este processo resolvido nesta quinta, 19. A multa de 50 milhões mais os altos vencimentos não pagos acarretaram em uma dívida de 400 mil reais mensais até final de 2026.

Daqui seis anos, a instituição Cruzeiro Esporte Clube estará pagando este “salário” para Fred, de 43 anos. A culpa disso tudo? Uma gestão irresponsável, que danificou o âmbito esportivo e, principalmente, a parte financeira. 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários