Massacre do Galo! Atlético não tem dó, passa por cima do Flamengo e goleia por 4 a 0

Foto: Pedro Souza / Atlético

Uma partida sem erros. Um jogo para usar de exemplo. Uma atuação irretocável contra o rival. A goleada deste domingo serviu para dar confiança, dar ânimo, ganhar uma posição na tabela e o principal: mostrar que o Atlético de Sampaoli está vivo. O 4 a 0 significa muito mais que um placar tão vantajoso. O desempenho foi exemplar e a equipe merece elogios. 

O Atlético goleou o Flamengo por 4 a 0 neste domingo, 08, no Mineirão, na 1ª partida do 2º turno do Brasileirão. Com isso, o Galo venceu a equipe carioca tanto na ida – 1 a 0 no Maracanã, em agosto – quanto na volta. E neste jogo, foi uma “senhora” goleada.

Com a larga vitória, o Atlético retornou à vice-liderança e aproveitou o tropeço do Internacional, que empatou com o Coritiba em casa. Desta forma, o Galo está em 2º, um ponto atrás do Colorado e com um jogo a menos, partida que será reposta no próximo dia 18. Já o Flamengo perdeu a vice-liderança e pode ser ultrapassado pelo seu rival Fluminense. 

Um desempenho inapelável. Uma goleada que ficará marcada na história. O Atlético foi impiedoso e passou por cima do Flamengo. Um grande clássico que foi definido pelo capricho atleticano. Foram 90 minutos de uma atuação focada, visando a vitória e pressionando. O placar é resultado deste esforço. 

Está de volta o Atlético de Sampaoli? Isso só o tempo dirá, todavia a atuação deste domingo deixa claro que a postura foi modificada. Com alterações táticas, o Galo entrou em campo de uma forma bem diferente e conseguiu massacrar o seu adversário, que tem um elenco muito bom, porém está com uma defesa muito vulnerável. A equipe mineira aproveitou isso. 

Não é possível citar os pontos negativos do Atlético na partida deste domingo. Foi uma boa atuação de todos os atletas e a torcida espera que isso se repita. Como destaque, é impossível não falar sobre Savarino, que deu três assistências na partida e foi o grande nome do jogo.

Outras atuações que são necessárias de ser ressaltadas são dos nomes tão criticados. Éverson, com duas defesas incríveis, Eduardo Sasha, com dois gols, Igor Rabello e Guga, com diversos desarmes e uma imensa segurança defensiva, foram personagens que de criticados saíram desta partida como amados. Arana e Allan também foram importantíssimos para a vitória atleticana. 

O jogo

Já na escalação, Sampaoli e sua comissão já mostraram que entrariam em campo diferente. Nathan e Jair foram desfalques de última hora, ambos por lesão, e o Atlético foi escalado com três zagueiros – Igor Rabello foi a novidade – dois homens no meio – Allan e Alan Franco voltaram ao time titular – e três atacantes, que contou com o retorno de Keno, o artilheiro da equipe. 

O início do Galo foi simplesmente avassalador. A equipe mineira até se assustou com o bom chute de Everton Ribeiro, aos dois minutos, ao aproveitar o corte de Junior Alonso. A bola passou perto da trave de Éverson. Logo depois, só o Atlético jogou e construiu uma boa vantagem. 

No lance seguinte, no minuto 3, Guga fez belo lançamento para Savarino, que ganhou de Filipe Luís na velocidade e cruzou. Com a zaga do Flamengo voltando, Eduardo Sasha chegou mais inteiro e bateu na bola, que ainda tocou no pé do zagueiro Gustavo Henrique, que recompôs lentamente. Na súmula, o árbitro deu gol para o atacante atleticano. Porém, o que realmente importava no momento era a vantagem do Galo. 

E na sequência, aos 7, o Atlético aumentou o placar. Em boa virada de jogo de Guilherme Arana para Savarino, o venezuelano esperou Franco passar, trouxe para dentro e virou para Keno que, graças ao mau posicionamento de Isla, estava livre e em posição legal. O camisa 11 atleticano chapou no canto de Hugo, que nada conseguiu fazer. 2 a 0 no placar, logo nos minutos iniciais.

Com isso, a pressão que estava sobre o Atlético passou e a equipe mineira deu a bola para o Flamengo. Com a posse, mas em desvantagem, o Flamengo tentou sair, produzir, porém parou em um Atlético bem montado na partida. 

E quem teve mais uma grande chance foi a equipe mineira, em uma jogada bem trabalhada. Éverson lançou Keno, que encontrou Sasha pelo meio. O atacante deu em Allan, que deu em Guga. O lateral, que mais uma vez jogou internamente, tocou para Franco. O equatoriano arriscou de média distância e obrigou Hugo a fazer uma grande defesa.

A chance mais clara do time carioca nos 45 minutos iniciais foi em um escanteio curto. Gérson tocou para Everton Ribeiro, que cruzou muito bem na cabeça do jovem zagueiro do Flamengo. Natan cabeceou sozinho e tirou de Éverson. A bola passou perto da meta atleticana.

O segundo tempo começou com os mesmos times, com a mesma intensidade e o Flamengo teve uma grande chance de diminuir a vantagem. No primeiro minuto de jogo, Filipe Luís cruzou e Pedro cabeceou muito bem. Éverson fez uma grande defesa. Bruno Henrique chegou aproveitando o rebote e perdeu uma chance claríssima. O atacante flamenguista, natural de Belo Horizonte, acertou o travessão mesmo com o goleiro atleticano caído. 

No contragolpe, o Atlético teve uma boa chance. Gustavo Henrique, novamente, errou e deu no pé de Keno. O autor do segundo gol acelerou, entrou na área e bateu. A bola subiu mais do que o desejado.

Quem precisava de gols? O Flamengo. Quem marcou? O Atlético. Aos 12, Keno acelerou pela ponta esquerda e, tranquilamente, ganhou de Gustavo Henrique na velocidade. Ele tocou para Savarino, que abriu em Sasha. O atacante atleticano bateu e Natan travou.

No escanteio, a bola foi cortada, Allan pegou o rebote e tocou para Arana. O lateral atleticano dominou driblando o defensor flamenguista e fez um belo cruzamento baixo. Eduardo Sasha entrou de peixinho e tocou debaixo das pernas de Hugo. O terceiro gol atleticano e o placar do Mineirão indicando um massacre. 

E no minuto seguinte, o Galo quase definiu a partida. Savarino lançou Sasha nas costas da zaga flamenguista. O atacante atleticano correu muito e bateu, tentando encobrir o goleiro do Flamengo. A bola quase entrou, porém saiu pela linha de fundo.

O placar era tranquilo e o Flamengo precisava reagir. Aos 21 minutos, a torcida atleticana gritou, novamente, o nome do tão contestado goleiro Éverson. Isla cruzou na cabeça de Pedro, que, como bom centroavante que é, testou no canto do goleiro atleticano. Éverson caiu e fez uma defesa impressionante, evitando o gol do artilheiro rubro-negro.

E era dia do Galo. Éverson salvou e, aos 36, o Atlético ampliou. Zaracho, argentino recém-chegado, entrou e um minuto depois fez o seu primeiro gol com a camisa alvinegra. Em belo lançamento de Savarino, nas costas da defesa, o meio-campista tocou na saída de Hugo e balançou as redes. Gol de Zaracho e definição da goleada atleticana.

No minuto final, Marrony ainda caiu na área, pediu pênalti, entretanto o juiz preferiu encerrar o passeio atleticano. Deu tudo certo para o Galo. Uma vitória incontestável. Um triunfo para mostrar que o Atlético está na briga, mesmo com alguns tropeços. Um desempenho que dispensa comentários, pois o placar mostra. Uma semana de paz e felicidade para o atleticano!

O Atlético volta a campo no próximo sábado, 14, às 19 horas, contra o Corinthians, na Neo Química Arena. 

Números da partida
Atlético x Flamengo
30% Posse de bola 70%
10 Finalizações 13
5 Finalizações no gol 5
2 Escanteios 7
1 Impedimentos 1
21 Faltas 13
2 Grandes oportunidades 2
0 Grandes oportunidades perdidas 2
284 Passes 637
204(74%) Passes certos 557(87%)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.