Com mais jogos que gols na Série B e apenas 9 finalizações certas no mês, o Cruzeiro necessita urgentemente de melhorar a parte ofensiva

Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

O Cruzeiro ainda não saiu vitorioso em outubro e amarga quatro jogos consecutivos sem um triunfo. O terrível mês cruzeirense também ostenta a marca de apenas um gol feito – a cabeçada de Manoel, contra o Sampaio Corrêa.

Além disso, na Série B, a equipe mineira disputou 16 partidas e fez apenas 15 gols, ou seja, menos de um gol de média por jogo. A 1ª missão de Felipão é retomar a confiança do seu ataque, para voltar a balançar as redes e, consequentemente, pegar o caminho das vitórias. As duas últimas partidas foram sem gols e a Raposa permaneceu na 19ª posição. 

Outro dado cruzeirense que chama a atenção é a baixíssima precisão nos arremates neste mês. O Cruzeiro fez 4 partidas no mês de outubro e finalizou 59 vezes. Destes chutes, apenas nove – isso mesmo, 9 – tentativas foram no gol, ou seja, um aproveitamento vexatório, já que apenas 15,2% dos arremates foram na direção certa.

O jogo frente o Juventude deu uma expectativa a mais para o torcedor, já que o time apresentou um futebol um pouco mais vistoso e finalizou bastante. Entretanto, em meio aos 21 chutes, apenas 3 foram no gol. Contra o Cuiabá, Sampaio Corrêa e Oeste, foram 2 em cada jogo, um dado alarmante.

Uma equipe do tamanho do Cruzeiro não pode se acomodar com uma média de 2,25 finalizações certas por partida, como está sendo neste mês. Houve diversas temporadas em que o Cruzeiro teve média de gols acima desta média de chutes no alvo, ou seja, é necessário modificar bastante a parte ofensiva.

Sobre as modificações, não é possível afirmar que estas mudanças acontecerão apenas com substituição de jogador, visto que o Cruzeiro troca peças e a forma de jogo não é alterada. As movimentações aparentam estar erradas e o time azul celeste não encontra espaço. 

Porém, mesmo estando com uma ideia de jogo ruim, alguns jogadores estão entregando ainda menos, se destacando negativamente. Marcelo Moreno era titular até 11ª rodada, mas Sassá retornou de empréstimo e se tornou titular. Todavia, o camisa 99 não está fazendo por merecer a sua titularidade. Por exemplo, na partida desta sexta, 16, Sassá não finalizou, mesmo o Cruzeiro tendo chutado 21 vezes.

Moreno não tem a mesma habilidade das primeiras passagens pelo Cruzeiro. Thiago não demonstrou estar pronto. Sassá, além do seu histórico de indisciplina, não fez a diferença no ataque. A 4ª opção cruzeirense talvez seja a ideal. 

O Cruzeiro cedeu 15% do passe de Zé Eduardo ao América/RN para o retorno imediato, no mês passado, já que o jogador estava emprestado. Porém, o atleta foi utilizado apenas nos minutos finais contra o Oeste – ele esteve em campo por 12 minutos. Por que não dar chance para o garoto que tem 9 gols em 10 jogos no ano? 

Felipão terá que responder estas perguntas e terá a missão de melhorar a parte ofensiva. Um time desregulado na frente não consegue se recuperar em uma competição. São necessários gols para voltar ao trilho certo. O trilho das vitórias. O trilho da reconstrução.

O técnico multicampeão irá treinar o Cruzeiro a partir da próxima segunda-feira, 19, e irá estrear frente o Operário, em Ponta Grossa, na terça-feira, 20, às 21:30. O ataque deve melhorar. A criação deve auxiliar. O Cruzeiro tem que recuperar.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários