43 anos atrás nascia um ídolo cruzeirense: Alex, o Talento Azul

Foto: Acervo/Cruzeiro

O camisa 10 da tríplice coroa. Um dos maiores jogadores da história do Cruzeiro. Um atleta, que além de muita técnica, tem uma inteligência fora do normal.

Alexsandro de Souza, ou simplesmente Alex, é o grande personagem das conquistas do ano perfeito, 2003, e completa nesta segunda, 14 de setembro, 43 anos de pura inteligência, qualidade, carisma e domínio sobre a arte do futebol.

Alex nasceu em Curitiba, onde se profissionalizou e aposentou. Além do Coritiba e do Cruzeiro, o camisa 10 conseguiu ser ídolo em outros dois times: Palmeiras e Fenerbahçe. No time turco, por exemplo, Alex tem uma estátua em frente ao estádio e é sempre ovacionado pelos fãs.

Um jogador fora do comum. Um dos melhores da sua geração. Simples e craque. Alex é ídolo do Cruzeiro e, com certeza, um dos mais talentosos a jogar com a camisa azul celeste. O cruzeirense tem uma saudade diária de ver aquela “cabeça” pensante desfilando em campo.

43 anos de um atleta sobrenatural. Sua forma de jogo encantou até os rivais. Ele participou ativamente de um Palmeiras campeão da Libertadores, de um Cruzeiro que venceu 3 títulos no mesmo ano e encantou o Brasil e em um Fenerbahçe dominante no seu país. Alex é gigante.

Como falar de Alex e não lembrar dos 5 gols contra o Bahia, o golaço contra o São Caetano e o gol de letra na final da Copa do Brasil de 2003. O cruzeirense sonha em ter em seu atual elenco um jogador do calibre do “Talento Azul”, como era carinhosamente chamado.

Os principais gols de Alex com a camisa do Cruzeiro

Pelo gigante mineiro, Alex teve duas passagens. A 1ª foi mais apagada, até mesmo pelos problemas que o Cruzeiro enfrentava. Ele chegou a ser desligado da equipe, no fim de 2001, por telefone, algo que magoou muito Alex.

Porém, não havia rancor e 6 meses depois ele voltou para o Cruzeiro. E o seu retorno à Raposa reservava um momento especial para a carreira de Alex. Para muitos, o melhor momento do camisa 10 em solo brasileiro. Ele encantou todos os amantes de futebol com seu desempenho em Belo Horizonte.

Trajado de azul e branco, Alex fez 125 jogos e marcou 64 gols, média superior a 0,5 por jogo, algo impressionante para um jogador de armação. Destes 64 tentos, 10 foram de falta, especialidade do camisa 10.

A sua temporada mais especial no Brasil foi, com certeza, o ano mais vitorioso da história do Cruzeiro: 2003. Alex e companhia venceram todos os três títulos disputados: Campeonato Mineiro, Copa do Brasil e Brasileirão. Neste ano, Alex fez incríveis 39 gols, decidindo várias partidas com sua genialidade.

As atuações brilhantes de Alex guiaram o Cruzeiro ao feito até então inédito: a tríplice coroa, conquista que a Raposa se orgulha até os dias atuais. Não é sempre que uma equipe consegue vencer 3 títulos desta importância. Não é sempre que um time conta com Alex no elenco.

O Cruzeiro de Alex foi bicampeão estadual, em 2004, com o camisa 10 como artilheiro. Porém, no dia 19 de maio de 2004, Alex fez sua última partida pelo gigante mineiro. Ele foi negociado com o Fenerbahçe e encerrou seu ciclo maravilhoso pela Raposa.

Em muitos momentos até o encerramento da sua carreira, em 2014, a torcida cruzeirense pedia a volta do ídolo. Em 2012, Alex rescindiu com o time turco e o Twitter lotou de pedidos para o retorno do meio-campista. No entanto, a decisão da sua família em retornar a sua cidade natal, Curitiba, afastou o Talento Azul do Cruzeiro.

Os inúmeros agradecimentos do camisa 10 pelo carinho da torcida é uma prova ainda maior do tamanho de Alex. Ele nunca se esquecerá do Cruzeiro. E também, em nenhuma hipótese o torcedor da Raposa irá deixar de lado este ídolo.

Alex é gênio. Ele foi um jogador acima do normal e continua sendo um ser humano diferente. Homenageado em diversas vezes pelo Cruzeiro, Alex corresponde ao carinho. 30º maior artilheiro da história do clube, Alex sempre será lembrado pela sua forma de jogar e entender o futebol.

Alex é o jogador mais técnico que atuou no Cruzeiro no século. Ele era um artista dentro de campo. No seu aniversário, comemorado nesta segunda, o presente dos cruzeirenses para ele são as homenagens e agradecimentos. O torcedor sempre será grato por ter visto Alex em campo.

Ídolo. Craque. Camisa 10. Genial. Alex.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários