Após acerto encaminhado, Sebastián Villa é recusado pelos atleticanos por causa necessária

Foto: AFP / JUAN MABROMATA)

Novamente a pressão da torcida do Atlético deu resultado. Desta vez com uma razão ainda mais necessária de ser debatida. Após se revoltarem pela possível contratação de Thiago Neves, os atleticanos voltaram às redes sociais para pedir que o ponta direita Sebastián Villa não fosse contratado.

A razão foi mais do que necessária. O colombiano Villa, acusado pela sua namorada, Daniela Cortés, por violência doméstica, está para ser julgado nos próximos meses, na Argentina. A vítima, que estava grávida, alegou perder o filho, devido as agressões do jogador do Boca Juniors.

A revolta dos atleticanos foi imediata. Após Igor Assunção, jornalista da rádio 98, comunicar que o Galo estava com acordo encaminhado com Villa, a torcida se mobilizou e protestou contra a chegada do habilidoso ponta.

Na manifestação por meio das redes sociais, os atleticanos fizeram questão de frisar que a equipe poderia estar fazendo com que um possível criminoso vestisse a camisa alvinegra.

Não é esse o perfil de jogadores que o Galo deve buscar. A ética e o respeito a todas as vítimas desse crime tão comum devem estar em 1º lugar. O Atlético não deve colocar um atleta em campo com essa suspeita.

Um jogador, ao vestir a camisa alvinegra, se torna um ídolo, um exemplo, uma referência. E uma pessoa que está sendo julgada por agredir à sua namorada não merece ter este posto.

É importante frisar que a instituição Atlético já esteve nesta luta contra a violência doméstica. Em março de 2018, a equipe mineira promoveu a campanha #NãoSeCale, que teve a participação de Maria da Penha, inspiradora da lei que leva o seu nome, após Maria ter ficado paraplégica em razão da violência sofrida em casa.

Após ver a grande manifestação dos torcedores, o presidente do Atlético fez questão de publicar em seu perfil oficial e anunciar que não contrataria um jogador deste perfil. Um posicionamento importante e necessário.

Sebastián Villa é um ponta rápido e habilidoso. Porém, os seus problemas extracampo impossibilitam qualquer análise futebolística. A causa para barrar a sua contratação é humana. A revolta é necessária. O futebol dá a voz ao problema social que, na maioria das vezes, é silenciada na própria sociedade.

O Galo pode até precisar de contratações. Mas não precisa de um jogador investigado por agredir a namorada. É preciso enxergar que a necessidade de justiça é maior que a necessidade de contar com mais um jogador no plantel. A torcida atleticana enxergou e fez o protesto necessário.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários