Na estreia de Felipão, Cruzeiro enfrenta o Operário com desfalques e novidades na defesa

Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Após 7387 dias, Felipão fará uma estreia pelo Cruzeiro e, por coincidência, novamente contra uma equipe paranaense. No dia 30 de julho de 2000, Luiz Felipe Scolari atuou contra o Athletico-PR, no Mineirão. 20 anos depois, o treinador pentacampeão mundial dará início a sua 2ª passagem pela Raposa.

O Cruzeiro, desesperado pela atual situação, enfrenta o Operário nesta terça, 19, às 21:30 horas, no Estádio Germano Kruger, em Ponta Grossa-PR. Ambas as equipes vêm de resultados decepcionantes. A equipe mineira empatou sem gols com o Juventude, enquanto o time paranaense foi goleado pelo CRB por 4 a 1.

Os rivais da partida desta noite estão em partes diferentes da tabela. O Cruzeiro se encontra na 19ª posição e necessita urgentemente de se recuperar. Caso vença, a Raposa sai do Z-4 – dependendo de alguns resultados – e tira um peso enorme das suas costas.

Já o Operário busca vencer o Cruzeiro em casa, onde perdeu apenas uma vez, e se aproximar do G-4, já que a equipe paranaense está na 9ª posição, com 22 pontos, 5 a menos que a Ponte Preta, 4ª colocada.

O retrospecto do duelo é curto, todavia favorável ao Fantasma. Houve apenas um confronto entre Cruzeiro e o Operário e a equipe paranaense saiu com a vitória. O amistoso aconteceu em 1990 e o Operário venceu por 1 a 0, em Ponta Grossa.

O ponto negativo para a Raposa é o momento. Com o psicológico abalado e a imensa falta de confiança, o Cruzeiro necessita de se recuperar. São quatro jogos sem vencer e estando na vice-lanterna por duas rodadas consecutivas, questões vexatórias para uma equipe do tamanho do gigante de Belo Horizonte.

Por exemplo, em outubro, o Cruzeiro perdeu duas vezes e empatou duas partidas, se consolidando no Z-4. Nestes quatro jogos, o setor ofensivo fez apenas um gol – com o zagueiro Manoel – e finalizou somente nove vezes na meta adversário, número que mostra o porquê da crise da equipe. 

Felipão chega para fazer a função de um bombeiro e acabar com este caos. O momento financeiro não proporcionará grandes contratações ao treinador e um dos maiores técnicos da história do futebol brasileiro terá que “se virar” com o atual elenco. O primeiro objetivo de Scolari deve ser retomar a confiança dos atletas e fazer com que eles tenham segurança no próprio talento.

Para a estreia, Luiz Felipe Scolari terá alguns desfalques pontuais na defesa. Manoel foi diagnosticado com COVID-19 e ficará alguns dias isolado. Daniel Guedes tomou o 3º cartão amarelo e também ficará de fora da estreia do novo treinador.

Como notícia positiva, o Cruzeiro tem o retorno de Matheus Pereira, que havia testado positivo para a COVID-19, e ficou de fora das últimas três partidas. O jovem jogador é um dos destaques da Raposa na Série B. Para a reserva, o Cruzeiro reintegrou Patrick Brey, lateral que esteve perto de deixar o time, mas estará à disposição.

Ainda na defesa, Raúl Cáceres e Léo, que eram titulares no início da competição, seguem lesionados. Com o desfalque de Manoel, Ramon deve voltar à linha de defesa, após jogar como volante. 

No meio-campo, Jadsom Silva deve ter a companhia de Machado ou Adriano. Machado foi preterido dos titulares na última partida e nem entrou em campo, porém é um jogador importante para equipe. Ele deu duas assistências e marcou um gol na Série B, além de fazer muito bem a saída de bola, principal problema do Cruzeiro na última partida. Já o volante Adriano, cria da base cruzeirense, atuou em dois jogos na Série B e somou apenas 57 minutos em campo. Se entrar, terá uma chance única de mostrar serviço.

O ataque deve seguir com a mesma formação, mesmo com várias possibilidades. Arthur Caíke pode voltar a ser titular, Marquinhos Gabriel foi relacionado, após estar lesionado, Welinton entrou bem no jogo contra o Juventude e Claudinho quase marcou o gol da vitória na última sexta. Todos estes são variações e possibilidades para Felipão escalar a equipe, a fim de acabar com o jejum de gols.

Provável escalação: Fábio; Rafael Luiz, Ramon, Cacá, Matheus Pereira; Jadsom Silva, Machado (Adriano); Maurício (Marquinhos Gabriel), Régis, Airton; Sassá. Técnico: Felipão.

Sobre o adversário

Após ficar em 10º em 2019, o Operário iniciou 2020 com o propósito de conseguir um feito gigante para o modesto time paranaense: o acesso à Série A. A equipe jogou a 1ª divisão em 1979, mas esta edição contou com 94 times, ou seja, a ascensão à primeira divisão seria uma façanha para o time de Ponta Grossa. Mas o início de temporada não foi animador. 

O Operário, campeão da Série C em 2018 e do Paranaense em 2015, foi mal no estadual deste ano e decepcionou ao ser eliminado pelo Cianorte, nas quartas de finais. Com isso, o elenco do Fantasma têm na Série B a grande oportunidade de terminar a temporada com o objetivo concluído. No torneio, o Operário está em 9º, cinco pontos atrás da Ponte Preta. Em casa, a equipe venceu três jogos, empatou outras três e foi derrotado apenas pelo Guarani. 

Após ser goleado pelo CRB – 4 a 1 no placar – os comandados de Gerson Gusmão buscarão a vitória frente o Cruzeiro para manchar a estreia de Felipão. Pedro Ken, ex-Cruzeiro, está suspenso e desfalca a equipe. Tomas Bastos, substituto natural de Ken, e Chorão seguem com COVID-19 e não estarão aptos para a partida desta terça.

Provável escalação: Thiago Braga; Sávio, Ricardo Silva (Bonfim), Renie, Fabiano; Mazinho; Thomaz (Batatinha), Douglas Coutinho, Marcelo, Clayton; Jefinho (Schumacher). Técnico: Gerson Gusmão.

Operário x Cruzeiro
17ª rodada do Brasileirão Série B
20/10/2020, 21:30 horas, Estádio Germano Kruger
Transmissão: SporTV e Premiere.
Árbitro: Diego Pombo Lopez (BA)
Assistentes: Alessandro Álvaro Rocha de Matos (BA) e Edevan de Oliveira Pereira (BA).

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários