Até a 10ª rodada, Cruzeiro teve a pior defesa, mas aproveitamento igual ao Atlético. Veja as comparações com os grandes na Série B

Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

A vida do Cruzeiro não está fácil na Série B. Mesmo vencendo 4 partidas e empatando 2, o time mineiro ostenta apenas 8 pontos em 10 jogos, visto que foi punido e perdeu 6 pontos. Com isso, a Raposa está na 15ª posição.

A equipe azul celeste foi punida em 20 de maio, ainda na pausa do futebol, porque não pagou o empréstimo do volante Denílson, que chegou na temporada de 2016. O pagamento era de quase 5 milhões de reais e o Cruzeiro não quitou esta conta. Com isso, a FIFA puniu esportivamente a equipe.

Porém o mau momento do time cruzeirense não é culpa da punição. Obviamente, iniciar devendo 6 pontos afetou os jogadores, mas o Cruzeiro conseguiu pagar a punição com 3 vitórias iniciais. O problema foi os jogos seguintes. A equipe mineira está em uma sequência de 7 partidas na Série B, com 1 vitória, 2 empates e 4 derrotas. 

O aproveitamento cruzeirense é de 46,7%, ou seja, estaria amargando a decepcionante 9ª posição, caso não tivesse sido punido. É possível concluir deste dado que a punição não foi determinante para o estado atual.

Com torcedores ficando desesperados ao enxergar a dificuldade que será voltar à Série A, o blog Bola Pra Frente resolveu comparar as 10 rodadas iniciais do Cruzeiro com todos os outros grandes times que disputaram a Série B no formato atual, desde 2006.

Estes foram os desempenhos das grandes equipes brasileiras até a 10ª rodada da Série B:

  • Atlético em 2006: 3 vitórias, 5 empates e 2 derrotas: 46,7%. 15 gols feitos e 8 sofridos. Acabou o torneio como campeão.
  • Corinthians em 2008: 8 vitórias e 2 empates: 86,7%. 26 gols marcados e 8 sofridos. Terminou a Série B como campeão e dono da melhor campanha da história, com 85 pontos.
  • Vasco em 2009: 4 vitórias, 5 empates e 1 derrota: 56,7%. Fez 11 gols e levou apenas 4. Foi campeão.
  • Palmeiras em 2013: 7 vitórias, 1 empate e 2 derrotas: 73,3%. Marcou 20 gols e sofreu 7. Acabou a competição como campeão.
  • Vasco em 2014: 4 vitórias, 5 empates e 1 derrota: 56,7%. 12 gols feitos e 5 sofridos. Ficou em , com 63 pontos.
  • Botafogo em 2015: 7 vitórias, 2 empates e 1 derrota: 76,7%. 21 gols marcados e 7 sofridos. Foi campeão da Série B.
  • Vasco em 2016: 7 vitórias, 1 empate e 2 derrotas: 76,7%. Fez 19 gols e levou 10. Foi colocado, com 65 pontos.
  • Internacional em 2017: 4 vitórias, 5 empates e 1 derrota: 56,7%. Marcou 13 gols e sofreu 7. Ficou na posição.
  • Cruzeiro em 2020: 4 vitórias, 2 empates e 4 derrotas: 46,7%. 11 gols feitos e 12 sofridos. Atualmente está na 15ª posição.

Os dados já deixam claro. O Cruzeiro está em uma jornada muito ruim dentro de campo, isto é, excluindo a perda de 6 pontos, a Raposa ainda está fazendo a pior campanha de um grande time na Série B. Ironicamente, neste quesito está empatado com o seu maior rival, o Galo.

Os dois times mineiros conquistaram 14 nos primeiros 30 pontos disputados na Série B, aproveitamento de 46,7%, um número baixíssimo. Porém, o Atlético, mesmo iniciando mal, conseguiu emplacar uma ótima sequência e foi campeão da Série B, em 2006. A partir da 13ª rodada, o Galo venceu 17 partidas, empatou apenas 5 e perdeu só 4, ultrapassando todos os adversários e erguendo a taça. 

Outro ponto que chama a atenção é a defesa cruzeirense. A Raposa é o único time, deste recorte, que tem saldo negativo. O Cruzeiro fez 11 gols e sofreu 12, tendo assim, disparadamente, o pior início defensivo em comparação às grandes equipes.

No ataque, o Cruzeiro empata com o Vasco de 2009, que também iniciou a Série B fazendo apenas 11 gols nas primeiras 10 rodadas.  Vale ressaltar que a Raposa é a equipe que mais foi derrotada até a 10ª rodada, com 4 derrotas.

Os índices de aproveitamento de Corinthians, Botafogo e Palmeiras chamam atenção. Os dois paulistas e a equipe carioca começaram bem e, consequentemente, foram campeões.

O Vasco de 2016 é o inverso que os cruzeirenses almejam para o ano de 2020. O time carioca iniciou muito bem, com um aproveitamento excepcional – 76,7% – mas acabou indo muito mal na 2ª parte e quase não subiu. O torcedor do Cruzeiro espera que haja uma melhoria na 2ª metade do campeonato, indo no caminho contrário em relação ao Vasco.

O cruzeirense almeja retornar à elite, lugar de gigantes, como o Cruzeiro. O principal objetivo é este. O título seria uma consequência positiva. Analisando elencos e folha salarial, a Raposa é a favorita a ganhar a Série B. Entretanto dentro de campo não é visto este favoritismo.

Portanto, se faz necessário uma recuperação e uma evolução, a fim de promover a reconstrução, termo muito usados nas propagandas do “Novo Cruzeiro”, como é prometido pela diretoria.

O título está distante. Internacional e, por duas vezes, o Vasco retornaram sem a taça. Não é a melhor forma de voltar à elite, porém retornar é a única opção. Um gigante não pode acostumar e acomodar na Série B. Não é lugar dele. E está na hora dos jogadores entenderem isso.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários