A defesa salva, Airton marca e Cruzeiro, mesmo jogando mal, arranca um empate contra o Náutico

Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Não foi o resultado esperado e nem a atuação imaginada, porém, pelas circunstâncias da partida, o empate foi bom para o Cruzeiro. É evidente que Felipão ainda não conseguiu mudar a equipe, pela falta de treino, pois os erros apresentados seguem sendo os mesmos da época de Enderson e Ney Franco. A invencibilidade de quatro jogos é algo notável e dá confiança, mas é necessário vencer para sair do Z-4. 

O Cruzeiro foi até Pernambuco e empatou por 1 a 1 com o Náutico, na tarde deste domingo, 25, no Estádio dos Aflitos. O gol do Timbu foi marcado por Vinícius, na 1ª etapa, e Airton, no fim da partida, empatou para a Raposa.

Com o empate, os dois times não mudaram tanto a situação na tabela. O Cruzeiro segue em 18º, com 17 pontos, um atrás do Guarani, primeiro time fora do Z-4. Já o Náutico deixou a 16ª posição e está em 15º, com 19 pontos, no entanto segue um tento apenas na frente do Figueirense, o 17º colocado.

O Náutico saiu de campo com a sensação de dois pontos perdidos contra o gigante mineiro. A equipe pernambucana teve duas grandes chances que a bola estava entrando e os zagueiros cruzeirenses tiraram, além de uma bela defesa de Fábio, em falta cobrada por Jean Carlos. Jefferson, goleiro do Timbu, trabalhou aos 11 do 1º tempo e depois viu a bola ir na sua meta apenas no gol de Airton, um cabeceio indefensável para o arqueiro.

A Raposa apresentou vários problemas táticos e por isso saiu satisfeita com um ponto conquistado. Em diversas oportunidades durante a partida foi possível ver um buraco no meio-campo cruzeirense. Eram seis jogadores defendendo – os quatro defensores e os dois volantes – e apenas quatro atletas atacando – os dois pontas, o meia e o centroavante. A distância entre os volantes e os atacantes é um problema que acompanha o Cruzeiro desde o início da Série B e Felipão terá que trabalhar muito para corrigir isso.

Até por causa deste problema tático, os volantes do Cruzeiro atuaram mal. Jadsom novamente não conseguiu ajudar no ataque e acabou sendo substituído por Machado, que deu um lindo lançamento na jogada do gol. Os garotos Adriano e Rafael Luiz foram bem defensivamente, mas precisam ganhar confiança e tentar lances mais ousados.

Como ponto positivo é necessário destacar a partida de Cacá, que voltou a atuar no nível esperado da promessa cruzeirense. O zagueiro salvou um gol em cima da linha, após falha de Ramon, que também evitou um gol no 1º tempo. Airton e Patrick Brey entraram bem e foram protagonistas no gol cruzeirense.

O jogo

Na 2ª partida no comando do Cruzeiro, Felipão optou por colocar em campo os mesmos jogadores. A escalação se repetiu, mas, ainda no primeiro tempo, Luiz Felipe Scolari foi forçado a fazer uma substituição. Arthur Caíke sentiu uma lesão muscular e saiu para a entrada de Airton. Matheus Pereira sofreu uma falta dura de Jorge Henrique, no 1º tempo, e foi substituído no intervalo – Patrick Brey foi o escolhido para entrar na ala esquerda.

A escalação foi igual e os erros também se repetiram. A distância entre os volantes e os jogadores mais ofensivos foram notados desde o início da partida. Vale ressaltar que os minutos iniciais até foram de superioridade da Raposa. Arthur Caíke, aos 11 minutos, trouxe para o meio e chutou forte, de fora da área. Jefferson fez grande defesa, na única vez que foi exigido no 1º tempo.

Nos 20 minutos iniciais, o Cruzeiro dominou e impediu o Náutico de finalizar. No entanto, quando o Timbu chegou no ataque, a bola entrou. Vinicius, ponta esquerda da equipe pernambucana, puxou da esquerda para o meio, trouxe a marcação de Rafael Luiz e finalizou. A 1ª finalização do Náutico passou por debaixo das pernas do lateral-direito e foi no canto direito de Fábio. O goleiro não esperava a bola e acabou sofrendo o gol. Tento de Vinicius e 1 a 0 no placar para o Náutico.

Após o gol, o Cruzeiro não conseguiu atacar. Kieza, ex-jogador do Cruzeiro, quase marcou o seu. Ele foi lançado, entrou na área e a bola ficou em disputa. No “bate rebate”, Kieza empurrou para a direção do gol, porém Ramon salvou quase em cima da linha e evitou a “lei do ex”.

No fim do 1º tempo, Fábio fez uma grande defesa, evitando uma desvantagem de dois gols no intervalo. Jean Carlos, camisa 10 do Timbu, bateu direto uma falta na lateral direita. A bola tinha direção correta, entretanto Fábio fez uma belíssima defesa de mão trocada e evitou o 2º gol do Timbu.

No intervalo, além de substituir Matheus Pereira, Felipão também tirou Marquinhos Gabriel. Sassá foi a opção do treinador. O camisa 99 entrou pela esquerda, com a intenção de se aproximar de Moreno. A ideia não deu muito certo.

Quem chegou mais perto de marcar foi o Naútico. Erick foi lançado, o zagueiro Ramon errou o tempo da bola e viu o ponta direita do Timbu acelerar. O camisa 33 entrou na área e bateu na saída de Fábio. A bola estava entrando quando Cacá chegou e tirou em cima da linha. Mais um gol evitado pela defesa cruzeirense após dar brechas para os atacantes do Timbu.

O Cruzeiro teve até uma boa chance com Marcelo Moreno, um lance raro, visto que os centroavantes cruzeirenses estavam passando as últimas partidas sem sequer finalizar. No minuto 16, Moreno recebeu um cruzamento na entrada da área, dominou no peito e bateu forte. A bola saiu pela linha de fundo.

O tempo foi passando e o Cruzeiro não mudava de postura. Um time desligado, sem “morder” na marcação e sem ímpeto ofensivo. Felipão colocou Machado e Welinton no final da 2ª etapa e, mais uma vez, Zé Eduardo não entrou em campo.

O Náutico cansou no final da partida e a Raposa conseguiu aproveitar em um belo contra-ataque iniciado por Fábio. Machado fez um excelente lançamento e achou Patrick Brey na esquerda. O lateral cruzou muito bem na cabeça de Airton, que testou no contrapé de Jefferson. 1º gol de Airton com a camisa azul celeste e o gol de empate da Raposa.

1 a 1 no placar e mais um ponto para o Cruzeiro. Fica ainda mais claro que são necessárias mudanças táticas. Uma possibilidade é a troca do esquema, visto que o atual 4-2-3-1 aparenta estar engessado, deixando vários buracos no meio do campo, além do baixo número de jogadores atacando.

Felipão terá trabalho e sabe disso. Ele, certamente, já notou as carências do plantel cruzeirense e exigirá contratações, dentro das possibilidades da Raposa. Os atuais jogadores devem melhorar para auxiliar o Cruzeiro a sair do Z-4. Terminar um turno na Série B dentro da zona de rebaixamento seria decepcionante e dramático para uma instituição do tamanho do Cruzeiro Esporte Clube. Tem que haver uma reação imediata!

O Cruzeiro volta a campo na próxima sexta-feira, 30, às 21:30, contra o Paraná, no Mineirão.

Números da partida
Náutico x Cruzeiro

49% Posse de bola 51%
13 Finalizações 18
5 Finalizações no gol 3
6 Escanteios 11
1 Impedimentos 1
22 Faltas 20
2 Grandes chances 1
2 Grandes chances perdidas 0
338 Passes 335
262(78%) Passes certos 275(81%)
Fonte: SofaScore.com

Acompanhe também nosso blog nas redes sociais. Estamos no Twitter e no Instagram!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários