Atlético é derrotado pelo Internacional em atuação fraca

Reprodução Twitter

Faltou encaixes, criação e profundidade para o Atlético. Sobrou tranquilidade, boa administração do resultado e qualidade na defesa do Internacional. O Galo perde para o Colorado praticamente sem colocar o time adversário em perigo. Com gol marcado por Thiago Galhardo logo no início, aos 7, Internacional vence por 1 a 0 e assume a liderança. 

Mais uma vez o time atleticano não teve brilho para criar boas chances. Contra um adversário mais duro, ao comparar com o último rival, Botafogo, o Atlético não conseguiu criar boas jogadas e finalizou apenas uma vez dentro do gol, número baixíssimo para um time que almeja o título. O Atlético claramente sente falta do seu articulador Nathan. 

Já pelo lado gaúcho, um jogo exemplar. Mesmo sem a bola, o time soube administrar o resultado feito logo no início da partida e não sofreu. Com uma defesa bem postada, com destaque para os laterais Saravia e Moisés, o Colorado não deixou espaços para o time mineiro, que não teve criatividade para encontrar possíveis brechas. Na única brecha que a defesa do Atlético deu, o Internacional marcou.

Uma falha cedo. Um gol colorado. O Internacional atacou os 10 minutos iniciais, acertou o gol 3 vezes, abriu o placar e conseguiu se manter durante todo o jogo praticamente sem sofrer sustos. Os outros 80 minutos de jogo foram preenchidos por toques no meio-campo, e, por isso, o número baixo de finalizações: 17 tentativas no total, 6 do colorado e 11 do Atlético. 

No primeiro tempo, o Atlético teve 63% de posse de bola, mas apenas 2 finalizações e nenhuma no gol. Uma primeira etapa fraca do time que teve a bola, todavia não agrediu a meta adversária. A formação aparentemente estava até encaixada, os alas Arana e Mariano estavam sendo acionados, porém os erros individuais e a pouca inspiração deixaram o Atlético preso na marcação do time gaúcho. 

Já o Inter aproveitou o único momento que a defesa atleticana deu espaço. Logo aos 7 minutos, Thiago Galhardo toca para Patrick e recebe sozinho em frente a Rafael. O atacante colorado infiltrou em meio o trio de zagueiros atleticanos, precisamente entre Alonso e Réver. Galhardo marcou e colocou o 1 a 0 no placar.

Para a segunda parte, Sampaoli escolheu o estreante Eduardo Sasha e Marquinhos para entrarem em campo logo após o intervalo. Ambos entraram bem e o Atlético melhorou em campo. Aos 4, Marquinhos fez boa jogada da esquerda para o meio, tocou em Sasha. O recém chegado fez o pivô e abriu para Mariano. O lateral atleticano bateu firme, porém foi bloqueado por Patrick. 

A outra boa chance do Atlético aconteceu aos 25. Marquinhos escapou pela esquerda e cruzou. A defesa colorada fez o corte, mas a bola sobrou para Hyoran que dominou mal. O meio-campista ainda recuperou e chutou. A bola passou por Lomba, porém o zagueiro Zé Gabriel estava lá e cortou em cima da linha. No rebote Sasha tentou e a bola foi para fora. Esta foi a grande oportunidade do Atlético no jogo. 

Mas o ímpeto alvinegro acabou. O Internacional conseguiu encaixar a marcação novamente e não deixou o Atlético chegar. A entrada de Musto no lugar de Marcos Guilherme pode ter sido compreendida como uma escolha retranqueira, todavia foi muito importante para o Inter. O volante de confiança de Coudet entrou e ficou marcando com pressão a saída de bola atleticana, principalmente Allan, peça chave para dar ritmo ao jogo.

Sampaoli até que tentou colocar outras peças, como Savarino, Alan Franco e Bruno Silva. Não adiantou. O Galo não conseguiu furar o bloqueio colorado e saiu de campo derrotado. Keno e Hyoran, novamente, não fizeram uma boa partida. Sasha entrou se movimentando bem e quando estiver em boas condições físicas terá ainda mais minutos.

Uma atuação fraca. Apesar disso não é momento de crise, já que foram apenas dois tropeços e com certeza Sampaoli não ficou nada satisfeito com o desempenho nas últimas partidas. É possível observar que a formação não foi o ponto fraco da equipe. Há a possibilidade que seja repetido o esquema tático em outras partidas. 

A questão principal é o “enganche” do time. Com a lesão de Nathan, o Atlético perdeu o seu articulador e ainda não conseguiu encontrar o substituto dentro do elenco. Hyoran não está jogando bem. Alan Franco ainda está muito tímido. Juan Cazares não é nem considerado por Jorge Sampaoli. Com certeza, após essas duas derrotas, o treinador argentino vai pedir com maior urgência à Diretoria um meio-campista criador. E não há escolha. Se quer ser campeão, terá que ir ao mercado.

O Atlético volta a campo na próxima quarta-feira, 26, às 21:30, frente o Tombense, no Mineirão, em jogo válido pela 1ª partida da final do Campeonato Mineiro. No domingo haverá o jogo de volta da final.

Portanto, serão 12 dias sem Brasileirão e uma possibilidade de erguer uma taça. Uma boa oportunidade para recuperar a confiança e seguir em busca do objetivo da temporada: o Brasileirão. 

Números da partida
Internacional      Atlético-MG
33% Posse de bola 67%
6 Finalizações 11
3 Finalizações no gol 1
2 Escanteios 5
2  Impedimentos  1
20 Faltas 21
1 Grandes oportunidades 0
306 Passes 621
189(62%) Passes certos 502(81%)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários