Até quando será tão inofensivo? Cruzeiro é derrotado pelo Sampaio Corrêa e se afunda no Z-4 da Série B

Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

Não dá mais. O Cruzeiro, com os objetivos, folha salarial e, principalmente, tamanho que tem, não pode seguir nesta situação. A equipe está na zona de rebaixamento, somou a 7ª derrota em 14 jogos e perdeu a 4ª no Mineirão. Um time não é reconstruído deixando Pimentinha fazer o que quiser pelo lado esquerdo defensivo. 

O Cruzeiro foi derrotado pelo Sampaio Corrêa nesta quinta, 08. O placar do Mineirão marcou 2 a 1 para a equipe maranhense, que saiu da zona do rebaixamento e afundou ainda mais a Raposa no Z-4. O Sampaio chegou na 15ª posição e deixou o Figueirense em 17º e o Cruzeiro em 18º.

Mais uma atuação abaixo da crítica. Um desempenho horroroso que coroou a 4ª derrota em Minas Gerais. O time novamente foi mal no coletivo e individualmente. Até quando o torcedor terá que acompanhar um time tão apático? Não dá mais.

O Cruzeiro precisa urgentemente de mudanças. A torcida protestou e seguirá protestando. É inaceitável, para os verdadeiros fãs, seguir com um time desta forma.

Manoel, em dois cabeceios fortes, tentou. Marcou um gol e colocou perigo em outro lance. Foi o único lúcido em campo. Giovanni, mais uma vez, foi muito mal e caiu em todos os dribles de Pimentinha, ponta do modesto time do Sampaio Corrêa. 

Ney Franco está balançando no cargo. Não são as trocas de técnico que irão colocar o Cruzeiro em outro patamar, mas o atual treinador ainda não justificou a confiança da diretoria.

O jogo

O Cruzeiro teve a posse de bola no 1º tempo, mas não conseguiu traduzir este domínio em grandes chances e viu o Sampaio Corrêa ter boas oportunidades, além do gol de Roney. Como exemplo da má atuação cruzeirense, a equipe conseguiu acertar o alvo adversário apenas duas vezes. 

Já no minuto 5, a bola foi levantada na área do Cruzeiro e André Luís, volante do Sampaio Corrêa, cabeceou firme. Fábio, em seu jogo número 900, fez uma bela defesa no seu canto direito. 

Mesmo com este susto, o Cruzeiro não reagiu. Aos 12, a equipe maranhense teve um escanteio pela direita. A zaga tirou, no entanto não prestou atenção nas pontas e foi castigada.

O lateral-direito Luis Gustavo encontrou Roney nas costas de Daniel Guedes. O camisa 38 cruzeirense não conseguiu alcançar e o ponta do Sampaio Corrêa penetrou na área com autoridade. De perna esquerda, Roney bateu no canto de Fábio, que falhou, já que a bola passou por debaixo dele. 

Em um erro do time nordestino, em um recuo ridículo de Joécio, Arthur Caíke tentou encontrar Sassá. O centroavante, camisa 99, isolou e perdeu uma boa chance.

O Sampaio usou e abusou da fraqueza do lado esquerdo cruzeirense. Mesmo que o gol tenha acontecido pela direita, Pimentinha deu bastante trabalho e poderia ter marcado duas vezes na 1ª etapa.

Aos 16, em bola desviada em Ramon, e no minuto 34, quando puxou um ótimo contra-ataque – eram três atacantes contra um zagueiro – mas acabou errando bisonhamente o lance mais claro da partida.

O empate cruzeirense foi em um lance de bola parada, visto que o Cruzeiro não conseguiu construir uma jogada com a bola rolando. Em cobrança de falta, aos 40, Machado colocou com perfeição na cabeça de Manoel. O capitão cruzeirense testou muito bonito e a bola encontrou o ângulo de Gustavo. 1 a 1 no placar e fim do 1º tempo movimentado, mas ruim. 

Ney Franco mexeu duas vezes no intervalo. O treinador optou por Maurício e Thiago nos lugares de Arthur Caíke e Régis, que alegou dores no tendão. Com a entrada de mais um centroavante, Sassá foi jogar como um ponta esquerda.

Mas a postura cruzeirense seguiu sem alterações e quem marcou foi o Sampaio Corrêa. Com muita liberdade na direita, pela marcação frouxa de Giovanni, Pimentinha trouxe para o meio e encontrou Caio Dantas. O camisa 9, também livre de marcação, teve frieza e rolou a bola no canto esquerdo de Fábio. Um gol que mostra como estava mal a defesa cruzeirense. 

Com a desvantagem no placar, o Cruzeiro ficou ainda mais nervoso e seguiu não conseguindo construir boas jogadas. Não havia triangulações, nem organização. Nada.

As melhores chances aconteceram no final do 2º tempo. Aos 36, em escanteio cobrado pela direita, Manoel cabeceou firme, mas errou a direção. 4 minutos depois, no minuto 40, Sassá entrou na área com velocidade e bateu cruzado. Gustavo, goleiro do Sampaio, espalmou e a bola sobrou no pé esquerdo de Thiago. O centroavante da base tentou, porém Luis Gustavo, lateral que deu assistência no 1º gol, salvou em cima da linha.

O nervosismo atacou o Cruzeiro de vez. O Sampaio Corrêa ganhou. Vitória gigante por parte da equipe do Maranhão que, merecidamente, saiu da zona do rebaixamento. Já a Raposa urge por mudanças. 

É necessário repetir: não dá mais. O time não pode seguir como está. O Cruzeiro tem que voltar à Série A por motivos esportivos e financeiros. Mais um ano na Série B, ou até mesmo na Série C, acarretaria problemas ainda mais sérios para o time cruzeirense. 

Sérgio Santos Rodrigues, atual presidente e eleito para os próximos anos, não tem culpa dos crimes praticados nas gestões anteriores. Mas, ao assumir esse posto nessa situação, o presidente se colocou como responsável pelo momento cruzeirense, que está deplorável. 

Aceite as críticas, Sérgio. Os torcedores querem o bem do Cruzeiro. Eles querem a volta do time. Da forma que está, um gigante ficará na Série B ou, no pior das hipóteses, disputará a Série C. 

O Cruzeiro volta a campo fora de casa no próximo domingo, 11, às 16 horas, contra o Oeste, último colocado da Série B. 

Números da partida
Cruzeiro        Sampaio Corrêa
65% Posse de bola 35%
17 Finalizações 6
2 Finalizações no gol 3
10 Escanteios 4
3 Impedimentos 2
20 Faltas 12
2 Grande chances 2
2 Grandes chances perdidas 1
528 Passes 289
456(86%) Passes certos 213(74%)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários