Atlético tropeça pela 1ª vez em casa e apenas empata com o Fluminense no Mineirão

A grande chance da partida, desperdiçada por Marrony. Fotos: Pedro Souza / Atlético

A mudança de postura na 2ª etapa não conseguiu apagar a atuação decepcionante da 1ª parte. Olhando por esta ótica, o empate é justo. Mas o Galo, com as pretensões e com as boas oportunidades dos 45 minutos finais, poderia ter saído com a vitória. Os dois pontos perdidos em casa podem fazer falta. 

O Atlético empatou com o Fluminense por 1 a 1 – mesmo resultado do último encontro entre as equipes, no Maracanã, em 2019 – placar construído graças aos bons chutes de Caio Paulista e Guilherme Arana. O jogo desta quarta, 14, marcou o 1º tropeço do Atlético no Mineirão e o 1º empate da equipe mineira no Brasileirão.

Com este empate atleticano e as vitórias de Internacional e Flamengo, o Galo segue na liderança, mas bem pressionado. O Atlético tem 31 pontos em 15 jogos disputados. O Colorado está com os mesmos 31 pontos, mas em 16 jogos e uma vitória a menos deixa o Internacional na 2ª posição. O Flamengo está com 30 pontos nos mesmos 15 jogos do Atlético, mas a equipe carioca jogará nesta quinta, 15, contra o Red Bull Bragantino e poderá assumir a liderança, com um jogo a mais. 

O blog fez uma previsão para a provável data da partida do Atlético que foi adiada. Veja!

Qualquer partida de futebol é dividida em dois tempos de 45 minutos. A atuação atleticana nesta quarta também é possível ser dividida. Um primeiro tempo aquém do Sampaolismo. Uma segunda parte com bom desempenho. No resumo, uma partida abaixo em comparação aos outros jogos atleticanos em casa, os quais o Atlético dominava e não deixava o adversário jogar. 

Muito mérito da escalação de Odair Hellmann. O Fluminense não escolheu descansar os seus dois medalhões. A equipe carioca deixou Nenê e Fred de fora para colocar em campo uma equipe intensa e conseguiu duelar de igual para igual com um grande favorito ao título. E que bela partida fez Muriel, determinante para o empate.

Como destaque individual atleticano, é possível destacar Eduardo Sasha, que fez três funções táticas diferentes durante o jogo: referência, ponta-direita e armador. Criou boas oportunidades na 2ª etapa.

Jair e Allan são bons exemplos da oscilação atleticana na partida. Os dois estavam muito próximos na 1ª parte e “bateram cabeça”. Após o intervalo, Jair foi adiantado para ser um meia pela direita – função muito bem realizada por Alan Franco – e Allan ficou como o organizador. Ambos atuaram bem no 2º tempo, contrapondo o desempenho dos 45 minutos iniciais.

O jogo

A 1ª parte contou com a atuação mais fraca do Atlético no Brasileirão em um tempo. Um time irreconhecível que não conseguiu acertar o gol adversário. Foram 3 finalizações e nenhuma no alvo. Nenhum jogador estava bem e o time aparentava nervosismo ao encarar um time com muita intensidade. 

O Fluminense, com a sua estratégia de marcar alto e não deixar o Galo jogar, conseguiu impor seu jogo e a escolha por colocar os jovens, e não os medalhões Fred e Nenê, fez todo o sentido. O Fluminense dominou o 1º tempo. Para o time carioca, como citado na transmissão, era melhor não ter intervalo. 

Aos 17 minutos o Fluminense marcou. Dois minutos depois fez novamente. Porém o 1º gol foi invalidado por impedimento. A bola foi rebatida, Caio Paulista chutou e a bola desviou em Igor Rabello. Hudson, em impedimento, dominou e tocou para Felippe Cardoso, que marcou tranquilamente. Mas o bandeirinha assinalou com convicção a irregularidade.

Mesmo com o gol irregular, o Fluminense não desanimou. Logo em seguida, Luiz Henrique trouxe da esquerda para o meio com muita liberdade e tocou para Caio Paulista. O jovem de 22 anos, que havia entrado aos 2 minutos no lugar de Fernando Pacheco, dominou na meia-lua e chutou com muita força. Um arremate que chegou a 89 km/h e balançou as redes atleticanas. 1 a 0 para o tricolor carioca. 

O restante da 1ª etapa foi de posse de bola do Galo, no entanto sem efetividade. Várias peças importantes como Arana, Nathan e Jair estavam abaixo e o Galo não conseguiu criar nenhuma chance.

Como é de conhecimento geral, Jorge Sampaoli está sempre cobrando por melhorias. Após o desempenho da 1ª parte, o treinador argentino deve ter cobrado muito dos seus atletas. O Galo precisava mudar a postura. E mudou.

Com a entrada de Marrony no lugar de Sávio, jovem de muito potencial que esteve abaixo no 1º tempo, o Atlético voltou “ligado na tomada” e conseguiu dominar as ações.

Logo no minuto inicial, Marrony, que entrou centralizado, fez o pivô e encontrou Nathan. O camisa 23 bateu e acertou a primeira bola no alvo. Em um contra-ataque, dois minutos depois, Caio Paulista tentou encontrar Felippe Cardoso na área e Guga cortou. A bola sobrou para Luiz Henrique, que driblou Réver, mas pecou na finalização.

Aos 6 minutos, Eduardo Sasha, que foi deslocado para a ponta direita, fez boa jogada e cruzou rasteiro na linha da grande área. Jair fez o corta-luz e Marrony ajeitou para Arana. O lateral esquerdo bateu firme no canto e fez o seu 2º gol no Brasileirão. Era o gol de empate e uma resposta da equipe para o mau desempenho da 1ª etapa.

Dois minutos depois, o Atlético teve outra grande chance. Após uma bela tabela entre Sasha e Jair, que voltou do intervalo em uma função mais ofensiva, Sasha cruzou e Marrony, livre, bateu no meio e Muriel fez grande defesa. No rebote, Keno tentou e o goleiro pegou novamente. Mais uma vez a bola foi rebatida e cruzada. Sasha cabeceou e o arqueiro do tricolor carioca defendeu pela 3ª vez no lance.

O Atlético seguiu dominando e o Fluminense tentando explorar as brechas dadas pela defesa atleticana. A melhor chance de virar a partida aconteceu aos 30 minutos da 2ª etapa. Igor Rabello descolou um ótimo lançamento para Guilherme Arana, que se esforçou muito e cruzou. A bola passou pela área e Nathan bateu. Muriel fez uma defesa espetacular garantindo o empate para o tricolor.

O restante do jogo foi com o Galo tentando pressionar, mas Keno, ao não chutar no minuto 39, e Marrony, ao não dominar a bola em passe de Sasha aos 40, perderam boas chances nos minutos finais e definiram o 1º tropeço em casa e o 1º empate do líder no Brasileirão. 

Um desempenho oscilante que acarretou a perda de dois pontos. Uma atuação que mostra que Sampaoli tem razão em pedir reforços. Na próxima partida, o Galo contará com Savarino, Alan Franco e Alonso, estrangeiros que fizeram falta: em nove pontos disputados sem eles, o Galo fez apenas 4. O Galo necessita deles para “hablar” com as vitórias e retomar a confiança.

O Atlético entra em campo na próxima segunda-feira, 19, às 20 horas, contra o Bahia, em Salvador.

Números da partida
Atlético x Fluminense
65% Posse de bola 35%
13 Finalizações 11
8 Finalizações no gol 3
9 Escanteios 4
0 Impedimentos 3
11 Faltas 9
3 Grandes oportunidades 1
3 Grandes oportunidades perdidas 1
554 Passes 299
475(86%) Passes certos 208(70%)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários