Olhar tático | Até que ponto vale insistir em Éverson, em vez de Rafael?

Fotos: Pedro Souza / Atlético

Por Pedro Bueno

Primeiramente, vale ressaltar que ter dois goleiros de bom nível não é um problema, mas sim um privilégio que poucas equipes têm. Também vale destacar que a discussão é válida desde que Éverson chegou e a ideia não é culpar o arqueiro pelos pontos perdidos nas últimas semanas.

O Galo ganhou apenas quatro dos últimos doze pontos, mas Éverson não é o único culpado por este baixo desempenho. A equipe não está em um bom momento e, talvez, com Rafael estaria na mesma situação, visto que dos seis gols tomados, apenas um ou dois podem ser discutidos se o erro foi realmente de Éverson.

Rafael é um grande goleiro que conta com o apoio da torcida. Éverson também é um excelente arqueiro e tem a confiança de Jorge Sampaoli, a grande estrela da equipe atleticana e um técnico que dispensa adjetivos. A disputa é boa, levanta diversos pontos para uma discussão saudável e que busca o melhor para o Clube Atlético Mineiro.

As estatísticas acima mostram a diferença entre os dois atletas. Rafael melhor nas defesas e Éverson é superior na questão dos lançamentos. A comparação é justa a partir desta rodada, já que ambos disputaram oito jogos.

Vale ressaltar que a nota média de Rafael está baixa porque a expulsão frente o Santos – que teve mais culpa do Mariano do que do goleiro – concedeu a classificação mais baixa do SofaScore: a nota três.

Habilidade com os pés

É indiscutível o talento de Éverson nos lançamentos. A torcida até chegou a discutir sobre a importância ou não de ter um bom lançador na sua meta, porém estes argumentos foram esquecidos após a assistência perfeita para o 3º gol de Keno, contra o Grêmio. Éverson é diferenciado e pode resolver um jogo, visto que a partida contra a equipe gaúcha estava começando a ficar complicada e com o 3º gol, o Galo pôs fim no confronto.

Os números mostram a influência de cada um dos arqueiros, além da assistência do goleiro que estava no Santos. Rafael teve média de 30 toques na bola por partida e Éverson 40, ou seja, até a própria defesa confia mais em recuar e colocar o camisa 31 para organizar a saída de bola.

Os acertos de passe também elucidam bem o porquê da confiança dos companheiros. Éverson acertou 84% dos passes que tentou – desempenho semelhante aos jogadores de linha – enquanto Rafael acertou apenas 69%. Na bola longa, Éverson também se diferencia. Ele acertou 50% das tentativas e Rafael só 27%.

O goleiro que chegou do Cruzeiro deu apenas 0,9 lançamentos certos de média. Já Éverson deu 2,6, ou seja, quase o triplo de bolas certeiras do goleiro para um companheiro que esteja no ataque.

São números. Com a filosofia de Sampaoli, é muito complicado imaginar uma equipe que não tenha um “goleiro-linha”. Todas as equipes que têm a posse de bola como principal característica precisam de um goleiro para desafogar, além da defesa jogar com a linha alta e, com isso, necessitar de alguém que esteja atento para sair na intermediária.

Habilidade com as mãos

Neste ponto, Rafael apresenta melhores números e melhores atuações. O Atlético não sofreu gols em cinco partidas e em quatro delas o goleiro era Rafael. O camisa 32 tem o apoio da torcida, que reivindica com muito afinco o retorno do atleta. Ele foi titular nas oito primeiras rodadas do Brasileirão, mas após ser expulso contra o Santos, não voltou a jogar.

Os números nestes quesitos dão larga vantagem para Rafael sobre Éverson. O ex-santista levou 1,5 gols de média neste Brasileirão, enquanto o goleiro formado no rival atleticano tem média de 0,6 gols sofridos, a média mais baixa dos goleiros desta Série A.

Éverson tem índice mais alto de defesas – 2,8 contra 2,1 – mas Rafael salvou mais lances difíceis – 7 contra 5. Dos doze gols sofridos por Éverson, dois foram de fora da área, enquanto Rafael só sofreu gols – todos cinco – dentro da sua própria área, isto é, bolas mais complicadas.

A grande discussão em torno de Éverson é sobre o seu posicionamento. O goleiro sempre está adiantado e alguns gols poderiam ser evitados se ele ficasse mais próximo do gol. No último ano, enquanto ainda atuava pelo Santos, Éverson sofreu um gol de Gabriel Barbosa, onde o arqueiro estava bem adiantado e o centroavante o encobriu, decidindo o confronto direto do 1º turno. No Galo, os gols sofridos contra o Bahia (o 1º) e Fluminense podem entrar nesta crítica.

Rafael aparenta ter mais confiança no próprio talento debaixo das traves. Suas defesas e números impõem bastante respeito aos adversários, que hesitam ao finalizar no camisa 32. Já Éverson ainda não está com toda esta confiança e, com certeza, Jorge Sampaoli e os torcedores esperam que ele retorne a fazer várias defesas.

Revezar goleiros funciona?

Quando Éverson foi contratado, foi bastante discutida a possibilidade de revezamento entre os dois arqueiros. Alguns torcedores especularam que Éverson atuaria apenas nos jogos que o Atlético fosse dominar, com muita posse, enquanto Rafael jogaria as partidas mais difíceis. Isso não aconteceu e, dificilmente, acontecerá.

Na Europa, vários times revezam os goleiros, mas com um padrão: o titular joga as partidas da Liga e o reserva os jogos das copas. No entanto, o Atlético, até fevereiro, não terá copas e disputará apenas o Brasileirão.

Um revezamento dentro do próprio Campeonato Brasileiro colocaria em risco o ritmo de jogo de ambos e poderia piorar os números atleticanos.

Goleiro é mais importante com os pés ou com as mãos?

Essa pergunta é clara: a função do goleiro é defender com as mãos. A questão é que os dois fazem isso bem – ambos são bons goleiros – mas Rafael tem leve vantagem. Éverson compensa com seu talento indiscutível nos lançamentos e passes.

No Sampaolismo, o goleiro deve trabalhar com os pés com muita frequência e, por isso, Éverson tem a confiança do treinador. Rafael é talentoso e mostrou, nas partidas do início do Brasileirão, uma evolução nos passes. A decisão, obviamente, é de Jorge Sampaoli e o argentino tem talento para entender o que é melhor para o Atlético.

Os três goleiros – incluindo o ídolo Victor, que está no final de carreira – estão em perfeita harmonia, são grandes amigos e veem esta disputa como algo saudável do esporte. Isso é bom, mostra como o ambiente está tranquilo e não há vaidade. Uma equipe que busca grandes feitos deve ter um elenco forte e unido. E o Galo tem.

Nas últimas oito rodadas, Éverson foi o titular de Sampaoli. Rafael aguarda por uma nova chance. A disputa é justa, boa para a equipe e levanta diversas opiniões. Deixe a sua!

Acompanhe também nosso blog nas redes sociais. Estamos no Twitter e no Instagram!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
9 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Leonardo R. Salomon

Concordo plenamente!
Creio que não custava deixar velhas ideias estigmatizadas para observar melhor, em revezamento, ambos!
Inclusive, pensando no adversário ) se mais provavelmente recuado ou mais jogo aberto).

Wilton Das Neves Silva

Boa tarde, com certeza deve voltar o Rafael pois só assim vamos voltar a ter uma defesa firme, este outro goleiro é o verdadeiro chama gol.

Silva Silva Silva

Nao volta pq assim como o sasha q nao ta jogando nada o everson tb é queridinho do sampoli, se o Marrony tivesse atuando como vinha antes da chegada do sasha com certeza já estaria marcando muitos gols, o moleque e bom mas precisa jogar o jogo inteiro, entrar pra resolver nao dá. Raphael é 1000 vezes melhor que o chama gol mao de alface everson.

Daniel

Não concordo Everson é mais goleiro e é de confiança de Sampaoli. A questão e que os gols que ele vem tomando todo goleiro toma, não tem nenhum frango. Rafael #EternoBanco

Silva Silva Silva

Sai mal do gol

Gustavo Assis Fonseca Santos

Não tenho dúvidas que o Rafael é melhor goleiro. Se quer ter alguém bom pra fazer esse lançamento que treine um dos zagueiros para fazer, pois zagueiro pode chutar mas não pode pegar a bola com a mão. A função principal de um goleiro é defender a bola com a mão e não dar passe lateral pra um zagueiro

Marcelo Cal

Prefiro o Rafael, precisamos de defesas difíceis para ganhar os jogos….

Silva Silva Silva

Prefiro o Rafael, mais alto, mais porte físico, mais simplicidade, melhor em baixo das traves… nao se pode tirar um jogador da forma q foi só por conta daquela jogada em q ele foi expulso, a culpa foi dos jogadores de linha que o deixaram como último jogador pra segurar o ataque do time adversário, isso é queimar o jogador e nesse ponto o Sanpaoli errou, a essencia do goleiro é jogar com as maos… lançar bola como o everson faz e nem sempre acerta, o Rever tb faz e até melhor, logo isso nao é privilégio só dele nem representa tanto assim, o Raphael só nao vai voltar pra titularidade pq o everson é o queridinho do sampaoli, assim como o sasha que nao ta jogando nada e ja deveria faz tempo ter saido para a entrada do Marrony. Sampaoli nao é perfeito, porem precisa admitir isso e corrigir seus erros, inclusive de escalacao.

RINALDO GIORGINI CARVALHO

Everson com certeza! Maria não